31/3/2018: 54 anos depois, estamos de volta ao passado?

31/3/2018: 54 anos depois, estamos de volta ao passado?

Eu tinha 16 anos em 1964, estava começando a trabalhar num jornal de bairro e tinha a ligeira impressão de que algo de muito grave estava para acontecer.

Depois do comício de Jango na Central do Brasil e da revolta dos marinheiros no Rio, começou-se a clamar abertamente na imprensa por um golpe militar para “acabar com a baderna e a corrupção” e “livrar o país do comunismo”. Lembra alguma coisa?

Vivíamos os tempos da Guerra Fria e o país estava dividido entre reacionários e trabalhistas, direita e esquerda, como hoje.

Logo depois do intervalo, um professor do Liceu Pasteur entrou na classe e mandou todo mundo pra casa porque era muito perigoso ficar na rua, como hoje.

Levamos mais de duas décadas para reconquistarmos o direito de votar para presidente da República, já tivemos sete eleições diretas, mas a nossa frágil democracia está novamente ameaçada.

Estamos de volta ao passado?

Acabou a Guerra Fria, a ditadura morreu de caduquice, e cá estamos nós lendo no noticiário que as eleições de outubro estão ameaçadas porque “não há clima”. Como assim?

O que não há até agora é um candidato viável para “manter isso aí, viu?”

As mesmas forças civis daqui e de fora que convocaram os militares em 64, uniram-se novamente agora nesta ditadura disfarçada, não para derrubar este presidente ilegítimo, que já não governa, mas para impedir que outro, duas vezes presidente eleito, volte ao poder pelo voto.

Os tanques voltaram às ruas para combater a baderna no Rio, as instituições estão novamente em frangalhos, acena-se outra vez com o “perigo vermelho” e vai-se criando o clima para melar as eleições, se o Judiciário ou “balas perdidas” não derem um jeito logo de eliminar o adversário comum.

Na próxima quarta-feira, estes dois Brasis estarão frente a frente diante do Supremo Tribunal Federal.

Lá dentro, 11 meritíssimos ministros, que não foram eleitos, decidirão o destino das eleições, enquanto petistas e anti-petistas medem forças do lado de fora.

Na antevéspera da grande decisão, em pleno feriadão da Páscoa, mais de 1.500 juízes e promotores já assinaram um documento para Cármen Lúcia, a que não aceita pressões, deixar tudo como está.

Encurralado no Palácio do Planalto, o presidente de plantão só está preocupado em salvar a própria pele e manter o foro privilegiado.

Só uma coisa é certa: mais de meio século depois, vamos ter que novamente lutar pela redemocratização do país.

Não sei se para mim vai dar tempo de ver isso acontecer, mas talvez meus netos tenham mais sorte e possam um dia comemorar a Páscoa sem medo do amanhã, que hoje está com gosto amargo de ontem.

Boa Páscoa a todos.

Vida que segue.

 

 

19 comentários em “31/3/2018: 54 anos depois, estamos de volta ao passado?

    1. Logo após as Jornadas de Julho, o PT estava nocauteado. Mas Bolsonaristas e tôcucunhas, Aecistas e paneleiros amestrados da Globo etc… ressuscitaram, rejuvenesceram e revigoraram o PT, ao apoiarem estupida e afoitamente a reforma da Previdencia, redução do Salário Minimo, etc…de Temer. Ou seja, só temos a agradecer ao Mito e seus seguidores, ao Frota, MBL, etc… Valeu, gênios.

      1. Cada cabeça uma sentença. O Victor Hugo, pensador e romancista francês que conheço não falava tanta besteira. Certa vez ele disse: “Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha”. Dentre outros. Vida que segue.

  1. Kotscho. Você se intitula um jornalista imparcial ou cada artigo seu é um editorial do Globo às aversas ou um módulo robusto do Brasil247.com?

  2. O Kotscho voltou lá atrás no comício de Jango na Central do Brasil e da revolta dos marinheiros, do Rio. É muito difícil acreditar num comentarista de plantão já titulado, aqui, como acéfalo que só fala baboseiras, coxinha, etc; mas, que teve como ninguém teve o privilégio de apresentar a um futuro presidenciável uma ‘cartilha de sugestões’ em que pode estar a saída do país. Tá tudo escrito. Em que o direito à vida, à liberdade e à propriedade estão em destaques e com soluções inteligentes.
    O Estado legítimo deve proteger os direitos do cidadão contra o uso da força, fraude e roubo. Deve prevenir com a utilização de polícia, exércitos e tribunais. Depois da 2ª grande guerra, nossos governantes pecaram em não investir de verdade numa Educação de qualidade – única saída para o desenvolvimento de qualquer nação. Nada me surpreende: hoje pagamos com a vida este grave erro. Vida que segue.

  3. “acena-se outra vez com o ‘perigo vermelho”, como se Lula tivesse fechado bancos, desapropriado latifúndios, privatizado empreiteiras, fechado jornais, cassado concessões de TV etc… em seus dois mandatos. Tudo é desculpa pra manter a quadrilha tucana/PMDBista no poder. E quem venham as sandices, baboseiras e disparates dos anti-PT’s do Balaio, que de tão extraordinários comentaristas, nem precisam ler o post.

    1. Excelente comentário Victor Hugo. Esse Bolsomala não entende de nada em Gestão Pública, a única proposta desse mala para resolver os problemas de segurança, saúde, educação entre outros no Brasil é armas, armas e armas e mais armas. É um candidato piada de mal gosto.

  4. Lucidez e transparência! Exemplo corajoso e leitura crítica do medíocre contexto político. No banco dos réus, “Otoridades” e instituições, antes ditas Constituídas, hoje, no ralo da falência moral. Ilegal até o dia que o povo, assim o exarar. Por cordado com o Post, acrescento, se já não o está, nas entrelinhas consolidado: O GOLPE CONTINUA. Depois de 420 anos de cativeiro, os hebreus festejaram com a Páscoa, a liberdade política; Jesus crucificado, mostrou a passagem para a vida sem pecado, venceu a morte e ressuscitou na Páscoa dominical do povo de Deus; Que na Páscoa de 2018, cada cidadão reflita sobre a morte do poder de indignação do brasileiro. Que a ressurreição da dignidade política seja sufragada nas urnas dominicais de outubro próximo. Muita paz a todos.

  5. Mestre, de fato, nunca saímos do passado.
    A ‘Casa Branca’, imperialista, indutora e patrocinadora, continua a mesma.
    A ‘Casa Grande’ está onde sempre esteve, zelosamente cuidada por herdeiros.
    À ‘Casa dos Flamingos’, a família conspiradora permanece a mesma.
    A ‘Casa das Garças’, o IBAD nacionalizado, continua ‘think tank’ de banqueiros, para pensar o Brasil para eles.
    A ‘Casa das leis e fiscalização’, o Congresso, permanece o mesmo, piorado, foi de AAAA para BBBB (Bala, Bíblia, Boi e Banco).
    À ‘Casa de Thêmis’, nada mudou, a maçonaria e a p…… seletiva, são as mesmas.
    A ‘Casa da Mídia’, de pais para filhos, tornou-se partido, com pauta única e protagonismo, faz notícia.
    A ‘Casa do Governo’, golpista, continua representando a Casa Grande.
    A ‘Classe Média’ continua a sonhar com a Casa Grande.
    Para não dizer que nada mudou, a ‘Casa da Eny’ não existe mais. – E o Povo?
    O Povo permanece assistindo, agora com celular.

  6. São duas coisas muito distintas, uma abordada aqui amplamente e outra estrategicamente sonegada:
    1 – Na proxima quarta feira, o que está em jogo é se LULA deve ou não ir para a cadeia já, visto estar condenado em segunda instancia. Portanto, não se trata de golpe para ele não ser candidato e sim, de condenado que é, se deve começar a cumpri sua pena, como aliás, muitos outros seus comparsas ja estão fazendo;
    2 – Na outra ponta, está a LEI DA FICHA LIMPA, que esta sim vai barra-lo de disputar eleição, a não ser que, novamente seja impetrado um novo golpe na lei, como já é dado como certo por muitos setores da esquerda. A esperar por ver, se o Ministro Luis Fux vai ter tutano para aguentar o rojão….

  7. Você é genial, análise fantástica do que está acontecendo. Este retrocesso é verdadeiramente uma pena, também não pensei que voltaríamos a passar por isso. Desta vez não vou concordar com o “vida que segue”- ela retrocede.

  8. Parece que Ricardo não consegue mais escrever sem a premonição de ditadura militar. Não sei se é torcida para dizer que já sabia ou alguma esperança que a esquerda acovardada e hoje falida volte a mostrar um rumo que não seja os 2 ou 5% das propinas. Apesar das fragilidades dos seus representantes as instruções estão fortes e não precisa de Salvador da pátria. O máximo que a esquerda faz e se vitimizar e espernear, xingando e ofendendo quem não lê em sua cartilha cubana ou venezuelana. Graças a todos os deuses nos livramos desses regimes políticos ditadoriais que foram expurgados de 90 % dos povos do mundo que viviam sob essa aberração. Tenha visto o muro de Berlim que até hoje deve ser usado como nada de bom para ser copiado. Não existe mais mobilização da esquerda sem dinheiro e o máximo é torcer que as previsões se concretize nas mentes doentes e órfãos de líderes que charfundaram até o último fio de cabelo na velha corrupção. Vida que segue

    1. Fizeram um governo de fraude e roubo, gostaram tanto e ainda querem voltar. Eu sou humano, e a natureza humana implica compaixão, participação, respeito, empatia.

  9. Não é vida fácil ser de esquerda, divergências internas como forma de vida e argumentação (muito) mais exigente, sem nunca satisfazer por completo. Quedinha por ordem unida? Não é conosco. Eles, bem, eles, têm uma narrativa consolidada e …. consoladora: Lula e o PT culpados, de tudo! Não querem pensar, todos eles, em nada mais.” Deu-ruim”, deu no Breitbart local que Lula vai converter o Brasil numa Venezuela, vai confiscar um dos quartos da casa de todas as pessoas-de-bem, deu ainda que um jogador do Barcelona será trocado por alguém do banco rubro-negro. Messi deve estar chegando no Ninho; se não encaixar no esquema de Guardiola, arrendado até Dezembro graças a um City piedoso, voltará para Cuba. Mentira? Isso não existe mais.
    * a brincadeira não me faz desacreditar nas chances na Libertadores, que venha o River de novo (é isso?)!

  10. Fiquei muito assustado com o artigo de Merval Pereira de ontem, em que faz ominosas previsões sobre a “falta de clima” para as eleições de outubro.

  11. Caro Kotscho,

    Era criança quando a ditadura militar iniciou o seu degelo. Mas lembro bem da movimentação pelas diretas, e a sensação de alívio geral que existia nesse período de transição.

     Também me são vívidos os acontecimentos ocorridos durante os regimes fascistas – o que aprendi nos livros e aulas de História, bem como inúmeros filmes, ficou bem marcado. Assim, imaginei que a crueldade em escala industrial seria sossegada, e que haveria um progresso constante rumo a tempos de paz e de prosperidade geral. Afinal, faz poucas décadas que saímos dos "anos de chumbo", e a intolerância e indiferença ao próximo que levaram à II Guerra mundial não estão há tantos anos longe de nós.

    Mas, pelo visto, agimos ciclicamente, em ondas: o que nós brasileiros (e a humanidade em geral, já que as manifestações de ódio têm também surgido alhures) aprendemos com os períodos citados acima tem sido esquecido. Vivemos com uma falta de empatia gritante, a história é reescrita por "oráculos" de Facebook, e valores do Iluminismo, do Humanismo Cristão, são tidos como "coisa de comunista". A Razão, norteadora, foi pro espaço: o limite é a Terra ser plana, para muitos.

    Como o colega falou em outro comentário, não é vida que segue; ela regride. E isso dá um grande desânimo e desesperança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *