Joaquim pode ser o candidato do desespero de quem está sem candidato

Joaquim pode ser o candidato do desespero de quem está sem candidato

Nenhuma pessoa com quem tenho falado é capaz de dizer qualquer coisa sobre Joaquim Barbosa, além do fato de ele ter sido presidente do STF e o relator do mensalão do PT que mandou a cúpula do partido para a cadeia.

A mesma dificuldade enfrentam meus colegas colunistas que se encantaram com a figura, apesar de ele ainda não ter assumido a candidatura nem se manifestado sobre os seus planos.

Alguém sabe o que ele fazia antes de ser indicado por Lula para o Supremo Tribunal Federal?

Alguém sabe o que ele foi fazer depois de pedir aposentadoria precoce no STF alegando problemas de saúde?

Alguém tem ideia sobre o que pensa a respeito de qualquer tema econômico, político ou social?

Mesmo assim, o ex-ministro surgiu de repente como um furacão no cenário eleitoral, para se tornar o candidato do desespero de quem está sem candidato, a começar pelos grandes eleitores do mercado e da mídia, e chegando ao cidadão comum que até outro dia declarava voto em “Ninguém”, o favorito nas pesquisas sem Lula.

No Barômetro Político Estadão-Ipsos divulgado nesta quarta-feira, que analisa a opinião dos brasileiros sobre personalidades do mundo político e jurídico, a desaprovação ao ex-presidente do STF caiu de 42% para 36%, e a aprovação oscilou de 38% para 40% na primeira quinzena de abril, em comparação com a pesquisa do mês anterior.

Condenado e preso em Curitiba há 18 dias, o ex-presidente Lula também viu sua aprovação subir de 41% para 42%, e a desaprovação cair de 57% para 54%.

Os demais pré-candidatos não se mexeram na pesquisa. Em desaprovação, o presidente Michel Temer continua imbatível, com a marca de 94%, certamente um recorde mundial.

No desespero, acossado por Joaquim, de um lado, e Jair Bolsonaro, do outro, o MDB de Temer já está até admitindo apoiar o tucano Geraldo Alckmin na tentativa de manter um aliado no poder, ainda que não seja muito confiável.

A cada dia mudam as peças no tabuleiro e, a esta altura do campeonato, tudo é possível.

Assim como setores do mercado e FHC, que não botam fé na candidatura de Alckmin, o MDB também acredita que o ex-prefeito João Doria, amigo do peito de Temer, ainda possa tomar o lugar do ex-governador como presidenciável do PSDB, a depender das próximas pesquisas.

Na verdade, ninguém mais confia em ninguém. Fica tudo por conta das novas pesquisas, que definirão candidaturas e alianças.

Nessa terra de ninguém, os generais Ibope e Datafolha, mais os togados do STF, tornaram-se os grandes oráculos da eleição de 2018.

Por mais que seja dado como carta fora do baralho, a resiliência de Lula nas pesquisas continua preocupando os adversários, ainda mais agora com as idas e vindas dos supremos ministros que ameaçam tirar os processos do ex-presidente das mãos do juiz-promotor Sergio Moro.

Já se fala até em anular as condenações porque descobriram que o triples do Guarujá e o sítio de Atibaia ficam em São Paulo e não na jurisdição da 13ª Vara Federal de Curitiba, e o juiz Moro não conseguiu até agora estabelecer a ligação entre esses processos e a Petrobras, que tem sede no Rio de Janeiro.

Como era fácil prever, vamos ter este ano uma campanha eleitoral sub-judice, sem saber até o último momento quais os nomes que chegarão à urna eletrônica.

Se o silêncio sobre o passado e o futuro até agora foi um aliado de Joaquim Barbosa, no momento em que assumir sua candidatura certamente também ele vai entrar no fogo cruzado dos adversários, que já devem estar pesquisando a vida pregressa do magistrado.

Uma coisa é acusar os outros; outra, bem diferente, é se defender de acusações.

Como Joaquim Barbosa vai reagir ao jogo pesado da política é uma das incertezas sobre a viabilidade desta candidatura extemporânea de quem só agora se filiou a um partido para disputar a primeira eleição da sua vida.

Experiências anteriores com outsiders presidenciais, como Fernando Collor, Jânio Quadros e Dilma Rousseff, não deram muito certo.

Com a bandeira do combate à corrupção, Collor era o caçador de marajás; Jânio, o homem da vassoura, e Dilma começou se apresentando como faxineira no primeiro mandato, lembram-se? _ e deu no que deu.

Por enquanto, Joaquim Barbosa não passa de um grande mistério.

E vida que segue.

 

 

15 thoughts on “Joaquim pode ser o candidato do desespero de quem está sem candidato

  1. Este indivídua é uma farsa, e ele mesmo sabe disto.É frouxo e fujão, é mais um Huck da direita, que em completo abandono, procura uma corda pra se salvar…tem jeito não… vai ser LULAKÁ, ou quem elw ibdicá.

  2. Este não tem tutano para aguentar a pressão de uma eleição. Já amarelou uma vez e agora é só aparecer as Fake News sobre ele (que deverão ser muitas) vai ser o suficiente para desestabilizá-lo e jogar nas lonas. Ai o Bolsonaro noucateia-o de vez.

  3. Lula ganha em São Paulo segundo o ibope,e é lógico que as forças do mal vão se alinhar psdb e toda a parte podre do mdb são td do mesmo buraco

  4. Vejo o Joaquim Barbosa, mais como um raio de luz. Enquanto há vida, é possível tomar novos rumos, mesmo que isso nos pareça humanamente irrealizável.
    Sofrer com Cristo santifica e eleva. Sofrer sem Cristo desespera e oprime. Desânimo gera desânimo – Tristeza gera tristeza.
    A arma que os políticos usam é o constante fascínio das trevas em cima dos pobres filhos que nasceram para possuir a luz. As trevas nos permitem ficar no erro.
    Para que eles (os políticos) possam continuar alimentando a hipocrisia promovendo a injustiça e encobrindo a verdade.
    Se sucumbirmos da nossa resistência física e psicológica que está enfraquecida, espiritualmente nos tornamos fracos.
    É preciso dar-se-nos conta dessa situação e todos juntos de mãos dadas decididamente reagir.
    Nossa união é a nossa força. Nunca é tarde para cada um dar um novo brilho em seu olhar sabendo que a claridade vem do alto; para a luz que vem de Deus mesmo que esse olhar esteja adormecido.
    Buscar um raio de luz, nem sempre é fácil. É bem mais cômodo desanimar.
    Mas, quando você jogar sua dor, de sua paralisia, de sua prostração total no ofertório do amor de Deus, na ressurreição do Senhor (nosso Salvador), você também ressurgirá.

  5. Estão dando pérolas aos porcos! Joaquim Barbosa, o Batman de Paracatu não tem cacife para ser presidente. Não tinha nem pra ser ministro e este pode ser mais um erro colocado na conta de Lula.
    Quanto ás idas e vindas dos supremos ministros, acredito que, apesar do delay de tempo entre as condenações recebidas pelo Lula do juizo de piso e segunda instancia, está pesando agora o raciocínio crítico dos ministros do supremo. Como vão encarar seus colegas em fóruns, debates e assembleias internacionais se viram um juizeco rasgando a constituição, fazendo uma suruba com às leis e com a conivência deles próprios? Na verdade estão pensando em como serão vistos no futuro, pela história a ser contada e recontada!!

  6. Da favoritos eleitorais ninguém parece saber muito, mas já existe uma séria candidata ao trono de palavra mais obscena desta crise civilizacional que nos assola: “polarização”. Sob o pretexto, saudável no início, de ver sempre o que perspectivas muito distintas tem a dizer sobre um mesmo tópico, inventa -se frequentemente o lado oposto do outro lado. Daí que em alguns sites noticiosos haja a preocupação em “apurar”, de forma falsamente antitética, o que pensam os apoiadores de Lula e Bolsonaro, como se estes fossem o extremos de uma sociedade dividida, polarizada. Grossa bobagem: a polarização, se existir, é entre civilização e barbárie, mas neste caso a civilização percorre um amplo arco e a barbárie pode ser circunscrita mais facilmente com base em regressões muito claras: defesa da tortura, propostas de eliminação física de dissidentes, relativização extremada dos Direitos Humanos, homofobia, racismo e a justificativa da legitimidade de atentados terrorista à bala contra candidatos rivais. O discurso de um dos candidatos na Hebraica sinaliza como o mês de Outubro pode se tornar um pesadelo.
    Sem medo aqui de formulações concisas: Lula, FHC, Ciro, Marina, Geraldo, Barbosa, civilização; Bolsonaro, mergulho na barbárie.
    Posso não gostar da ideia fixa de descrever gasto estatal para ampliação sistemática da inclusão como o “fiasco do protecionismo”, e de fato me desagrada este embalo, mas isto não me leva a desconsiderar o abismo civilizacional entre, de um lado, Samuel, Marcos e Alexandre e, de outro, Paulo, o apóstolo do casamento da ordem de repressão máxima com o progresso do estado mínimo.
    O observatório de fake news de alguns sites deveria também olhar para si mesmo, monitorando o laxismo linguístico que tem se permitido. Seria escandaloso que alguém escrevesse nos anos 40 algo assim: “os judeus alegam que são objetos de um extermínio sistemático, já os alemães retrucam que a economia de guerra os obriga direcionar recursos vitais apenas para o seu povo, e como não é possível alimentar a todos, alguns ficarão de fora.”

  7. O PT está a procura de um cipó na beira do barranco para não naufragar de vez, já que não tem nenhum poste em evidencia. Joaquim pode ser uma ótima opção, já que não tem nenhum melhor que ele…Da-lhe Joaquim

  8. Lula será o próximo presidente do Brasil, lamentavelmente. Preso ou solto será candidato e ganhará, o resto é especulação. Tem o apoio dos principais governadores do Nordeste, só gente boa como Renan, Eunício e outros da mesma linha, fará seu governo de forma mediocre e populista como sempre foi e não nos levará a lugar nenhum, como não levou em seus dois mandatos. Não faltará ao PT dinheiro para elegê-lo. Escrevam aí.

    1. Caro Jose Eduardo, o Partido dos Trabalhadores conseguiu fazer com que 30.000.000 (Trinta Milhões) de brasileiros passassem a fazer três refeições por dia, ficando acima da linha da miséria, Segundo o “Pavonoso” Ministro Barroso, isso se deve tão somente ao cumprimento da Lei, que no tempo do PSDB (Fernandinho “Vaidoso” Cardoso) tambem existia essa Lei, e os mais pobres viviam catando lixo para sobreviver e no Governo Lula se fortaleceu as Cooperativas dos Catadores de Lixo. Acho Joaquim “AP DE MIAMI” Barbosa um desespero de quem não tem candidato típico de quem esta num mato sem cachorro, ou seja, JÁ QUE TEM SÓ TU (PARACATU) VAI TU MESMO, talvez os “COXINHAS” acreditem e inflem sua candidatura. Se o Lula conseguir ser candidato, o Bolsanaro pode “JAIR” vazando fora.

  9. Outro dia eu li uma besteira que não tem tamanho: “J.Babosa vai tentar captar votos de petistas”. Não é incrível? Onde já se viu. Ele foi um canalha contra o PT…e agora eu vou votar nele. Só um idiota para acreditar nisso. Querem saber? J. Babosa , como se diz no Jóquey, não paga nem placê nessa eleição. Isso se não cair a ficha dele e logo desistir.

  10. Prezado Kotscho: “Alguém sabe o que ele foi fazer depois de pedir aposentadoria precoce no STF alegando problemas de saúde?” Será que não foi pra Miami?

  11. Bom dia Kotscho,

    Está eleição a responsabilidade dos eleitores é imensa e devemos nos ater mais até do que as promessas (pois sabemos que elas pouco serão cumpridas) é ao histórico dos candidatos que iremos votar. Sobre o Joaquim Barbosa não encontro nada que o desabone a querer ser candidato, pelo contrário, tentou fazer justiça da maneira que ele podia no momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *