O que pensaria Mário Covas sobre a eleição em São Paulo?

O que pensaria Mário Covas sobre a eleição em São Paulo?

Mário Covas era meu amigo. Ex-prefeito e ex-governador de São Paulo, avô de Bruno Covas, era um legítimo social-democrata, um político de esquerda, que combateu a ditadura militar desde o primeiro momento e liderou a dissidência do antigo PMDB, que deu origem ao PSDB, por razões éticas. Convivemos por mais de 40 anos nas muitas lutas pela redemocratização do país, onde Covas sempre esteve presente. Ele não era de ficar em cima do muro. Relacionadas Enquanto Argentina chora por Maradona,…

Leia Mais Leia Mais

Enquanto Argentina chora por Maradona, nós esquecemos de Mané Garrincha

Enquanto Argentina chora por Maradona, nós esquecemos de Mané Garrincha

Vendo e revendo os jogos e os gols de Maradona nas justas e comoventes homenagens que lhe foram prestadas em todo o mundo, no dia da sua morte, eu me lembrei de Manuel Francisco dos Santos, chamado de Garrincha e rebatizado por Nelson Rodrigues como o “anjo das pernas tortas”. Garrincha não era um anjo, longe disso, mas Maradona foi “Diós” para os argentinos, como o chamavam na intimidade. Relacionadas Cuba e Venezuela vêm anunciar que a campanha finalmente esquentou…

Leia Mais Leia Mais

Cuba e Venezuela vêm anunciar que a campanha finalmente esquentou em SP

Cuba e Venezuela vêm anunciar que a campanha finalmente esquentou em SP

Demorou, mas a campanha eleitoral em São Paulo esquentou na terça-feira (24), após a divulgação do novo Datafolha, que mostrou uma oscilação de Bruno Covas (PSDB) para baixo e de Guilherme Boulos (PSOL) para cima, diminuindo para dez pontos a diferença entre os dois candidatos. Há uma semana, Covas tinha 58% dos votos válidos, e Boulos, 42%. Agora, Covas caiu para 55% e Boulos subiu para 45%, dentro da margem de erro. Relacionadas Covas X Boulos: na reta final, a…

Leia Mais Leia Mais

Covas X Boulos: na reta final, a disputa entre a segurança e a esperança

Covas X Boulos: na reta final, a disputa entre a segurança e a esperança

Assisti na segunda-feira ao estranho debate do Roda Viva, em que não houve confronto entre os candidatos. Em blocos alternados, eles responderam a questionamentos da bancada. Não houve nenhuma grande novidade, mas algumas coisas me chamaram a atenção, a começar pela postura dos dois concorrentes, o que pode levar os eleitores ainda indecisos a escolher um deles. Relacionadas Linchamento no Carrefour não foi acidente de percurso: este é o novo normal Violência? Vandalismo? Os negros perderam a paciência, diz Douglas…

Leia Mais Leia Mais

Linchamento no Carrefour não foi acidente de percurso: este é o novo normal

Linchamento no Carrefour não foi acidente de percurso: este é o novo normal

No Mato Grosso do Sul, André Luiz Leonel Andrea, comandante do 3º Pelotão em Bodoquena, foi flagrado por câmeras de segurança dando chutes e socos numa mulher algemada dentro do quartel. Quatro civis e um PM assistiram à cena sem fazer nada. No Ceará, no dia da Consciência Negra, a Polícia Militar avançou com gás de pimenta e balas de borracha sobre um grupo de mulheres e militantes do movimento negro que protestavam em frente à Secretaria de Administração Penitenciária…

Leia Mais Leia Mais

Violência? Vandalismo? Os negros perderam a paciência, diz Douglas Belchior

Violência? Vandalismo? Os negros perderam a paciência, diz Douglas Belchior

O que é vandalismo num país que mata um jovem negro a cada 23 minutos? Por que há mais comoção com vidraças e prateleiras quebradas do que com os negros assassinados todos os dias? Albert Camus, filósofo franco-argelino, dizia que “a violência não é patrimônio dos exploradores. Os explorados também podem empregá-la”. E eu concordo com ele. Passou da hora de a população negra perder a paciência! (Professor Douglas Belchior, militante da Uneafro Brasil) *** A manifestação na avenida Paulista…

Leia Mais Leia Mais