Na entressafra de notícias, Justiça encena “suplício” de Paulo Maluf

Na entressafra de notícias, Justiça encena “suplício” de Paulo Maluf

Atualizado às 17h de 26.12: 

Perícia do Instituto Médico Legal de Brasília informou na tarde desta terça-feira que o deputado federal Paulo Maluf tem doença grave e permanente, mas pode ser tratado na Papuda, onde está preso desde a semana passada. A defesa vai insistir no pedido de prisão domiciliar em razão da idade de Maluf e do seu estado de saúde.

***

“Aqui se faz, aqui se paga”, comemoraram os adversários mais antigos, que acompanharam as roubalheiras de Paulo Maluf nas últimas décadas.

Faltou acrescentar: desde que não seja tucano nem amigo do Gilmar.

Embora o tenha combatido e sido por ele processado, e o vencido na Justiça, quando ele era governador de São Paulo, no século passado, não vejo sentido em mandar Maluf para a Papuda a esta altura do campeonato.

Para quê? Certamente não será para regenerar e reeducar o condenado, além de puni-lo pelo conjunto da obra.

Aos 86 anos, arrastando-se de um lado para outro apoiado numa bengala e com a ajuda de policiais, o ex-governador paulista tornou-se um símbolo da velha corrupção do patrimonialismo brasileiro em que o público e o privado se encontram nas mesmas contas bancárias.

Todo mundo sabe que, mais dia menos dia, com perícias e laudos médicos, Maluf estará de volta à sua mansão da rua Costa Rica, nos Jardins paulistanos, acompanhado da melhor adega da cidade _ se possível, a tempo de estourar champanhe neste Ano Novo que está custando tanto a chegar.

Disposta a não sair das manchetes nesta entressafra de notícias, para mostrar quem manda aqui, a Justiça continua ocupando as manchetes com a extemporânea prisão do octogenário.

Bom ator, Maluf tem colaborado na encenação do martírio natalino na prisão, com a ajuda do advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que se tornou seu porta-voz nas visitas diárias que faz a ele no presídio.

“A vida de Maluf na cadeia é um suplício”, disse Kakay no dia de Natal, ao lembrar diariamente todas as doenças do seu cliente, que precisa da ajuda dos companheiros de cela para se levantar da cama.

O advogado também relata como Maluf dormiu, o que lhe serviram de comida, o seu inconformismo com a inesperada ida para a Papuda e todas as mazelas comuns aos presos.

Em termos políticos, a prisão do inspirador do verbo “malufar” não muda nada, a não ser a volta aos jornais daquela fatídica foto de Lula se abraçando com ele nos jardins da famosa mansão para pedir apoio a Fernando Haddad na eleição municipal de 2012.

Com algum atraso, o ex-presidente diz agora que se arrependeu de posar para a foto, mas isso também não muda nada.

Preso só agora por crimes que cometeu há mais de 20 anos, graças ao foro privilegiado de deputado federal e uma plêiade de bons advogados, Maluf deve estar pensando na coincidência de ter ido em cana no mesmo dia que seu parceiro José Maria Marin, que o substituiu no governo do Estado, ambos filhotes da ditadura militar, que alguns ainda querem de volta justamente para combater a corrupção.

De um jeito ou de outro, o Brasil antigo está saindo de cena, sem que se possa saber o que virá em seu lugar.

Poderá ser até muito pior,  se Lula for impedido pela Justiça de disputar a eleição e Jair Bolsonaro continuar pontificando como o único anti-Lula viável nas urnas até aqui.

E assim, melancolicamente, com as imagens da decrepitude de Paulo Maluf, vamos chegando ao final de 2017, mais voltados ao passado do que para o futuro.

 

 

8 thoughts on “Na entressafra de notícias, Justiça encena “suplício” de Paulo Maluf

  1. O mais engraçado é que o Maluf saiu andando perfeitamente da casa. Subiu no carro sozinho sem precisar de ajuda. Para descer foi com muito sacrifício. Ajudado por duas pessoas e se encostando numa bengala. Os empresários foram presos normalmente sem fazer firula e se dispusera a devolver o dinheiro roubado. Já os políticos quando é chamado para cumprir a pena por condenação por seus crimes é uma choradeira. Só quero ver o Lula quando for Cumprir suas penas. Ele anda por aí dizendo que está esbanjando saúde. Está mais saudável do que um jovem de 30 Anos.

  2. Não sinto nenhum prazer em ver um dos financiadores da Operação Bandeirantes engradado na Papuda. Mas também, nenhum desconforto, porque se trata de aplicação da Lei (faz muito tempo que deixei de usar a palavra Justiça), que nesta altura do campeonato ninguém mais sabe o que seja, tal a manipulação dos artigos e parágrafos do Código de Processo Penal ao talante de quem o interpreta. O que me espanta não é a prisão do fascista desde os anos 60. Inacreditável é o tratamento de Rocha Loures em prisão domiciliar tendo sido flagrado correndo com uma mala cheia de dinheiro noite adentro da Pauliceia desvairada. Guardadas as devidas proporções, gente como Maluf e o Cartel do PMDB fizeram e fazem mais mal ao país e à sociedade do que a criminalidade praticada pelos Zés Ninguém.

  3. Os malufistas sempre se vangloriaram que Maluf era condenado mas não era preso, o que explicava sua inocência, sempre no “rouba mas faz”.
    Dá pena ve-lo, com 86 anos, de bengala e doente, sendo conduzido por policiais ao presídio, mas ele está colhendo o que plantou. Está claro que vai ser libertado até o final de 2017, mas pelo menos vimos sua prisão. Feliz 2018.

  4. Suplício e encenação… a talante da compaixão da cruz! Zé Ferino é mais um Zé… Não desdenha a voz de ninguém. Ouve a de João. Um “Ninguém” também não o é. Zé é nome do pai. Do filho, não. Este, o do calvário, verteu sangue , condenado sem “justiça”, como “ninguém”. O mundo viu a aplicação da lei. Falhou a Justiça dos homens. Ressuscitou… Filho do Homem. Tomé viu o sinal dos cravos nas chagas da mão. Zé , João, Paulo… sem casa, sem família, sem emprego… cristãos da vida pós redenção de Jesus… aguardam dignidade e Justiça. Justiça… a talante da compaixão da cruz. Na entrega do galardão divino, Maluf Ninguém e Zé Ninguém… todos! Sem encenação, tucanos nus, sem asa, Gilmar ao lado do povo. Interminável fila, suplício de cada um… dominantes e dominados. O bem e o mal… Poucos conhecerão a face e a Justiça dos Céus.

  5. O analfabeto político não sabe que a criança pedinte nas ruas, a falta de remédio nos hospitais, as escolas desmontadas, professores mal ou nem pagos, a pior distribuição de renda do mundo ocidental, a violência explodindo na nossa frente é resultado dessa elite tão bem representada por esse tipo ora preso.7,5 anos é pouco……Bens(todos) confiscados, aliviariam estes males.E o doutor advogado mais bem pago do país, chupando dedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *