Que eleição é essa com candidatos sem votos e eleitores sem candidato?

Que eleição é essa com candidatos sem votos e eleitores sem candidato?

Cada vez encontro mais gente reclamando que não tem em quem votar.

Conversando com minha mulher neste final de tarde chuvoso sem novidades no front, fiquei pensando: que eleição é essa com candidatos sem votos e eleitores sem candidato?

Quem tem votos não pode ser candidato e quem não tem quer ser.

Se continuar assim, logo vai aparecer alguém para propor que é melhor adiar ou cancelar logo de uma vez esta eleição.

Não duvido que altos estrategistas de Brasília já não estejam pensando nisso.

Em qualquer país democrático do mundo, eleição é sempre uma renovação de esperanças, mas aqui está acontecendo o contrário.

À medida em que mais nos aproximamos da data marcada no calendário eleitoral, mais sinto crescer a desesperança.

Aquilo que deveria se constituir num amplo debate sobre os destinos do país está confinado no Fla-Flu histérico das redes sociais e no toma-lá-dá-cá do leilão armado no Congresso Nacional.

Até agora não apareceu uma bandeira, um projeto, uma ideia nova sequer para tirar o país do buraco em que se encontra.

Os que estão no poder desistiram de falar em reformas e só pensam na própria sobrevivência, de preferência longe da cadeia.

Os que querem chegar lá brigam entre si sem apresentar soluções minimamente viáveis.

Os três poderes se aniquilaram mutuamente na mediocridade pomposa dos seus próprios interesses, indiferentes ao que acontece do lado de fora dos palácios.

Ninguém reage a mais nada, como se o país tivesse sido congelado, à espera de tempos melhores vindos do céu.

A direita saiu do armário por uma porta, a esquerda entrou pela outra e tudo se misturou na geleia geral suprapartidária de um país permanentemente sub-júdice.

Nomes não faltam na lista de candidatos. O que não há são lideranças com propostas capazes de cativar os eleitores, mobilizar corações e mentes em torno de um projeto de país, qualquer um.

Passamos anos gritando fora isso, fora aquilo, abaixo tudo, sem saber o que colocar no lugar. Sempre foi mais fácil derrubar do que erguer tijolo sobre tijolo a casa comum.

A chamada sociedade civil que saiu às ruas em 1984 para reconquistar a democracia por onde andará?

OAB, CNBB, ABI, UNE, CUT – advogados, religiosos, jornalistas, estudantes, trabalhadores, cadê estas siglas e todos aqueles que se uniram contra o arbítrio para reconquistar o direito de votar para presidente?

No silêncio obsequioso das ruas, só as buzinas dão sinal de vida.

Vida que segue.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20 comentários em “Que eleição é essa com candidatos sem votos e eleitores sem candidato?

  1. Há notícias de que o Data Folha tem pesquisa pronta. Ibope também. Algo de novo além dos aviões de carreira, Kotscho? Talvez a movimentação das entidades nominadas esteja à espera da decisão de Lula e sua “Nova Carta aos Brasileiros”. Há um rumor de que já teria sido minutada por Haddad. Porém, MercadAnta tem a sua própria versão e um ex-ministro enrolado nos empréstimos consignados, ao lado da sua consorte, também teria outra. É claro que ‘vai dar m…’, outra vez.

      1. O Kotscho tá certo, muitos fakes news rodando por aí, inclusive o vídeo do Geddel internado gravado no you tube, já foi retirado do ar; apesar de ainda circular no What sp, foi-me passado ontem por um colega radialista.

        1. Caro Kotscho. Os rumores do Data Folha estão na Carta Capital. Segue o trecho transcrito do Editorial, assinado por Mino Carta: “De fato, a despeito das condenações em primeira e segunda instância, o ex-presidente cresce nas pesquisas. A dar ouvidos a rumores difusos, o Datafolha já disporia dos resultados de mais uma que o jornal preferiria não divulgar por razões óbvias”. No que toca à “Nova Carta aos Brasileiros”, reproduzo o trecho da Folha de Pernambuco, hoje: ” O ex-ministro Paulo Bernardo (PT-PR) compõe o triunvirato escalado para a redação de uma carta de compromissos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva planeja apresentar aos brasileiros na tentativa de quebrar resistência à sua candidatura, especialmente na classe média. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e o ex-ministro Aloizio Mercadante são os coautores da nova carta aos brasileiros, como o documento é chamado”. Todo cuidado é pouco, quando se trata do ‘novo normal’: as “fake news”.

          1. Creio que os rumores, aos quais me referi, existiam mesmo. O IBOPE saiu com a pesquisa hoje, que até se tornou objeto de postagem do Balaio. O PT não desmentiu a “Nova Carta aos Brasileiros”. Mino Carta não tem no currículo, pelo que eu saiba, apreciação por “fake news”. Quem sabe haja mesmo uma pesquisa do Data Folha a caminho.

  2. Pra piorar é só o governo passar de 27% à 40% o aumento do álcool na gasolina. O meu carro, um fusca 74 á gasolina, não é flex; logo o seu motor não permitirá rodar mais. E pra finalizar a piora: é só cria um partido político com a sigla denominada de CR (Corrupção & Retrocesso). Esta eleição terá muitos votos nulos, logo, não será fácil se eleger. Quem se eleger só virá do apoio das redes sociais. Formador de opinião, como eu e tu, nós, teremos um valor esplêndido. Pois serem o Único caminho da salvação!

  3. Todos aqueles que se uniram em volta de uma esperança após 13 anos viram que são iguais ou piores no quesito corrupção. Não é atoa que mais da metade da população quer na cadeia aquele que representou a esperança e aproveitou para juntar uma fortuna de mais de 10 milhões investidos estrategicamente nos fundos de pensão. Vida que segue

  4. tudo foi acertado entre os manda chuva do pmdb ,com a acolaboraçao da turma de curitiba,para so ferrar o pt,vamos aguardar a prisao do paulo preto pra gente ver se tao passando o brasil a limpo,,acho que e mais facil o talisca ser o artilheiro da copa do que isso vir a acontecer,,,

  5. Foi por essa razão que fiz a consulta ao ‘Oráculo’. Se algum rumorejo fundamentado houvesse, relativo à “Nova Carta aos Brasileiros”, certamente sua antena privilegiada já teria capturado algum sinal. Quanto ao rumor do Data Folha, encontra-se no Editorial de Carta Capital, publicado hoje, cuja transcrição reproduzo, em parte: “De fato, a despeito das condenações em primeira e segunda instância, o ex-presidente cresce nas pesquisas. A dar ouvidos a rumores difusos, o Datafolha já disporia dos resultados de mais uma que o jornal preferiria não divulgar por razões óbvias”. Concordo integralmente contigo, no tocante ao noticiário difuso, bastante suscetível ao fenômeno conhecido como “fake news”; razão pela qual solicitei os préstimos dos teus saberes especializados na mídia tupiniquim. Grato, Kotscho. Abração!

  6. HERANÇA MALDITA:
    – sebastianismo
    D. Sebastião voltará para nos garantir a «Lusitana antiga liberdade», baluarte dos bons valores nacionais, herói poderoso, predestinado por Deus e, acima de tudo, o líder da reconquista da honra da nação brasileira.

  7. Sobre o trecho “Até agora não apareceu uma bandeira, um projeto, uma ideia nova sequer para tirar o país do buraco em que se encontra.”
    Kotscho, veja o manifesto Brasil Nação, capitaneado pelo Bresser e que deve nortear o plano de governo do Ciro Gomes. É uma ideia…
    Tem também o manifesto Brasil 200, de vertente liberal. Ainda que, pessoalmente, discorde dessa última, não deixa de ser outra ideia.

    Um abraço!

    1. Caro Tiago, não vamos criar ilusões. Bresser é um homem honrado que eu prezo muito, mas fez o Plano Verão no governo Sarney, que jogou a inflação para as alturas… Não chega a ser uma novidade no cenário. Quanto ao Brasil 200, não é liberal coisa nenhuma, está à direita do Bolsonaro. Grato pela participação, Ricardo Kotscho

      1. Engraçado que a esquerda esta a esquerda de Cuba, Venezuela e não tem a mesma repulsa. Por que será? O mais engraçado é que lhe dão vários adjetivos menos a palavra corrupto não consigo ler dos seus adversários. O que é pior um esquerda simpático e corrupto ou um direita radical honesto? Talvez os brasileiros que estão morrendo nos hospitais por falta dos bilhões roubados no petrolão devam preferir o último. Ou não? Vida que segue

  8. Kotscho, para termos um projeto precisaríamos ter partidos fortes, com ideologia e convicção nelas, verdadeiras, aceitando coligações com outros partidos de ideologias próximas. Hoje vemos partido de esquerda em uma cidade coligado com a direita em outra, e vice versa. Veja o exemplo recente e absurdo, o PT do RJ aceitando a filiação de Celso Pansera, o jagunço (pau mandado, segundo o próprio PT) do Cunha, o PSOL acolhendo como deputado um bombeiro fanático religioso anti-umbanda, Cabo Daciolo. Outros partidos não cito porque neles essa é a regra. Quanto ao Bresser, é tão moderno quanto seu ex patrão Abílio Diniz, e Flávio Rocha apoiado pelo moderno MBL, vem dizendo que esta eleição se definirá pelo debate das questões morais (o que é moral?). Pelo jeito temos mais é que nos preocupar com a volta do pelourinho e da inquisição.

  9. Terra sem povo e povo sem Pátria………… Lula tem voto e a injustiça tem a caneta………… Militar é bom de caserna e ruim de front………… Dominantes tem candidato sem voto e dominados tem candidato líder de votos………… O impichador oportunista é coisa nenhuma de esquerda e direita; o povo canta o voto em todos os pontos da rosa dos ventos, das beiradas do morro, ao vale da extrema periferia de ruas e becos de fome…………. Os “do palácio” tem Talisca e o povão tem Neymar, mas Justiça é a dona bola e escalou o árbitro de Curitiba………… O Brasil enfrenta a mais perversa “ditadura” militar sem farda: impicha, prende e arrebenta o voto do povão. Que obsequioso silêncio é esse, das Barras dos Tribunais da História do povo brasileiro?!

  10. Tem muitos vídeos recentes com entrevistas e palestras de alguns candidatos à presidência, como Guilherme Boulos, Manoela d’Ávila, Ciro Gomes e Jair Bolsonaro. Os três primeiros tem propostas interessantes para evitar ao menos que o buraco em que o país se encontra aumente: uma reforma tributária é viável e necessária. Já o último candidato que mencionei tem propostas e atitudes que não concordo, e felizmente ainda posso discordar. Sou uma eleitora sem candidato, ainda, mas com algumas opções. E sigo me informando.

  11. PS: você está no topo da lista dos escritores que admiro muito, pelas ideias que tem e do estilo que escreve. Faço aqui uma crítica construtiva, relacionada a evitar uma dificuldade minha (e que deve ser de muitos leitores) de demorar para interpretar frases com negativas, como “Não duvido que altos estrategistas de Brasília já não estejam pensando nisso”. Está claro assim, mas o texto flui menos pois tenho que parar um pouco para interpretar com a devida cautela. Aliás, eu também tenho certeza que eles já estão pensando nisso. O lado bom é que vai ser bonito ver os brasileiros unidos nas ruas para garantir o direito de voto. Um desgaste para os políticos, que certamente não vai valer a pena.

  12. Eleição cooptada por interesses econômicos desde 2015. Agora, em 2018, sem a reforma da Previdência, a intervenção parace apenas uma questão política. Não é. Quanto mais as Forças Armadas gastarem $$$ com intervenção, menos terão $$$ para investirem em áreas estratégicas, como o submarino nuclear, que envolvem subcadeias econômicas de alta tecnologia e empregos (que hoje faltam no Rio de Janeiro). Não preciso nem falar do Petróleo. Alguma dúvida a respeito de interesses internacionais ligados ao Golpe???

  13. Kotscho, mais fácil destruir que construir, com certeza. E um efeito colateral terrível dessa caça às bruxas é a demonização da política. Tem muitos defeitos, mas, sem ela, não temos democracia. Jogam pedras nos políticos, mas se esquecem que não vieram de marte. São amostras do que são nós brasileiros, de cada canto do País. Que façamos uma democracia com menos defeitos, mas nunca autoritarismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *