Agora é guerra: capitão desafia o mar de gente que saiu às ruas contra o governo

Agora é guerra: capitão desafia o mar de gente que saiu às ruas contra o governo

“Se há um idiota no poder, é porque os que o elegeram estão bem representados” (Barão de Itararé).

***

Antes de se refugiar numa lanchonete em Dallas, o capitão Jair Bolsonaro resolveu desafiar as multidões que saíram às ruas em todo o país na quarta-feira, em defesa da Educação e contra o seu desgoverno:

“A maioria ali é militante, não tem nada na cabeça, se perguntar quanto é sete vezes oito para ele, não sabe. Se você pergunta a fórmula da água, não sabe. São uns imbecis, uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra”, disse o presidente aos perplexos repórteres que o entrevistavam sobre as manifestações do Brasil.

Aonde ele quer chegar com isso?

Como de costume, o capitão certamente não sabia o que estava acontecendo por aqui, quem eram as pessoas nas manifestações organizadas em mais de 200 cidades do país.

Eram crianças e velhos, estudantes e professores, famílias inteiras ocupando as ruas com seus cartazes de protesto. Ninguém ali era massa de manobra. Me fez lembrar as grandes mobilizações das Diretas Já.

Se o general Heleno, o seu assessor de inteligência o tivesse informado, ele não declararia guerra aos setores organizados da sociedade civil que se uniram, não apenas para protestar contra os cortes de verbas na Educação, mas também para mostrar a sua indignação com o boçalnarismo que está destruindo o Brasil.

Agora, não tem volta: teremos uma guerra aberta, nas ruas, nas praças e em todos os lugares onde o povo se reúne para defender seus direitos de cidadania, ameaçados pelo autoritarismo galopante. O dia 15 de maio foi um divisor de águas.

Ao desafiar grosseiramente quem estava protestando contra ele, Bolsonaro mobilizou e uniu ainda mais as forças democráticas que não se entregam, e não apenas os que estavam nas ruas.

Bastaria ter dado uma olhada nas imagens da TV e nas redes sociais para descobrir que o vento virou contra ele.

Pesquisa publicada pelo Globo revela que, em 600 mil tuítes analisados após as suas declarações, 90% dos internautas dispararam críticas contra o presidente, seu governo e seguidores.

É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar: as mesmas redes sociais que Carlucho Bolsonaro usou de forma abjeta para eleger o pai, com kit gay e mamadeira de piroca, agora se mobilizam contra a família presidencial, e já anunciam os próximos passos do movimento de resistência aos desmandos do governo.

Entidades estudantis e sindicatos de professores já marcaram para o dia 30 nova mobilização nacional em defesa da Educação.

Líderes das principais sindicais começaram a convocação para a greve geral que planeja parar o país no dia 14 de junho.

Enquanto isso, Jair Bolsonaro assiste sem reagir ao derretimento da economia e da sua conflagrada base aliada no Congresso.

Sem ter apresentado até agora nenhum programa de governo, além da liberação das armas e da reforma da Previdência, restará a Bolsonaro o que ele parece estar procurando desde o início: colocar as tropas na rua contra o povo.

No governo da vingança, tudo indica que o objetivo é provocar o caos, para surgir mais adiante como salvador da pátria, sem a tutela dos generais e do mercado, como um napoleão fora de época.

O Brasil real, de quem estuda e trabalha, acordou hoje mais forte e com mais esperanças de dar um fim a este pesadelo que já dura quase cinco meses.

E a hora da verdade está chegando para o despreparado, grosseiro e tosco capitão, que um dia resolveu brincar de presidente da República.

Vida que segue.

 

19 thoughts on “Agora é guerra: capitão desafia o mar de gente que saiu às ruas contra o governo

  1. Ainda querem que acreditemos (e muitos acreditam) que a quebradeira do Brasil é consequência dos governos Petistas. Quem poderá desmascarar esses patifes?

  2. Olha o povão sendo feito de OTÁRIO de novo!!! Estas manifestações, encapadas pela mídia de modo moderado agora e de maneira “entusiástica” daqui há pouco (aguardem longas matérias “elogiosas” sobre as futuras manifestações no JN), terão a mesma utilidade que as manifestações de 2013, ou seja, iniciar de fato a movimentação para a derrubada de um presidente democraticamente eleito. O Bozo é uma desgraça, mas só não vê quem não quer que há uma clara intenção de derrubá-lo, pois aqueles que o bancaram já descobriram sua inaptidão para desempenhar o papel à ele destinado. E, como o Bozo não tem habilidade política nenhuma, assim como a tia Dilma, não demorará muito para ele cair e o “moderado” Mourão assumir, com o “arauto do fim do mundo” Paulo Guedes à tiracolo. Eu, como esquerdista, tenho vergonha do papel de LARANJAS que os esquerdistas desempenharam ontem com tanto gosto e orgulho!

  3. Quem disse que Bolsonaro não investe na Educação, estimulando-a, desconhece-o.
    Alguns cartazes nas manifestações de ontem:

    “Hoje a Aula é na Rua”
    “Fórmula da Água – H2O, Fórmula da Ignorância – B17”
    “H2O, Bocó”
    “Idiota útil Pra Tirar o Idiota Inútil”
    “Cabeça Vazia é Oficina do Olavo”
    “Onde Queres Olavo, Sou Paulo Freire”
    “Na Educação, Corte.
    Para Arma, Porte.
    Para Negro, Morte.
    À Mulher, Nenhum Suporte.
    Se Gay, Boa Sorte.
    Queremos um Presidente que se Importe!”
    “De Tanto Poupar em Educação
    Ficaremos Ricos em Ignorância”
    “Quando tudo for Privado, Seremos Privados de Tudo”
    “Eu Vo Mata a Edugasão Talquey!”
    “Sem Educação Basta o Presidente”
    “Nossas Expectativas já Eram Baixas, mas, Puta Merda!”
    “Liberté, Égalité, Universalité, Bolsonaro, Vá se Fudê”
    “Bolsonaro Miliciano, Seu Governo Não Vai Passar de Ano”
    “O Conhecimento Destrói o Mito”, certo, Mestre?

  4. Prezado Ricardo, quando vou para o trabalho dou carona para minha filha que estuda na Universidade Federal de Juiz de Fora. Ontem ela estava agitada, queria chegar cedo a UFJF pois teria muito trabalho a fazer, preparar cartazes, pinturas e participar ativamente da manifestação que ocorreu a tarde e literalmente parou a cidade. A maior manifestação desde o Fora Collor. Cheguei em casa por volta das 19 horas cansado, ela chegou às 22:00 horas ficou até o final e “acabada “, mas com uma disposição para debater e resistir. Não pode haver maior injeção de ânimo no coração de um pai para ser + UM, na rua, no debate e na luta por Brasil soberano, de paz, de justiça e de prosperidade. Salve a juventude deste país!

  5. Kotsho: já que você mencionou uma frase do Barão de Itararé (que você provavelmente conheceu, privilégio que eu não tive), cito outra, que acho que era assim:
    “De onde menos se espera, dali é que não sai nada mesmo”
    É ou não é uma definição perfeita do atual (des)governo?

  6. Ao ler o comentário do Cleibson Carlos achei a análise dele muito interessante,todo dia leio nos blogs de direita um elogio à Mourão,acho bom colocarmos as barbas de molho..Não estou vendo saída para este nosso Brasil sofrido.

  7. Hoje o homem estava descontrolado nas declarações, atacando jornalista, defendendo o pupilo, mais enrolado do que nunca no português, como é triste ver o país ser governado por um bando de incompetentes e arrogantes.

  8. Prezado Kotscho: Segundo matéria do Estadão de 16/05/2019 o capitão disse “Venham pra cima de mim. Querem quebrar meu sigilo, eu sei que tem de ter um fato, mas eu abro o meu sigilo. Não vão me pegar”, durante sua viagem para Dallas. Aí vem aquela pergunta: será que precisa quebrar seu sigilo pessoal ou está escancarada a atuação da Famiglia Bolsonaro na política há mais de duas décadas? E sobre o que ele disse que somos “uns imbecis, uns idiotas úteis” um cartaz de rua da manifestação da ultima quarta-feira, 15/05/2019, diz muita coisa: “Sem educação já basta o presidente”.

  9. De fato foi um mar remoto de gente!.Se o objetivo é impedir o chefe da nação e cassar o seu mandato.Precisa de um OCEANO de gente nas ruas e praças do Brasil.Na minha opinião.

  10. ” E a hora da verdade está chegando para o despreparado, grosseiro e tosco capitão, que um dia resolveu brincar de presidente da República
    C/todo respeito e admiração p/s/textos.
    Mas …
    Antes se teve 57.797.464 brasileiros (as) que ‘brincaram’ de democracia.
    Brincou-se c/Janio, c/Collor, c/64.
    Brincou-se c/a republica.
    É um eterno “brincar”

  11. “Matemática executiva para Dummies: curvas declinantes”. 2a ed revisada. Dallas. 2019
    – 8 x 7 = 64, se somarmos mais 8: Weintraub, Damaris, Olavo, Ernesto, Onix, Feliciano, Moro e Guedes.
    – Subtraídos 310 mil de 1,2 milhão = … “eu também quero um corretor estrangeiro com nome Dillard para vender a minha quitinete na Tijuca”
    – cinco meses = uma eternidade e meia (com chinelos e camisa do Palmeiras)
    – quatro anos menos cinco meses = nem me diz/diga
    – 115 milhões de neurônios divididos por 2 = “x” eleitores em 2018. Grande movimento atual pela reconciliação de Tico com Teca.
    – “a ampulheta virou / tique-taque / tico-teco / teco-tico / com-ele eu não fico” // tique-taka / tica-teca / teca-tica / mamadeira de PIRICA / diga ao povo que não fica”
    – Qual a melhor maneira de eliminar as pegadas? Apagando os rastros em Rio das Pedras. Probabilidade ou matemática? Mamadeira de “PIRÁTICA”.
    – Nas ruas, a aliança bem antes do previsto do “ele-não” junto ao “com-ele-em-vão”. Agora vão!

  12. Sei que sou insistente – era um tenentezinho de merda-…e nunca Capitão…Aproveitou a promoção forçada ao ser convidado a se retirar…

  13. Em 1968, eu tinha 20 anos. Vi, meio de longe, assustado, a passeata dos 100 mil no Rio e digo: eu pensava que a moçada de agora estava inerte, indiferente, meio sonsa e de repente, em um só dia, o cenário mudou. Mas a moçada tem que manter a pressão nas próximas manifestações. “Tem que manter isso aí, viu?…”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *