Está caindo a casa dos Bolsonaros: será que agora Queiroz vai falar?

Está caindo a casa dos Bolsonaros: será que agora Queiroz vai falar?

A devassa desencadeada esta manhã pelo Ministério Público do Rio, contra a família Bolsonaro e assessores do clã, explica o nervosismo do presidente nos últimos dias, assustado com as investigações sobre “rachadinhas” e o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

O próprio Bolsonaro, em suas declarações semana passada no cercadinho do Alvorada, antecipou que novas denúncias viriam e acusou o governador do Rio, Wilson Witzel, de estar por trás da operação.

As primeiras denúncias contra Fabrício Queiroz, ex-PM que é motorista, segurança, faz-tudo e caixa da família, surgiram há 14 meses, tempo em que ele está desaparecido para tratar de um câncer em São Paulo.

O esquema foi descoberto pelo Coaf, sigla que até mudou de ministério e de letras nesse meio tempo, mas as investigações foram suspensas pelo presidente do STF, Dias Toffoli, atendendo a um pedido do filho 01 Flávio Bolsonaro, que chefiou Queiroz de 2007 a 2018.

Velho amigo do capitão Jair Bolsonaro desde os tempos de quartel, Queiroz virou uma lenda urbana antes da posse do clã e ganhou mais notoriedade quando a polícia carioca começou a investigar suas ligações com os milicianos acusados de executar Marielle.

A Operação de hoje do MP, que já estava planejada há seis meses, e só foi possível agora, depois do STF derrubar a liminar de Toffoli, está baseada nas “rachadinhas” no gabinete de Flávio, em que funcionários fantasmas devolviam parte do salário ao gabinete.

Mas, se e quando Queiroz for ouvido, ele terá muito mais a explicar sobre o submundo político-miliciano em que os Bolsonaros se meteram no Rio antes de chegar ao Palácio do Planalto.

Queiroz é peça-chave nesse esquema e, se resolver fazer delação, o que eu duvido muito, pode derrubar a casa de uma vez.

Só que nestes 14 meses passados, já deu mais do que tempo para ele sumir com todas as provas.

A polícia poderia começar perguntando quem paga o tratamento contra o câncer que Queiroz está fazendo no Hospital Albert Einstein, o mais caro do país.

Seria uma boa pista para chegar a quem interessa manter o silêncio do ex-assessor, fisgado pelo antigo Coaf com uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhões. .

Agentes foram a endereços de Queiroz e seus parentes no Rio (ele estava em São Paulo na última vez em que foi visto) e de outros assessores do hoje senador Flávio Bolsonaro.

Entre eles, estão nove parentes de Ana Siqueira da Rocha Valle, ex-mulher de Bolsonaro e mãe do seu filho Jair Renan, que moram em Resende, no sul do estado do Rio, e recebiam salários na Assembléia Legislativa.

Foram recolhidos documentos e celulares na casa de alguns dos investigados.

No total, eles cumprem 24 mandados de busca e apreensão. São investigados crimes de peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

Em outubro, mensagens reveladas pela Folha já mostravam a preocupação de Queiroz com as investigações do Ministério Público.

“Eu não vejo ninguém mover nada para tentar me ajudar aí. Ver e tal… É só porrada. O MP tá com uma pica do tamanho de um cometa para enterrar na gente”.

Vida que segue.

 

11 thoughts on “Está caindo a casa dos Bolsonaros: será que agora Queiroz vai falar?

  1. Tomara.
    A midia é cúmplice proposital do presidente do Milicianistão. (as criticas são pontuais e pra ingles ver)
    Pelo motivo simples de que a Midia não existe por si mesma: é apenas a caixa de ressonância – dos outros.
    E os outros são precisamente os que AINDA tem muito a receber, via Guedes, do miliciano.
    E via morte não-tão-lenta mas sempre segura dos trabalhadores, negros, indios e pobres.
    Minhas projeçoes para a frente mostram – se nao houver um tsunami social ou crise dessas de devastar contas bancarias – para um quarto de século de miseria social, sofrimento próprio ou do vizinho. (antes de uma melhora)
    Não condeno em absoluto aqueles que estão aconselhando a suas crias ou netos a preparar seus saberes e passaportes – rumo ao aeroporto e em definitivo.

  2. Esta ai uma prova cabal de que a Policia Federal e Ministério Publico vem há muito tempo cumprindo sua missão, seja lá com quem for.E é muito bom que seja assim mesmo, ainda que os investigados sejam filhos ou parentes de Presidente ou ex-presidente, deputados, governadores ou ex governadores. Vejam voces o sofrido povo da Paraiba, estado paupérrimo, mas seus governantes conseguem desviar milhões e milhões das verbas de saude e educação. Agora que a casa está caindo, é delação para todos os lados. Mas logo logo, entram em campo os Gilmares, os Toffolis e os Lewandoskis e empurram todos para baixo do tapete.
    Agora para completar, só está mesmo faltando a este blog fazer uma bela matéria sobre os filhos do LULA, que também e a bola da vez nos acertos das falcatruas.
    Hoje aqui foi muito rápido com este post (e é assim mesmo que tem que ser) mas também precisa ter a mesma precisão quando se tratar dos filhos dos amigos, afinal, todos tem o mesmo sobrenome: Bandidos dos recursos publicos

  3. Somente os crédulos e Cândidos supõem algum desdobramento conseqüente para a sujeição do clã ao “Império da Lei”.
    A operação é conduzida pelo mesmo MP que jamais chegou a lugar algum no Caso “Marielle e Anderson”.
    Algum miliciano ou paramilitar será responsabilizado para inglês ver, até porque o clã presidencial – cercado de militares e milicianos como um todo dispõe -, dispõe de foro privilegiado e da sustentação necessária do empresariado urbano e rural. Sem falar no PGR escolhido a dedo pelo “messias”, fora da lista tríplice desmoralizada por Janot.

  4. Kotscho, se Queiroz delatar, Bozo dirá que ele é um mentiroso, que, contra todos os fatos e evidências não gozava de sua confiança, que delata sem provas para obter benefícios da justiça. Os bolsominions acreditarão. O método já foi testado e aprovado por Lula no caso das delações de Palocci. Para devotos de qualquer messias funciona com perfeição.

  5. Não entendi, caro Kotscho. Se você não acredita que o Queiroz vá delatar, então a casinha lá dos Bolsonaros vai continuar tão sólida como sempre.Quando desmoronar e se desmoronar algum dia, teremos cumprido novos 21 anos, agora de Democracia Financeira, após saudosos 21 anos de Democracia Castrense.

  6. Amigo Kotscho

    Fabrício Queiroz, ex-PM, motorista e segurança do clã do capitão, sabe o que é alcaguetar um companheiro de crime.
    Os milicianos não perdoam. Por isso, não temem qualquer pressão sobre a pessoa chave, a testemunha fatal, que significa um depoimento verdade de Queiroz.
    O valor dele pode ser medido pelo custo do tratamento de um câncer a que é submetido no Hospital Albert Einstein. Não há “rachadinha” sobre “rachadinha” que possa saciar o apetite nosocomial, infecção financeira que só tem cura na boca do caixa.
    Quem está pagando essa conta?
    O Ministério Público do Rio, se estivesse disposto a levantar a verdade sobre a vida pregressa do clã, teria agido antes de o STF impedir as investigações.
    Agora, Inês é morta, como se diz.
    As provas pereceram no tempo.
    Queiroz, se detido para falar, está mais para “martyria”, que, na Igreja Católica, representa o testemunho de fidelidade a Cristo.
    Na linguagem miliciana, Queiróz é o próprio bom cabrito, que nunca vai berrar.
    Por mais que o MP esteja com a “pica grossa para enterrar na gente”, como desabafou o bom cabrito, companheiro é companheiro…
    E companheiros de quartel possuem segredos bizarros!

    Ulisses de Souza

  7. “… O MP tá com uma pica do tamanho de um cometa para enterrar na gente”. E tem mesmo! Esta frase tem seu valor, porque na hora do pega pra capar – ou enterrar – é o Queiroz e seus súditos que vão ver o tamanho da dita cuja. Será o famoso salve-se quem puder.,, se não queimarem os arquivos. Finalmente uma luz no final do túnel e parece que não é o trem ao contrário!

  8. Será que irá delatar com o risco de vida que corre. O miliciano sabe muito bem os métodos usados por esse grupo. Isso também pode ser uma desculpa para dizer que a justiça funciona para todos em nosso país.

  9. Mestre, enquanto ‘uns’ nesse post tentam tapar a seletividade criminosa da justiça lavajateira com a peneira da desinformação ou junto misturar suas sujeiras no liquidificador da operação suja, com que diz respeito a PT e Lula, sua parceira de crime, o monopólio da mídia, lança moda no mundo da informação com os fatos ‘oak-bonsai’, os que repercutem de forma, gigantesca, imensa, frondosa, quando insinuam o inimigo a ser combatido culpado e de forma, liliputiana, diminuta, encolhida, algum tempo depois, quando o inimigo combatido inocentado. Os bonsai da semana:
    “Lava Jato admite Lula e Dilma inocentes e não irá recorrer de absolvições do ‘quadrilhão’ – MPF decidiu não recorrer da sentença do juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal de Brasília, que inocentou ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff da acusação de integrarem organização criminosa.”
    “Justiça rejeita ação de improbidade contra Fernando Haddad – O ex-prefeito de São Paulo teve ação de improbidade ajuizada pelo MPSP rejeitada pelo juiz Thiago Baldani Gomes De Filippo. A denúncia do MPSP se baseava na deleção premiada do ex-presidente da UTC Ricardo Pessoa, que afirmou ter pagado dívidas da campanha à prefeitura de São Paulo de Haddad.”
    “Presidente do BNDES diz que não há mais nada a esclarecer sobre o processo de ‘abertura da Caixa Preta’ na instituição – Nessa quarta afirmou: “Hoje entendemos que não há mais nenhum evento que requeira esclarecimento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *