Hospício Brasil: ineptos, canalhas, boçais e vingativos engordam o governo da morte

Hospício Brasil: ineptos, canalhas, boçais e vingativos engordam o governo da morte

Faltam-me adjetivos para definir o que sinto ao ver e ouvir essa gente que assumiu o governo como se fosse um exército de ocupação disposto a rifar e destruir tudo o que construímos antes.

À imagem e semelhança de seu chefe, pousaram no ministério e nos diferentes escalões de poder exemplares de tudo o que o país tem de pior, uma gente ressentida, frustrada e rancorosa, que quer se vingar de tudo e de todos.

Basta olhar para a cara deles, reparar nos seus gestos. Não são pessoais normais com quem você possa conversar numa mesa de bar sem correr o risco de levar um tiro pelas costas.

Saídos das catacumbas da ditadura, vivem de fazer ameaças e agora as agressões ao vernáculo e ao bom senso estão saindo das redes sociais para as vias de fato.

São tantos os casos de violência gratuita, de ministros a guardas de esquina e milicianos, que já nem dá tempo de registrar tudo o que vem acontecendo.

Nesta quarta-feira, um apoiador de “Bolsonaro 17” nas milícias virtuais matou a socos e pontapés um cidadão apenas por divergir das suas posições políticas.

Aconteceu em Balneário Camboriú, Santa Catarina.

Segundo a revista Fórum, em matéria reproduzida no portal Brasil 247, o troglodita bolsominion Fábio Leandro Schwindlein, de 44 anos, avançou sobre o idoso Antônio Carlos Rodrigues Furtado, de 61 anos, por divergir das suas posições políticas.

Furtado era um homem de esquerda, conhecido e respeitado na cidade. O assassino resolveu cortar o mal pela raiz, como pregam os defensores da “exclusão de ilicitude”, que querem adotar a pena de morte na prática.

Parece inesgotável o estoque de idiotas recrutados a cada dia pelo governo demente para implantar o fascismo em todas as áreas da vida nacional.

Esta semana, o novo chefe da Secretaria de Cultura, um celerado chamado Roberto Alvim, contribuiu com duas nomeações inacreditáveis, que só podem ser vistas como uma provocação ao setor.

Para a Fundação Nacional Palmares, criado para defender os valores e a influência negra na sociedade, nomeou um negro racista, o jornalista Sérgio de Camargo, que já disse ter “vergonha e asco da negrada militante” e prometeu se nortear pelos “princípios que conduzem o governo Bolsonaro”.

Camargo, um ilustre desconhecido, acha que “a escravidão foi benéfica para os descendentes dos africanos” e já atacou lideranças e artistas ligados ao movimento negro.

Sem nenhuma ligação com cinema ou televisão, uma certa Katiane Gouvêa foi nomeada para a Secretaria do Audiovisual, como representante da Cúpula Conservadora das Américas, uma das fornecedoras de mão de obra desqualificada para o governo.

Antes de ser nomeada, Gouvêa fez várias reuniões na Ancine e chegou à conclusão que “todos lá são comunistas”. Prometeu cumprir uma “missão cristã”.

Os dois fazem parte do exército que Roberto Alvim está formando para desencadear uma “guerra cultural”.

Nas muitas guerras em que Jair Bolsonaro já meteu o país, a Cultura é um alvo preferencial e deve ter o mesmo tratamento dado ao Meio Ambiente pelo alucinado Ricardo Salles, que só não rasga dinheiro, e à Educação, entregue ao inqualificável Abraham Weintraub.

Do jeito que as coisas avançam rumo ao fascismo tropical, ainda vamos ter saudades de 2019.

Vida que segue.

 

28 thoughts on “Hospício Brasil: ineptos, canalhas, boçais e vingativos engordam o governo da morte

  1. Continuam vendo “coisas”-, certamente é porque esse governo está mesmo é dando certo. É muito difícil fazer o prejulgamento dum mandato que está apenas começando; só tem um aninho apenas. Se combate um mal é pela raiz, /tem que saber realmente de fato é quem o começou. Bolsonaro é que não foi. É preciso destruir as gaiolas ideológicas, nem que seja com algum sacrifício.

      1. Tem sentido, Zé: – se o Tião entrar numa gaiola ideológica, como muitos aí, não vai demorar procurar emprego num blog esquerdista. De repente, a Gestapo renasceu e ninguém tá sabendo. “Não fique desculpando seus defeitos, procure corrigi-los”. (Dom Bosco).

    1. Tião,
      Quero ver quando estiveres numa gaiola de verdade sendo torturado e não numa “gaiola ideológica”.
      Custa crer que ainda existam defensores dessa besta-fera que vocês colocaram no poder. A história fará o julgamento e vocês terão que conviver com a culpa por esse ato insano.
      Nos vemos no futuro: eu com a consciência em paz, vocês torturados pela culpa.

  2. A escalada da violência congênita ao projeto autoritário de poder prometida pela Aliança pelo Brasil sob o talante da extrema direita já dá sinais destrutivos do que virá com a máxima polarização nas eleições municipais.
    Basta imaginar o que serão os embates nas cidades tuteladas pelas milícias armadas, sem falar nas matilhas raivosas espalhadas em busca de eleger a qualquer preço suas bancadas de vereadores e prefeitos comprometidos com a reeleição do clã presidencial cercado de militares e milicianos pretorianos regiamente remunerados e privilegiados com a “nova previdência” das FFAA.

  3. Mas tem gente ainda no PSDB que insiste em ver um núcleo de racionalidade no governo Bolsonaro: justamente em Guedes, como “José Alfredo Martínez de Hoz”, e em Moro, como “Rudolph William Louis Giuliani”.
    Aqui, Obama seria acusado e condenado por inimigos políticos togados, não seria no fim das contas considerado americano. Sentença: pedalada cartorial. Aqui, o partido da social democracia sente uma atração irresistível pelo ultraliberalismo guedista; talvez no abandono completo do seu ideário partidário original o Posto Ipiranga surja para certos tucanos como dando conta de uma lição de casa incompleta, algo que finalmente um amigo inescrupuloso do fim do estado se encarregou de fazer. Uma atração inconfessa também pela capacidade alheia de destruição do PT, coisa que o aliado jurídico maior do bolsonarismo, antes mesmo da eleição, conseguiu fazer sob a aparência sedutora de uma tramitação processual independente.
    O PSDB precisa acordar e descobrir o seu aliado autêntico na civilização comum que todas deixamos escapar!!

  4. Prezado Kotscho: É verdade existe mesmo “uma gente ressentida, frustrada e rancorosa, que quer se vingar de tudo e de todos” na espreita em cada esquina pronta para dar o bote. E esse governo fascista fica incentivando o ódio através dos seus nomeados. “Penso que o ódio é um sentimento que só pode existir na ausência da inteligência. Os bons médicos não odeiam os seus doentes.” (Tennessee Williams).

  5. É uma perspectiva assusta mesmo: um homem que foi capaz de escolher uma Damaris, dois sabe-nada na Educação, um neonazista afro na F Palmares,
    um tosco chanceler ainda preso á guerra fria e muitos etcéteras : do que não será capaz, até onde poderá ir, quando tiver que nomear um ministro do STF? Alguem com poder real nas mãos, intocável e praticamente irremovível?
    O que nós brasileiros fizemos em 2018, será lembrado na certa por muito tempo e da forma mais dolorosa possivel.

  6. Mas o Bolsonaro mandou matar os petistas e só agora, quase um ano depois, começaram a obedecê-lo? Não se fazem mais líderes fascistas como antigamente.

    Quanto ao trágico fato, é bom ver o que se diz fora da sub-imprensa partidária. A discussão sobre política não é única, mas uma das hipóteses para o início da briga. E esta foi certamente decisiva para a morte do cidadão, mas não porque ele foi massacrado a pontapés ou algo parecido, e sim porque sofreu um ataque cardíaco.

  7. Tempos Modernos:
    “…é tanto mal cheiro
    aguçando nosso faro,
    depois de Lula frito
    engolir o Bolsonaro?”
    “Quem cria fama
    deita-se na cama,
    uma coisa boa
    são duas primeiras damas,
    Temer tinha Marcela
    mas não quis a mala,
    mandou um Rocha alhures
    à Camelo despachá-la
    Bolsonaro tem Michelle
    de “tomara-que-caia”
    ela boa de línguas
    ele de Rabo de saia,
    e que dizer desse Congresso,
    debaixo de Lava Jato?
    Eunicios & Oliveiras
    vão ter que pagar o pato,
    não o da FIESP desse tal
    de Paulo Skaff
    um pato à Califórnia
    frito em panela-de-aço
    todo mundo na janela
    no mesmo compasso:
    “Época de M…*
    Temos que temer
    do Oiapoque ao Chuí
    Nós vamo é si f*!”

  8. Ufa, Mestre, são tantas emoções!
    Lembra, a pós-verdade, o domingão sangrento, Temer, as fake news, o outubro olavoliva, o embaixapeiro e o ora inacreditável excludente de ilicitude?
    E o governo liberal que tabela juros de cheque especial, o miliciano que coloca negro racista, avesso a Zumbi, na direção da Palmares e o surreal jogral TRF-4, sob batuta do russo, a desafiar o coro do STF com federal diarreia jurídica. A propósito:
    “Sabe essas noites que você sai caminhando sozinho?
    De madrugada, com a mão no bolso (Na rua)
    E você fica pensando naquele Brasil
    Você fica torcendo e querendo que ele tivesse
    (Na boa)
    Aí finalmente você encontra o ponto de encontro
    Que felicidade (que felicidade)
    Você se convida pra sentar (muito obrigado)
    Garçom uma cerveja (Só tem chope)
    Desce dois, desce mais
    A fome, pede uma porção de batata frita
    OK você venceu, batata frita
    Ai blá blá blá blá blá blá blá blá blá
    Ti ti ti ti ti ti ti ti ti
    Você diz pra turma
    Tá tudo muito bom (bom)
    Tá tudo muito bem (bem)
    Mas, realmente, Mas, realmente
    Eu preferia que o Brasil não estivesse tão nu…
    Mas de repente a ‘gente de bem’ enlouqueceu
    Ai nós dizíamos que eram eles
    Eles diziam que éramos nós
    E ninguém soube decifrar…” – (adaptado Blitz).
    É, foi isso que se disse, antes da conta, lá pelas tantas, se fechar, enquanto DiCaprio ‘tocava fogo na Amazônia’ e o Capetão, balas & loucuras, no Brasil.

  9. O governo do Bolsonaro consegue se superar e surpreender negativamente a cada dia que passa, nomeando pessoas que parecem que vieram do outro mundo. Após um começo onde militares conceituados e capacitados (A DESPEITO DE MUITOS) ocuparam cargos de relevância e aos poucos foram saindo fora dado ao desvio de conduta do presidente , agora vem com personalidades que em qualidade rivalizam com o estoque de ex-bancários (que pouco trabalharam na vida) e ganharam vistosos ministérios nos governos petistas. O fim deles todos ja conhecemos e é o que pode ser o fim destes também.
    Os brasileiros não merecem o que ja passou e o que está vindo agora.

  10. “Com a desculpa de se afastar da calmaria, Cabral acabou descobrindo a Confusão”.
    (Stanislaw Ponte Preta)

    “A maior inflação nacional é a de estupidez”.
    (Tristão de Athayde, o Alceu de Amoroso Lima)

    “Um povo que precisa de um salvador não merece ser salvo”.
    (Millôr Fernandes)

    Três ilustres brasileiros incisivos sobre a realidade brasileira.

  11. Prezado Kotscho: Ouvi dizer que essa foi a última Black Friday aqui na terra do pau brasil. Por determinação do anticristo jabuticaba, e em nome da supremacia branca, em 2020 será a White Friday. Será verdade? Afinal, a negada aqui (e lá fora) tem que parar de incomodar. “Quando falamos da história do povo negro, sempre nos lembramos da violência inenarrável da escravidão, mas não devemos nos esquecer de que nas lutas pela sobrevivência e pela superação da violência sempre estiveram presentes a criação de alegria, de beleza e de prazer”. (Angela Davis).

  12. Se pelo lado da política a coisa anda de mal para pior com a nomeação de personalidades bocais, de outro, A JUSTIÇA teve uma semana de glória digna de um Flamengo: duas vitórias importantíssimas em apenas 24 horas
    Primeiro foi o TRF 4 que deu uma lição descomunal no STF, mandando às favas os obstáculos colicadis por Toffoli e seus seguidores maléficos. Disserem alto e bom som que juiz não tem bola de cristal para saber antecipadamente o que Toffoli vai decidir e que decisões do STF vale daqui para frente e não retroativamente
    De quebra refutou todas as redes da defesa do Lula e ainda aumentou a pena a ele imposta Uma verdadeira lição de independência e não servidão ao Supremo
    Em seguida, foi os próprios ministros do STF que impuseram ao Tofolli os limites do aceitável em seus malfeitos junto com Gilmar, sob encomenda dos poderosos
    Até ele mesmo teve que se curvar e voltar atrás do que havia dito e feito, para não ficar na humilhação
    Ainda temos juízes que não se curvam aos que pensam que tudo pode

  13. Amigo Kotscho,
    Milícias à parte, brutaminions bombados e assassinos à parte, vingativos à parte; me atrai essa situação de hospício, palavra sempre atrelada aos loucos.
    Os manicômios foram substituídos por leitos de hospitais psiquiátricos.
    Leitos, sempre restritos, é uma questão de saúde. Nunca será solução.
    Não há local para enfiar os idiotas que marcham como saci-pererê, apenas com o pé direito.
    Os líderes do besteirol, agrupados em ministérios, afloraram de uma parcela da população, enrustida, que achou o profeta que vai levá-la à terra prometida.
    Essa parte desarmariada do baú da ignorância seguirá com certeza seu líder na travessia e abertura do mar Atlântico, com ou sem petróleo.
    Não há solução. Nas Câmaras Municipais, Assembleias, Congressos, Executivos, encontramos políticos que exaltam a imbecilidade eleita.
    Cito um exemplo. Na minha bucólica Rancharia, prefeito e presidente da Câmara levaram o engenheiro para ver o local escolhido para perfurar um poço.
    Ficava na parte mais baixa da cidade, porque os agentes políticos achavam que encontrariam água com rapidez e economia.
    No local, o engenheiro ponderou:
    – Não dá por causa da lei da gravidade (a caixa d’água-mãe fica no espigão da cidade).
    – Não tem problema, faço um projeto e revogamos essa lei, disse o presidente da Câmara.
    – Deixa de ser burro, ô camarada, essa lei é federal e não municipal, bradou o inconformado prefeito.
    Já o capitão incorporado em Lúcifer derrubou o fenômeno da psicofonia e agora investe também na lei da “inércia”. Repetidamente, adverte que vai corrigir o princípio da inércia que, segundo ele, é o que acontece nas “ONGs, MST, indígenas e quilombolas”.
    Falta a resposta do guru Olavo de Carvalho pra saber se essa lei deverá ser revogada no Congresso ou na ONU, porque ela se transformou em lei da Gravitação Universal.
    O Festival de Besteiras que assola o país (Febeapá), do saudoso jornalista e cronista Sérgio Porto, tem que achar alguém, mesmo que seja pelo fenômeno de psicofonia, para registrar os absurdos que retornam ao Brasil ditatorial.
    O Brasil está doente. Só a psiquiatria pode resolver.
    Mas, daí lembra-me uma frase do jornalista e escritor Nelson Rodrigues, o anticomunista que agradava a esquerda e a direita. Dizia o seguinte: “Entre o psicanalista e o doente, o mais perigoso é o psicanalista”.
    Ulisses de Souza

  14. O miserável assassino certamente estava em estado de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.
    Como é um bolsonariano, não será incomodado.
    O senhor de 61 anos foi espancado, trucidado, teve um ataque cardíaco mas oh! isso nada teve a ver com o espancamento. O cinismo de alguns aqui é coisa típica de gente do Messias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *