Vamos falar sério? Esse filho do homem não pode ser embaixador. É um acinte

Vamos falar sério? Esse filho do homem não pode ser embaixador. É um acinte

Pense num absurdo. No Brasil, tem precedente.

De todas as barbaridades que Jair Bolsonaro já disse e cometeu na Presidência da República, esta certamente é a maior de todas, um verdadeiro acinte à nacionalidade.

O pior de tudo é que a indicação do filho Eduardo, um sujeito absolutamente desqualificado para a função, como embaixador do país nos Estados Unidos, vai sendo assimilado como algo normal.

Não se vê nenhuma reação da sociedade a esta esculhambação, que não era fake news, como a princípio parecia.

“Se você fosse presidente, não indicaria também um filho teu como embaixador”, perguntou-me ontem um motorista de táxi bolsonarista de raiz, e deu uma gargalhada.

Essa é a nova cara do Brasil que estava escondida nos armários dos hospícios e saiu triunfante para as ruas.

Onde estão os pomposos embaixadores de carreira para impedir que se consume esta completa desmoralização ao Itamaraty?

A única voz de respeito que ouvi se rebelar contra esse desvario foi a do ex-ministro Rubens Ricupero, embaixador do Brasil nos Estados Unidos entre 1991 e 1993:

“Eduardo Bolsonaro dirige na América do Sul o movimento de extrema-direita de Steve Bannon. Como poderia ele representar todos os brasileiros, se já é o representante de uma seita?”

Bolsonaro pensou em tudo. Esperou o filho se casar e completar a idade mínima de 35 anos para preencher o cargo vago em Washington. Era o que bastava.

Se o Senado e o Supremo não impedirem esta insanidade, o Brasil vai assumir de vez o papel de pária e de república bananeira nas relações internacionais.

Será motivo de permanente de galhofa na imprensa mundial, um país que não pode ser levado a sério.

A primeira entrevista de Eduardo Bolsonaro, o filho 03, a uma emissora americana, já foi um completo vexame, em que ele parou de falar no meio de uma frase porque “deu branco”.

Ao anunciar que aceitava a missão do pai e justificar a sua indicação para embaixador, o escrivão de polícia que se elegeu deputado federal graças ao sobrenome, lembrou que falava bem inglês, fez intercambio nos Estados Unidos, trabalhou numa lanchonete “fritando” hamburguer e é amigo da família Trump.

Falava sério, diante de jornalistas que o levavam a sério.

O pai lembrou depois que Eduardo também foi entregador de pizzas e o acompanhou nas viagens internacionais, requisitos básicos para um embaixador em Washington.

Como tudo nessa família parece fake news, na sabatina do Senado poderiam levar uma frigideira para ver se o novo embaixador sabe mesmo “fritar” hamburguer.

A imprensa amiga espalhou que Bolsonaro tomou a decisão de mandar o filho para os Estados Unidos porque ele vinha sofrendo ameaças no Brasil.

Se todo mundo que se sente ameaçado no Brasil de Bolsonaro virasse embaixador, o mundo seria pequeno para abrigar a todos.

Se o objetivo era botar mais um bode na sala pra distrair a platéia, colocaram logo um elefante, mas todo mundo finge que não está vendo.

Se o capitão queria apenas testar o seu poder, não precisava ter exagerado tanto para humilhar a diplomacia brasileira.

Será que perdemos de vez a capacidade de nos indignar com essas afrontas do capitão fora de controle, que age como um imperador eleito por Deus?

Confesso que já não sei mais nem o que dizer porque não pode ser verdade o que está acontecendo no país.

Nem nos piores pesadelos poderíamos imaginar que, em apenas seis meses de governo, o presidente Bolsonaro fosse capaz de destruir por dentro as nossas instituições e tripudiar sobre o que resta de autoestima e vergonha na cara dos brasileiros.

E assim vamos seguindo bovinamente para o matadouro das esperanças.

Vida que segue.

 

25 thoughts on “Vamos falar sério? Esse filho do homem não pode ser embaixador. É um acinte

  1. Eu como muitos estamos perplexos com essa indicação para embaixador nos Estados Unidos do filho 03.Bolsonaro está conseguindo destruir uma nação com as suas estupidez, confesso que jamais imaginei algo assim. O problema do Bolsonaro é que ele nunca aceitou a redemocratização e a democracia que ela representou.

  2. República das bananeiras?
    Até então, figura corretíssima.
    Minúsculas de “boçalnaro” e atitudes menores estupram a inocente fruta.
    Esta, certamente conhece o imoral que a desonra com escatologia nada nobre.
    Pior, o tipinho o faz despudoradamente como se cada cidadão fosse uma…
    bananeira que já deu voto de odor inconsequente.
    Se o Messias, milagrosamente cumprir todo o mandato, será tratado como…
    bananeira que já deu cacho.

  3. Tu és injusto, senhor Kotscho.
    A reação da sociedade começou pelo Sul.
    Os gaúchos, por exemplo, eliminaram o Palmeiras do presidente, da Copa do Brasil.

  4. Aloysio Nunes é ex Ministro das Relações Exteriores!
    Insuportável, fede há tempos. Mô, feche a casa e ponha pano debaixo das portas. Isso não parece cheiro de fumaça. Não se assuste, é mais fácil achar um filho competente do Bolsonaro, que sonhar com a oposição no Brasil!

  5. O Eduardo Bolsonaro não será o embaixador nem nos EUA,nem em qualquer outra país.O presidente pode indicar ,mas,serão os senadores quem decidirá sobre o embaixador brasileiro nos Estados Unidos.Com certeza deve ser um cidadão muito mais preparado,proveniente do Instituto Rio Branco -Um profissional de carreira -Um diplomata.

  6. Bolsonaro é apenas uma ferramenta, quem inventa, omite e dita o comportamento e as noticias no Brasil é a Globo, não é atoa que ela foi poupada dos processos de corrupção da Fifa nos EUA. Ela é uma peça importante no xadrex do tio Sam no Brasil. Brizola tinha razão o grande mal no Brasil é a Globo, e pagou caro a guerra solitaria que travou com os Marinho. Lamento mas o problema não é a ” ferramenta” mas sim quem a usa e no caso é a Globo.

  7. Ministerio do turismo: ele alaranjou. Ministerio da mulher e DH: colocou uma chefe de seita da goiabada.
    Ministerio da Agricultura: empoderou para desmatar e ‘glifosatar’ os produtos com 239 liberaçoes de agrotoxicos em 200 dias.
    Ministerio da Saude: empurrou para fora dez mil cubanos porque eram cubanos e agora falta tudo, começando por substitutos.
    Ministerio do meio ambiente: ambiciona transferir para a Agricultura.
    Ministerio da Educaçao: totalmente olavizado – todos viram o que o capitão bozzoburro fez e ainda realiza ali.
    Agora no MRE – o escracho de nepotizar.se nomeando o chapeiro do Maine para Warshington.
    Olha, eu tenho respeito pelos paises da Africa , como Uganda, os quais desde o sec 19 afogados na dimensão abissal de problemas pesados demais para que os superem sozinhos.
    Mas cada Uganda tem o Idi Amim que merece.
    Os galoezinhos militares sao similares. Só difere a cor da pele.

  8. Faz algum tempo que alguém já negou que o país fosse sério. Ano entra, ano sai, e a tese é confirmada com mais ou menos agravantes.
    Agora parece que o país disputa mesmo, com máximo empenho, sua marca no Guiness com recordes recorrentes de falta de seriedade.

  9. Mais chocante, pois desta figura não se esperava outra coisa, é o silêncio das probas e honesteiras PESSOAS DO BEM. Por onde andam elas ???

  10. Prezado Kotscho: A sua sugestão é boa: “na sabatina do Senado poderiam levar uma frigideira para ver se o novo embaixador sabe mesmo “fritar” hamburguer.” Ou quem sabe ver se ele não sabe fritar croquete para se candidatar como embaixador na Tailândia. Ou será que fritar croquete não é a especialidade dele?

  11. Esse indivíduo que está presidente, zomba, desmerece, os habitantes deste país. A pretensão de indicar o incompetente filho para o cargo , as declarações preconceituosas para com o povo e governadores nordestinos proferidas dia 19 de julho é inadmissível.
    O pior é que como você diz não se vê uma reação efetiva contra essas barbaridades.

  12. A direita se deu mal. Impeachment, logo mais. Acredite, se vingar, não é acinte. As Forças Armadas, soldo de incríveis 43 bi anuais, estão de prontidão. Pra quê? Humm, não é o que elas querem? Boquiabertas e sem trincheira à vista, se recompõem diante da desatinada eflorescência dos 200 dias. Impeachment não será acinte, apenas temporão.

  13. Acinte não, Mestre, apenas xucretinice zero três, a diplomacia ‘Pão, Carne e Queijo’.
    Acinte de fato é terem eleito o incapaz e odiento capitão; a família Marinho continuar a decidir o que o cidadão brasileiro deve ou não saber; a justiça cometer o haraquiri continuado; a barbárie contrapor-se a civilização através do estado bruto; moro, ainda premiado ministro da justiça e Lula, ainda sinistro sequestrado dessa justiça; não haver Defesa contra o inimigo externo e haver Ocupação contra o ‘comunista’ inimigo interno; baterem a carteira da previdência dos que nada tem pra engordar a dos que tudo tem; entregar petróleo e importar gasolina; Queiroz livre, leve e solto; executarem Marielle, a impunidade aniversariar e o estado a dissimular; aprenderem trinta e nove quilos de pó em avião da comitiva presidencial e a responsabilidade ser do taifeiro, termos um xucro, tosco e cru peladão estagiando na presidência e não termos o menino que o diga nu.
    Acinte é nós, a maioria, permitirmos que desse pardieiro jurídico-midiático-miliciano, permaneçam a assaltar de arminhas à mão e à luz do dia, nossa cidadania e não reajamos.

  14. Se esta besta quadrada for realmente indicada, sugiro que um dos senadores que o sabatinem leve uma grelha e os apetrechos necessários para ver se realmente o imbecui consegue fazer um hamburger…

  15. Mestre Kotscho:

    Não seria REQUISITOS BÁSICOS, ao invés de “requisitos
    básios”, no 15º paragrafo?

    Um grande abraço do seu aluno,

    Osvaldo Moreira.

  16. Nióbio e novos “Brumadinhos”.
    Como no ciclo do ouro, para os pobres, o nióbio de TOLO.
    Lula descobriu a maior reserva de petróleo do mundo, já terrivelmente em produção. Ouro negro para tirar o país da rabeira do mundo.
    Nióbio para consolidar a republiqueta de bijuterias Brasil. Mamatas, tetas gordas outras, que ninguém é de ferro.
    Criando novos “Brumadinhos”, o nióbio vem aí!
    Que tal frigideira de nióbio substituindo as manjadas urnas eletrônicas?
    O povo fritando a incompetência da direita e seus candidatos a embaixador.

  17. Tudo nos conformes, Bolsonaro é o presidente do golpe, que escolhe seus auxiliares. Se a Constituição e Lei permitirem, que nomeia e assuma as consequências da decisão. A oposição não tem nada a ver com isso. Não devemos nos imiscuir, ajudar numa boa escolha. Nada acontecerá ao Brasil, o que teve de acontecer já aconteceu: golpe-impeachment 2016, afastando Dilma e PT do poder; o Presidente Lula preso desde 2018; e o traíra Temer e agora Bolsonaro, o louco (serve muito bem ao golpe com suas loucuras), como presidentes do golpe. Lula livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *