Carmen Lúcia faz defesa da guilda da República da Toga durante protesto

Carmen Lúcia faz defesa da guilda da República da Toga durante protesto

Guilda – substantivo feminino: “Durante a Idade Média, em certos países europeus, associação que agregava pessoas que possuíam interesses comuns (comerciantes, artistas, artesãos etc.) com o propósito de oferecer assistência e segurança aos seus membros” (Dicionário Online de Português).

***

É para lá, a Idade Média, que estamos voltando a passos largos.

Num país falido, onde o salário mínimo dos trabalhadores não chega a R$ 1 mil, os mais de 17 mil membros da guilda da República da Toga ganham pelo menos R$ 30 mil por mês, fora os penduricalhos, e acham pouco.

Esta semana, ao mesmo tempo que a presidente do STF, Cármem Lúcia, com sua pompa e circunstância de madre superiora, fazia uma veemente defesa da República da Toga, na quinta-feira, do lado de fora do tribunal cerca de 500 representantes da nobre confraria faziam um protesto para pedir aumento e defender seus privilégios.

Na data marcada para a volta ao trabalho, lº de fevereiro, depois de 42 dias de férias, que a Justiça chama de recesso, estes juízes mataram o serviço para ir a Brasília.

Eles estão perfilados na emblemática foto de Pedro Ladeira publicada na capa da Folha de sexta-feira, um retrato histórico da mais poderosa corporação brasileira do século 21.

Não consegui ver nenhum negro ou mulato na fotografia. São em sua maioria homens com elegantes ternos escuros na última moda, certamente confeccionados pelos mais finos alfaiates. As vestimentas das senhoras são mais adequadas a ir a uma ópera do que a um protesto.

No trecho mais enfático da sua defesa, Cármem Lúcia subiu o tom, sem dizer a quem se dirigia:

“O que é inadmissível e inaceitável é desacatar a Justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual, fora do direito, não é justiça, senão vingança ou ato de força pessoal”.

Segundo a imprensa, o recado era para o PT pelas duras críticas que seus dirigentes fizeram à condenação de Lula.

Poderia ser também para seus pares, que ultimamente estão fazendo de tudo para desacreditar o Judiciário, decidindo julgamentos de acordo com suas convicções, preferências e conveniências, não necessariamente respeitando as leis em vigor.

Bom exemplo disso foi o que aconteceu no ano passado no próprio STF, quando a ministra Carmen Lúcia comandou o julgamento no plenário que tirou Aécio Neves da prisão domiciliar e o devolveu ao Senado, depois de criar uma gambiarra que permitiu a Renan Calheiros continuar na presidência daquela casa legislativa.

O Judiciário de Cármen Lúcia reúne hoje mais poderes do que o Legislativo e o Executivo juntos, mas nunca foi tão contestado e pouco respeitado como agora.

Até o todo poderoso Gilmar Mendes acha que estão exagerando, ao transformar o salário de ministro do STF, que deveria ser o teto constitucional para o funcionalismo público, em piso da magistratura.

Também esta semana ficamos sabendo que todos os 17.351 protegidos da guilda recebem auxílio-moradia de quase R$ 5 mil, mesmo quando têm imóvel próprio na cidade em que trabalham, graças a uma liminar do ministro Luiz Fux, em 2014, que já custou ao país mais de R$ 2 bilhões.

Só no final do ano passado Fux liberou o processo para julgamento em plenário, o que está previsto para março. É por isso que as associações de magistrados se rebelaram e foram a Brasília para levar seu protesto. Se o benefício cair no julgamento em plenário, quem vai devolver este dinheiro aos cofres públicos?

No mundo dos comuns, quando se falta ao serviço sem justificativa, ainda mais para protestar, temos o ponto cortado, mas não se tem notícia de que isso tenha acontecido com quem foi à manifestação em frente ao STF.

Não são poucos privilégios que estão em jogo. Além da moradia, os juízes recebem outros auxílios de todo tipo, da creche dos filhos ao funeral, e são os únicos trabalhadores brasileiros com direito a 90 dias de férias e feriadões em 2018.

No ano passado, Cármem Lúcia antecipou o feriado do dia do servidor, 28 de outubro, que caía num sábado, para um dia de semana, para emendar a folga com outro feriado nacional.

Cobrado por receber o auxílio-moradia apesar de ser dono de um belo apartamento a três quilômetros do seu trabalho, o juiz-herói Sergio Moro deu esta justificativa ao Globo:

“O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1 de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados”.

Embora discutível? Já pensaram se todos os servidores públicos que estão sem aumento neste período reivindicassem também um auxílio-moradia, que além de tudo desrespeita o teto constitucional, praticado justamente por aqueles que deveriam defender a Constituição?

Ou seja, os senhores juízes se concederam um aumento salarial por conta própria, chancelado pelo ministro Luiz Fux, pai de uma jovem desembargadora no Rio, que é dona de dois apartamentos de luxo, mas também recebe o auxílio-moradia.

A quem, afinal, a suprema ministra Carmen Lúcia se dirigia em seu discurso quando pediu respeito ao Judiciário?

Vida que segue.

 

21 comentários em “Carmen Lúcia faz defesa da guilda da República da Toga durante protesto

  1. Para ser respeitado, o judiciário precisa dar-se ao respeito. Enquanto boa parte da população está desempregada, lutando por um lugar ao sol, juízes ganham uma fortuna e fazem protesto para manter privilégios e esfregam isso na cara da população. E o que eles pensam que o povo acha disso? Povo inerte, que não faz nada, que não grita, não bate o pé, ao mesmo tempo, povo cansado, de políticos e politicagens baratas. Eu também faço parte desse povo, obviamente. O Brasil está mais para uma plutocracia creptocrática, do que para uma democracia.

  2. O causa é boa. Não canso de repetir: o judiciário está na raiz de toda corrupção que existe no Brasil. O problema é o casuísmo e a mistura de fatos com meias verdades. Porque só agora quando seu líder será julgado pelo STF o PT vira a artilharia para o judiciário. Estes privilégios estão aí a décadas. O STF julga por conveniência desde sempre. Porque o judiciário não foi atacado quando o PT detinha poder e popularidade? Sobre os juízes serem brancos blá, blá, blá, que golpe baixo. Liga pro Lula e Dilma e pergunta porque eles enquanto presidentes não indicaram ministros e desembargadores negros e comprometidos com o combate aos privilégios.

  3. Cabe ao presidente da republica fazer um projeto de lei proibindo todo e qualquer privilegio a quem já recebe o teto salarial abrangendo os três poderes; executivo, legislativo e judiciário. Não é justo que num país em que o salario mínimo vale 25% do valor legal que todo trabalhador tem direito constitucional de receber. É uma covardia o governo só fazer projetos castigando ainda mais os trabalhadores que trabalham de verdade e ainda aumentar mais os privilégios dos de cima.

  4. O que é imoral e imoral e pronto, nao ha defesa ou espaco para a imoralidade ou corruptos. Diferentemente do que pensa o nobre jornalista ou seus pares partidários que saem em defesa do indefensável.

  5. De longe esse judiciário e o poder mais corrupto mais imoral mais inútil dessa República das bananas chamada Brasil precisamos derrubar a bastilha da toga já que esses togados são verdadeiros parasitas do estado Brasileiro

  6. Até concordo, que nenhum funcionário público, deveria ganhar mais que um funcionário, com função semelhante da inciativa privada. E nem é por questão que em sua maioria, eles se sentem melhores, superiores, mais capacitados e/ou mais inteligentes. Não seria por isso, e sim por outra questão mais factível: trabalham menos, tem mais direitos, privilégios, e principalmente, produz menos que o funcionário com a mesma função da iniciativa privada, além do agravante, em sua maioria, de atenderem mal aos “precizantes” dos serviços que tem direito, e que seria de obrigação dos chamados “servidores públicos” atenderem com eficiência e cordialidade (afinal, seriam ou não servidores ao público?).
    Mas até aí, certamente a maioria concorda.
    vale ressaltar, que quem mais aumentou os privilégios dos chamados servidores públicos” foram os governos petistas e aliados. Entretanto, não cabe agora a esquerda, que dividiu o País, entre Nós (os vermelhinhos divinos) e Eles (os amaldiçoados que não concordam conosco), que quebrou a Petrobrás, quebrou as aposentadorias de milhares servidores públicos de estatais, que sucateou a economia, destruiu a Política, e vem agora, por ter sido atingido pelo Judiciário, tentar desmoralizar também este poder, puro e tão somente, porque tem o poder de cortar suas asinhas!
    Eu e muitos brasileiros, somos mais contra aos privilégios de servidores públicos do que os petistas, inclusive contra os privilégios do Judiciário, mas o PT focar sua força para desqualificar o Judiciário por isso, é puro casuísmo e/ou oportunismo. Vale lembrar que o PT se diz contra a reforma da Previdência, exatamente pq ele limitaria a elite dos servidores com a elite dos funcionários da iniciativa Privada.
    Vamos que vamos…

  7. Como se vê, temos inumeras formas de arrombar o cofre da viuva. Alguns até travestido de certa legalidade, como é o presente caso. Uns moram em casa propria, mas recebe reembolso, outro mora “de favor” em imovel de “amigos”, sem pagar por ele e outros, ganham logo o imovel do “amigo”,mas diz que não é dele.
    O que não falta aqui é cara de pau, que com o dedo sujo, aponta a sujeira do outro.

  8. Assim é a mente dos petistas. Dizer que a magistratura faz dinheiro com auxílios. Silêncio para políticos e seus descendentes fazem fortuna em apenas 13 anos com muita corrupção e roubalheira. Realmente o senso de justiça dos petista é sofrível e hipócrita. Vida que segue

  9. Carmem Lúcia, quem diria!? A quem ela se dirigiu? Certamente, ao Huck. Ela está se oferendo a Vice na chapa do filhote da Globo. Toga, não adiante mais, Carminha. O símbolo, desmoralizado, caiu por terra, nem precisou das ruas. Compreende-se o desespero de todo o STF, Gilmar Mendes no meio. A que ponto chegamos. Não chegamos, sequer saímos da Idade Média. Guilda?! Ótimo, quem está precisando de segurança e assistência são os membros do grupo formado por 14 milhões de desempregados. E há grupos em cada esquina dos dominados: sem vacina, sem merenda, sem teto, sem terra, sem salário mínimo condizente, sem segurança, sem escola, sem palácios, sem toga, sem mandatos, sem mesa farta, sem auxílio moradia, sem 90 dias de férias, sem corrupção, sem dignidade, sem trabalho…………. meus Deus, essa dona “Guilda” tem muito “serviço” pela frente. A republiqueta dos Magistrados (e demais “Poderes”), logo, logo, descobrirá que essa Pátria tem ruas. Cuide-se, “dona Guilda”. Carmem Lúcia, quem diria!?

  10. O escandaloso privilégio dos membros do judiciário é um fato conhecido há décadas por todos os cidadãos e, portanto, qualquer movimento clamando por esta injustiça seria, seria, eu disse, muito bem vindo e oportuno No momento, no entanto, tem chifre queimado cheirando nas fornalhas da usina de imputação de crimes do PT visando, não a saudável indignação cívica, mas apenas e tão somente desmoralizar os magistrados que viram no seu ídolo todos os crimes que lhe são imputados . É verdade sim que o privilégio do judiciário é uma afronta e um escárnio, isso é inegável. Mas é muito mais verdade que os arautos que agora levantam sua poderosas trombetas não fazem por indignação ,mas porque estes magistrados se tornaram poderosos obstáculos às intenções malignas da tomada do poder para a eternidade de onde poderia dar-se o sonhado caminho para uma CUBANIZAÇÃO da maior nação da América do Sul.
    Apoiei aqui no Blog mesmo o então deputado Eduardo Cunha ,pois percebi sua disposição na deposição de Dilma Rousseff. Agora ,mesmo diante deste odioso privilégio, o qual não faltará ocasião para os homens de bem lutar contra, fico com os magistrados.

  11. “Poderia ser também para seus pares, que ultimamente estão fazendo de tudo para desacreditar o Judiciário, decidindo julgamentos de acordo com suas convicções, preferências e conveniências, não necessariamente respeitando as leis em vigor.”

    O JUDICIÁRIO SE DESACREDITA POR SI MESMO. NINGUÉM PRECISA FAZER NADA PARA QUE ISSO ACONTEÇA… AGORA, O QUE MAIS ME ADMIRA É HAVER LEITORES DO RICARDO QUE CONSEGUEM FAZER APOLOGIA DESSE JUDUCIÁRIO ASQUEROSO E PASSAR A CULPA PAR A LULA E PARA O PT…

  12. Tudo bem que estamos no mês do carnaval, mas é extremamente constrangedor o corso de falsos moralistas desfilando pelo Balaio.
    Alas de desavisados, hipócritas, cínicos, pinóquios, replicantes e até a dos ‘a soldo’, ignoram o que andaram trombeteando nos últimos quatro anos e, pior, que os fatos surgem de fontes da mídia golpista (Folha, Globo, etc.), pelo elementar motivo que cumprida a missão de condenar-se Lula, agora estão a desfazer-se dos acessórios e retomando o comando, como feito na PF, PGR e STF, conforme cantou Jucá naquela gravação da ‘sangria tem que ser estancada’. Isso obviamente em relação as hostes golpistas, ou seja, cumprida a missão, chegou o momento de desativar o protagonismo do judiciário e nada melhor que a velha e utilíssima moralidade para tanto.
    Agora podem espernear à vontade, o tsunami arma-se ao fundo, pois nada adiantou condenarem o homem, o ideal ‘Lula’ vive e será vencedor em 2018. Skindô moro! Skindô jucá!

  13. Para começar, o direito à insubordinação é inato a todas as Constituições. Foram as insubordinações perante o ‘status quo’ que nos legaram os direitos sociais, garantias individuais e valores iluministas. O Judiciário, lamentavelmente, trocou a judicialização da política pela politização da justiça. E ficamos no pior dos mundos, com os três poderes em estado pré-falimentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *