Balaio errou feio ao acreditar em decisão da Justiça a favor de Lula

Balaio errou feio ao acreditar em decisão da Justiça a favor de Lula

Já tinha publicado minha coluna dominical e me preparava para sair às pressas para um compromisso importante no almoço de domingo.

Quando estava saindo, tocou o celular. Era um amigo dando a notícia:

“A Justiça mandou soltar o Lula, você sabia?”

A princípio, pensei que era brincadeira, um trote ou dessas fake news de que tanto falam.

Voltei correndo ao computador e era verdade: estava nas manchetes de todos os portais, anunciando que Lula seria solto ainda no domingo.

Não costumo fazer isso, dou sempre um tempo para me informar melhor antes de escrever, mas acabei me empolgando, e escrevi um texto a toque de caixa, feliz com a iminente libertação do meu velho amigo de 40 anos, preso há mais de três meses numa solitária da PF em Curitiba.

Repórteres não devem mostrar emoção no que escrevem, recomendam velhos manuais.

Mas nesse caso não tinha jeito, e acabei sendo criticado, com razão, por alguns comentaristas do Balaio, que cobram isenção dos outros.

Errei feio por acreditar naquela velha máxima de que decisão da Justiça não se discute, cumpre-se.

Antes mesmo de chegar ao restaurante, ouvi no rádio do táxi que o juiz Sergio Moro, o isento mor, o imparcial, o justo, deu ordem para a Polícia Federal não cumprir a ordem de soltura imediata de Lula, expedida por um desembargador que estava de plantão no Tribunal Regional Federal de Porto Alegre.

Achei que não tinha entendido direto: como pode um juiz de primeira instância desobedecer a um juiz do tribunal de segunda instância por considerá-lo incompetente?

No nosso país agora pode tudo, a depender do juiz e do réu.

Mesmo com Moro estando de férias em Portugal (como viaja esse rapaz…), ele se achou no direito de simplesmente proibir a libertação de Lula. Afinal, o preso é dele ou da Justiça?

Na minha matéria, nem tinha entrado no mérito da decisão do desembargador Rogério Favreto.

Não sou advogado e nem dava tempo, não queria me atrasar.

Estava começando ali, enquanto eu almoçava, a anarquia jurídica que tomou conta do país no domingo, com decisões conflitantes se sucedendo nas diferentes instâncias.

Pensando bem, seria mesmo impossível que aquela ordem do desembargador pudesse ser cumprida, qualquer que fosse o mérito ou a justificativa.

Como é que a Justiça brasileira, de uma hora para outra, iria soltar o ex-presidente investigado, denunciado, condenado e preso num processo tocado a Lava Jato, a menos de três meses das eleições?

Não tinham feito tudo exatamente para que ele não pudesse se candidatar e muito menos ser eleito presidente pela terceira vez?

Bem que o Lula muitas vezes me criticou no trabalho de assessor de imprensa por ser muito ingênuo, confiar em qualquer pessoa.

Ele mesmo, segundo o noticiário desta segunda-feira, não acreditou que seria solto quando os deputados do PT lhe deram a notícia.

Quando cheguei de volta em casa, o noticiário já tinha mudado o enfoque: agora se falava mais das ligações antigas do desembargador Favreto com o PT, o que serviria para desqualificar a sua decisão durante um plantão judiciário. Onde já se viu? Um juiz petista querer soltar o Lula?

Esqueceram-se que os ministros Edson Fachin, Roberto Barroso e Carlos Ayres Brito, o do mensalão, também tinham ligações antigas com o PT, e nunca foram criticados por isso.

Claro, depois de investidos na suprema magistratura, votaram sempre contra o PT, assim como a presidente Cármen Lúcia, nomeada por Lula.

Se o juiz tiver notórias ligações com tucanos, como Sergio Moro, Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, aí não tem problema a simpatia partidária?

A frenética movimentação que atravessou o domingo para manter Lula preso serviu, pelo menos, para mais uma vez expor a politização do Judiciário, escancaradamente a favor de um lado e contra outro, a determinar o rumo da campanha eleitoral.

Em resumo: o ex-presidente Lula não pode sair da prisão antes das eleições. E os inconformados que se queixem ao bispo ou ao papa, se for o caso.

Podem entrar os advogados de Lula com mais um milhão de recursos que seu nome não estará na urna eletrônica.

Isto está decidido há muito tempo aqui e lá fora. E ponto final.

Vida que segue.

 

55 comentários em “Balaio errou feio ao acreditar em decisão da Justiça a favor de Lula

  1. “Se o juiz tiver notórias ligações com tucanos, como Sergio Moro, Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, aí não tem problema a simpatia partidária?”
    Qual ligação notória o Sérgio Moro tem com o PSDB?
    Economizou bastantes fatos sobre o desembargador, este foi filiado por 20 anos ao PT, desfiliou-se pq passou em concurso para juiz, a mãe e irmã são filiadas. Ele doou dinheiro para campanha do paulo pimenta, o mesmo q entrou com o recurso.

      1. Sim, tem fotos de eventos em q estava ao lado de tucanos, mas é justo afirmar q tem ligações apenas por ter fotos juntos em eventos aberto a todo público?
        O q dizer sobre qualquer político q tem fotos com outros políticos, q se um roubou e tem foto com vc, vc sabia e participou?

        1. Melhor nem responder Ricardo! O pior cego é aquele que não quer ver! Cite o caso Richa, que segundo o juiz estava muito atarefado para julgar. Cite os trensalões de SP. Nåo perca tempi não Ricardo! A repúbluca de Curitiba é quem governa o país!

        2. Quanta injustiça com esse menino Moro, afirmar que ele é partidário do PSDB…

          Isso é coisa de gente que nunca viu seu processo andar em um domingo com juiz de férias. A coisa mais normal do mundo, diga-se de passagem.

          1. O juizeco alegou certa vez não ter tempo para julgar casos que envolvessem o PSDB, mas achou um “tempinho”, mesmo nas férias, para se insurgir contra uma decisão superior que favorecia o ex-presidente Lula.
            Em tempo: o pai do juizeco era também juiz em Maringá e devotava um ódio mortal ao Lula e ao PT. Muitas famílias foram perseguidas por ele, quando o ilustre descobria que essas famílias eram eleitoras petistas. Muitas tiveram que se mudar da cidade. O ódio do juizeco ao Lula vem daí. Aprendeu em casa.

        3. Aí vai a novo evento? Sorrindo tal qual um cãozinho que quer biscoito?
          O Moro é do PSDB, não só por causa da família, da assessoria que fazia ao prefeito corrupto de Maringá, não por ter soltado o Yussef no escândalo tucano do Banestado, não por “sua” equipe de acusação de Curitiba ser formada pelos famosos delegados aecistas que mataram o Yussef na manhã do dia da eleição e ressuscitaram de tarde, não por sussurrar no ouvidinho corrupto do Aécio, não por frequentar o instituto Lide, do bom gestor(de vendas do Patrimônio Público), Joãozinho Dória”. Não por estar de plantão há anos contra o PT e estar cansado pra julgar o processo tucano do Beto Richa. Nada disso:
          O Moro é tucano pois usa aquela ridícula gravata borboleta cafona. Assim como o ridículo e cafona do FHC, aos oitenta anos, posa pra tirar uma foto com um livro nas mãos sentado de ladinho numa poltrona achando que tá pagando de rico intelectual, o Não Vem ao Caso Moro usa aquela gravata borboleta ridícula nos eventos ridículos e cafonas dos EUA.
          Por isso é Tucano, não tenho dúvidas.

      2. Mestre, o crente ‘esclarecido’, de peneira em punho a tentar tapar o sol, é pura perda de tempo.
        O fato é que ontem o ‘juiz’ de primeira instância de forma descarada auto comprovou-se juridicamente, absolutamente não capacitado para julgar o ex-presidente Lula, isentamente.
        O resto é luar em Paquetá em noite chuvosa.

      3. Uma coisa é ter ligação, conforme exemplos colocado no post, outra coisa é estar na justiça a serviço de partidos, como os Srs. Toffoli, Gilmar e este outro juizeco plantonista, indicado pelo quinto (dos infernos) da OAB

      4. Kotscho, não há argumentos que convençam essa gente: Lula continua dono do Triplex leiloado em 15 de maio pra pagar dividas da Construtora OAS e Lulinha continua dono da Friboi. Acho que nem fazem por maldade, mas por burrice, lembrando os simpáticos porquinhos de “Animal Farm” (George Orwell), que tomaram o poder na fazenda de Mr Jones e adotaram a máxima “Four legs, good – two legs, bad” (É tudo culpa do PT). Orwell é também autor de “nineteen eighty-four”, publicado em 1949, que previa a sociedade de 1984 e acabou consagrando o termo “Big Brother”, o olho que a todos espionava. Boa tarde a todos

        1. E haja Orwell para tanto absurdo! Carlos Fuentes disse uma vez que no México, Kafka seria romancista de costumes. No Brasil, seria historiador!

  2. LULA PRESIDENTE: Agora é definitivo,votaremos em quem lula indicar para presidente,só falta eles não aceitarem candidatos do PT nas eleições;tudo é possivel,inclusive engarfar nas urnas para evitar o que é fato concreto e notório.

  3. Caro Kotscho:
    Ontem de manhã, quando minha filha mandou um uotsap informando da ordem de soltura do Lula, eu pensei, assim como ele, “não vai durar, o sistema golpista atual não vai deixar passar”. Pensado e feito.
    Quanto ao leitor Paulo, é perda de tempo argumentar.
    Abraços solidários do
    josé maria

  4. Boa tarde Senhor Ricardo (Coração de Leão),

    Muito boa sua auto crítica. Não se “culpe”, pois todos nós que estávamos em casa esperávamos que o dia terminasse da melhor maneira possível. Cheguei até mesmo a me emocionar. Mas, com o passar do tempo fomos vendo que a coisa não seria simples. O senhor tem toda razão quando fala que ele, o ex-presidente Lula, só sairá da prisão depois das eleições. Não existe ninguém no Judiciário para “peitar” as decisões do juiz Moro.

    Lamento!
    Boa semana.

  5. Nunca houve seletividade estratégica no julgamento de Lula? Esta afirmação tem cabimento, se e somente se quem a formula admitir que o teatro acusatório montado busca até hoje legitimar a si mesmo, sem grande sucesso, como um julgamento de fato ocorrido. Não haveria seletividade, somente neste caso hipotético, pois nunca teve lugar um julgamento em sentido estrito; embora tenha tido lugar algo parecido, muito parecido, com ele.
    Vejam que não falei de farsa judicial, mas de um teatro montado dentro de um processo, que transcorreu o tempo todo com uma linguagem cênica muito particular; de um processo que se cumpre, também, no interior de uma encenação engenhosa da prova cabal.
    Mas é fácil perceber que a linguagem trai: quando menos se espera, alguns profissionais da área jurídica, ao se imiscuir nas disputas públicas internas de um blog, dirigem-se a Lula com as conhecidas alcunhas altamente desrespeitosas: “ladrão”, “bandido”, “bandido condenado”, “analfabeto”.
    Curioso: este novo lugar público na Web parece autorizar exatamente aquilo que é descabido e terminantemente proibido nos tribunais; como se, por um efeito de liberação do recalque, a crençal moral de fundo contra o ex-operário nordestino, crença que nunca esteve ausente por trás da linguagem protocolar formal (neutra) do participante, pudesse finalmente aflorar. Sem restrições!
    Sem grande dificuldade, ouve-se aqui um anseio de autenticidade arquiconservador e a confissão quase ingênua do internauta: “digo de plenos pulmões aqui qual é o meu campo de motivações”. Percebam que ele exulta de orgulho, ao finalmente poder chamar de “bandido” um homem condenado judicialmente; neste caso, lutando para se ver livre de uma acusação.
    Como pode alguém que transita frequentemente do uso protocolar para o emprego (sintomático) da linguagem difamatória empenhar-se em desmentir a seletividade estratégica? Ele é o seletivo em tempo integral, inconsciente e inconfesso!
    É que ela/ele não se enxerga, imagina que “bandido” é uma propriedade auto-evidente do ex-presidente, que o “julgamento” , no seu ritual, veio a revelar. Diante da revelação, pois é disso que se trata, aos homens/mulheres de bem só caberia compartilhar de forma resignada a palavra sagrada. Quando um profissional do Direito (e é claro que não são todos!) diz “bandido” dentro de um blog, deve-se ouvir outra coisa: “herege”. Santificado, o juiz de Curitiba pode despachar-por-cima nas suas férias e o desembargador pelo alto, com elevação, pode avocar no Domingo. E tem gente que ainda achava o jejum não fazer sentido!

  6. Caro Kotscho, quando diz que isto está decidido há muito tempo aqui e lá fora tem a razão da razão. Afinal ,o jogo jogado aqui dentro tem cartas importadas do tio Sam.

  7. O juiz Moro solicitou à PF um tempo para liberar o preso enquanto ele consultaria o desembargador natural da causa .Foi o que fez a PF, aguardando alguns minutos a manifestação deste, que sem mais delongas cassou no ato o HC do juiz petista, tal era o grau de ilegitimidade e ilegalidade nele contido .O HC era na verdade, uma ABERRAÇÃO! pois que contrariava determinação do mesmo órgão e colegiado e, o que é pior ainda ,sem um fato novo para tal insensatez. O fato novo indicado era outra ABERRAÇÃO, uma vez que o juiz petista alegava que o paciente era candidato a presidência da Republica e estava sendo prejudicado na corrida eleitoral. Entendeu Sr.Kotscho? O juiz não desobedeceu o superior, apenas anotou e criticou o absurdo jurídico e se socorreu do juiz competente. Se a decisão fosse do STJ ou do STF, o juiz sequer seria notificado, uma vez que a PF teria que cumprir.

    1. “O juiz Moro solicitou à PF um tempo para liberar o preso enquanto ele consultaria o desembargador natural da causa .Foi o que fez a PF, aguardando alguns minutos a manifestação deste, que sem mais delongas cassou no ato o HC do juiz petista, tal era o grau de ilegitimidade e ilegalidade nele contido.”

      Mestre, não pode mais ser considerado como mendaz, digo ‘errante’ ou ilusionista, nesse estágio só pode ser a natural senilidade que chega e que não deve ser contraditada e sim, compreendida e respeitada, e devidamente acompanhada por familiares.
      Força e vida que segue.
      Que venha o novo!

  8. Se e a interpretação arbitrária das leis é um mal, também o é a sua obscuridade, pois precisam ser interpretadas. Esse inconveniente é bem maior ainda quando as leis não são escritas em língua vulgar.
    Enquanto o texto das leis não for um livro familiar, uma espécie de catecismo, enquanto forem escritas numa língua ignorada do povo, e enquanto forem solenemente conservadas como misteriosos oráculos, o cidadão, que não puder julgar por si mesmo as conseqüências que devem ter os seus próprios atos ficará na dependência de um pequeno número de homens depositários e intérpretes das leis. Colocai o texto sagrado das leis nas mãos do povo, e, quanto mais homens houver que o lerem, tanto menos delitos haverá.
    As leis estão escritas em línguas e esse costume bárbaro ainda subsiste no mundo atual.
    “Felizes as nações entre as quais o conhecimento das leis não é uma ciência.
    DOS DELITOS E DAS PENAS . Cesare Beccaria.
    Há 450 anos e nós ainda não aprendemos

  9. Mas, a não ser que a Lei da Ficha Limpa tenha sido revogada, o Lula não pode mesmo ser candidato. Quanto ao Favreto, não se trata de alguém que um dia foi do PT, mas de um militante petista que só não é de carteirinha porque precisou se desfiliar para cumprir as funções que o partido lhe destinou (como tentou fazer na tentativa de golpe de ontem). Nem falo do atropelo de funções e jurisdições. Mas dizer que a pretensa candidatura do Lula é um fato novo? Defender que a apresentação de uma pré-candidatura é motivo para soltar alguém? E considerar que esses temas contêm uma urgência que justifica um HC? Tenha paciência.

  10. Kotscho, este “erro” só te engrandece, como provam estas palavras que tomo a liberdade de reproduzir a seguir: “…..foi linda sua euforia no post anterior, mas infelizmente não vivemos mais um estado de direito, estamos numa ditadura judicial, está tudo dominado, muita grana correndo nos bastidores”, comentário pequenino e despretensioso do Everaldo, que retrata de forma fiel e brilhante o Brasil pós golpe. Abraço e boa semana a todos.

  11. Desde que começou o processo que resultou no golpe, estava mais ou menos claro que nada aconteceria com base em nossas instituições. Naquele momento, o PT, enquanto maior partido de esquerda, deveria ter liderado e começado a organizar as massas. Infelizmente, ficou apenas na luta parlamentar e judiciária, como aliás toda a imprensa progressista, com exceções pontuais. Em momento algum, o povo é lembrado. Oras, um olhar na história mostra que a direita só ouve a voz da força. Desde a prisão do Lula, era para se colocar em marcha todo um movimento de massas, sobretudo com greves. Agora talvez seja tarde, pois temos uma população anestesiada pela mídia que dificilmente se predisporá a lutar inclusive e sobretudo por seus direitos. Hoje, este e os demais blogs estarão cheios de matérias indignadas. E daí? Tudo continuará como antes já que nada ameaça nossa direita pois os luminares do judiciário e do congresso sabem que nada lhes acontecerá. No máximo transformar o Moro num boi de piranha, já que ele vem se tornando peça inconveniente para o próprio judiciário

    1. Caro Ari, pura verdade! Nada se conseguirá só com a esperança das ações de instituições desmoralizadas. Só a greve geral, mesmo, ou, mais ainda, a ação popular, como na Venezuela, quando do encarceramento do coronel Chávez. Mas aí é esperar demais do povo brasileiro.

  12. Estimado Ricardo,

    É o seguinte: se o desembargador “petista” “errou”, não tinha nenhuma razão para que os juiz(es) do PSDB, em um dia de domingo, deixassem suas férias para questionar aquilo que o superior dele decidiu.
    Caso Moro e seu compadre concordam que o ex-presidente Lula não tinha direito de sair da prisão, pelo crime que eles dizem que Lula cometeu, ele e o compadre não poderiam fazer isso na segunda-feira?
    Mas o que vimos não foi isso. O que vimos foi alguém acima da Lei, mesmo estando em Portugal (já repararam como ele viaja?) questionar e ainda por cima desmerecer a pessoa do desembargador.
    Moro não disse que estava cansado para julgar os casos que envolve o governador do Paranã, Beto Richa? Então por que essa “determinação” em manter preso o ex-presidente Lula?
    Para mim tem um perfil de um megalomaníaco. E nada mais.

    Sem mais delonga!
    Abraço.
    Cannindé

  13. Estimado Kotscho: caso ainda entenda que o Balaio somos todos nós, e não apenas Você, então não houve erro algum. Isto porque, no meu comentário, que foi o primeiro a ser registrado por Você, logo após a sua ‘celebração’ da soltura, a qual considerei ingênua, eu fui assertivo em declarar que a decisão não seria cumprida. Por que não seria cumprida? Porque o PT insiste em uma tática eleitoral totalmente equivocada, pelo simples fato de ignorar a verdade factual elementar: o Judiciário é o ‘Poder Garante’, em última instância, dos interesses seculares da Casa Grande. Tenho insistido que Lula jamais poderia ter aceitado a condenação e a prisão, se quisesse sustentar, coerentemente, as teses do “golpe parlamentar” e da “condenação política”. Como a narrativa do lulo-petismo apresenta as duas situações como conexas, isto é, uma coisa implicaria a outra, então a única decisão política consistente de Lula seria o “asilo político” na Cúria Metropolitana ou em embaixadas (não faltariam embaixadas de braços abertos para recebê-lo com honras de ex-chefe de Estado). Desde o princípio, a tática eleitoral e a estratégia política do lulo-petismo são totalmente equivocadas. O ex-metalúrgico tomou decisões extremamente infelizes desde quando saiu da presidência. Escolheu Dilma, insistiu com Dilma, aceitou a prisão, não se asilou e, principalmente, optou por acreditar na Justiça da Casa Grande. Não vai sair tão cedo da prisão e perdeu um tempo precioso que permitiu o crescimento sustentado da “candidatura militar”: o ex-capitão não desidratou e consolidou-se como real alternativa de poder. O campo progressista ainda bate cabeças e o lulo-petismo claudica em fixar o “cover” de Lula, sem saber, efetivamente, qual a capacidade real de Lula garantir a transferência da sua votação potencial apontada por todos os institutos de pesquisa. Há notícia na página do PT, pela primeira vez, de que o partido decidiu encomendar uma pesquisa para medir esse “coeficiente de transferência”. Essa informação é essencial para o lulo-petismo decidir se lança uma candidatura puro-sangue ou escolhe um candidato de outro partido. Também dissemos isto por aqui, a semana passada. A conferir.

  14. Se um juiz ou desembargador fica “louco” e decide algo que ele não tem competência para decidir, todos devem obedecer? Se o Trump decidir iniciar uma guerra nuclear os generais devem obedecer a hierarquia?

    1. Não sabia que soltar Lula por um dia seria um ato de loucura ou muito mais como jogar uma bomba atômica. Mas obrigado por me dizer o tamanho do estrago que ele faria na Direita.

  15. Jornalista também tem emoções. Balaio do Kotscho é um blog informativo e opinativo e tem livre arbítrio para escrever o que pensa.Podemos até não concordar as opiniões dele, mas devemos defender até a morte o direito de opinião. Lugar de repórter é era na rua, com mundo globalizado, lugar de repórter é na redes sociais, o fato era real, Kotscho publicou no calor da emoções. Como diria Caetano Veloso: foi lindo!

  16. Eu gostaria de saber o que leva algumas pessoas dizerem que acreditam na justiça! Isso pra min não passa de hipocrisia, eu só acredito se ouvir isso de alguém que esta sendo favorecido pela justiça atual, que virou patrimônio de um grupo ou de alguns partidos, fora disso a justiça brasileira hoje pra min não tem a menor credibilidade é ZERO, esta no mesmo patamar de qualquer associação criminosa.

  17. O balaio pode ter errado feio na data da soltura, mas que vai ser solto a tempo de disputar a eleição, isso vai. Aposte nesta certeza..Os golpistas não tem como segurar essa, sabem que sem Lula os não votos ultrapassam os 50% o que caracterizaria uma eleição fraudulenta. O mundo não iria reconhecer o resultado, tornando o eleito um pato manco já no dias da posse.

    1. “…sabem que sem Lula os não votos ultrapassam os 50% o que caracterizaria uma eleição fraudulenta. O mundo não iria reconhecer o resultado…”

      Li diversas x e ainda não consegui entender ou encontrar fato que comprove o q vc escreveu.

  18. Tem que ser o Lulinha.. o candidato. O filho do Lula. O eleitor vai entender .. só para ter o nome de um Lula na urna. O filho empresta o nome para o pai

    Esconde o Lulinha da imprensa

    1. Kotscho: eu praticamente nem dei atenção à notícia de soltura do Lula. Há 99% do judiciário trabalhando contra (lembrem a frase do Juca: um grande acordo, com o Supremo, com tudo…..). Nesse país em que filho de desembargadora é preso com 200 quilos de maconha e não está preso e que Senador é filmado, gravado e confessa “que pediu emprestado” 2 milhões, está solto e no exercício de mandato, é crime ser bem visto pelos pobres. Portanto, Lula cometeu o pior dos crimes, que é ser bem aceito pelo povo pobre. E quem não quiser concordar, pode sair batendo panela, de mãos dadas com Skaf, Aécio e a gentalha de Q.I. reduzido (a camisa da CBF é opcional).

  19. Eles é que erraram, Mestre, segundo Aragão, Lula refém, não acreditava na soltura e rindo da situação, provável que solto nem saísse de Curitiba.
    No ‘pré jogo’, ontem, os golpistas enfiaram o pé na jaca e só para ter-se indicação a quantas anda a ‘equivocada’ estratégia de Lula/PT, segundo o francês Instituto Ipsos, que pesquisa aprovação/ desaprovação de personalidades públicas, políticas e não políticas, e não preferências eleitorais, no Brasil, em julho de 2017, Moro tinha 18% de desaprovação e Lula 54%, na última, em junho de 2018, Moro apresentou 40% de desaprovação e Lula 43%. Aguardemos a próxima e confirmar o quanto ‘equivocada’ anda a estratégia de Lula/PT, sabendo-se ainda que na aprovação, Lula supera Moro.
    Pois é Mestre, “lá fora” não é mais teoria da conspiração e, de forma ampliada lá fora e aqui dentro, a partir da segunda quinzena de julho, começa o aquecimento.

  20. O juiz Moro, se tivesse impedido pessoalmente a soltura do prisioneiro Lula não teria cometido crime algum. E ele não fez isso, apenas solicitou um tempo para contatar a autoridade competente. No Brasil, o STF pacificou o assunto em decisão de 1996:
    “Ninguém é obrigado a cumprir ordem ilegal, ou a ela se submeter, ainda que emanada de autoridade judicial. Mais: é dever de cidadania opor-se à ordem ilegal; caso contrário, nega-se o Estado de Direito”. HC 73.454, Relator Ministro Maurício Corrêa, j. 22-4-1996, 2ª T, DJ de 7/6/1996).

  21. Nós, cidadãos comuns temos que discutir e questionar decisões judiciais sim. As leis, como já citei aqui, não podem ser oráculos misteriosos. temos sim, que FUTEBOLIZAR e CARNAVALIZAR a temática jurídica que se traveste num linguajar estranho para exibir uma falsa erudição;

  22. Prezado Kotscho: Não acho que o “Balaio errou feio ao acreditar em decisão da justiça a favor de Lula”, mesmo porque a prisão dele é inconstitucional, uma vez que não se esgotaram todos os recursos para sua defesa.

  23. Desde os primórdios dos meus cursos de formação dos meus concursos públicos, aprendi: “ordem ilegal não se cumpre”. Parabéns Moro, tanto era ilegal, pois o fato dito novo, é nulo. Decisão chancelada pelo presidente do trf4.

  24. Um “juizeco” de província, de férias em Portugal, vestindo bermudas e sandálias havaianas, fora de sua jurisdição, deixa o bacalhau de lado e passa a despachar nas coxas. Desesperado, passa a fazer telefonemas para sustar uma ordem de soltura de um preso político emitida por um desembargador, em completo acordo com suas atribuições. Que bagunça, sô…

  25. Oi Kotscho, só li as duas matérias hj, a sua de domingo e essa. Primeiro q não acho q vc errou, aqui é o seu blog pessoal, a sua opinião, não é um jornal em que vc é pago para escrever. Aqui acredito q vc pode falar como quiser. E mesmo assim, vc ainda se retratou. Todo mundo comete “erros”, acho que o jornalista quando reconhece os seus, cresce MUITO mais. Porque são raríssimos os que o fazem. Fiquei triste quando li seu texto esperançoso hj, pq deu para sentir realmente a sua alegria e a volta a esperança… agora, na terça, quando tudo já tinha acabado…
    Eu gosto muito quando vc conta essas histórias particulares de quem conhece o Lula como amigo, mesmo qu seja pequenas coisas ditas… é um outro lado q poucos conhecem. Ele não é perfeito, nem deus como muitos colocam, mas ele é realmente um líder fora do comum (me falta expressão melhor). Bjo

  26. O “juizeco” como alguns dizem, aprovado em concurso público, que a maioria aqui provavelmente não Seria aprovado (me incluo nisso). O grande desembargador, nunca passou num concurso para magistratura. Foi colocado lá pelo quinto constitucional (famoso jeitinho brasileiro). Pelo visto, falta notório saber jurídico ao pseudo desembargador. Entrou para história na maior galhofa jurídica nacional.

  27. A verdade a respeito do falecido” político Lula-O PT não deve continuar REFÉM do Lula -Essas tentativas absurdas,ilegais,na tentativa de “RESSUSCITAR” o ex-Lula é uma missão impossível.Lula é um mito,uma lenda tal e qual:Lampião,mula-sem-cabeça,lobisomem,saci-perêrê,caiporá,da ficção:Macunaíma.etc,.Eu sei R.Kotscho que você é um amigo apaixonado do Lula.Mas,da realidade ninguém pode fugir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *