Tudo dominado: Globo, Record e SBT formam a rede de proteção de Moro e Bolsonaro

Tudo dominado: Globo, Record e SBT formam a rede de proteção de Moro e Bolsonaro

Sábado, 27 de julho de 2019.

O sujeito liga para um Disque-Denúncia qualquer e avisa que um carro está sendo roubado na esquina da casa dele.

Em vez de mandar uma patrulha atrás do ladrão, a polícia resolve investigar o autor da denúncia.

É isso que está acontecendo no Brasil bolsonariano, com essa história rocambolesca dos hackers fajutos de Araraquara, para esconder o que já foi apurado e denunciado pelo The Intercept e outros veículos sobre o modus-operandi do ex-juiz Sergio Moro e seus procuradores amestrados.

Mas essa blindagem só é possível porque as três grandes redes de TV do país formaram uma rede de proteção, que esconde o mais importante _ o conteúdo tóxico dos diálogos de Moro com os procuradores da Lava Jato _ para noticiar à exaustão o modus-operandi dos hackers tabajaras.

Globo, Record e SBT deixaram o jornalismo de lado para formar uma rede nacional com noticiário único, pautado somente por seus interesses comerciais e políticos, assim como fizeram durante a última campanha presidencial.

Varia apenas a forma de manipular as notícias, com as características de cada emissora, mas o resultado é o mesmo.

Record e SBT são mais escrachados. Fazem questão de assumir o papel de porta-vozes do governo e se vangloriam disso.

Já a Globo, como de costume, é mais sofisticada, mais sinuosa, dá um ar de seriedade olímpica aos Bonners do JN, e não perde a chance de publicar editoriais sobre a sua “isenção e imparcialidade”, como se todo mundo fosse idiota.

Daqui a 50 anos, quem sabe, se ainda existir, a Globo vai pedir desculpas ao país, como fez por ter apoiado o golpe de 1964 e a ditadura militar, e escondido a campanha das Diretas Já, em 1964, pela redemocratização do país.

Até lá, muitos de nós já terão morrido e os mais jovens nem se lembrarão do que eles fizeram em 2019, para avacalhar e colocar em risco a jovem democracia brasileira, ameaçada pela ditadura da Lava Jato, de braços dados com o boçalnarismo em marcha.

A grande farsa só será desmascarada, se nas próximas revelações da Vaza Jato aparecerem os diálogos de Moro e os dallagnois com seus chefes e jornalistas, em que eram acertadas de comum acordo as pautas e as edições.

É esse o grande medo dos empresários da mídia e dos seus profissionais, que para garantir seus empregos foram assessores de imprensa da República de Curitiba, não repórteres.

Sem se importar com nada disso, Silvio Santos acha graça da grande pantomina e até se sente horado por sua rede ser chamada de SBT – Sistema Bolsonariano de Televisão.

A Record do bispo Edir Macedo e sua igreja, apoiadores de primeira hora, só quer saber das verbas oficiais de publicidade do governo, que ajudou a eleger, para investir em novos templos e fiéis, a serviço do seu próprio projeto de poder.

Posso estar enganado, e geralmente estou, mas diante de tanta hipocrisia, omissão e mentira, acho que até os Bonners já estão um pouco incomodados com a desfaçatez do noticiário que são obrigados a ler todas as noites.

Por mais que se disseminem as redes sociais, a maior parte do eleitorado, que não lê jornais nem tem acesso fácil à internet, ainda se informa pelo Jornal Nacional e suas contrafações mambembes da Record e SBT.

É a desinformação que garante ainda o apoio de um terço da população ao mito Bolsonaro e ao herói Moro, os protagonistas da grande tragédia bufa.

Tenho certeza que milhões de pessoas pelo Brasil afora já não conseguem entender como a polícia está investigando o denunciante do carro roubado e nada informa sobre o ladrão _ no caso, os muitos criminosos que, em nome do combate à corrupção, destruíram empresas e empregos, e faturaram alto com a fama de heróis.

Com a grande mídia (e suas raras exceções), o Judiciário e o Legislativo irmanados na defesa do governo e da Lava Jato, e a oposição batendo cabeça, sem achar o rumo, está tudo dominado.

Por isso, eles têm um grande objetivo em comum: não deixar Lula sair da cadeia tão cedo.

Esse é o grande pavor dos que deram o golpe de 2016 e levaram o país para o fundo do buraco, primeiro com Temer, e agora com o inacreditável capitão Bolsonaro.

Para garantir esse domínio absoluto, danem-se as leis, o Estado de Direito e a Constituição. Vale tudo.

E vida que segue.

 

15 thoughts on “Tudo dominado: Globo, Record e SBT formam a rede de proteção de Moro e Bolsonaro

  1. Se Bolsonaro aprender um pouquinho de gestão pública e enfrentar a madrinha Direita, esta, terá que cortar na própria carne. Nas próximas eleições, seus apoiadores, leia-se dominantes, apoiarão um sargento, para presidente. O Post acima deveria ser pauta nas escolas que “exesti” no Brasil dos ricos.
    Numa festinha de escola, acompanhando meu netinho, a plateia aplaudiu as crianças depois performance musical. A professora, toda feliz, diante dos pais, pergunta aos alunos: “Então queridos, vocês tem alguma reclamação, podem falar”. A mais saliente, fazendo gracinha, saiu-se com essa: ” A professora vive passando tarefa pra casa”. A Mestra tascou: ” Não é vive que se fala, queridinha, é veve”!? Isso é tão sério quanto o momento político atual. O povo “veve” na escravatura, vê TV, pula carnaval, bebe cerveja, beija a camisa de futebol, passa fome e aprende a ler e escrever no celular. País do futuro “chegou”, presente morto e o passado não passou recibo. Caducando, Silvio Santos vem mijando aí… Na Globo, se não for homo, vai catar coquinho… Na Record, se não for correntista, tá na brasa da fogueira santa. Na Band, Neto vomita asneira e não sobrevive sem polêmica. Bolsonaro é digno de dó. O povo paga o pato e se não sair à rua… o circo de pau só e sem lona, continuará com fraude e espetáculo. Favor não moderar impertinente desabafo. O Balaio é de e merece mais respeito.Se a coisa no sudeste está assim, imagine nos cafundós do Judas! Graças a Deus, Senhor Ricardo Kotscho, o BALAIO EDUCA. Eu aprendo todo santo dia.

  2. Kotscho, acredito que você não liberará este comentário, mas pode lê-lo. Parte do que você diz não se sustenta. Tantos nas eleições como nas pesquisas, é o petismo que prepondera entre quem não tem informação ou acesso às redes. Quando você vai para o outro lado, exceto na turma do jornalismo, da sociologia e coisas do tipo, quase todo mundo é antipetista.

    Não só no Brasil, as redes quebraram o domínio cultural da esquerda. Esta só “vence” onde censura o contraditório, como em 247, DCM, Tijolaço, etc. Quando sai desse mundo fechado e há debate aberto, perde. De goleada.

    As TVs são um pouco diferentes e, em geral, fecham com o governo, vide Dirceu dizendo que era só acertar com a Globo e a Record da era Lula. Mas no caso da pirataria dos celulares elas estão corretas.

    Repito a pergunta: se há algum crime e prova dele, por que não levam o caso específico à justiça? É só dizer que X cometeu o crime Y e isso é comprovado por Z.

    Não levam porque não têm nada. Não há crime. E se houvesse não haveria prova, pois o hacker ou falso Pulitzer poderiam ter editado aquela mensagem específica.

    O que existe é apenas uma tentativa de criar um “clima” por parte de jornais e jornalistas que têm cor partidária. Para ter sucesso, algo assim deveria gerar protestos populares como os atuais de Porto Rico. Mas a agitação daqui é restrita à bolha.

    Agora, hackear celulares ou pagar para isso (como é provável que alguém tenha pago) é crime. Esse é claro, específico. O crime é Y e a prova é Z. Só falta a PF descobrir quem mais faz parte do X.

  3. Como disse outro dia, cada Uganda tem o Idi Amin que merece.
    Porque ainda não desmerece.
    Porque o bandido da convicção sumaria, o marginal das fraudes processuais, o mercador de dela$$oes, o mesmo juiz que surubava com a acusação.
    O que passava para a Globo a data, local e horario das prisoes lavajateiras [para que os reporteres la chegassem as 5 da manhã antes da PF chegar as 06.00]
    Isso era liberdade de imprensa, agora é crime de corruptos. E se conseguem hackers sob encomenda.

  4. O primeiro objetivo foi levar Lula ao cárcere.
    O referido objetivo somente foi atingido porque o aprisionamento foi consentido.
    Lula rendeu-se ao Judiciário da Casa Grande com o objetivo político de alavancar sua bancada petista no território nacional ameaçada de extinção.
    Caiu no conto do vigário de que a cana não seria dura e prolongada, mas leve e diminuta.
    Tal hipótese sempre foi de uma “cretinice fundamental”, como diria Nelson Rodrigues.
    Lula e o PT jamais poderiam ignorar o fato de que o Judiciário sempre foi um puxadinho da Casa Grande.
    O fato social e político é que o conúbio existencial entre as classes dominantes na economia e seus representantes no parlamento jamais esteve tão blindado e protegido do que com o Judiciário atual.
    Triste saber que foi o lulo-petismo quem contribuiu com 70% da composição atual da “suprema magistratura” do país: Carminha, Rosinha, Fuxinho, Barrosinho, Tofilinho e Fachininho.
    É de se perguntar: como é que o lulo-petismo, tendo sido donatário de seis cargos no “supreminho” conseguiu a façanha de que suas indicações tenham patrocinado as votações mais devastadoras do partido e demolidoras do próprio Lula?
    A resposta está com o próprio Lula e seus dois erros mais crassos.
    Primeiro, a reeleição de Dilma quando deveria ter sido ele mesmo o candidato, porque Dilma não passava de um mandato-tampão como inúmeras vezes insistimos nos nossos comentários.
    Segundo, a rendição ao Judiciário da Casa Grande, quando a coerência com a narrativa da inocência e da perseguição política somente seriam compatíveis com o asilo politico em embaixada estrangeira.
    Como já repetimos aqui, diferentemente do que sempre pregaram os próceres do lulo-petismo acéfalo e desorientado, Lula não sairá mais das grades, seja de dentro do cárcere policial, seja do domiciliar, enquanto o projeto de poder militar e miliciano encontrar-se no domínio e definindo o compasso político-institucional do país.
    O Planalto dispõe de todo o aparato policial e militar, secundado pelas forças para-militares em formação e as milícias em todo o território nacional.
    Nunca, no período democrático, um governo enfeixou em suas mãos, em amplitude e profundidade, tanto o poder militar quanto o policial e para-militar.
    Não por acaso, jamais o STF foi tão subalternizado na sua relação com a vontade do Poder Executivo.

    1. É mais facil de falar agora, apos os fatos de 2018. E
      ha raciocinios a posteriori que nao sabe se ele tem.
      Mas Lula tinha como comandar uma revolta aqui?
      Ou de lá de fora se tivesse ido ao Uruguay? que resultado daria essa aposta?
      E mais trabalhoso aqui admitir os acertos crassos, eu sei.

    2. Faz sentido.
      As mesmas pessoas que orientaram as indicações de Lula e Dilma ao STF foram as mesmas que aconselharam Lula à rendição à República de Curitiba e à tese de que a tática empregada fosse entregar-se para concorrer ao pleito eleitoral ‘sub judice’. Ambas ignoraram a profunda realidade institucional fincada na Casa Grande.

  5. Prezado Kotscho: Essa, de novo, de que “a Globo vai pedir desculpas ao país” não cola mais. Desculpas do que, se a toda poderosa emissora continua com a mesma prática de linha auxiliar de governo autoritário. Ela e as outras duas que você citou formam um pool de emissoras que pode ser chamado de oficial. Como na transmissão dos jogos da Copa de 1970, em plena ditadura Médici, esse pool de emissoras poderia, antes de qualquer pronunciamento bestial do capitão, entrar com um “Pra frente Brasil”, para a gente saber que vem mais uma fala da grossura em pessoa.

  6. A “seriedade olímpica” do jornalismo da Globo deve ter assessoria do setor da dramaturgia, do cast novelesco. Eterna é a desfaçatez. O SS é o maior bajulador dos donos do poder, dos tempos imemoriais. Macedo e seu liquidificador de rituais, sua fortuna e poder meteóricos, tem pretensões “universais” manipuladoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *