Preso político, Lula é cidadão do mundo, mas Brasil merece Bolsonaro e Véio da Havan?

Preso político, Lula é cidadão do mundo, mas Brasil merece Bolsonaro e Véio da Havan?

No começo de 2003, pouco depois da posse, acompanhei Lula em sua primeira viagem internacional ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça.

Ali já deu para ter uma ideia da importância da sua eleição no Brasil.

Os principais líderes mundiais queriam falar com ele. Lula já conhecia a maioria das muitas viagens internacionais que fez antes de chegar a presidente.

Por três dias seguidos, havia fila para encontros bilaterais, almoços e jantares, não houve um momento de folga.

Na viagem de volta, ainda no velho Sucatão, paramos na França e na Alemanha.

Em Paris, Lula manteve longo encontro com Jacques Chirac, que morreu esta semana, um político conservador com quem ele tinha uma boa relação.

À noite, na embaixada do Brasil, encontrou os principais líderes da esquerda francesa.

Lula já era então um cidadão do mundo, que falava de igual para igual com governantes de qualquer espectro político.

Nesta época, o ex-capitão Jair Bolsonaro já era um irrelevante deputado do baixo clero, líder sindical dos militares, figura folclórica que pedia pena de morte para Fernando Henrique Cardoso, o antecessor de Lula.

Apenas 16 anos depois, quase nada na vida de um país, Jair Bolsonaro é presidente da República, após uma eleição fraudada, em que Lula foi impedido de concorrer pela Justiça da Lava Jato, com a ajuda do STF e do TSE.

E Lula, preso político há mais de 500 dias na República de Curitiba, continua recebendo em sua cela personalidades do mundo inteiro, que vêm ao Brasil para lhe prestar solidariedade.

Nesta terça-feira, o Conselho de Paris lhe outorgou o título de “cidadão de honra” da cidade e denunciou a farsa da sua condenação.

Desde 2001, apenas 17 cidadãos receberam este título, entre eles, Nelson Mandela, nenhum outro brasileiro.

Nenhuma autoridade do governo ousou se manifestar, a grande mídia brasileira esnobou solenemente a notícia, e bolsominions e tucanos descornados piraram nas redes sociais, desdenhando da honraria.

Um deles, o bolsominion-padrão chamado Luciano Hang, mais conhecido como “Véio da Havan”, contrafação de empresário e palhaço, que se veste de verde-amarelo em cerimonias oficiais, postou no Twitter uma mensagem que sintetiza a estupidez vigente no país.

O indigitado chama Paris, uma das mais importantes capitais mundiais de “cidade decadente, sujeira para todos os lados”, por ter dado a honraria a Lula, “um presidiário que não pode receber o título”.

É difícil para um estrangeiro entender como Lula, Bolsonaro, seu ministério e o “Véio da Havan” possam ter nascido no mesmo país.

Mas esse é o Brasil de hoje, onde convivem um cidadão do mundo, que está preso, e boçais empoderados, que estão soltos por aí, destruindo o país.

Em carta ao Conselho de Paris, Lula afirma que a iniciativa “será mais uma vez de inestimável valia, para furar o muro de silêncio da mídia brasileira para denunciar ao mundo os crimes que estão sendo cometidos contra a democracia em nosso país”.

Tudo é tão absurdo, tão vergonhoso, tão inacreditável, que me pergunto se este lado do Brasil inerte e cúmplice não merece ser governado pela aberração bolsonariana, que leva para o palanque oficial um “Véio da Havan” saltitante, símbolo de um país que se degradou diante do mundo, na mesma tribuna da ONU onde Lula foi consagrado líder mundial, faz tão pouco tempo.

Será que vivemos mesmo todos no mesmo país? Não será um pesadelo? Ninguém merece isso.

Viva Lula, chega de barbárie!

Vida que segue.

 

12 thoughts on “Preso político, Lula é cidadão do mundo, mas Brasil merece Bolsonaro e Véio da Havan?

  1. A presença de Lula em Davos deu-se em seguida à sua presença no Fórum Social Mundial em Porto Alegre. Onde eu me encontrava e participava. “O que fazer?”.
    Na mesa, o ministro que se tornou alcagueta, Mercadante e Paulo Nogueira Batista Júnior. Constatação: o lulo-petismo guinaria drasticamente à direita. O pretexto à guinada foi a Previdência, então debitada na conta “do Mercado” porque, se não satisfeito, faria do PT um castelo de areia no “day after”.
    O resultado foi o “racha no partido” e o surgimento do PSOL.
    Lula foi festejado pelos banqueiros em Davos. William Rhodes declarou: “Lula é um exemplo para o Mundo”. A declaração veio logo após o Brasil jurar “o compromisso de ouro” pelo “Italiano” de que o “superávit primário” seria de 4,5% (os tucanos nunca fizeram um superávit primário maior que 2%). Lula entregava ou que prometera na Carta aos “Banqueiros”. A banca internacional exultava.
    Gustavo Franco não deixava por menos com Pedro Malan: “Ganhamos as eleições!”.
    O PT com o “Italiano” na economia era uma perfeita prótese do tucano mais bicudo.
    Vamos ao que interessa, agora, em 2022. Mire-se a Argentina. Os dados dos institutos de pesquisa argentinos dão a vitória do centro-esquerda peronista sobre Macri, como arrasadora, em 27 de outubro. A dupla Alberto/Cristina acelerou a crise que o desastroso neoliberalismo de Macri produziu.
    O argentino refuga a repressão fiscal.
    Segundo a consultoria Trespuntozero, Alberto/Cristina devem obter 52% dos votos – diante de 34% de Macri – e conquistar a presidência. Sem a necessidade de segundo turno.
    O segredo de Cristina está na maestria da sua articulação político-eleitoral.
    Ela tem consciência de sua rejeição, que levou Macri ao poder, bem como das denúncias de corrupção contra si e sua família.
    Contudo, não errou ao driblar todos na missão de ampliar a unidade do centro-esquerda . O que Lula deve observar é a manobra de Cristina para reunir o centro e a esquerda que em 2015 estiveram divididos e em 2017 também.
    Ela sabe aproveitar a vantagem que a má gestão do governo de Macri e a reprovação presidencial lhe dão e que poderia não ter tido.
    Cristina compreendeu que seria impossível e improvável derrotar Macri, se insistisse, como em 2017 e 2015, na cabeça de chapa e no protagonismo do kirchennerismo.
    Eisntein dizia: “só o tolo não aprende com o erro”. A conferir quanta estultice ainda insiste em exercer o seu fascínio no domínio do lulo-petismo.

  2. Prezado Kotscho: Em resposta a sua pergunta se o “Brasil merece Bolsonaro e véio da Havan?”, entendo que não, mas não foi o que 57 milhões de nossos compatriotas simpatizantes, no mínimo, do fascismo quiseram? A grande massa de brasileiros não elegeu esse fascista e seu governo de extrema direita e somente ela pode forçar o Congresso Nacional para um impedimento do Governo Bolsonaro na sua pessoa jurídica e pedir Diretas Já! para 2020, com eleição geral em todos os níveis.

  3. Cidadão do mundo?!? Nossa, essa tentativa de Mandelizar o Lula não esta funcionando gente, o Lula é um dos políticos mais rejeitados no Brasil e já faz anos q ele esta nessa posição cristalizada

    1. Os filhotes da Grobuu dizem a mesma coisa.
      Mesmíssima!
      A Grobuu plim plum há muito tempo.
      Cada plum do plim é para fazer a cabeça dos inconsequentes que se deleitam com o JR e as novelitas cristalizadas da TV G.
      Milhões de sinas cristalizadas pelos poderosos em governos anteriores ao de Lula, saíram da miserabilidade. Renasceram.
      Lula é preso político, coisa que a Grobuu sabe, mas pauta o viés jornalístico para teleguiados que adoram continuar debaixo da saia elitista dominante. Fazendo o quê? Humm…

  4. “Tudo é tão absurdo, tão vergonhoso, tão inacreditável, que me pergunto se este lado do Brasil inerte e cúmplice não merece ser governado pela aberração bolsonariana.”
    Sim, mas não, Mestre.
    Na tragédia enunciada pela estridente algazarra da mediocridade continuada, ensurdecedor, para os que não perderam o sentido civilizatório, é o silêncio cúmplice dos ‘mansos’ e a parceira surdina seletiva do monopólio da mídia, sufocando o som na gafieira Brasil.
    Parece que os ‘mansos’ calados nunca atentaram para que, “não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão”, conforme Paulo Freire, que não à toa os psicopatos odeiam, como também ao alerta de Luther King: “O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética… O que me preocupa é o silêncio dos bons.”
    Sim, de fato entre os bons calados não há quem não tenha tomado conhecimento do alerta, ora de Maiakovski, de Niemöller ou Brecht: “Um dia, vieram e levaram meu vizinho, que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte levaram… No quarto dia, vieram e me levaram. Já não havia mais ninguém para reclamar.”
    Mas o que importa é despertar com Lincoln que estridentemente alerta: “pecar pelo silêncio, quando se deveria protestar, transforma homens em covardes.”
    E despertos, atentar com Chico apontando o caminho: “Esse silêncio todo me atordoa; Atordoado eu permaneço atento.”
    Pois só atentos podemos resistir e derrotar a barbárie.

  5. Caro Ricardo Kotscho

    O eterno presidente do “pobres” deve esta recebendo na prisão, uns passes de alguém do ramo, pois conseguiu a façanha de baixar os “espíritos” de BRIZOLA, GETÚLIO, MANDELA, GANDHI, etc… E politicamente falando, está “Virado num Moio de Coentro” ditado popular de Caetés/Garanhuns, que traduzindo para o “bahianês” “Está virado numa porra” e dando um show de politica para o Brasil e para o mundo. Essa Extrema Direita “NEOLIBERAL” esta provando ao mundo inteiro que é incompetente como Governo e esta quebrando as maiores economias do mundo.

  6. “Pensamento do Dia”

    Enquanto a IRMÃ DULCE que é SANTA, é a MÃE DOS POBRES, o LULA que não é SANTO (se dependesse dos pobres seria canonizado) é o PAI DOS POBRES.

  7. o que gostei mais:
    ” os empresarios foram sempre gigolôs do Estado”
    ” o guedes o Robin Hood às avessas”
    ” Alem de grotesco, é um cretino fundamental” – o capitão Messias, claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *