Entre a bola e a notícia, um país que anda de lado, joga para trás e é muito chato

Entre a bola e a notícia, um país que anda de lado, joga para trás e é muito chato

Passei a noite de terça-feira zapeando pela TV em busca de alguma coisa interessante para assistir.

Como gosto de ver futebol e noticiários, nesta ordem, não achei nada.

Todos os telejornais parecem ser feitos por uma só pessoa, repetindo o tempo todo as mesmas notícias que você já viu na internet.

Só se fala das últimas do Bolsonaro e da reforma da Previdência, fora os crimes do dia e as desgraças anunciadas.

Nem os comentaristas aguentam mais repetir os mesmos comentários todos os dias, de manhã à noite, sobre os mesmos assuntos.

Parecem cansados e entediados, obrigados a fazer algo desagradável, só para preencher o tempo e garantir o salário no fim do mês.

Se eles, que vivem disso, estão assim, dá para imaginar como ficam os pobres telespectadores como eu que passam a maior parte do tempo confinados em casa.

Para distrair, prefiro ver qualquer jogo de futebol, mas está difícil também.

De vez em quando, tem um jogo bom dos grandes times, mas ver a Série B às terças-feiras está de doer a paciência.

Vi partes de dois jogos ontem, mas nem lembro quais eram os times. Todos jogam do mesmo jeito.

Qualquer bola dividida, os jogadores se jogam no chão como se estivessem morrendo, e leva um tempão para o juiz recomeçar o jogo.

Neymar fez escola. Quem mais corre em campo são os médicos e massagistas…

Quando a bola está rolando, o que acontece cada vez menos, é aquela pasmaceira: toques para o lado e para trás, depois um chutão bumba meu boi pra frente, e fica nisso.

Ninguém arrisca um drible ou ousa uma jogada diferente, parecem jogadores de pebolim.

É a mesma coisa no noticiário político.

Os personagens são sempre os mesmos, falando as mesmas abobrinhas em que nem eles acreditam.

De um dia para outro, nada muda, como se todos estivessem esperando a reforma da Previdência para começar a fazer alguma coisa.

Com o país parado e bestificado diante de tanta ruindade e boçalidade, a TV não poderia ser diferente: ela é apenas um espelho que reflete a nossa cara feia.

Depois que começamos a ver jogos dos campeonatos europeus, parece até que lá eles praticam outro esporte, nada a ver com o futebolzinho daqui.

Os gringos jogam na vertical, todos correm pra burro, a bola não para, o que se busca o tempo inteiro é o gol, para ganhar o jogo, não para garantir um honroso 0 a 0.

A garotada nas ruas já desfila com as camisas dos grandes times de lá, briga pelo Barcelona ou Real Madri, não quer mais saber do nosso futebolzinho burocrático e chato.

Aliás, ao desligar a televisão, você constata que o Brasil ficou um país muito chato em tudo e, desse jeito, nunca mais vai ser campeão do mundo.

Para garantir o emprego, Tite entrou na onda da mediocridade e convocou para a Copa América os mesmos jogadores já manjados de campeonatos perdidos, em vez de testar os novos craques que conseguem se destacar no Brasileirão, antes de irem para a Europa.

Se fizer as contas, Tite vai descobrir que para a próxima Copa todos estarão quatro anos mais velhos. Daniel Alves por exemplo, estará com 39 anos.

Tite poderia parar de viajar pelo mundo gastando o dinheiro da CBF para ver jogadores brasileiros na Ásia ou no Oriente Médio.

Os melhores estão todos na Europa e os jogos de lá são transmitidos para o Brasil. Pode fazer a convocação sem sair de casa. Vai dar no mesmo.

Para falar com os jogadores e saber como estão, pode usar o celular.

Mais difícil é criar um novo esquema tático para a seleção capaz de surpreender os adversários como Croácia e França fizeram na Copa da Rússia.

Nosso futebolzinho está previsível demais, assim como o resto do país, que normalizou o que é anormal, e fica dando voltas em torno do próprio rabo.

Eu mesmo me sinto assim, toda hora achando que já escrevi isso antes e estou me repetindo.

Que posso fazer, se os fatos não mudam e são cada vez mais massacrantes?

Vida que segue.

 

34 thoughts on “Entre a bola e a notícia, um país que anda de lado, joga para trás e é muito chato

  1. Às 3ªs feiras gosto de assistir o canal Curta!. Bons documentários (nacionais e estrangeiros) com assuntos de interesse. Às vezes o canal Brasil, programa Espelho, com Lázaro Ramos. E, de pendendo do assunto, o Arte1.

      1. Só para complementar:
        2ª – Música
        3ª – Artes
        4ª – Cinema
        5ª – Pensamento
        6ª – Sociedade
        Sab/Dom – o melhor da semana

  2. Tem razão ,não tem o que assistir alguns desenhos já quase todos manjados,uma vez ou outra um jogo do corinthians,que parece o mito ,só faz besteira. Então o único meio é procurar um filme na netfix para passar o tempo.
    Até esse site está maluco ,acabei de escrever e tá dizendo que é um comentário repetido,por quem não por mim.

  3. O escritor John Le Carré disse certa vez: “A premissa não deixa de ser verdadeira: escritor e espião são duas profissões solitárias, carregadas de emoções, e ambas se desenvolvem sob a carga de tensão”. A questão toda é ouvir a sua voz interior, se dominar, saber o que realmente acontece à sua volta; ter domínio total, tomar os seus remédios, corretamente, ter fé, assim dará a volta por cima. Afinal, ansiedade e êxito na prática, estão sempre associadas. Mas a vida segue, firme e forte. Platão dizia que as doenças da alma não saram as doenças do corpo. Brincadeira.

  4. Concordo com você. Sou atleticano, petista, daqueles privilegiados torcedores que já viram Reinaldo, Cerezzo, Tostão e Dirceu Lopes, Zico jogarem…só pra citar alguns. Seleção da CBF não assisto nem se me pagar. Comentaristas….Nossa Senhora D’Abadia! Que pé no saco!
    Fico consternado com sua amargura, sentimento q também é meu. A gente se transformou numa colônia mequetrefe também no futebol.
    Abraços.

  5. Kotscho, quando não existia TV, o passatempo do meu avô era passar na bodega pra tomar um bichieri de vin e jogar bocha. Morreu feliz fazendo o q gostava.

  6. Mestre, em tempo de mediocridade & pasmaceira no futebol brasileiro, emoção e satisfação garantida é assistir os playoffs da NBA, restando agora apenas os jogos 5, 6 e talvez o 7, entre Toronto Raptors e Milwaukee Bucks, no Sportv, amanhã, sábado e talvez segunda-feira próxima, decidindo o campeão da conferência leste, que por sua vez decidirá o campeonato da NBA, a partir de 30 de maio, na ESPN, contra a Filarmônica Golden States Warriors, sob a batuta de Steve Kerr, campeão da conferência oeste, ‘varrendo’ na segunda-feira, o Portland Trail Blazers, em Portland.

  7. “Todos os telejornais parecem ser feitos por uma só pessoa”. E também os editoriais, as manchetes, os comentários nas rádios. Alguém reparou que há uns 15 dias só se falava na Venezuela? Invasão, os Bolsonaros furibundos, o Eduardo n. 03 falando que ia arrancar o bigode do Maduro com uma pinça, os problemas que o povo daquele país sofre com o garrote comercial e econômico imposto pelos EEUU, a maldição do petróleo – que se abateu sobre o Brasil também – e de repente: “PAREM AS MÁQUINAS”. Quem deu a ordem de sumir com a Venezuela nos noticiários? Foi o Trumpetudo? E aí, Messias, perdeu o tesão homicida que o caracteriza? E aí, Alexandre Garcia, Sardenberg, Leitoas, Cantanhêdes, Marinhos, Mesquitinhas, Friazinhas e Civitinhas? Ou será que o golpe lá não deu certo?
    Pilantras…

  8. Eternizada a imagem do país sem graça que se tornou o Brasil: na demonstração de atávico desprezo social diante da presidente eleita, a vaia coletiva da classe média branca, especialista e iletrada ao mesmo tempo, que pisou pela primeira vez no Maracanã para fazer self globalizado na Copa de 2014. Penteado de festa, unhas pintadas e aceno para o mundo dos seus iguais: “esperem por nós Hungria, Polônia e Áustria (ops!), já já estaremos juntos”.
    Armados até os dentes branqueados, fuzilariam sem dó , se lhes fosse permitido, a civilização tropical cheia de contradições e virtudes que nos toca desde o início da democratização pós-ditarial, com os marcos históricos das sofisticadas estabilização da moeda e inclusão social dos governos trans-tucanos e trans-petistas.
    Bolsonaros já foram ou estão de partida para breve, a questão é o que fazer com o remanescente ultramoralismo (um lapso de época seria pronunciar “ultraMorismo”) tacanho dos que, com ar de superioridade, se enxergam como “gente de bem”. Ao contrário dos EUA (cheios de problemas também), este Brasil profundo está bem presente nas cidades mais importantes e representativas. Você testemunha coisas aqui no Rio e aí em São Paulo inconcebíveis em Boston, LA, NY, São Francisco. O vitorioso no pleito eleitor do Bolsonaro, agora derrotado pela inaptidão visível do seu capitão, quer golpe e o fim da democracia.

  9. Brasil e CBF são igualmente corruptos. Brasil e 15 milhões de desempregados. A CBF e cartolas bandidos. Deviam seguir o exemplo da justisssa Brasileira, dos parlamentares do Congressso Nacional. Neymar, odiado e caçado craque. Adversário botinudo (um fdp sem bola) e grosso, vai na maldade. O golpe é tirar o Lula, digo, Neymar do jogo. Quase arrancaram sua medula durante a COPA, pasme, no Brasil.
    Tem de saber cair. O maior golaço de Neymar foi o chute no traseiro da Globo. Inesquecível e com medalha no peito. Valeu, Lula, digo, Neymar. O subconsciente me faz escrever o nome do melhor presidente brasileiro. O golaço de Lula foi governar para os pobres. Arrancaram-lhe a medula política com golpe traiçoeiro dos dominantes. Moro expulsou-o de campo, nas barbas do povo iludido por 8 anos de mentiras da Globo. O erro de Lula foi não ter enfrentado a ex poderosa, quando todo o planeta tirou o chapéu para o operário presidente. Tenho certeza que o STF está pensando em abrir a cela infame de Curitiba, pois o planeta se convenceu do golpe baixo da elite dominante brasileira. Elite que não sabe quem é o atual presidente da República federativa do Brasil. A Globo fez de capacho, o inocente útil do eleitor . A direita elegeu o candidato útil e incompetente, transformando-o em capacho. Futebol e política, ninguém merece.

  10. Caro Kotscho,

    Realmente, a TV no Brasil vai de mal a pior, mas como nem tudo é desgraça… Como você sabe, o defunto governo Temer fez uma destruição sem precedentes na TV Brasil. Apesar disso, surgiram alguns programas novos, alguns realmente muito bons.

    Tenho assistido sempre que posso o excelente programa “Um Olhar Sobre o Mundo”, que vai ao ar na TV Brasil à meia-noite de terça-feira (o zero hora de quarta-feira, como queira).

    Página do programa no site da TV Brasil: http://tvbrasil.ebc.com.br/umolharsobreomundo

    Ontem, assisti uma verdadeira aula sobre a situação atual da Venezuela, com enfoque no motivo pelo qual o Trump hesita tanto em invadir de vez o país.

    Semana passada, uma aula sobre a China e o seu plano de longo prazo de globalização dos seus produtos.

    No canal da TV Brasil no Youtube tem uma playlist com os programas anteriores: https://www.youtube.com/playlist?list=PLuP7SQK7lt1b8Lis1UroNpOgj0LILESoS

    Um abraço e bom proveito!

  11. Gosto do programa Brasil Visto de Cima (algo assim) da Globo Mais. A gente percebe que nem só de São Paulo e Rio de Janeiro vive o Brasil. Há cidades maravilhosas de norte sul.
    Infelizmente não aceitei a sugestão do amigo Hernane Donato quando almoçávamos no restaurante da Editora Abril, em meio a , dezenas de gênios do jornalismo pátrio. Ele me aconselhava a ir para a mais remota cidade do Interior, fundar um jornalzinho e casar com a filha do homem mais poderoso. Teria um futuro melhor do que ficar competindo com tanta gente em Sampa,
    Hoje me arrependo de não ter seguido esse conselho. Há 50 anos moro num apartamento tipo BNH.

  12. Kotscho, seria bem interessante comentários sob os ‘vícios’ do jogador médio brasileiro. Tipo, levar a bola para a bandeirinha de escanteio e não deixar o adversário jogar, quando seu time está ganhando. Ou se jogar, simulando (ou não) alguma contusão quando vê que vai ser substituído. É mais que irritante. É triste. Outro, a parte, sobre a ‘qualidade’ de alguns dos atuais narradores. E não me refiro ao Galvão.

  13. Tite é outro Bolsonaro. Só decepção.
    Tite e seu bolicídio. Tem as portas do itaquerão escancaradas de vergonha.
    Oxalá, Sua Majestade Pretenciosa Carile consiga algum êxito. Só pra sacanear a seleção de “veinhos” e apaniguados do Tite.
    Duas derrotas da seleção contra o Catar e Honduras acenderiam o rastilho que deixa no estádio o som de “burro, burro e corinthiano burro”.
    Se Bolsonaro tem o acomadrado fugitivo Queiroz, humm…
    Carile tem o acovardado Tite e seu bolicídio.

  14. Sem querer confrontar com o meu velho amigo, colunista da esquerda. Parece que o Estado está realmente cumprindo o seu papel de dividir para dominar. – Será por onde andam os desejos do povo? (Tanto na questão política quanto ambiental, a espécie humana está voltada ao imediato e ao local). Perdeu mesmo a noção do todo. Então, qual é a solução: – continuar a conversação das velhas pontes? Cruzar as pontes, ou destruir todas as pontes? (Lembra Raquel de Queiros). Resistir vem de resistência. – Quem sabe o que está faltando são as Técnicas de comunicação ou direção e liderança? (Talvez falta de Justiça). Pelas leis de mercado, o pobre está ficando cada vez mais pobre, ou o rico já está se igualando ao pobre? Então, pra onde foi parar o Socialismo? Em grande escala, somos mesmo é produto da sociedade. O projeto de uma classe que quer se libertar do poder opressor que a domina / quanto o projeto da classe que quer sustentá-lo. Ou será que a culpa toda é a falta da Educação? Se não houver união dos Poderes constituídos, todos, sem exceção, estaremos condenados ao fracasso geral devido às desigualdades sociais. Porque passa a ser responsabilidade não de um, mas da coletividade, de todos; e não comportamento exclusivo somente da Minoria, como diziam os teóricos-, e o crescimento do desemprego, das taxas de criminalidade, da violência e da agressividade tende, infelizmente, só a aumentar. Confirma os ensaios de Malthus: “enquanto a população cresce em razão geométrica, os meios de subsistência só crescem em razão aritmética”. Finalmente, a dialética de Karl Marx está se confirmando na prática.

  15. Pois é Ricardo,
    …falando aí de futebol, eu me lembrei do Ziquita.
    O Ziquita era um negrim, magricela, olhos esbugalhados, e como, desgraça pouca é besteira, sofria de uma coriza crônica, pois vivia passando as costas das mãos no nariz para limpá-lo.
    Um espiritualista mais entendido, diria, com certeza, que aquele neguim foi o rascunho dos rascunhos que Deus fez quando pensou em projetar o ser humano.
    Uma particularidade era-lhe característica, ele tinha um vão entre o calcanhar e os dedos dos pés, o meio do solado dos seus pés não tocavam no chão, por esta característica é que todo mundo pensava que, se ele não era o demônio, era um dos seus filhos prediletos.
    Mas tinha um porém ricardo, o neguim era féra na bola. Todo mundo ficava rezando pra ganhar o par ou impar pra escolher o neguim.
    Poi é…certo dia numa daquelas peladas eu lancei uma bola pro Ziquita que estava na cabeça da área pequena, o idiota do Zá Goiano, saiu na correria pra ver se obstruia o neguim, mas, o Ziquiita, antes da bola tocar no chão, deu um chapéu no pobre do Zé, que por não conseguir frear a carreira, bateu de cara e corpo nos pilares do travessão, e pra complletar a desgraça, o Maurão, outro besta, também levou um chapéu do Ziquita e sanduichou o pobre do Zé Goiano nos pau do travessão. Só não morreu, o miserável do Zé, porque dizem que besta, é qui nem o Olavo de Carvalho, só morre depois de esgotar seu estoque de bestice.
    PS. rapaiz,,,toda vez que eu olho pra cara do genera Heleno, eu me lembro da cara do Zé Goiano depois daquela batida.

    1. Grande, Everaldo!
      Se o causo do Ziquita, percorrendo toda a cancha pra escancarar o sujeito do dito, o Golbery do Messias surdo e cego, Heleno, na extrema junção do texto, o PS, já nos traz sorriso aos olhos, o seguinte, do Alain Delon tabelando com Tite, fino humor bretão tropical, faz sentirmos que a mediocridade não é motorista, é passageira e há vida inteligente no ponto à espera da primavera.
      PS: Se a Eve fraquejar, não ‘titetubeie’, tá na moda e em alta no mercado.

  16. rapaiz…fazia tempo que eu não me sentia tão bem.Ganhei uma chinela nova de presente, e, na minha idade, quando isto acontece é motivo de muita alegria.Ao mesmo tempo estou desconfiado, pois quando genro dá presente pro sogro é sinal que engravidou a filha, e já está me preparando o besta pra cuidar do filho dele.Se o vagbundo não fosse tão bonito, parece a Alain Delon, eu já teria inventado um fuxico e acabado com o namoro. Na primeira vez que o vi, lhe disse: Cara…tú é bunito pra krai, se não der certo com a Eve, eu serei o primeiro da fila.
    Estou falando isto Ricardo, porque o Tite tá igual ao meu genro, o cara sabe que é um bom técnico, mas está se sentindo muito seguro do posto que conquistou.como você disse tem que experimentar gente nova.O estrelato enfraquece o homem, Deus que é Deus, tava se sentindo o bam-bam-bam, mandou seu filho aqui pra terra e todos sabem no que deu.

  17. Concordo com a mesmice do noticiário político e, em particular, da maioria dos comentários que a gente vê nas TVs. Mas na minha opinião, existe uma luta que vale a pena acompanhar. Tô me referindo aos debates no Congresso, seja através das TVs oficiais das Casas, seja nos vídeos postados nas redes sociais. Acabo de assistir a boa parte da sabatina do Ministro da Educação em uma comissão de Educação da Câmara. Importante ver o debate das ideias que estão na mesa, da direita no poder e da bancadas que brigam pelos valores democráticos na educação. Vale a pena ver em particular atuação de deputados Tabata Amaral e Zeca Dirceu, além da corajosa atitude da deputada que estava presidindo os trabalhos, professora Marcivania, que tudo fez para garantir a palavra dos representantes dos estudantes (UNE E UBES). O debate ideológico está explícito no parlamento, vale a pena acompanhar.

  18. Prezado Kotscho: É verdade “Nem os comentaristas aguentam mais repetir os mesmos comentários todos os dias, de manhã à noite, sobre os mesmos assuntos.” Mas afinal, poderia se esperar o que mais deles se as suas respectivas empresas apoiaram o golpe contra a Dilma e depois fizeram de tudo para eleger esse governo de extrema direita?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *