Governo Bolsonaro implode antes de começar: até quando país aguenta esse barraco?

Governo Bolsonaro implode antes de começar: até quando país aguenta esse barraco?

Antes de completar quatro meses, o governo Bolsonaro está implodindo, com o capitão presidente e o vice general agora em guerra aberta.

Aonde isso vai dar, quanto tempo ainda o país vai assistir placidamente a este barraco federal armado no Palácio do Planalto?

Parece que nada mais é capaz de espantar os brasileiros, tantos são os desmandos, as bizarrices, as pernadas abaixo da linha de cintura e os escândalos que se multiplicam em progressão geométrica para onde quer que se olhe.

Ou que outro nome se pode dar a esta notícia publicada pela Folha, como se fosse um fato corriqueiro: “Governo oferece R$ 40 mi de emendas a deputados que votarem pela reforma”?

É isso mesmo: o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em nome do governo, resolveu comprar os deputados para votarem a favor da reforma da Previdência no plenário da Câmara.

A R$ 40 milhões por cabeça, isso vai custar ao país R$ 14,2 bilhões até 2020, se forem incluídos também os senadores, para aprovar essa reforma já desidratada, um verdadeiro Frankenstein costurado pelo Centrão de Eduardo Cunha em parceria com o superministro Paulo Guedes.

Se essa reforma era a salvação da lavoura, o pau da barraca do governo, capaz de resolver todos os nossos problemas, de dor de corno a frieiras, então estamos perdidos.

Fora isso, qual é a estratégia do governo para os próximos meses e anos? Quais são os projetos para desencalhar a economia que está parando e enfrentar o grande drama do desemprego crescente?

Até agora, o governo só se dedicou a destruir a Educação, a Cultura e a Política Externa, acabar com direitos sociais, rifar a soberania nacional e o patrimônio público, distraindo a platéia com o arranca rabo entre filhos do presidente, generais de pijama e olavetes ensandecidos.

É só isso que anima o noticiário político, onde não há mais espaço para a discussão dos grandes problemas nacionais de um país que vai se desfazendo de vergonha na cara.

Outro dia, Bolsonaro acabou por decreto com todos os conselhos formados nos últimos anos pela sociedade civil organizada. Ninguém fala mais no assunto.

São tantos os absurdos e as atrocidades, que um vai superando e outro, uma tragédia cede lugar a outra maior, e logo os assuntos vão sendo esquecidos.

Nem se fala mais no fuzilamento por uma guarnição do Exército, com mais de oitenta tiros, contra o carro do músico em que mataram também um catador de papel que foi salvar o filho dele.

A troca de ofensas entre filhos do presidente, militares e olavetes virou arroz de festa, não dá mais manchete.

O aumento progressivo do desemprego e da miséria já faz parte da paisagem, não chama mais a atenção de ninguém.

E as milícias continuam mandando e matando impunemente no Rio de Janeiro, onde o famoso motorista Queiroz desapareceu, junto com os mandantes do assassinato de Marielle e Anderson.

Tudo virou o “novo normal”, essa expressão calhorda que inventaram para designar o que não é normal numa sociedade civilizada.

Até quando?

Vida que segue.

 

25 thoughts on “Governo Bolsonaro implode antes de começar: até quando país aguenta esse barraco?

  1. O novo normal tem o desalento com a gestão Bolsonaro. Ele queimou a língua reformada. Inaugurou o Balcão de pedidos do capitão, leia-se toma lá, dá cá. E começou ensandecido comprando votos a $ 40 milhões por cabeça legisladora e representante do povo. Eu quero minha mãe.

  2. O exército está nas ruas e não adiantou nada. Piorou tudo. O exército de quase 50 milhões de desempregados e biqueiros desfralda a bandeira da desilusão e da fome pelas ruas e nada, nadinha de emprego.

  3. Queiroz está sumido, ou sumiram com ele? Procuraram em todos os resorts?
    Que deixar bem claro, que eu, Flaviana Queiroz do Nascimento, não tenho nenhum grau de parentesco e amizade com este “de cujus” da vida inventariante do crime cometido por ele. Queiroz é o reformado e falecido DE CUJUS. Comigo não, capitão.

  4. Na eleição todo mundo é igual. Mas, no dia-a-dia, quem tem alguma voz na sociedade e nas redes é só quem está acima de um patamar mínimo. Neste público, a última pesquisa Ibope não deixa o Bolsonaro nada mal. Nas famílias que ganham acima de cinco salários, ele tem 45% de ótimo/bom, 56% de aprovação e 59% de confiança. Na faixa de dois a cinco salários, 56% aprovam a sua maneira de governar e 57% confiam nele. Segmentação similar se dá nas regiões. No Sul, 63% o aprovam.

    Esse é o motivo pelo qual não há nenhuma comoção social contra o Bolsonaro. Quem está contra ele é quem já estava antes e é minoria nesse setor da população.

    Com os conselhos é a mesma coisa. As poucas pessoas que lamentam o seu fim são próximas do PT como a Raquel Rolnik. Ou seja, isso foi ruim … para o PT. Para os demais, os conselhos eram, com uma ou outra exceção, uma maneira do partido se manter no poder. Basta ler os comentários ao artigo da Raquel no UOL para ver um exemplo disso.

    1. Engano seu. Muitos dos conselhos eram de minorias. Por isso mesmo, as MINORIAS estão sem voz para reclamar do fim destes conselhos, pois a MAIORIA só quer enxergar politicagem. Como deficiente, minha reclamação contra o fim do CONADE vai muito além de partidarismo. É um retrocesso para os deficientes, que perderam um defensor de seus direitos. E não, não é um Conselho petista, pois o CONADE foi criado em 1999. Mas, compreendo sua visão política, que acompanha o pensamento de Bolsonaro: “não deve nada aos negros, nunca escravizou nenhum” – não apoiando políticas públicas a favor de deficientes, pois não é um.

      1. 1 – A data de criação pode não significar muito. O CNDPH nasceu em 64, a Dilma alterou seu nome (CNDH) e sua composição de modo a garantir resultados como o do ano passado, quando seu presidente era um homem do MST que pregava o descumprimento da legislação e a candidatura do Lula.
        2 – O fato de não haver um CONAX não impede que o assunto X seja considerado importante e receba a devida atenção. É impossível afirmar de antemão.
        3 – Como eu disse antes, devem existir exceções, tanto que foi prevista a possibilidade de recriar conselhos quando esta se revelar a melhor opção. Talvez, no caso citado, os fatos mostrem que você tem razão.

        1. Meu desimportante mas incondicional apoio a sua excia o presidente Jair Messias.
          Pelo fim finado do horario de verão.
          Mas não ta como eu kero ainda. Apoiaremos muito mais quando o messias cortar para zero toda a verba publicitaria federal a plimplim.
          A plimprim é que nem pharmácia – se não é droga, é manipulação.

  5. Caro KOSCHO ! Vivemos dias terríveis e angustiantes com o DESGOVERNO bolsonariano. Onde está nossa juventude que no passado recente foi às ruas pedindo DIRETAS JÁ e os “caras pintadas” que ajudaram derrubar Collor? O Brasil precisa mais do que nunca do Estadista Luiz Inácio Lula da Silva para resgatar um mínimo de Esperança pro Futuro. Que Deus se apiede de nós, pobres mortais de um Brasil entregue “as baratas”.

  6. Tem algo grave aí: não sabemos ainda. “Mais luz”, dizia outro dia um cara até bem conhecido.
    Uma pista: no assassinato do músico e do catador houve contundentes declarações de militares, condenando o crime, mas o presidente, em sentido contrário, o descreveu inacreditavelmente como um mero acidente de percurso. Estranho: era uma defesa não solicitada pelas próprias Forças Armadas, com severas críticas públicas ao modus operandi da guarnição. Já no campo de tiro de Richmond (qual o motivo mesmo da entrevista ser precedida de uma exibição de um dos doze rifles da coleção particular deste preceptor da família presidencial? ) foram atingidos todos os militares. A narrativa deixa todas boquiabertas: se antes o nazismo era de esquerda, agora os militares entregaram o poder aos comunistas e Mourão seria um deles! Estranho também: pela lógica, coerente teria sido Bolsonaro continuar na defesa dos militares, mas o video agressivo foi mantido por algum tempo no lugar mais importante da república, para tão somente depois do estrago feito ser excluído. Seria o sintoma de um desconforto abissal e de algo em curso? Assustada só de pensar nisso!

  7. Tem toda razão, está tudo dominado, eles não tem nem vergonha do que fazem e falam, tudo corriqueiro. As políticas sociais, o desemprego, as regiões que ficaram sem um médico, e tantos outros assuntos sérios viraram paisagem. Estamos perdidos.

  8. Prezado Kotscho: E para essa arranhação geral de azulejos no Planalto onde “o governo só se dedicou a destruir a Educação, a Cultura e a Política Externa, acabar com direitos sociais, rifar a soberania nacional e o patrimônio público”, acrescenta-se que “Toda a diretoria do ICMBio é substituída por policiais militares” conforme noticia O Globo em 24/04/2019.

  9. Esse barraco não resiste a ventos eleitorais e democráticos.
    No encontro da qualidade de pressão baixa dessa gestão, com a pressão alta do desalento das ruas, forma-se o vento.
    Suas rajadas levarão o barraco de campanha para o lixo de nossa História contemporânea.
    Nenhuma capitalização sangrenta e “suicidante” se implantará contra o povo.
    Apesar da elite dominante e assassina de sonhos das classes C, D e E… ter revogado a Lei Áurea, o brasileiro não em sangue de barata.
    E o aposentado não é símbolo da vagabundagem, pois já contribuiu por décadas.
    Vagabundo é o FHC, agora de namorico com Mourão, degustando essa encrenca entre milicos do Guru e de pijamas sórdidos e encardidos.
    Esse barraco nunca teve mastro no centro do Poder. Agora, se equilibra sobre 3 paus, um deles foi ao chão. Não resistiu à brisa leve das paixões desencantadas pela burrice e prepotência que se instalou no TRÊS PODERES.
    Tudo podre.
    O vento forte se aproxima!

  10. Até quando?
    Não sei, Kotsho, mas arrisco um palpite: até a situação econômica ficar impossível de esconder (o que parte da mídia está tentando fazer).
    Educação, saúde, justiça, liberdade são muito importantes e, embora esses setores estejam sendo atingidos todos os dias, não se compara com a fome e o desemprego.
    E a fome e o desemprego tem aumentado muito.
    Não torço contra o Brasil, mas não consigo esconder que, no íntimo, fico pensando se não seria bom que a situação econômica piore ainda mais. Para ver se essa população (inerte, gado tangido) acorda e faz alguma coisa concreta.
    Pena que parte da população (paneleiros e idiotas políticos), está quieta por vergonha. Igualzinho ao corno manso que não larga da mulher, porquê tem vergonha de reconhecer que foi chifrado….
    E eu nunca pensei que tivesse tanto corno no Brasil.

  11. Kotscho a coisa esta ficando como o diabo sempre gostou, a madame voltou a alojar a empregada no quartinho dos fundos pagando seus serviços por um prato de comida.

  12. E onde estão os “senhores e senhoras do bem” ?
    Quando aprovarem a reforma da presidência, aí sim, definitivamente o Brasil será abandonado até mesmo por aqueles que ainda sustentam este maldidto governo. Vai virar um cabaré de putas loucas.

  13. Kotscho, a reforma da previdência sai tranquilamente.
    Os votos estão garantidos.
    Tudo andando para uma perfeita costura.
    Tem muita gente esperando para ser comprada.
    Normal.
    O Brasil é assim.
    Estamos em processo de grande amizade que esta sendo tratada entre Governo e os votantes.
    Amizade de verdade se constrói assim. E o momento é agora e para validade para as votações futuras.
    Inclusive para garantia de que naquele prédio “_II_” empichment não passará.

    1. _| |_ Símbolo da podridão, exceções raríssimas. Ali não “ventou” nenhum impeachment, e sim, a desumana e incompreensível “abolição” da Lei Áurea. Sinta-se desaforriado pela volta de poderosos escravocratas. Pra que Banco você trabalha? De boa, cara. Tudo de bom. Feliz “pós tudo”… que virá.

  14. Meu desimportante mas incondicional apoio a sua excia o presidente Jair Messias.
    Pelo fim finado do horario de verão.
    Mas não ta como eu kero ainda. Apoiaremos muito mais quando o messias cortar para zero toda a verba publicitaria federal a plimplim.
    A plimprim é que nem pharmácia – se não é droga, é manipulação.

  15. Os factoides diversionistas prosseguem.
    Com furor imaginativo até, praticamente todos os dias. Ouvindo ha pouco a rádio que troca a noticia sobre o tema liberdade de expressão x BB , os caras foram criticos na rádio.
    Mas todos pegando ‘leve’ e nem muito menos tocando no prato em que estão comendo e que hoje temos: fuga, omissão e diversionismo

    1. Vc ouve e permite a troca de notícia. Desligue. Faça um pli plum. Abraço. O grupo se ressente de audiência que despenca a cada minuto. Gente inteligente igual a vc sabe o que fazer. Abraço.

  16. Se nao impedisse nao tinha mudado…
    Os 45% que do “otimo bom” são e respondem por menos de 20% da populaçao. Então, são 9%, ne arnesto? E entre eles os envergonhados que nao confessam mais o voto dado.
    E nem falaram ainda dos detalhes maldosos da votaçao previdenciaria…
    Tome nota, arnesto, de uma coisa que meu prof de cursinho dizia: “Hoje em dia qualquer tese, noticia ou ideia se inclui em uma das tres hipoteses: ou é Verdade ou é mentira ou é Estatística.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *