“Vem aí outro Jânio Quadros?” Até parece, mas capitão Bolsonaro é coisa muito pior

“Vem aí outro Jânio Quadros?” Até parece, mas capitão Bolsonaro é coisa muito pior

No dia 29 de dezembro de 2018, três dias antes da posse de Bolsonaro, escrevi uma coluna na página 2 da Folha com este título:

“Vem aí outro Jânio Quadros?”.

Diante do desastre ferroviário do governo Bolsonaro, como diria Mino Carta, em menos de cinco meses já tem muita gente comparando estes dois presidentes, mas isso é injusto.

Jânio também tinha jeito de maluco, mas era professor, um homem culto.

Antes ser de eleito presidente, foi prefeito e governador de São Paulo e, em seu governo, contou com ministros muito competentes e respeitados.

Bolsonaro é completamente tosco, um ignaro, militar expulso do Exército por indisciplina, que durante sete mandatos foi um deputado do baixo clero, completamente inexpressivo, dedicado a xingar seus adversários e defender a ditadura e a tortura. E seu ministério é uma piada, um circo de horrores.

O que, afinal, eles tinham em comum?

Foi o que escrevi no texto da véspera da posse:

“Jânio não era um homem de partido, não pertencia a nenhum clã político, combatia a velha política, andava em mangas de camisa, encarava o moralismo autoritário e fez da vassoura seu símbolo numa campanha baseada no combate à corrupção”.

As semelhanças terminavam aí. Mas agora surge outro replay, como está no subtítulo da coluna:

“Após surgir como um furacão, ele jogou tudo para o alto e afundou o país”.

É o que está prestes a acontecer novamente.

Em lugar da vassoura, Bolsonaro faz arminha com os dedos, ameaça metralhar os adversários, tem chiliques quando fala com a imprensa e não faz a menor ideia de para onde está indo.

Temo que, como Jânio, ele também esteja pensando em fechar o Congresso num autogolpe para voltar nos braços do povo.

Se não deu certo com Jânio, que era muito mais preparado do que ele, e acabou indo no seu Fusquinha para Santos, onde embarcou num navio cargueiro para a Inglaterra, agora um surto autoritário desses só pode acabar em tragédia.

Estamos falando de algo que aconteceu quase 60 anos atrás, e parece que o Brasil não aprendeu nada.

Elegemos outro doido varrido, um ex-militar ressentido, que só quer se vingar dos seus superiores, e de todos os que se colocarem no seu caminho para cumprir as leis e defender a democracia.

Jânio podia ser louco, mas não rasgava dinheiro, ao contrário desse idiota inútil, que está destruindo o país, para combater o “comunismo” que só existe na imaginação dele.

Além disso, o vice de Jânio era João Goulart, um democrata trabalhista, que queria fazer as reformas de base e defender o patrimônio e a soberania nacionais, na contramão do entreguismo do capitão Jair Bolsonaro, disposto a oferecer o Brasil de porteira fechada.

As lições do passado deveriam servir para não repetirmos os mesmos erros, mas agora é tudo muito pior.

Dá até saudade dos tempos alucinados de Jânio Quadros e dos seus bilhetinhos. Era tudo muito mais engraçado.

Esse pessoal boçalnariano não tem graça nenhuma. Além de medíocres, são todos figurinhas tristes.

Quem será capaz de parar este trem fantasma desgovernado?

Vida que segue.

 

20 thoughts on ““Vem aí outro Jânio Quadros?” Até parece, mas capitão Bolsonaro é coisa muito pior

  1. Prezado Kotscho: A mente humana não passa de uma função do corpo humano. O que será que as mentes dos 57 milhões de eleitores que elegeram o capitão estarão pensando agora em fazer com esse “outro doido varrido” nesses próximos 3 anos e meio?

  2. Proposta de Pauta.
    Ao ler a matéria, chamaram minha atenção as seguintes frases:
    “Jânio também tinha jeito de maluco, mas era professor, um homem culto.”
    “Antes ser de eleito presidente, foi prefeito e governador de São Paulo e, em seu governo, contou com ministros muito competentes e respeitados.”
    Quando oportuno, favor escrever matéria sobre o ex-presidente, principalmente sobre sua atuação como prefeito e governador de São Paulo.
    Pelo publicado pela grande imprensa, os leitores só conhecem seu lado “folclórico”.
    Pelo meu parco conhecimento, era apenas sua estratégia de comunicação com o grande público.
    Atenciosamente.

  3. A farda virou deboche explícito. Já se ouvem os passos indecisos da caserna. Batem à porta e ninguém atende. General não é solução. A caserna não tem “quadros”. Ressuscitar Jânio? O quê faria o vassourinha? Compraria uma passagem para Portugal. Só de ida e bilhetinhos, jamais! Aqui, em breve, o povo emitirá um bilhetinho azul. Não é possível, o pior do centrão voltou a “governar”. Lavagem cerebral nos três Poderes.
    Até Jânio, pensaria em Parlamentarismo. O barulho da caserna aumenta. O povo nada teme, sabe que as folhagens agitam sem ruído. Jânio passou, Jair caminha a passos largos. Caiu a primeira pedra do joguinho de dominó. Agora é irreversível. Até as crianças sabem,

  4. Eu assisti o filme chamado “O Circo do Horrores” na minha infância. Nunca imaginei que ele seria reapresentado ao vivo no Brasil em 2019, com um elenco pra lá de horroroso. Em que vai dar esse Samba do Crioulo Doido?

  5. Jânio e Jair desafinaram feio. O primeiro, culto, sonhava com a ditadura. O segundo, inculto, assumiu a ditadura da farda engomada e incompetente. O Brasil rasteja na lama, antes corrupta, agora, corrupta e meia. Se o Congresso reuniu-se às pressas num histórico fim de semana e aceitou a renúncia de Jânio, dando folga aos braços do povo…. agora, o povo de braços desempregados tem tudo para tomar providência que já urge. A pior ditadura é a que se sempre nos ameaça, seja à la Jânio, ou à la Bolsonaro.

  6. aquela foto do Bozzo com os aluno do Colegio Bandeirantes de SP, uma escola da e para a elite, saiu com dois alunos fazendo o gesto de ‘L’, de Lula Livre.
    Coragem é isso ai.. E a foto foi descartada por isso.
    Mas me deu susto ver o detalhe que os garotos estao todos irreconheciveis a primeira vista,com os olhos tarjados em preto – exceto justamente os dois do L.
    Ora, isso quem foi que fez? Isso pra voces cheira a quê?

  7. Mino & Jânio tem algo em comum, o Mino era aluno dele, no Dante Allighieri…
    O Jânio era pior, mas o Bolsonarou piorou ainda mais!
    Fôrça no Balaio!
    abs
    Paulo

  8. Os blogs e sites “progressistas” querem levantar o moral da tropa, mas qualquer pessoa que capaz de raciocinar sabe que o projeto de destruição do Brasil não depende nem vai acabar com Bolsonaro.
    Aliás, o bobo da corte da burguesia é um ótimo criador de cortinas de fumaça, muito útil para ela.

  9. Concordo em gênero, número e grau dos óculos de Jânio, Mestre, comparar Bolsonaro com Jânio é não perceber antes, trocarem, Paulo Freire por Olavo de Carvalho, sapato por coturno, Sobral Pinto por Luís Roberto Barroso, briga de galo por briga em rede social, Pedroso Horta por Moro, proibir biquíni por proibir discordar, Pelé pelo pai de Neymar, varre varre vassourinha por colhe colhe rachadinha, Zito por Felipe Melo, playboy por agroboy, Chico Buarque por Zézé de Camargo, guarda civil por miliciano, Celso Furtado pelo Guedes Posto Ipiranga, café do Ponto por laranja do Queiroz, Gianfrancesco Guarnieri por Alexandre Frota, Universidade por sertanejo universitário, general Lott pelo general Heleno, bola por bala, Afonso Arinos por Ernesto Araújo, samba por golpel e o pior, vinho do Porto por Leite condensado no pão. Um milk shower com pé na cozinha.

  10. Tem coisas no projeto de destruição que de fato nao dependem de bolsonaurio. Infelizmente. Os projetistas do projeto tinham mais força para isso em 2016 a 18. Vamos ver o que nos reserva este ano e ate onde a depressão nos leva… E a meu ver tem outras que ja com ele eram delirantes e dificeis de operacionalizar. Tenho expectativa que sem ele serão abandonadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *