Com economia parada, Brasil de Bolsonaro continua refém da Lava Jato de Moro

Com economia parada, Brasil de Bolsonaro continua refém da Lava Jato de Moro

Passamos os últimos cinco anos com a economia parada à espera da próxima bomba no Jornal Nacional, com delações e vazamentos da Lava Jato, sob o comando da dupla Moro & Dallagnol.

Agora, que os sinais se inverterem, com a revelação das maracutaias dos dois parceiros da República de Curitiba, o Brasil continua refém da Lava Jato, à espera dos novos lances da Vaza Jato do Intercept de Glenn Greenwald, que desmascarou a farsa.

Nesta segunda-feira, o mercado financeiro reduziu de novo a projeção do PIB para 2019, que ficou pela primeira vez abaixo de 1% (0,93%).

Podemos terminar o ano abaixo de zero, com o PIB negativo e a economia em recessão. E nesse cenário não há sinais de que o desemprego possa refluir.

As mil operações da força-tarefa que, em nome do combate à corrupção, destruíram o sistema político-partidário e a indústria pesada brasileira, provocando a demissão de mais de 300 mil trabalhadores, na verdade só tinham um objetivo: derrubar o governo do PT, e prender Lula antes das eleições de 2018.

Na pressa para alcançar o objetivo _ a serviço de quem? _ deixaram tantos rastros que agora muitos processos podem ser anulados, a começar pelo de Lula.

Moro e Dallagnol não teriam ido tão longe em sua onipotência sem o aval e o apoio das instâncias superiores da Justiça, do mercado e da mídia.

De uma hora para outra, tiraram a escada deles e os dois ficaram pendurados na brocha da sua insignificância e incompetência, contando agora apenas com a defesa da Globo, dos evangélicos, das milícias e do site O Antagonista.

Nada podem esperar de Bolsonaro, que só está preocupado com a própria sobrevivência, antes de completar seis meses de um governo afundado no caos administrativo e político.

Cumprida a missão que lhes foi dada, com a eleição do ex-capitão, o ex-juiz e seu sócio na Lava Jato se tornaram descartáveis, assim como aconteceu com Eduardo Cunha.

A qualquer momento nova bomba pode estourar na cabeça deles, antes de Moro ir se explicar no Senado e na Câmara.

Pegos em flagrante delito, a cada dia os dois dão declarações contraditórias para explicar o batom na cueca.

Nas redes sociais, os devotos da seita lavajatista adotada pelo bolsonarismo ainda acionam seus robôs, como faziam na campanha eleitoral, mas hoje tem menos gente querendo ser enganada.

Todas as pesquisas mostram Bolsonaro e seu governo em queda, cada vez mais confinados na ala ultra radical do sanatório, onde os cachorros loucos das milicias digitais latem, mas não mordem.

A reação tresloucada do general Heleno no café com os jornalistas, pedindo pena perpétua para Lula, seguida da demissão do general Santos Cruz e da humilhação pública de Joaquim Levy, são claros sinais de descontrole de quem sabe que a vaca está indo para o brejo tocada pelo próprio governo.

O problema é que neste brejo vivem 208 milhões de habitantes, que assistem bestificados ao ato final da Lava Jato, sendo atacada pelas mesmas armas que usou durante cinco anos para destruir o país.

As bombas agora estão caindo do outro lado, em cima dos ex-heróis nacionais deixados a nu.

Bolsonaro certamente completará o serviço. Afinal, o capitão já disse em Washington que primeiro é preciso destruir tudo, para depois construir um outro país.

Qual país será esse?

Vida que segue.

 

19 thoughts on “Com economia parada, Brasil de Bolsonaro continua refém da Lava Jato de Moro

  1. Por mais fanático que seja o bolsonarista, dentro dele está a convicção, que este governo não tem a menor condição de tirar o país do buraco em que colocaram.
    Se estiver acontecendo pelo resto do país o que está acontecendo aqui, até o final do ano, metade das empresas vão fechar as portas.
    Coisa de louco, nunca vi antes algo igual. Passa-se por quarteirões em avenidas com portas arriadas. Paisagem de terra arrazada.

  2. É isso aí, Mestre!
    Saldo da batalha de 2018, entre a civilização e a barbárie, o Brasil amanheceu no ano de 2019 um imenso Sanatório Geral e assim permanece, quase seis meses decorridos.
    Em 1882, Machado de Assis publica O Alienista, abordando “o clássico debate, a tênue fronteira entre a racionalidade e a loucura”, transportado ao Casa Verde, na vila de Itaguaí.
    Em 1970, Nelson Pereira dos Santos transforma-o em filme, “Azyllo Muito Louco”.
    Em 1993, Guel Arraes faz dele minissérie para TV, “O Alienista e as Aventuras de um Barnabé”.
    Em 2018, com co-patrocínio da Globo Marinho, a ficção é levada à vida real, mas com trágico e até então desconhecido final:
    Se na novela de Machado, “a grande reviravolta acontece, por fim, quando todos os habitantes da Casa Verde são colocados na rua. A ordem voltou a reinar em Itaguaí, com os seus moradores de volta nos antigos lares. Simão Bacamarte, por sua vez, decide se internar voluntariamente na Casa Verde.
    Na versão atual, na vida real, Simão é um Capitão que na contramão de Machado, quer usar o Bacamarte para armar milicias e assim impedir que o internem no Juliano Moreira.

  3. Pouca gente deu a devida atenção para o fato de que o presidente do STF tirou da pauta do julgamento que definiria o destino dos réus presos por condenação em segunda instância, após o grito do general em nome dos militares da reserva.
    Agora já se sabe qual foi o “pacto” engendrado pelo ex-advogado do PT que Lula fez chegar à presidência do STF.
    A entrevista do senador Jacques Wagner também confirmou o que Brizola dizia do PT: “é a esquerda que a direita gosta”.
    O senador foi tão moderado, tão suave, que se comportou como aquele tipo que a esquerda de vera dos anos 60 chamava de “lacaio” ou “pelego” ou, mais hodiernamente, “neolacaio” ou “neopelego”.
    Uma oposição pautada pelo tipo de postura de Jacques Wagner na GloboNews terá como resultado apenas a consolidação e perpetuidade da direita e da ultra-direita, seja a bestunta seja a liberalista, durante mais 20 anos no poder central irradiado pelos estados.

  4. Um dos principais atores deste interminável filme de bandidos, aquele cujo o papel foi se insurgir contra o resultado das eleições de 2010 e abriu caminho para uma pretensa extinção do Partido dos Trabalhadores, do golpe, da prisão do presidente Lula e de toda a farsa da lava jato se encontra em silencio, como se nada tivesse acontecido, impune. TRATA-SE DO TAL AÉCIO NEVES.

    1. A poeira da História e os tons do pó das alterosas. Aécio pó de chão! Chão de pó aeciano. As Minas Gerais enriqueceram o mundo e empobreceram Aécio empoeirado. O pó de chão de Minas tem cotação superior a Aécio, deputado de poeira assassina de sonhos do povo. Vá de retro pó satânico e aeciano verme dos vermes da elite dos Neves das Minas de pó vermelho e branco. Aécio de 50 tons de pó está preso na poeira da história política brasileira.

  5. Pandemônio total e a vaca indo pro brejo. O problema do desgoverno Boçalnaro é que um brejo do tamanho da Amazônia, não comporta o rebando de incompetentes… maior que o Brasil. Desgoverno de quatro… patas, igual número de tetas gordas, dois chifres, mas acovardado, não toma posse. Não sabia que a caserna daria à luz esse pandemônio. Afinal, em que brejo chafurdam essas “otoridades” ?

  6. Marreco de Maringá é um craque das artes cenicas.
    Representou simultaneamente e com desenvoltura os seguntes papeis:
    a-Juiz dos processos b- Orientador e parte integrante da Acusação – c- Cheer leader da Midia anti PT e da antipolítica d- Silvério dos Reis da parte mais central e importante da economia do país.

  7. No Rio o que mais se vê são portas arriadas, aptos à venda ou para alugar, lojas à beira da falência… São Paulo também não está muito diferente. O país travou, mas o Bolsonaro só se preocupa em demitir todos os que tiveram alguma ligação com o PT.
    Desculpe, Ricardo Kotscho, mas discordo inteiramente de sua avaliação que Bolsonaro não tem nada de bobo. Para mim, ele é bobo, tosco. Será que ele já foi ao teatro alguma vez, será que ela já leu algum livro de Machado de Assis, alguma crônica de Rubem Braga? Seu português mal ajambrado me leva a crer que não.

  8. Esse barulho todo da lavato foi invenção da mídia a qual você faz parte. Foi só mudar de mandatário com novas idéias e o Lula já foi esquecido. Daqui a pouco ninguém mais nem fala o nome dele. Em países que tem todo ano carnaval, será que você não sabe como funciona…político e juiz e que nem pedreiro, só faz a obra de acordo com o que o patrão manda fazer
    Uma coisa é vocês falar em justiça social, a outra coisa é você fazer justiça social. Esse país só vai mudar no dia que os professores deixarem de ser bundão mudar sua prática pedagógica passando informações de mudanças a sociedade. Exemplo quanto sua cidade gasta mensalmente no recolhimento do lixo da sua cidade. Mas se todos fiscalizassem sairia mais barato. Alguém nunca teve essa ideia. E o retorno pra quem seria. Antônio Ermírio certa vez perdeu uma eleição o qual gastou cinquenta milhões de dólares, depois voltou ao túmulo do pai pra pedir desculpas porque o mesmo lhe havia pedido pra ficar distante da política.

  9. No íntimo, muitos no meio jurídico, ainda lamentando o vazamento, pensam que Moro e Deltan tinham que ter feito isso mesmo: combinado os passos seguintes, sem que a defesa soubesse de que o juiz em realidade acusava e o MP pré-julgava, sem confiança no que ele mesmo dizia ser prova. Ato ainda visto como heróico, sentido como a salvação do país.
    Mas aqui o vento começa a virar: se, por um lado, o manifestante ultra-conservador do “26-de-maio” estima ainda mais o seu mito maringaense pelos ardis extra-jurídicos lançados contra a fonte (para ele) de todo o mal, e assim replica triunfante a plenos pulmões que “Lula está preso, babaca”, por outro, o apoiador jurídico incondicional de Moro perdeu todo o discurso dentro da sua prática profissional. Não escapa do ridículo quem ecoar inter pares o mantra de que as revelações do Intercept nada mais são do que comunicações normais entre quadros do estado. Ainda pior se tentar traduzir isto na linguagem de uma ação cooperativa e redentora diante de um país não mais refém da corrupção. Vão levar desta vez 14×1 de Heidelberg e Colúmbia.
    Isto para não falar dos desfalques crescentes dentro das suas corporações (“não fiz concurso para ser massa de manobra”), isto para não mencionar o que pode ainda sobrevir. O desespero faz saltar talheres para cima.

  10. Pensando bem, estamos com dó, muito dó, do PIG. É duro, é insuportável pra eles.
    Duríssimo reconhecerem qualquer coisa: a maior e mais custosa da cruzada Midia e da elite tupiniquim está assentada, fundeada
    u baseada e cimentada numa f.r.a.u.d.e.
    A crise econômica, o centro irreversivel dela ao menos, foi PLANTADA, depois regada eborrifada com glifossato no inicio de 2014… com base, desculpa + pretexto numa grande f.r.a.u.d.e.
    E o desgoverno miliciano dali gerado, financiado e parido, idem, idem. Sobre o STF dali
    alimentado, amarelado e borrado nas calças é chover no molhado dizer algo porque tá na cara.
    Que pais é esse? precisa ou não refundar-se com uma Constituinte? Como disse o Noblat, ou o STF
    corrige tudo isso ou entra inteiro no esgoto.

  11. Kotscho, os coxinhas diziam, é so tirar o PT que no dia seguinte tudo melhora, os golpsitas diziam, é so fazer a reforma trabalhista que os empregos voltam. Agora imaginando que o pasto é de graça, o gado bolsonarista diz, o Brasil será uma maravilha se fizerem a reforma da previdencia. O proximo passo será, é só matar os pobres que Brasil será um pais rico, portanto, vamos armar os ricos.

  12. Prezado Kotscho: É verdade que “Nada podem esperar de Bolsonaro, que só está preocupado com a própria sobrevivência” e quem sabe descobrindo sua verdadeira vocação: despachante de condomínio, para cuidar de licença para posse de armas para matar, sumiço de pontos na CNH dos idiotas do volante e azeitar o despacho de bagagens nos aviões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *