Falta agora demitir quem nomeou o nazista Alvim para o governo

Falta agora demitir quem nomeou o nazista Alvim para o governo

De onde surgiu esse Roberto Alvim, nomeado por Jair Bolsonaro para a secretaria especial de Cultura, que virou uma subpasta do Ministério do Turismo, aquele do laranjal?

Ele não saiu do nada, não foi colocado lá pelos “comunistas”, não houve um engano de pessoa.

Era a pessoa certa, no lugar certo, para implantar os sinistros planos do governo para destruir a cultura nacional e acabar com a liberdade de expressão.

Não adianta nada demitir sumariamente esse sujeito travestido de Joseph Goebbels, o teórico do nazismo, se os outros todos, a começar pelo presidente e seus generais, pensam como ele.

Alvim apenas cometeu o crime de anunciar publicamente, com todas as letras, o ideário do governo para a cultura, gestado no laboratório de Olavo de Carvalho, o guru no neonazismo brasileiro que chegou ao poder.

Bolsonaro nem deve saber quem foi Goebbels, plagiado literalmente por Alvim, mas sabia exatamente o que o seu secretário pretendia fazer no cargo para o qual foi nomeado.

Em setembro, ele já tinha avisado o presidente que pretendia apresentar um “projeto gigantesco que vai gerar a partir de janeiro um bombardeio de arte conservadora no país”.

Foi exatamente isso que Alvim anunciou na noite de quinta-feira pelas redes sociais e Bolsonaro foi acordado hoje cedo com a violenta reação de toda a sociedade contra o atentado à democracia cometido pelo seu subordinado.

Vestido como Goebbels, falando como Goebbels, com o cabelo gomalinado igual ao de Goebbels, com uma ópera de Wagner ao fundo, o idiota repetiu literalmente as mesmas palavras do ministro da Propaganda do nazismo, e achava que ninguém iria perceber.

Goebbels: “A arte alemã da próxima década será heróica (…) ou então não será nada”.

Alvim: “A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional (…) ou então não será nada”.

Engraçado que ele fala sobre a “próxima década” como se o mandato de Bolsonaro fosse de dez anos. Hitler queria um Reich para dominar o mundo por mil anos.

Pego com a mão na botija, o agora ex-secretário botou a culpa nos assessores, que teriam feito “uma pesquisa no Google e deixaram umas frases para o discurso sobre a minha mesa”.

Vai ficar tudo por isso mesmo?

Se depender do deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), não vai.

“Pediremos o indiciamento deste senhor no crime de apologia ao nazismo. Roberto Alvim escancara o perfil neonazista do atual desgoverno que persegue quem pensa diferente e usa a cultura como ferramenta de difusão de uma ideologia racista, misógina, homofóbica e violenta”.

Pois foi exatamente para fazer isso que Bolsonaro nomeou Roberto Alvim, uma figura subalterna, praticamente desconhecida no meio cultural, um pistoleiro que chamou Fernanda Montenegro de “sórdida” antes assumir o cargo.

Deveria ter sido demitido ali mesmo, antes de preparar seu “projeto gigantesco”.

Para acalmar o Congresso, que se rebelou contra o “pronunciamento” de Alvim, o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos, avisou que o secretário seria demitido, antes mesmo que Bolsonaro se manifestasse.

“Alvim talvez não esteja bem da cabeça”, reagiu Olavo de Carvalho, depois que o estrago estava feito.

Até ele acha que seu discípulo exagerou…

E quem é que está bem de cabeça nesse governo de dementes e ignaros, recrutados no submundo das milícias virtuais, econômicas, clericais, jurídicas, culturais,  policiais e econômicas, tudo o que o país tem de pior?

Esse neonazismo enrustido que perdeu a modéstia, agora está mostrando as caras.

Vida que segue.

 

24 thoughts on “Falta agora demitir quem nomeou o nazista Alvim para o governo

  1. Nazismo+fascismo=bolsonarismo, essa ratazana saiu do esgoto pra espalhar a peste, e quem tem que eliminar o inominavel é quem colocou ele la. O unico são dessa quadrilha de milicianos é Adelio Bispo.

  2. Texto cirúrgico: não caiu pelas mãos do governo, mas pela das pressões externas ao governo, pois o governo sabe quem é esse tal plagiador que nem original consegue ser. Gente que tenha respeito a si próprio não entre para um tipo de equipe de desgoverno como esse. Lembrem-se da cena do tal cortando o cabelo quando grosseiramente desmarcou agenda com um diplomata francês. A pressão que fizeram contra esse coiso também deveria valer para o desgovernante que deixou o país à deriva a exemplo da desnecessária grosseria com um jornalista que perguntou sobre o secretário da secom que tem relacoes comerciais com emissoras que recebem dinheiro de publicidade do governo federal. Lula acabou com as filas no INSS e esse desgoverno a retoma de propósito e por incompetência já no 1º ano. Atraso nas análises de benefícios é pra fazer caixa e dizer que a economia vai bem. Ver se atrasam os soldos, as pensões no legislativo, no judiciário.

  3. Amigo Kotscho

    Joseph Goebbels era ministro da Propaganda Nazista de Adolph Hitler.

    Roberto Alvim era secretário especial de Cultura de Jair Bolsonaro.

    Qualquer semelhança é mera coincidência.

    Patética foi a atitude do Jornal Hoje, da TV Globo, ao escalar a jornalista Délis Ortiz para ler a falsa nota do capitão justificando a demissão do colaborador.

    A reação sobre a inqualificável (ou previsível) ação de Alvim foi geral. Não tinha como não demitir.

    Na maior cara de pau, o capitão escreveu (ou escreveram) que mantém “repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas”.

    Capitão, apologia ao nazismo é crime e não “pronunciamento infeliz”.

    Apertem o cinto, moçada, que o Brazilian Air Force One está desgovernado.
    Ulisses de Souza

  4. Impressionante a capacidade deste governo de encontrar estas “perolas” para nomear aos cargos de governo. Será que o queixo do Bolsonaro é tão duro assim que sua assessoria não consegue ao menos fazer um filtro do nome do indicado?
    Mas nada que está ruim não pode piorar… é só aguardar o nome do substituto que pode azedar ainda mais.

      1. Menos mau, ao menos aparenta ter mais cultura e jogo de cintura para conduzir o negocio, embora a ala esquerda torce o nariz para ela, por ter participado de atos de apoio ao governo atual e contra a gestão do PT. As melancias se acomodam com o andar do caminhão.

        1. Todos tem grande margem de respeito pela atriz pelos notáveis serviços prestados ao entretenimento dos tupiniquins em geral.
          A namoradinha deve estar ouvindo muitas e diversas coisas nos seus ‘zuvido desde ante ontem. Gilberto Gil por ex. que já esteve lá.
          Creio que a maioria dizendo: não entra nessa, Porcina, que é gelada.
          Masporem ela é firme nas suas convicções.
          Suas primeiras palavras ao aceitar o cargo seriam (no condicional, pois sim!): “Eu não tenho medo!!!”

  5. Kotscho, foi na hebraica em SP que a comunidade judaica bateu palmas quando o inominavel declarou que negros e quilombolas eram pesados em arroba, e nao serviam nem pra procriar. Foi no Acre que o inominavel foi aplaudido pela milicia quando declarou que ia fuzilar toda petralhada. Quem sabe agora que a ignominia bateu nos brancos de olhos azuis, eles se deem conta do que fizeram com o Pais.

  6. Os uivos de “nonsense” estão só começando.
    A mídia grande esmera-se na profilaxia noticiosa para descolar o núcleo duro neonazista e neofscista do ministro da “nova cultura” originária da “nova política”.

  7. 1) Mestre, Roberto Alvim não é o problema, quanto mais nazista real. Trata-se apenas de um aproveitador de situações na seara da cultura, que não soube dosar a esperteza de fazer o discurso que os adoradores da barbárie no poder apreciam, de forma a não ultrapassar os limites e, pior, se em tempo ainda inadequado.
    * Definitivamente não foi Alvim quem, em 1999, em programa de TV, declarou: “Eu sou favorável à tortura, tu sabe disso” e à rádio JP, em 2016, que “O erro da ditadura foi torturar e não matar”.
    * Não foi Alvim quem, em entrevista a Band, em 1999, pelo fato de Chico Lopes ficar calado na CPI dos Bancos, declarou: “Ele merecia isso: pau-de-arara. Funciona. Eu sou favorável à tortura. Tu sabe disso. E o povo é favorável a isso também.”
    * Quem, a respeito de fechar o congresso, em entrevista a Band, em junho de 1999, respondeu: “Não há a menor dúvida. Daria golpe no mesmo dia. No mesmo dia! […] O Congresso hoje em dia não serve para nada.”
    * Quem, na mídia declarou: “violência se combate com mais violência”, “policial que não mata não é policial”, “a polícia brasileira tinha que matar é mais” e “Morreram poucos. A PM tinha que ter matado mil (sobre o massacre do Carandiru, em 1992).

  8. 2 – Não foi Alvim quem, em 2015, referindo-se aos haitianos, senegaleses, bolivianos, sírios, etc., declarou: “A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problema demais para resolver.”
    * Quem, no ‘Domingão da Vergonha’, em abril de 2016, berrou ao votar: “Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff […] o meu voto é sim”, homenageando o torturador mor, na ditadura militar.
    * Quem, na Paraíba, em fevereiro de 2017, em vídeo gravado no You Tube, declarou: “Somos um país cristão. Não existe essa historinha de Estado laico, não. O Estado é cristão. Vamos fazer o Brasil para as maiorias. As minorias têm que se curvar às maiorias. As minorias se adequam ou simplesmente desaparecem.”
    * Quem, em palestra no Hebraica, em abril de 2017, declarou: “Eu fui num quilombola em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais.”
    * Quem, em campanha no Acre, em setembro de 2018, brandindo o tripé de uma câmera de vídeo, como se fosse um fuzil a disparar, declarou: “Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre. Vou botar esses picaretas para correr do Acre. Já que gosta tanto da Venezuela, essa turma tem que ir para lá”.

  9. 3 – Não foi Alvim quem, referindo-se aos petistas, em outubro de 2018, em discurso uma semana antes da eleição, prometeu: “Vocês verão uma polícia militar e civil com retaguarda jurídica para fazer valer a lei do lobo de vocês. Bandido do MST, bandido do MTST, as ações de vocês serão tipificadas como terrorismo, vocês não levarão mais o terror ao campo ou a cidade. Ou vocês se enquadram e se submetem as leis ou vão fazer companhia ao cachaceiro lá em Curitiba.”
    (…) “Seu Lula da Silva se você estava esperando o Haddad ser presidente você vai apodrecer na cadeia. Brevemente terá Lindbergh Farias pra jogar dominó no xadrez. Aguarde, o Haddad chegará aí também. Mas não será para visitá-lo não, será para ficar alguns anos ao seu lado. Já que vocês se amam tanto, vocês vão apodrecer na cadeia. Porque lugar de bandido que rouba o povo é atrás das grades.”
    (…) “Petralhada, vai tudo vocês para ponta da praia. Vocês não terão mais vez na nossa pátria… Será uma limpeza nunca vista na história do Brasil.”
    * Quem, em 2019, declarou: “Se o presidente da OAB quiser saber como o pai desapareceu na ditadura militar, eu conto pra ele.”
    * Quem, em sua live, ontem, 16/01/20, ‘lacrou’: “Agora temos sim um secretário de Cultura de verdade, que atende o interesse da maioria da população brasileira, a população conservadora e cristã.”

  10. Não há mais como negar, o caráter nazi-fascista-criminoso deste governo. Alvim só caiu pelas pressões que vierem de todos os lados. Horas antes, era elogiado pelo Abominável. O nazismo, no governo Boçalnaro, continua.

  11. Prezado Kotscho: Pode ter certeza que o secretário foi demitido a contragosto pelo capitão-presidente e se ele “sabia exatamente o que o seu secretário pretendia fazer no cargo para o qual foi nomeado” e somente isso não for o suficiente para a abertura de um processo de impeachment, não dá para acreditar em mais nada. Será que ninguém ou alguma organização social vai dar entrada nesse pedido no Congresso? Já não está passando da hora? “Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer.” (Mahatma Gandhi).

  12. “Sempre que ouço a palavra cultura, tenho vontade de sacar minha Lugger” (Frase dita por um personagem de uma peça escrita por Hanns Johst, poeta e dramaturgo alemão simpatizante do Nacional Socialismo e que o chefe da Gestapo Herman Goering usava com frequência. O mais provável é que Johst tenha criado o personagem para confirmar a vontade dos nazistas de “matar a cultura”.
    “Da minha parte, cada vez que ouço a palavra revólver, me dá uma vontade enorme de puxar minha cultura” (Royalties para o blogueiro (Royalties para o blogueiro Bruggemann).

  13. Mas o cabra dos oito mandatos de deputado do incontido ócio, continuava mantendo o Alvim no cargo. Não fossem as pressões não teria ocorrido a demissão do ministro.

  14. Essa hiena miliciana, conhecida como jair, é um posso de ignorância, “a mãe de todos os males”, a criatura não sabe o que é nazismo, o que é fascismo, o que é comunismo, catolicismo, evanjegues, etc. Deve ter passado por muita pobreza, um pai garimpeiro, como a maioria dos policiais e militares, só pensava em sair daquela situação, de preferência sem estudar. Só pensa em se dar bem. Ele saiu da pobreza mas a pobreza não saiu dele. Só que ele tem muitos neurônios a menos, uma certa deficiência, ele e quemo segue. Ele apenas obedece ordens. Não há ideologia. E nós pagamos por isso.
    Agora a esquerda e oposição que deveriam estar agindo, se tornaram galãs de youtube, entretendo e/ou alienando o povão que deveriam estar nas ruas protestando, faz parte do papel do youtube. Além disso, aquele canalha, ladrão, o edir macedo, está ocupando espaço. Hipnotizando os ignorantes. Precisamos de um líder para nos tirar dessa situação.

  15. E quem terá culhões para tirar de lá aquele que derrotou Lula, Ciro Gomes e poste ? Os corruptos esquerdista ou os esquerdistas complacente com a corrupção do Petê? Não tiveram culhões para irem às ruas em defesa de Dilma. Não terão culhões para sair às ruas contra Bolsonaro !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *