Lula e Bolsonaro: a diferença entre ser presidente e fazer palhaçada

Lula e Bolsonaro: a diferença entre ser presidente e fazer palhaçada

Me lembro até hoje do susto que levei logo cedo ser chamado às pressas para ir ao gabinete do presidente Lula.

Ao lado dele estavam o vice presidente José Alencar e o ministro da Defesa, José Viegas, ambos com ar grave, em silêncio.

Eu era na época o secretário de Imprensa e Divulgação do primeiro governo Lula, encarregado de dar as boas e más notícias ao país.

Sem maiores explicações, o presidente me deu a ordem:

“Ricardinho, acabei de aceitar o pedido de demissão do ministro Viegas e nomeei o Zé Alencar para o lugar dele. Prepara uma nota para a imprensa”.

O ministro da Defesa já balançava no cargo há algum tempo, mas não havia nenhuma nuvem negra no horizonte a sugerir aquele desfecho.

Viegas se retirou em seguida, e o vice permaneceu calado, olhando para o presidente.

Quando Lula se afastou, Alencar me disse, preocupado: “Você viu o que o presidente me arrumou?”.

José Alencar era mais do que um simples vice: era o homem em quem o presidente mais confiava no governo e, por isso, fora convocado, sem consulta prévia, para acumular o cargo de ministro da Defesa.

Eram muito boas as relações de Lula com os comandantes militares e ele sabia que, naquele momento, o mais importante seria preservá-las, para evitar qualquer crise nesta área.

De fato, foi o que aconteceu. Não chegou a haver crise nenhuma. Lula a debelou em poucos minutos antes que se instalasse no governo.

Desci correndo a escada que separa o terceiro andar do gabinete presidencial do segundo, onde ficava a minha sala.

Redigi às pressas uma nota curta e, antes das 10 da manhã, estava consumada a troca de ministros.

Assim age um presidente da República cônscio das suas responsabilidades, assumindo todos os riscos e, neste caso, sem consultar ninguém.

Afinal, ele fora eleito e recebia um salário de funcionário público exatamente para isso: evitar crises, ao invés de criá-las.

Este episódio me voltou à memória, claro, nesta semana em que o Palácio do Planalto viveu a primeira grande crise do novo governo.

Desde quarta-feira, quando o presidente Jair Bolsonaro rifou publicamente pela TV e no Twitter o secretário-geral Gustavo Bebianno, que comandou o cofre da sua campanha, o país ficou paralisado à espera de um desfecho.

Bebianno declarou que não pediria demissão e fez ameaças avisando que não cairia sozinho.

Bolsonaro levou três dias para chamá-lo ao gabinete e lhe comunicar que seria demitido, depois de armar uma confusão dos diabos, em que chamou 11 ministros ao Planalto para auxiliá-lo a tomar uma decisão.

Na véspera, antes do desfecho do caso no fim da noite de sexta-feira, o presidente posou ao lado de ministros civis e militares no Palácio da Alvorada onde discutiu a reforma da Previdência.

De chinelos de dedo, moleton e blazer sobre uma camiseta pirata do Palmeiras, o presidente da República era o próprio retrato do seu governo esculachado, completamente perdido diante das grandes questões nacionais, sem saber o que fazer da vida.

Entre a palhaçada do ex-capitão reformado pelo Exército aos 33 anos, que já levou 45 militares para o governo, e a atitude cirúrgica do ex-torneiro mecânico ao cortar pela raiz a crise numa área sensível como o Ministério da Defesa, está toda a diferença entre os dois presidentes.

Isto explica também porque fizeram de tudo, unindo a farda à toga, para impedir que Lula, o mais admirado presidente brasileiro de todos os tempos, segundo as pesquisas, voltasse pela terceira vez ao Palácio do Planalto.

Candidato, seria eleito, também segundo as pesquisas, e o país não estaria hoje falando do deputado do baixo clero que se elegeu numa campanha sórdida deflagrada nas redes sociais.

Nas mesmas redes sociais, comandadas pelo Carlucho, o filho 02, armou-se agora uma baderna institucional, que está longe de ter um fim.

Fico pensando o que acontecerá se Jair Bolsonaro for obrigado a enfrentar uma crise de verdade, criada pela oposição e não pelo próprio governo, como foi a da CPI do Mensalão, com toda a grande imprensa mobilizada para comer o figado do governo Lula.

E estamos apenas no 47º dia do novo governo militar.

Bom final de semana a todos, se o PCC assim o permitir.

Vida que segue.

 

46 thoughts on “Lula e Bolsonaro: a diferença entre ser presidente e fazer palhaçada

  1. Seria melhor ter resolvido o caso do Bebbiano mais rápido, mas o Bolsonaro conta com o apoio da imensa maioria da população que influencia de algum modo o país, da classe média para cima. Para estes, a retirada do bode petista da sala é um alívio tão grande que tudo passa batido. Além disso, ele foi bem na parte política até agora, derrotando velhas raposas sem lotear o governo e as estatais como outros faziam.

    Já ele de chinelos me lembrou justamente a demagogia do Lula. E ele vai investir mais nisso. Vai se vestir de “popular”, aumentar o Bolsa Família, etc. Tudo para conquistar o único eleitorado em que o lulopetismo ainda é forte, dos que têm menos que ensino fundamental e renda familiar de dois SM. Nós, classemedianos, podemos achar meio babaca. Mas isso funciona com grande parte do eleitorado.

    1. Ernesto, este teu comentário, em nome dos “classemedianos”, certamente é o maior conjunto de bobagens e sandices já publicado por este blog.
      Só não o deletei para mostrar a todos os leitores deste blog a que ponto pode chegar a imbecilidade dos bolsonarianos convictos. É de dar pena, mas é o que temos.

      1. Prezado Ricardo Kotcho, bolsonaro deu dignidade aos ignorantes, elevou a auto estima dos idiotas, valorizou a estupidez, deu voz aos imbecis e cargos aos canalhas.

      2. Kotsho: vc matou a pau!!!! O uso da expressão “governo esculachado” foi genial e dizer que o bolsominion Erneste é autor do “maior conjunto de bobagens e sandices” já publicado no blog, me fez rir muito. Pena que a realidade voltou logo, para lembrar que esses imbecis da “bozolândia” continuam se achando gênios e capazes de melhorar o Brasil.

    2. Seu ernesto, teu comentário não ficou legal, humildemente vou sugerir algumas linhas que podriam ficar bem mais palatáveis, civilizadas, cultas.
      Larajinha, abacaxi né abacate nem abiu, muito menos abricot. mas melancia, ferro fundido, madeira de dar emdoido, endoidou. Siriguela, já que posso falar palavrão, ah cerola não concorda?

    3. Kotscho, me desculpe, mas eu disse três verdades indiscutíveis: B tem apoio da maioria antipetista da classe média para cima; B teve vitórias políticas sem lotear o governo; o PT é forte entre os mais pobres e ignorantes.

      Quanto às atitudes populistas, eu não falei por ninguém ao dizer que: elas ainda farão sucesso com parte do eleitorado; B voltará a utilizá-las por esse motivo; B se parece, nesse sentido, com L (é a minha opinião, os dois têm um lado populista que FHC, Dilma e outros não tinham).

  2. O desgoverno só está começando e sua verdadeira face já está à mostra: total desentrosamento entre os setores políticos e áreas afins. O “caso Bebbiano” é apenas a ponta do iceberg. Muita coisa pior ainda está por vir. Quem tiver paciência é só esperar. O Gen. Mourao, fingindo-se democrata, torce a seu favor, isto é, quanto maior a lambança mais ele aparece na Mídia como “apagador de incêndio”. Será que teremos 4 de “mais do mesmo”?

    1. Sim, José Eduardo, não esqueci: o Cristovam Buarque foi demitido por telefone e nem me lembro dos motivos.
      Mas não houve crise nenhuma, ao contrário do que está acontecendo agora, em que um ministro ou ex-ministro está chantageando o presidente.
      Qualquer comparação do governo Lula com esta esculhambação dos Bolsonaros no poder é uma cretinice sem tamanho. Pense um pouco antes de escrever tuas bobagens.

      1. kotscho, compreendo sua devoção ao Lula, que não é diferente da devoção dos eleitores do Bozo, ela já o fez me chamar de bolsominiom por discordar da sua avaliação de um restaurante que você divulgara, relevo. Concordo que esculhambação como vemos nesse governo nunca vimos, era previsível. Me ative a questão de dignidade e caráter. É falta de caráter demitir uma pessoa por telefone, carta ou Twitter, a indignidade está no ato, não no motivo da demissão. Bebiano e Bozo são caroços do mesmo angu. Torçamos agora para que, demitido, Bebiano seja o Palocci do Bozo, como já ameaça. Percebo que aqui, comentários que não o chamam de mestre ou gritam Lula livre só dizem bobagens.

  3. Não fui mem sou eleitor do PT por razões que nao é oportuno falar, mas de uns poucps de seis lideres. Admiro Jorge Viana, convici com ele em Rio Btanco quando era prefeito.
    Corretissimo, simples, leal. Isso chama-se inteligência
    Nessa “crise” do atual governo o Sr. presidente mostrou- Se im um pigmeu. Que Deus nos livre3 de uma crise de verdade.
    Sim, como disse, O Lula com essa situacao ia era comer churrasquinho na granja do torto com os amigos e bater uma bola.

    1. Pôxa, Franco, tanta gente para admirar nas hostes dos que lutam por liberdade, democracia, pão e aposentadoria, entre tantos, voce foi escolher justo o Jorge Viana? Ok, ok, você deve ter seus motivos pessoais.

  4. Por isso o ex-Capitão leva a alcunha de Bozo. Ate segunda feira, o mentiroso presidente do laranjal PSL ainda esta (m)sinistro vai passar o final semana fazendo ameaças. Não estranhar se ate segunda o desequilibrado voltar atrás
    mais uma vez.

  5. Que privilégio o seu, além de amigo, ter participado do governo ao lado do ex presidente Lula, fico imaginando, vi ele duas vezes, uma vez num comício em Ribeirão Preto e outra como presidente em uma inauguração aqui em São Carlos de um HU, como ele é especial, uma presença forte, tem o poder da palavra, hj infelizmente calado. Bolsonaro pra ser um terço de Lula nem se nascer de novo.

  6. Caro e prezado grande repórter RK, o que comentarei não é novidade, mas talvez seja o caso de lembrar que a criação do Ministério da Defesa foi sugerida pelos próprios militares. Também por sugestão deles foi decidido à época, no governo FHC, que o ministro da Defesa sempre seria um civil, como acontece nos EUA.
    Bolsô Canavieira quebrou essa tradição e nomeou um general para o cargo.

  7. Em tempo de crise no Laranjal Brasil, com Bebianno indo juntar-se à caixa que já contém Queiroz e Zero Um, comparação precisa e deveras pedagógica, Mestre.
    E, se antes de bancarem o ‘Arnesto’ em relação ao post derem-se alguns segundos à reflexão, perceberão de fato ser o mesmo que comparar, na Defesa, buscapé com míssil, na Culinária, doce de batata com brigadeiro, na Fauna, pardal com uirapuru e na Justiça, sérgio moro com Sobral Pinto, e quietos manterão-se, talquei?

  8. Prezado Kotscho: A foto que você postou ontem do presidente, “De chinelos de dedo, moleton e blazer sobre uma camiseta pirata do Palmeiras”, é no mínimo emblemática. Que mensagem ela quer passar? Empolgação? Prevaricação? Submissão? Ocultação? Prostração? Omissão? Banalização? Militarização? Descontração? Responsabilização? Aporrinhação? Corrupção? Esculhambação? Gozação? Manipulação? Adulteração? Alienação? Empulhação? Erotização? Cristianização? Evangelização? Mistificação? Admiração? Gozação? É um mistério.

  9. Caro amigo,kotscho a grande diferença entre Lula e o bozo não é ideologica e sim de conteudo!!
    Lula tem ,bozo nunca teve!
    O bozo na verdade é hoje uma rainha da Inglaterra,figura decorativa no planalto,só apareçe para falar ou fazer besteira!!
    O bozo não passa de um débil perdido em Brasilia,pedindo ajuda até para atravessar a rua!!!
    Era tudo que os militares queriam, um presidente decorativo para terem caminho livre rumo a volta da DITADURA, os bananas de pijama verde oliva estão rindo atoa!!!
    Força Amigo !! Estamos juntos na resistêcia!!!

  10. Ministério anencéfalo e medíodre. O “ungido” para o Esporte disse desconhecer quem é Pelé. Pra mim é preconceituoso e não gosta de Negro. A Pátria do penta deveria bater este pênalti……… Curto e grosso. Anencéfalo, o Ministro do Esporte.

  11. PSL = Pelé sim, leigo. ( Ao servilista ministro do esporte que disse não saber quem é Pelé). Minha vizinha
    do benzê faria o nome do padre, molhava um fumo no mijo de burro e enterrava com o nome do idiota ao lado de uma raiz de comigo ninguém pode)

  12. Horário de verão. Bom, ou mau? A mesma coisa de comparar Lula, ou Bolsonaro? Humm… há muitos jeitos de comparar, vejamos: LULA e Bolsonaro; Lula e bolsonaro; bolsonaro e Lula; Bolsonaro e LULA; Lula e bolsonaaaro; Lula do povo e Bolsonaro do rico; Lula condenado pela presunção e Bolsonaro eleito pela certeza de uma cadeira no STF; Lula da esquerda e do povo…. Bolsonaro da direita elitista. Até o burrico do Balaio parece desanimado. Nada com o horário de verão. Ele está mesmo desencantado. E 48 dias depois? Bolsonaro tá parecendo a volta do Carile no Corintia. Mau e mau.

  13. Coriolano, sua correta percepção sobre o que temos no planalto me assustou e acordou.
    ‘o desgoverno está só começando e sua principal face é desentrosamento entre o setores politicos e areas afins’ [que sao muitas e proximas e decisivas para o povo].
    Indo alem no teu raciocínio, pode-se dizer sem receio de erro, que mesmo se o governo de agora fosse bom, coerente com o que seja necessários às maiorias etc, ele se perderia no processo POR ESSE desentrosamento…
    Então, sendo ele o que é, não tem salvação.

    1. Concordo Augusto 2 e acrescento: a Grande Mídia deu uma enorme contribuição a “IDIOTIZAÇÃO ” de grande parte da população brasileira ao “criminalizar a política”, abrindo espaço para oportunistas TIPO João Doria (ele vendeu à ideia do Gestor Público), Alexandre Frota (ator pornô) e próprio Bozo Presidente, que jamais acreditou em sua eleição. Mas, como dizia uma personalidade da TV, …brasileiro é tão bonzinho…

  14. Que patetice do Bolsonaro. E o mais preocupante, é ele deixar seus filhos interferirem no governo como se o país fosse a casa da avó deles. Agora, comparar Lula com o Bolsonaro é inadequado. O que o Lula tem de inteligência, o Bolsonaro tem de indiscrição e tolice. É água e óleo. Por fim Kotscho, na minha opinião, você
    não precisa responder a certas asneiras, elas ridicularizam-se por si mesmas. Um grande, quando dá atenção a um medíocre, acaba, infelizmente se colocando no mesmo nível que ele, mesmo não o sendo. É só publicar e deixar que a parvoíce do parvo seja qualificado por quem lê.

  15. Toda esta confusão atende aos interesses daqueles que querem submeter o nosso país ao que desejam, para eles quanto mais convuso melhor. O bosta do Bozo foi um achado, pois junto com ele vieram seus filhos aloprados, e um bando de mongolóides que o apoia.

  16. Bom dia, Kotscho!
    Bolsonaro continua com as lambanças e palhaçadas, mas o mercado reage positivamente. A venda de carros, caminhões e tratores superaram todas as expectativas, sendo 50% superior a Janeiro/18. Real continua se valorizando e inflação controlada.
    Na sua opinião, pq a economia e o mercado não são atingidos por estas “palhaçadas e trapalhadas”?

    1. Não sei a opinião do Kotscho, só sei que eu não comprei nenhum carro, caminhão e muito menos trator e presumo que mais de 90% da população brasileira também não. Mas se o “mercado” tá comprando então estamos todos felizes, né não?.. Chatão.

      1. Caminhões e tratores são adquiridos por empresas, estão investindo muito neste período.
        Carro teve aumento de 10%, q é um excelente número.
        Sim, é um motivo de estar “feliz”, pois se estamos produzindo é sinal de melhora na economia, sinal de empregos serão gerados.

    2. Chatão, aqui em casa tá saindo mais em conta comprar par de chinelas toda semana, porque gastam antes do tempo, do que comprar gasolina!!! Mas tu e o teu “mercado” não são atingidos para a nossa alegria.

      1. Enio, o preço da gasolina é extremamente alto, assim como o Diesel. Aqui em Resende RJ a gasolina esta na média de R$4,39 e diesel R$3,05 (comum, diesel S-10 R$3,20). Mas em Abril/18 a gas. estava R$5,00 e diesel R$3,90. Leve melhora, mas sempre uma melhora.
        Sim q o mercado é atingido, caso contrário estaríamos tendo números de 2010/12. No gráfico q enviei ao CesarT é possível acompanhar este números, a alta em relação ao ano passado é sinal de melhora, porém ficam muito aquém de 2010/12.

        1. Chatão, pra botar fim nesse diálogo inútil, te digo que quero números padrão Lula, governo padrão Lula e vida padrão Lula e o teu mercado que se vire ou que se foda!!!

          1. Enio, tbm gostaria muito q se voltasse aos tempos de Lula no governo, sou apartidário e sem idologia, me preocupo com a economia do país, com a geração de emprego e renda. O período do Lula foi onde tivemos os melhores índices, mas não teríamos o mesmo resultado hj, mesmo caso ele fosse eleito ano passado. E tbm gostaria de voltar lá nos meus 20 anos.

    3. A “Paulo” coube a pata do elefante que apalpou e anunciou: é tronco e de tão robusto só pode ser carvalho, mandando inclusive foto tirada às cegas pelo celular a CesarT, para prova-lo.
      Agora a FGV informa que o elefante, também conhecido por PIB, foi de 1,1% em 2018, repetindo o Pibinho de 1,0% em 2017, puxado pelo setor de serviços que cresceu 1,3%, inclusas as chinelas compradas por Enio.
      Quanto a festejada pata do elefante, a indústria automobilística, um terço da produção destina-se à exportação, sendo 70% para a Argentina, que adquiriu em 2018 apenas 80% do volume previsto.
      Imagine então como será a exportação de veículos em 2019, com los hermanos hoje (e nós amanhã) às tangas e nas ruas, ‘a saudarem’ o governo tutelado pelo FMI, com inflação acima de 40%, como estão a fazer e nossa mídia a não divulgar, sendo responsáveis por 70% da importação?
      Essa é a realidade do elefante, não da pata do dito cujo que já balança com anúncios da Ford e General Motors.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *