É desumana esta campanha contra médicos cubanos

É desumana esta campanha contra médicos cubanos

Toda a polêmica criada nos últimos dias sobre a vinda de médicos cubanos para suprir as carências de assistência à saúde das populações mais pobres do país _ ainda temos 701 municípios sem nenhum médico residente _ agitou as redes sociais neste final de semana e serviu para revelar como podem ser desumanos e hipócritas os que colocam seus interesses pessoais, profissionais, partidários ou ideológicos acima das necessidades básicas de sobrevivência dos brasileiros que não têm acesso ao SUS, muito menos aos planos de saúde.

É como se fossem dois países chamados Brasil: um, daqueles que têm todos os direitos garantidos e não abre mão dos seus privilégios assegurados pelo Estado desde Cabral ( o Pedro Álvares), dispondo de alguns dos melhores hospitais do mundo; outro, o dos que se virem por conta própria com benzedeiras, rezas e curandeiros. Para deixar bem claro: é desumana a campanha não contra a vinda dos médicos cubanos, que chegaram ao Brasil felizes da vida, mas contra os pacientes pobres brasileiros sem assistência.

A ofensiva contra o Mais Médicos criado para trazer profissionais do exterior e instalá-los nas regiões onde os brasileiros se recusam a trabalhar, começou logo após o programa ser lançado pelo governo federal por medida provisória em julho, e ganhou mais força com a chegada dos primeiros profissionais cubanos na semana passada.

Boa parte da classe médica brasileira e suas entidades representativas, numa violenta demonstração de xenofobia e corporativismo, foram às ruas para fazer protestos com narizes de palhaço e ocuparam espaços generosos na mídia para declarar guerra ao governo, mas não apresentaram nenhuma proposta alternativa parar minorar o sofrimento de milhões de brasileiros abandonados à sua própria sorte nas regiões mais remotas do país e nas periferias das grandes cidades.

Em seus argumentos hipócritas (não confundir com o juramento a Hipócrates), mostraram-se preocupados com a formação dos médicos estrangeiros e sua capacidade de atender com qualidade à população, como se o trabalho deles fosse uma maravilha de dedicação e competência em todos os hospitais e postos de saúde públicos.

Preocuparam-se até com os salários de R$ 10 mil pagos aos médicos cubanos, acertados num convênio do Ministério da Saúde com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), porque uma parte será repassada ao governo cubano, que os formou, ficando uma parcela de 25% a 40% para os profissionais. Chegaram a classificar esta medida, semelhante à estabelecida pela Opas com outros 58 países, como “trabalho escravo”.

“Nós somos médicos por vocação e não por dinheiro. Trabalhamos porque nossa ajuda foi solicitada, e não por salário, nem no Brasil nem em nenhum lugar do mundo”, rebateu o médico cubano Nélson Rodriguez, um dos primeiros 206 profissionais daquele país que desembarcaram sábado no Brasil.

Além da Opas, o programa Mais Médicos recebeu a aprovação da Organização Mundial de Saúde e, segundo as pesquisas mais recentes, é apoiado por 54% da população brasileira(contra 47% no final de junho). Entre quem apontou o PT como seu partido de preferência, este número sobe para 62%. Já entre os que preferem o PSDB, a maioria (49%) respondeu que é contra a importação de médicos, números que podem explicar o Fla-Flu nas redes sociais que é dominado por baixarias de todo tipo.

De outro lado, sete entre nove cartas sobre a polêmica publicadas nesta segunda-feira no “Painel do Leitor” da Folha dão seu apoio à importação de médicos estrangeiros e fazem duras críticas aos médicos brasileiros. Melhor é deixar o povo falar o que pensa.

Alguns exemplos:

Jalson de Araújo Abreu (São Paulo, SP): “O exame Revalida, ao qual médicos formados no exterior estão sujeitos, deveria ser aplicado nos formandos brasileiros. Esperamos que não confirme o resultado do exame do Cremesp, que reprovou 80% dos avaliados”.

Alcides Morotti Junior (São Roque, SP): Os médicos cubanos que disseram que são médicos por vocação, e não por dinheiro, estão seguindo o juramento de Hipócrates. Já os brasileiros _ pelo menos a grande maioria _, não.”

Luiz Carlos Roque da Silva (São Paulo, SP): “É incrível a atitude da maioria dos doutores contra o Mais Médicos: eles não vão para as regiões carentes e não deixam ninguém ir. Agora, vendo que a população apoia o programa, concentram-se nos cubanos. Estes já estão no Haiti, na África, no norte do Brasil. Os nossos, não. O mesmo se dá com os Médicos sem Fronteiras que arriscam a vida na Síria.”.

Carlos Roberto Penna Dias dos Santos (Rio de Janeiro, RJ): “Gostaria de condenar a campanha que a máfia de branco está fazendo contra o programa Mais Médicos. A histeria destas entidades médicas lembra o macarthismo. Tenho certeza de que a maioria da população apoia a vinda dos médicos estrangeiros e repudio a posição nazifascista de algumas entidades”.

Edgard Gobbi (Campinas, SP): “Um jornalista flagrou uma médica da Prefeitura de São Bernardo do Campo batendo o ponto e indo atender pacientes no seu consultório. Será que ela aprendeu com aquela médica de Ferraz de Vasconcelos quer marcava ponto com dedos de silicone com a impressão digital de outros médicos? E alguém duvida que a prática é comum no Brasil?”

Entre as duas cartas críticas, uma foi enviada pelo médico Fernando Piason França, de São Paulo, SP. Só pode ser deboche:

“Há uma determinação para que médicos não circulem pelas ruas de jalecos por questão de higiene. Os cubanos desembarcaram no aeroporto assim trajados. Nem começaram a já cometeram a primeira infração. Mau começo”.

Se todas as infrações cometidas diariamente por médicos brasileiros se limitassem a isso, estaríamos bem servidos. Aliás, se eu for atropelado daqui a meia hora na esquina de casa e aparecer alguém de jaleco branco, não vou querer saber de onde vem, não vou lhe pedir o currículo. Basta que ele salve a minha vida.

Não se trata de discutir o regime cubano nem a legislação trabalhista vigente naquele país. Não é problema meu. Neste ponto, estou absolutamente de acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, quando ele diz:

“Quem tem crítica pode fazer sugestões para aprimorar. Agora, não venham ameaçar a saúde da população que não tem médicos”.

É este o ponto. O resto é querer se aproveitar de uma solução de emergência, por todas as razões necessária, para criticar o governo, seja o do Brasil ou o de Cuba ou o de qualquer outro país que nos possa ajudar a enfrentar este gravíssimo problema da população ainda desassistida de saúde pública _, entre outros motivos, porque a maior parte dos nossos médicos não parece preocupada com isso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

59 thoughts on “É desumana esta campanha contra médicos cubanos

  1. Não é apenas desumana, Kotscho… é burra. E sendo burra é óbvio que está sendo orquestrada pela grande Imprensa que sabe como ninguém explorar a vaidade desses pavões brancos, os tais responsáveis pelos CRMs e que, para aparecer no JN e posar de importantes para a sociedade em que vivem, colocam um arco-iris no rabo. Sabem o que a Globo e seus veículos de apoio (que é no que virou a Folha, Estadão e Veja) querem ouvir e sem o menor decoro ou vergonha vociferam as maiores barbaridades sem o menor constrangimento. Dá vergonha de ser brasileiro ao ver o espaço que esses marginais de branco recebem para fazer política contra Lula, Dilma e o PT. Uma verdadeira desgraça para a Nação…

  2. Prezado Kotscho
    “Nós somos médicos por vocação e não por dinheiro. Trabalhamos porque nossa ajuda foi solicitada, e não por salário, nem no Brasil nem em nenhum lugar do mundo”, rebateu o médico cubano Nélson Rodriguez, um dos primeiros 206 profissionais daquele país que desembarcaram sábado no Brasil. Esse é o ponto crucial. Exercer a medicina e tratar das pessoas por vocação e não por dinheiro. Ter a visão da medicina (e exercê-la) voltada para a saúde pública da população. Cuba é uma referência sobre como conduzir uma política pública nessa direção. A chiadeira pode ser debitada na conta daqueles que pensam na medicina como meio de enriquecimento.

  3. Escrevi no Post anterior que os “coxinhas” de jaleco vão devolver a Dilma muito antes do esperado, a aprovação que tinha em março. Tenho amigos tucanos que foram à passeata por melhor atendimento à saude/educação e segurança, agora estão envergonhados, desorientados, decepcionados ao ler seus colunistas preferidos escrevendo sandices tipo “escravos do seculo 21″avião negreiro” se referindo especificamente aos profissionais cubanos,(que vergonhoso Sra.Cantanhede). O Pres.do CRM/MG se colocou de forma tão virulenta contra, que uma medica, colega dele, sugeriu sua prisão por incitação a omissão de socorro.
    Em propostas de governo, saude pública é o primeiro item a ser reivindicado, e a oposição se posicionou contra esse programa, em época de eleição isso vai pesar muito.

  4. Toda esta hostilidade é por conta da eleição de 2014!! Mas, acho o programa muito apropriado para o momento que se vive no Brasil. Não se pode negar o direito do mais humilde, do que mora mais distante, do menos privilegiado deste país… de não ter acesso nem uma receita para comprar um antibiótico… Louvo a iniciativa do Ministério da Saúde e desejo muito sucesso. Que os cubanos ensinem muito aos brasileiros sobre solidariedade!!

  5. Hipócrita é você que não sabe a realidade do médico no brasil e nem do SUS em suas entranhas. Jornalista “muito bem informado´´, a sua pessoa nem procurou saber as propostas dos médicos e entidades de classes para a melhor solução do impasse. É extremamente lógico que essa situação dos médicos no Brasil com a vinda de estrangeiros não passa de uma medida eleitoreira de um governo medíocre e que não resolverá a situação da saúde no país com hospitais defasados e profissionais da saúde muito mal remunerados. Tenho certeza que sua pessoa não irá ser tratado por esses médicos estrangeiros num momento de necessidade, e sim no próprio Sírio Libanês ou hospitais equivalentes, onde médicos brasileiros altamente treinados fazem parte do corpo clínico e não profissionais sem diplomas reconhecidos, vindo de universidades duvidosas.

  6. Desafio qualquer um aqui a me dizer qual foi a vez que você foi a um médico e este te ligou posteriormente pra saber se você melhorou…Parabéns a presidente Dilma por ter tido coragem de trazer médicos estrangeiros. Ganha o povo brasileiro. Quem é contra certamente tem plano de saúde.

  7. É desumana,tanto do ponto de vista assistencial aos brasileiros e brasileiras dependentes do SUS e “planos de saúde” de relativo baixo custo.Bem como, é desumano em relação ao contrato feito entre os governo cubano e brasileiro- UMA VERDADEIRA ABERRAÇÃO TRABALHISTA – Oficializar uma forma de escravidão contemporânea.Os médicos cubanos serão pagos indiretamente e com um valor de salário bem menor do que consta no contrato!.Além de manter o “elo” com Cuba – A família desses profissionais permanecem em Cuba – POR QUÊ?!.Alguém sabe dizer com precisão?.

  8. Bravo jornalista, realmente os “bem nascidos”, estão muito preocupados, pois sempre dominaram a área brasileira, desde a chegada de Pedro Álvares Cabral, e agora,precisamente mais de 10 anois, estãopercebendo que o comportamento social está em ligeiramudança, por isso, voce cumprindo o seu papel de informar, recebe esculhambação, mas saiba, estamos com voce, pois eles agora temem e bastante perderem a boquinha, pois ser médico e trabalhar na Paulista, Morumbí, Jardins, é muito fácil , com clínicas particulares, com aparelhos de ultima geração onde o computador é que medica, pois muitos nem sabem examinar um paciente. A Presidenta, é uma mulher de coragem faz jus ao cargo, pois começa a enfrentar a burguesia de cara limpa, como dizemos no interior, pois pensando mesmo aqui na cidade de São Paulo, na zona norte onde moro e trabalho, não existem médicos para atenderem as comunidades carentes, , elescumpamk o SUSD, os médicos mas na verdademuitos batem o ponto e ausentam-se do local. Disseram e bem os cubanos, viemos exercera nossa profissão. Ricardo, em dois meses, tivemos e estamos tendo duas grandes lições, a primeira foi com o lider maior dos católicos, O Papa Francisco, que deu ao clero brasileiro uma verdadeira lição de humildade e serviço para com os mais necessitados, agora as falas dos médicos cubanos, dizendo que vieram atender o povo em gerale de povo eles entendem e Bastante, pois a melhormedicina do mundo está nas escolas de cuba e entre os médicos residentes e que estudam em Cuba. Aí vem falar da escravidão aos cubanos, mexendo também com os mesmos, pois diferentemente do Brasil, em Cuba a medicina é feita por todas as etnias, os negros na população cubana são em grande maioria, e eles ytrouxeram a lição do desprendimento atendimento aos mais carentes, . Na verdadequero urgentemente, que os médicos brasileiros,há muito isso comento, desde principalmente quando médicos deixaram mulheres morrerem em partos, que os mesmos passassem por uma avaliação como a OAB, seria interessante, pois muitos tem o diploma de DOUTOR, mas na verdade estão aq

  9. Eh’! “”””O saudosista ex-ministro da saude”””, José Serra, que “apesar de ja ter ocupado outros cargos, como o de governador e de prefeito de São Paulo”, depois que “deixou o ministerio da saude, no longinquo goveno do FHC”, ainda, “talvez porque não tenha nada pra mostra do que fez quando era governador ou quando era prefeito”, continua “falando do feito de quando era ministro da saude”. E’ claro que todos nós sabemos que “os Genericos foi uma revolução na saude do Brasil”; mas “nem por isso podemos deixar de enxergar essa nova revolução na saude nacional que o ministro Alexandre Padilha está fazendo”. Não dá pra “aceitar o Serra querer levar propostas de saude para o governo do PT em Brasilia, e ‘não ir ao Palacio dos Bandeirantes’ levar proposta de saude para o governador Alckimin do PSDB”, partido dele. Será que o ex.governado e ex prefeito de São Paulo, acha que a saude em São Paulo, está tão boa ao ponto de servir de modelo para o país? Parece mesmo uma ação articulada, entre a oposição ao governo Dilma e os medicos brasileiros. Primeiro: “Quiseram ‘boicotar’ o projeto revolucionario do ministro da saude Alexandre Padilha, fazendo ‘falsas incrições’ no programa de saude”; Sengundo: “quiseram questionar a competencia dos medicos cubanos, porém se calaram ao ‘serem informados’, que Cuba é uma das maiores autoridades em medicina no Mundo”; E agora “Querem questionar os, ‘segundo eles’, os baixos salarios oferecidos aos medicos estrangeiros”. Ora, tenham a santa paciencia! “””A maior restrição do governo cubano, ‘é com que sai’ da ilha”””, e portanto, se o governo dos Castro os liberou, é porque os medicos estão vindo de livre e espontanea vontade. Ou será que eles foram expulsos de Cuba? Se o governo do PT vai pagar salarios baixos ao medicos estrangeiros, não seria motivo para enaltecer a competencia do governo da presidente Dilma e do ministro Alexandre Padilha? E essa “bobagem de ficarem questionado, quanto o governo de Cuba, vai repassar aos medicos e seus familiares”? Ora, será que os medicos brasileiros “nunca ouviram falar em tercerização?” Tenham a santa paciencia! Se os “ricos” medicos brasileiros, “corretamente não se sentem seguros” para atenderem nas periferias, por que querer impedir os “pobres medicos cubanos” de levarem a medicina aos mais necessitados? Se os “ricos medicos brasileiros” não se sentem atraidos pelos valores dos salarios oferecidos pelo ministro da saude Alexandre Padilha, por que querer impedir, que “os pobres medicos de Cuba”, recebam este salario que eles consideram maravilhoso? Então “””medicos ricos de São Paulo e ex prefeito Serra”””, vamos tentar “explicar as denuncias de corrupção na construção das estações do metrô, feitos pela construtora Delta no governo do José Serra do PSDB e as denuncias de corrupção nas compras e manutenções dos trêns da CPTM, feitas na Siemens, nos governos do PSDB do Serra, do Covas e do Alckimin;” para sabermos de que forma isso possa ter “afetado o programa de saude publico de São Paulo”?

  10. Vixe! Saude publica x hospitais particulares: O Fidel Castro foi tratado pelos Medicos Cubanos. O vice presidente Jose Alencar foi tratado em hospital particular do Brasil! O Hugo Chaves foi tratado por medicos Cubanos. O Mario Covas foi tratado por medicos particulares do Brasil. Milagre, só Jesus Cristo!

  11. Eu só vejo hipocrisia nessa barulhada toda. É só ver a edição nr. 1620 de 20 de outubro de 1999 da revista (in)Veja que enalteceu, de certa forma, a vinda dos médicos cubanos para Tocantins. Tudo porque foi o governo FHC quem promoveu o projeto de exportar os cubanos. Agora como é a Dilma e o Padilha, do PT, que estão promovendo o programa “Mais Médicos” os médicos brasileiros estão fazendo essa baixaria histérica. Cubanos neles!

  12. Não sou contra a chegada dos médicos para o Brasil, realmente precisamos .Mais sou contra a Hipocrisia do PT e uma cambada de politicos corruptos que só se beneficiaram com esta tentativa de maquiar a saúde no Brasil.
    Aonde estão os investimentos nos hospitais , postos ,leitos,ambulancias medicamentos salarios dos profissionais aqui?
    Ou seja sem infraenstrtura tudo isso só sera despejo de dinheiro para campanha polica de 2014. O POVO DORMIU DENOVO E O GOLPE SE REPETIRÁ.
    Todos sabem que isso é um joguinho que daqui á alguns dias saberemos o golpe. O SUS JAMAIS MUDARA SE NÃO HOUVE TRABALHO E NÃO MAQUIAGEM PÓLITICA.

  13. Nunca é demais lembrar de uma frase que o Frei Beto citou em uma reportagem na Revista do Brasil: “A cada ano, 80 mil crianças no mundo todo morrem de doenças facilmente tratáveis. Nenhuma delas é cubana”.

  14. Quem é contra o mais medicos fique no meu lugar aguardando uma pequena cirurgia há quase um ano´porque o urologista ainda não conseguiu contratar um cirurgião. Isto é em São Paulo-capital.

  15. É estarrecedor ver e ouvir tanta maldade, ignorância e hipocrisia daqueles que são contra o programa “Mais Médicos”. E o que é mais lamentável é que as críticas partem de pessoas que não conhecem o Brasil, já que sempre que tiram férias vão para os Estados Unidos ou Europa. São os mesmos que criticam o Bolsa Família, o Minha Casa, minha Minha Vida. Que não suportam pegar o avião com pessoas mais simples; que têm que dividir as filas de restaurantes, pizzarias, shoppings, as ruas das grandes cidades com os veículos dos mais pobres, que estão raivosos por não conseguir empregadas a baixo custo, além de outros serviços de profissionais que não mais aceitem trabalhar por qualquer migalha. São os mesmos que comemoraram a extinção da CPMF, por pura maldade, apenas para não correr o risco de assistir ao sucesso do novo governo na área da saúde. E a maldade é pior porque são pessoas que têm os melhores planos de saúde e, por isso mesmo, direito aos hospital de ponta. São os que mais falam de ética e brandam contra a corrupção.

  16. O maior deboche que a categoria dos médicos pode fazer para os brasileiros, é se dizer “preocupada” com o regime de escravidão, que seria pelo fato de os médicos cubanos serem pagos por Cuba, e não receberem seus salários diretamente do governo brasileiro. Nunca devemos nos esquecer, que a maioria dos cubanos nem encontra emprego logo que se forma, e quando encontra, é ganhando muito menos de R$ 2.000,00/mês. Se o governo cubano repassar um quarto dos R$ 10.000,00 para eles, livres de casa comida, água, luz e roupa lavada, já é um enorme salário. Mas acho essa discussão secundária, pois jamais um médico brasileiro estaria preocupado com a vida do cubano, propriamente dita. E outra, se Cuba, mesmo passando as maiores dificuldades em decorrência do bloqueio econômico, imposto pelos EUA, ainda forma tantos médicos sem que estes gastem um tostão, como já foi dito, nada mais justo que eles devolvam uma parte dos seus ganhos ao governo. Até no Brasil, governos emprestam dinheiro a estudantes de várias profissões, que serão pagos ao longo de alguns anos após suas formaturas. No fundo no fundo, acho que os médicos brasileiros estão é com muito medo do que médicos de Cuba, mesmo atuando em regiões pobres, poderão fazer pela população, sem aquela conhecida carga de exames que os médicos brasileiros se acostumaram a pedir, antes mesmo de conversar mais aprimoradamente com o paciente.

  17. O que barraria rapidamente essa atitude mesquinha dos médicos brasileiros, seria uma pesquisa (ou várias), feita especificamente com os usuários do SUS. Aí minha gente, a classe profissional (a dos médicos) mais arrogante do mundo, ficaria murchinha murchinha, pois o resultado seria 100% de aprovação com a vinda dos médicos, sejam lá de que país. Os médicos brasileiros só estão com essa corda toda, por causa da ajuda vergonhosa da chamada velha mídia. Velha, burra, egoísta e decadente.

  18. Acho que R$10.000.00 é muito para contratar um medico recém formado. Em Osasco a prefeitura abriu concurso para contratar médicos a alguns messes, o salario era R$1.750,oo. Nenhum medico se inscreveu também. Acredito que o que o governo tem que fazer é levar desenvolvimento econômico e social as regiões distantes para torna-las atrativas para atrair profissionais qualificados.

  19. Vi uma “médica” quer dizer: se dizendo médica, que é brasileira, e disse que agora iria fazer, o que faz na Argentina, que é cuidar da população…só que ela, esqueceu de dizer, que não passou no revalida, e agora, vai ser “médica” aqui. O problema, não estão nos MÉDICOS, e sim, que precisam, iguais aos brasileiros, fazerem o revalida. Seria o mesmo que importassem advogados, e esses, sem a necessidade de fazerem a prova da OAB. Agora, se isso for salvar vidas, tudo bem, o que sabemos que não é caso.

  20. Excelente Post, concordo com todos os pontos levantados por Kotscho. Não será possível fazer uma reforma profunda na saúde sem combater o corporativismo da classe medica brasileira. Pontos para o governo Dilma que tomou uma atitude em prol da saúde de milhares de brasileiros desassistidos.

  21. Criticar Cuba é inaceitável para a esquerda
    São tomados de ira e disparam para todos os lados, bradando contra o imperialismo
    O mesmo ocorre com a direita quando se critica os USA ou Israel
    Alegam conspirações comunistas e ameaças aos direitos individuais
    O grande gargalo deste plano, nitidamente eleitoreiro, é que ele vai aumentar o atendimento básico sem ampliar o atendimento de média e alta complexidade.
    Por mais eficiente que seja a força de trabalho médica, no mínimo 20% dos pacientes vão necessitar de atendimento especializado ou investigação por exames laboratoriais ou de imagem.
    A rede de atendimento de média e alta complexidade está sucateada desde a década de 1980. Reconstruir e capacitar essa rede envolve recursos de centenas de bilhões, no mínimo 5 a 10 anos e mão de obra médica não disponível.
    As emergências superlotadas e lista de espera por cirurgias ou exames só vão aumentar e rapidamente, mas tudo bem quando isso ocorrer o Padilha já poderá ter sido eleito e o sucessor que se vire.
    Sou médico e fico constrangido com a postura das associações médicas, especialmente pela insensibilidade e pela incapacidade de propor alternativas.
    Contudo aderir de maneira cega a um projeto capenga, que viola a legislação trabalhista e o próprio programa governamental de Revalidação do diploma médico é muito cabresto.
    Não embarquem nessa canoa furada, se querem tremular bandeirinhas de Cuba e trajar camisetas do Guevara, aproveitem.
    Mas acreditem, em breve teremos muitas reclamações do atendimento médico, independente da nacionalidade, e as emergências continuarão lotadas.
    Querem saber o segredo dos indicadores de saúde básica em Cuba: EDUCAÇÃO

  22. Kotscho, porque voçe tambem não comenta que essa é uma medida eleitoreira planejada por marqueteiros, feita de uma maneira estabanada sem planejamento só visando as eleições do ano que vem? Em qualquer pais que medicos estrangeiros queiram atuar tem que ser feitos exames de avaliação de conhecimento tecnico e de dominio do idioma local. Como voçe acha que um medico que não domine o idioma possa diagnosticar e receitar tratamento de saude a uma pessoa se ele não consige entender em sua plenitude o idioma do paciente? Alem do mais se existem leis trabalhistas que devem ser cumpridas por todos os trabalhadores na area da saude no Brasil porque esses medicos cubanos não precisam cumprilas? Trabalho como profissional na area de saude e sou totalmente favoravel a um programa que tragam profissionais do exterior para atuar em areas que medicos brasileiros não queiram atuar. Mas tambem exigo que esses profissionais da saude se submetam as exigencias da lei feitas em meu pais para que eles possam atuar. Essa é uma medida feita para alavancar a candidatura do ministro da saude em Sao paulo e um factoide para Dilma apresentar em sua campanha a reeleição. So que isso esta sendo feito de uma maneira estabanada e que esta fadada ao fracasso.Voce não se lembra que o brilhante ministro Mercadante queria obrigar todos os formandos em medicina das escolas publicas e particulares a trabalharem obrigatoriamente por dois anos para o governo? Sera que eu poderia abater em meu imposto de renda 100% e não apenas cerca de 10% das mensalidades da faculdade particular de medicina de meu filho ? Esse e um programa realmente necessario para levar atendimento a regiôes carentes em que medicos formados no Brasil nunca irão querer trabalhar, mas não poder ser feito da forma que esta sendo feita, onde o interesse e so eleitoral e não visando levar atendimento medico a uma enorme parte da populaçâo que realmente necessita de serviços de saude.

  23. Muitos médicos brasileiros hoje, se formam por status. Não entendo o porque de tanta resistência a vinda de profissionais de outros países
    para tentar minimizar o sofrimento de tantos bebês, crianças, jovens, adultos e idosos que vivem em estado de extrema pobreza em regiões que nem se pensa que existe. A prova está na exclusão de opção feita por eles (médicos). Porém, se faz necessário que o governo ofereça melhor condições de trabalho com equipamentos e maquinários para atender a solicitação médica. Ficar só na consulta e não tratar o paciente não vai resolver o problema.

  24. Esse Kotscho é muito gente fina e tolerante, se fosse outro, saía o desumana e entrava o animalesca visando justamente acertá-los na medalhinha. Está certo que esse tiroteio insano em que ao final atingem apenas os próprios pés, é favorável ao Mais Médicos, mas segurar o vômito não está nada fácil.

  25. Tem vários aspectos nesta questão do Mais Médicos, que cumpre observar. Um deles é o legal, o jurídico. O país tem uma Constituição, tem leis, que não podem ser desprezadas, mesmo que a intenção seja louvável. Fiz algumas reflexões que lhe mando, porque o respeito como cidadão e como jornalista. O Governo atual improvisa muito, falta gente competente para “amarrar” melhor as medidas, falta assessoria de qualidade. Seguem algumas observações que alinhavei:
    “Acho que consegui compreender a ideia dos médicos
    estrangeiros, ditos “intercambistas”, no contexto do programa “Mais
    Médicos”, instituído pela MPV 621/2013.
    É algo próximo a um estágio — reconheço que a comparação é ruim, mas não consigo aproximar a condição dos médicos em questão a outra figura de nosso
    ordenamento. Vejamos as passagens abaixo:

    “Art. 7.º Fica instituído, no âmbito do Programa Mais Médicos, o Projeto
    Mais Médicos para o Brasil, que será oferecido: (…).

    § 3.º A coordenação do Projeto Mais Médicos para o Brasil ficará a cargo
    dos Ministérios da Educação e da Saúde, que disciplinarão, por meio de ato
    conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde, a forma de
    participação das instituições públicas de educação superior e as regras de
    funcionamento do Projeto, incluindo a CARGA HORÁRIA, as hipóteses de
    AFASTAMENTOS e os RECESSOS.” (Destaquei).

    “Art. 8.º O aperfeiçoamento dos médicos participantes ocorrerá mediante
    oferta de curso de especialização por instituição pública de educação
    superior e envolverá atividades de ensino, pesquisa e extensão, que terá
    componente assistencial mediante integração ensino-serviço.

    § 1.º O aperfeiçoamento de que trata o ‘caput’* *terá prazo de até três
    anos, prorrogável por igual período caso ofertadas outras modalidades de
    formação, conforme definido em ato conjunto dos Ministros de Estado da
    Educação e da Saúde.

    § 2.º A aprovação do médico participante no curso de especialização será
    condicionada ao cumprimento de todos os requisitos do Projeto Mais Médicos
    para o Brasil e à aprovação nas avaliações periódicas.”

    “Art. 9.º Integram o Projeto Mais Médicos para o Brasil: (…).

    § 1.º São condições para a participação do médico intercambista no Projeto
    Mais Médicos para o Brasil, conforme disciplinado em ato conjunto dos
    Ministros de Estado da Educação e da Saúde:

    I- apresentar diploma expedido por instituição de educação superior
    estrangeira;

    II- apresentar habilitação para o exercício da medicina no país de sua
    formação; e

    III- possuir conhecimentos de língua portuguesa. (…).”

    “Art. 10. O médico intercambista EXERCERÁ A MEDICINA EXCLUSIVAMENTE no
    âmbito das atividades de ensino, pesquisa e extensão do Projeto Mais
    Médicos para o Brasil, dispensada, para tal fim, a revalidação de seu
    diploma nos termos do § 2.º do art. 48 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro
    de 1996 .

    § 1.º Fica vedado ao médico intercambista o exercício da medicina fora das
    atividades do Projeto Mais Médicos para o Brasil.” (Destaquei).

    A esses textos agreguem-se a exclusão de relação empregatícia “a priori”,
    art. 11, e a filiação ao RGPS brasileiro, quando for o caso, na condição de
    contribuinte individual (art. 14, “caput”).

    Ou seja, essas pessoas não vêm ao Brasil para trabalhar, não como objetivo
    principal, a atividade profissional é subsidiária e necessariamente
    relacionada ao aperfeiçoamento acadêmico. Por outro lado, vê-se que não
    terão, sequer, os direitos do trabalhador temporário (CR, art. 37, inciso
    IX), como 13.º salário, férias, licença-maternidade etc. Reprisando que a
    relação de emprego é afastada “a priori” (art. 11) e, quando menos, pela
    ausência de concurso público, não se pode cogitar da extensão a eles do
    regime estatutário.

    Por mais razoáveis que sejam as justificativas apresentadas
    — eu vejo vários outros propósitos, velados, nem tão nobres assim, mas
    prefiro abster-me de comentar (fique claro: nada relacionado a terrorismo,
    guerrilha ou coisas que tais) —, não posso concordar com um mecanismo tão
    descarado de precarização de condições de trabalho.

    Sem prejuízo das considerações acima, a meu ver, sem justificativa
    objetiva e plausível, portanto, antijurídica — entre os brasileiros
    formados no exterior, que precisam submeter-se ao “revalida”, e os
    profissionais formados no e advindos do mesmo país, isentos desse
    procedimento.

    Possíveis alternativas:

    a- retificação do texto normativo na sua conversão em Lei, criando um
    regime jurídico que permita a vinculação jurídica desses profissionais ao
    Estado brasileiro, assegurando-se os direitos, no mínimo, atualmente
    franqueados aos servidores temporários;

    b- reformulação completa do programa, com realização de concurso público ou
    licitação para contratação de serviços médicos.

    Argumentos políticos e sociológicos são vários, favoráveis e contrários.
    Juridicamente, porém, o tal programa, como hoje se apresenta, é
    indefensável.

  26. Se permites vou além um pouquinho mais, quero dizer que os medicos brasileiros são contra o plano do governo que se viu na obrigação de convidar os estrangeiros para poder atender ss necessidades dos menos favorecidos das regiões ermas onde ninguém quer ir. Há alguns tempos atraz, os comentaristas tucanos falavam cobras e lagartos sobre os péssimos serviços medicos dos hospitais publicos, este “péssimo” entre aspas mais serviam como critica destrutiva contra o governo federal que queriam isto sim destruir a popularidade do então presidente Lula. No entanto eu não tenho nada contra os serviços medicos do SUS pois fui atendido por ele no Hospital São Paulo, fiz uma cirurgia do cérebro sem faser trepanação onde foi retirado um espécie de cisto dermoide, portanto benigno e fui atendido maravilhosamente bem e ainda sou atendido a cada seis meses por neuroendöcrinos para verificar se não há recidiva e tudo isto, sem pagar um só tostão, tudo pelo SUS. Estou com isto dando meu testemunho àcerca do atendimento médico e hospitalização afirmando e destruindo e desmistificando as criticas destrutivas dos tucanos e seus ratos amestrados.

    tos amestrados

  27. Ainda estou tentando entender pq a rejeição à vinda de médicos do exterior, em especial aos cubanos.
    Conheço mutos médicos e eles têm uns argumentos que são questionáveis, como a falta de estrutura em que esses médicos vão trabalhar, sem material, sem a mínima estrutura para um exame, a falta de estabilidade que os médicos brasileiros precisam, para trabalharem em lugares distantes, pois não há a segurança das prefeituras poderem arcar com os salários oferecidos. Sei que os médicos estrangeiros utilizarão seus conhecimentos para fazer o melhor pelo povo que não tem nenhuma assistência hoje em dia.

  28. Eu acho essa uma medida interessante, já que os médicos brasileiros não vão para os rincões do Brasil.
    E tem mais a medicina e igual aqui como em qualquer outro lugar, o que muda e idioma ou quando muito algumas doenças que são predominantes naquela região, mas o corpo humano anatomicamente falando e o mesmo, seja ele brasileiro, cubano, japonês, boliviano entre outros a não ser que seja um et.
    Parabéns pelo post e vamos torcer para que esse programa do governo de certo sem essa bobeiera de partidos.

  29. O problema maior é não ver os motivos pelos quais os médicos brasileiros não querem ir, condições péssimas de trabalho, sem garantias de que estes prefeitos iriam pagar, agora criam um programa do dia para noite, sem tempo suficiente para ser assimilado pela classe médica, a maioria não aceitaria mesmo que tudo melhorou do dia para noite, salário, condições de trabalho, etc. Medida populista para calar a boca do povo como sempre, muito dinheiro desviado, com certeza devem vir os melhores médicos de cuba e outros países, será? e como sabemos a qualidade profissional destes, de nenhuma forma à principio, esperaremos para descobrir com a reação da população mais humilde tentando se fazer entender e procurando saber o que dizem los Hermanos cubamos, medida como esta o governo do Tocantins já realizou anos antes, não foi satisfatório o resultado.
    Espero uma nova reportagem do caro jornalista nas cidades que serão atendidos pelos colegas médicos após alguns meses.

  30. Completando o raciocínio, não sou contra médicos cubanos ou qualquer outros estrangeiros virem trabalhar neste país, mesmo sendo esta baderna este pais tem leis e devem ser seguidas, os pacientes precisam de exames, medicamentos e não somente das mãos dos médicos, para os que trabalham é difícil aceitar que o dinheiro por exemplo de tanta propaganda e viagens do governo federal compraria medicamentos e comida para as crianças citadas abaixo que morrem todos os anos, somente de diagnósticos elas não vivem.
    Há muito tempo formar em medicina no Brasil não todo este ¨status¨, poderíamos importar alguns políticos competentes e também varias outras profissões para melhorar este país.

  31. Bom dia, não sou muito de elogiar seus posts a favor de iniciativas do Governo Dilma, mas neste caso especifico abrirei exceção, pois esta deveria ser a opinião a prevalecer, o bem estar da população está acima de tudo.

  32. O filho de um amigo engenheiro, outro dia num churrasco vira-se e fala sem o menor constrangimento: “Se meu pai tivesse feito medicina, hoje eu já teria um nome forte para colocar no receituário e cobrar caro…”. Queixava-se o garoto que terá que cuidar de muito “pé rapado” até fazer nome e poder ganhar dinheiro. Para não estragar o clima continuei calado, mordendo um pedacinho de carne e saí de fininho daquela rodinha. Claro que é um caso isolado e não podemos generalizar mas minha percepção é que a medicina no Brasil (e no mundo) virou apenas isso mesmo, uma profissão, como outra qualquer, para ganhar dinheiro e tentar ficar rico. E os pobres que se explodam…

  33. Desumano, no meu ponto de vista, são os profissionais de saúde no Brasil não poderem salvar vidas porque os hospitais públicos estão sucateados, totalmente desaparelhados, com pacientes em estado grave acomodados em macas pelos corredores ou até mesmo em colchonetes finos no chão frio. Que Dilma queira fazer proselitismo eleitoral, tudo bem. Que traga 40.000 médicos de Cuba. Que traga o Fidel pra cá (o povo cubano agradeceria imensamente). Não há problema. Mas que primeiro cumpra suas promessas de campanha. Ela prometeu 500 UPA´s e até agora só construiu 58 (pouco mais de 10%). Ela prometeu 8.694 UBS e até agora construiu pouco mais de 1.200. CONCLUSÃO: DILMA PROMETE NA CAMPANHA MAS NÃO CUMPRE NO GOVERNO.

  34. O próprio Alexandre Padilha, disse, em palestra para os médicos estrangeiros, que o fato deles ainda não falarem a língua portuguesa, pelo menos fluentemente, não será um grande problema, pois ele mesmo, Padilha, já trabalhou por muito tempo em comunidades indígenas, sem falar nada da língua dos índios e não houve nenhuma dificuldade. Também a presidenta Dilma e o ministro Padilha não estão garantindo a ninguém que esta será uma solução completa e definitiva para a saúde pública, como alegam alguns críticos, completamente sem argumentos. Gente, nós,que aprovamos a vinda dos médicos, não somos tolinhos ao ponto de pensar que a vinda dos mésdicos resolveria definitivamente o problema da saúde. Mas é preciso ir melhorando por etapas, já que o problema, que é enorme, não resolve com um piscar de olhos. Tirando a arrogância dos médicos brasileiros, e o medo de que os cubanos façam melhor do que eles, ainda que com pouca estrutura, arranjem outra desculpa menos tola, para ver se nos engabela.

  35. Ótima matéria. Quando assisti hoje um vídeo do SBT sobre médicos no interior do RJ que entravam, batiam ponto e iam para as clínicas particulares, fiquei com muito ódio, pois o hospital estava cheio! O que adianta o tal REVALIDA, se essas pessoas nao tem caráter e amor ao próximo? Será que o tal do REVALIDA faz os médicos brasileiros serem melhores e mais humanos? Ou será que só serve para eles terem vários empregos, simultaneamente, deixando o povo do SUS na mao, após baterem o ponto? Mesmo com o tal do REVALIDA eles farao de tudo para prejudicar o povo e se vingar do Governo e dos médicos cubanos. Eu sinto muita humildade nesses médicos cubanos, mesmo sem o tal do REVALIDA. Sejam bem vindos!

  36. Kotcho, é o novo que veio pra ficar substituindo o velho que não quer largar, governos trabalhistas são eleitos para isso, eliminar velhas praticas, quebrar monopolios, avançar sobre os privilegios de poucos para diminuir as desigualdades, tambem foi assim com ex-toda poderosa velha “midia”, assim vei ser com a saude publica, e futuramente com maior vespeiro que e a reforma politica, é um caminho sem volta.
    PS: No comentario do Sr.Cabrini, vale esclarecer, uma programa lançado 2 anos antes da eleição no clamor das passeatas não pode ser classificado como eleitoreiro, os dois anos que profissional deve trabalhar na rede publica é para os que se formam em Univ.Federais, quanto ao seu imposto de renda, existe a tabela, com ou sem recibo medico.

  37. Começo este comentário com uma pergunta,sobretudo pertinente;O experiente e de notável credibilidade:Ricardo Kotscho,acredita que a vinda desses médicos estrangeiros resolverá de modo significativo o grave problema da Saúde Pública no Brasil?.O ilustre jornalista sabe muito bem, que a vinda desses profissionais ajudará em muito a alavancar a candidatura da presidente Dilma á reeleição,assim como a possível candidatura do ministro da Saúde – Padilha!.Portanto,de imediato e com sucesso, a importação desses médicos,terá,inicialmente uma finalidade ELEITOREIRA!.Digo mais,o Fidel Castro, depois de “fudelizar” Cuba, ficaria muito satisfeito em ver o Brasil “cubanizado”!. Com certeza seriaá sua segunda maior alegria na vida.Espero ver postada esta sincera mensagem.

  38. Pois é, caro e prezado Ricardo, a Máfia de Branco, que mais parece Máfia de Broncos, está histérica e dá um espetáculo de safadeza. Se tem médico que não quer trabalhar nos grotões do Brasil, a solução é trazer médicos de fora, como os abnegados médicos cubanos.
    Alguns deles deram declarações com forte teor de humanismo e altruísmo, valores que a tal da AMB deveria ensinar aos médicos brasileiros. Desculpem-me o exagero, mas as declarações dos médicos cubanos são tão bonitas que só Jesus, Buda, Gandhi, Chico Xavier e Irmã Dulce se expressariam melhor.
    A Medicina cubana é a melhor do mundo e quem não gostar que vá reclamar com o bispo e outros prelados. O ator francês Alain Delon, direitista de carteirinha – e de quem sinto inveja por ter namorado a Romy Schneider – foi se tratar em Cuba quando ficou doente. Pelo amor de Deus, ideologia na Saúde, não!
    Médicos americanos elogiaram a eficiência da Medicina cubana e, por falar nisso, há médicos americanos que se formaram em Cuba. A Arábia Saudita, que é “unha e carne” com os EUA, está importando médicos cubanos. Os sauditas querem aprender com os colegas cubanos, como bem disse o jornalista Paulo Nogueira, que não está para blábláblá.
    É bem verdade que o hospital de Xiririca da Serra está longe de ser comparado ao Hospital Sírio-Libanês, mas tem o básico para qualquer médico talentoso trabalhar. Não tem Sírio-Libanês em Xiririca da Serra, mas deve ter algum sírio-libanês, a quem rendo as minhas homenagens.
    Paro por aqui até porque já escrevi demais pro meu tamanho (1,70 de altura) e idade (33 anos…em cada perna).

  39. Não estou entendendo uma coisa, em junho, parte da população foi à rua pedir melhorias na Saúde, no transporte, na educação… o governo federal vem tomando medidas nesse sentido e agora, que estamos em agosto aparecem algumas pessoas que as medidas são eleitoreiras? e se o governo nada fizesse seria omisso, vai entender. De uma coisa eu tenho certeza: um médico é melhor do que nenhum médico. Por que esses coxinhas não aceitaram ir para os rincões desse Brasil afora? Querem é moleza… querem fraudar o ponto e ganhar na clínica particular.

  40. Os conservadores brasileiros defenderam o golpe em Honduras, no Paraguay, até essa ultima do sen.boliviano parece que tem o bico dos tucanos. Mas a foto que esta no link das 12,16 atingiu o epice, não degrada só a direita brasileira, mas toda raça humana.

  41. chi nao ocorreu ao alencar que:
    . se for eleitoreiro é muito ‘tanto melhor’ -DAVA pra nao ser eleitoreiro, o panaca, ou voce nao gostou que dilma retomou a iniciativa politica resolvendo problemas ao mesmo tempo. O DURO pra voce é que a velocidade dela foi demais pra ti e para pSDB, fala a verdade!
    -“nao vai resolver a situaçao da medicina de alta complexidade”.. es tão
    limitado que nao percebes que um atendimento preliminar , e familiar é feito precisamente pra nao TER que chegar a doença que pede a alta…??

  42. Sr Ricardo Kotscho
    1. Em seu 1o parágrafo consta que “a vinda de médicos cubanos para suprir as carências de assistência à saúde das populações mais pobres do país”. Esse é o primeiro equívoco a que o “Mais Médicos” leva, o de imputar à falta de médicos os problemas de saude dos mais pobres. Senão vejamos, o Brasil integra a lista, da OMS, de paises mais acometidos por tuberculose no mundo, doença fortemente ligada a condições precárias de moradia, promiscuidade, desnutrição, alcoolismo, enfim à pobreza; a desnutrição tambem se associa à principal causa de mortalidade infantil no país, qual seja as infecções intestinais, adquiridas devido a péssimas estruturas sanitárias, e agravadas pelo quadro nutricional depauperado das crianças atingidas. Malária, febre amarela, doença de Chagas, calazar, são enfermidades transmitidas por insetos, cuja existência se deve ao descaso que as autoridades devotam às regiões desvalidas. Nada do que está sendo enumerado pode ser corrigido com a presença do médico, solitariamente.

    2. No 3o parágrafo expõe-se que os médicos cubanos irão para regiões onde brasileiros não querem ir. Pois saiba que os brasileiros aceitariam sim trabalhar em qualquer área, desde que com remuneração condizente e com os meios para poder por em prática uma atividade médica que contemple de fato a dignidade que merecem os supliciados. Há vários exemplos que dão conta de que serviços de saúde prestados por empresas privadas, em locais ermos, têm atraído profissionais de grandes cidades, aos quais se garantem compensação financeira e suporte adequado para a assistência adequada. Muito do descontentamento dos médicos tem a ver exatamente com essa trapaça do governo que, em vez de fazer o que deveria ser feito para recrutar os médicos para áreas carentes, prefere recorrer a pobres diabos, que não mandam em seus próprios destinos, e são impelidos a aceitar o inaceitável.

    3. O 5o parágrafo traz uma observação pertinente, que aponta para a baixa qualidade dos serviços prestados pelos médicos brasileiros. Mas a dedução que enseja é enviesada, pois leva-se a crer que mau atendimento por mau atendimento, não há mal em aceitar o pouco que os cubanos têm a oferecer. Vem de longe a preocupação das entidades médicas com a formação deficiente emprestada por várias faculdades de medicina impróprias para funcionamento mas, embora se tenha chamado a atenção para o problema e apresentado soluções, as autoridades fazem ouvidos moucos e seguem permitindo abertura indiscriminada de novas escolas de baixo nível. A vinda de profissionais despreparados, ou de resto não submetidos à revalidação de seus diplomas, tende a perpetuar a mediocridade que já medra o ensino médico no Brasil, e é mau para todos que mais medíocres sejam agregados aos que já existem entre nós, como se para os pobres pouco fosse melhor que nada, embora se saiba que não existe “pouca” ou “meia” medicina.

    4. A preocupação com o repasse de verbas para o governo cubano, injustificável pois não se compra mão de obra médica, deveria preocupar todos, não só os médicos. Se vierem os milhares de médicos cubanos que são previstos, a conta final passará de 1 bilhão de reais que serão doados à ditadura dos Castro, em vez de empregados nas melhorias que se fazem necessárias à saúde.

    5. Só por muita ingenuidade alguém pode se embevecer quando os cubanos declaram o amor ao próximo acima dos interesses monetários. Em primeiro lugar, eles ganharão, nessa missão, quase 100 vezes o que recebem na ilha; em segundo lugar, difícil acreditar que tais falas não sejam orquestradas, ou que não façam parte de uma das metas que lhes foram incumbidas perseguir, que é propagandear o combalido sistema cubano, a exemplo do que fazem na Venezuela e em todos os rincões onde praticam esse altruísmo.

    6. O REVALIDA, exame que um dos leitores sugere seja também aplicado aos médicos autóctones, consta de questões básicas que permeiam a prática médica cotidiana, mas historicamente mais de 90% dos médicos estrangeiros fracassam quando a ele se submetem. Essa avaliação é o mínimo que se deveria exigir de quem virá para cuidar da gente sofrida, e novamente deve-se salientar que, na profissão médica não se admite o meio termo, o “melhor isso do que nada”

    7. Por fim, desejo expressar minha compreensão pela posição adotada pelo Kotscho em seu artigo pois ele, como qualquer cidadão que não milite na área da saúde, se deixa facilmente levar por uma medida oportunista, adotada em meio à queda de popularidade de Dilma, e que não só toca fundo o emocional de quem a aprecia, como também joga a população contra a classe médica, dessa forma tolhendo seu poder de reação. Espero ter contribuído de alguma forma para que se desvende melhor a complexidade que cerca nossa saúde, e faz com que o povo sofra por más gestões, financiamento deficiente, e corrupção.

  43. Kotcho, o comentario do Sr.Hermes Sanchez, é o extrato da desumanidade que acometeu uma classe outrora admirada e respeitada. Ele deixa claro sua defesa em “empresas de saude privadas”, aquelas que cobram do segurado R$650,00 por mes e pagam ao profissional R$25,00 por consulta, tentei ler até o final mas parei quando escreveu: prefere recorrer a pobres “diabos” que não mandam em seus proprios destinos e são impelidos a aceitar o inaceitavel.
    Nem se deu conta que o assunto é SAUDE PUBLICA.

  44. pq esses médicos não fazem logo essa prova do Revalida e acaba com essa celeuma. Que saco! o que eles temem tanto? Ou não são médicos? ou não são competentes? pq o governo joga pra essa população pobre médicos de 5a categoria. Tenha dó. Defenda a prova, defenda a verdade e toda essa confusão acaba.

  45. Nao e preconceito com os médicos estrangeiros Mas convenhamos, esta medida é sim eleitoreira!
    Precisamos sim de pequenas e grandes cidades saneadas, escolas, centros culturais e esportivos para crianças, jovens, adultos e idosos exercitarem o corpos a mente! Isto é prevenção a saúde. O que vemos em nossa pequenas cidades e nas periferias dos grandes centros, “falta de água potável, crianças pisando no esgoto que corre pelas ruas e o lixo acumulado, jovens sem ocupação se drogando o vendendo droga.
    Precisamos gastar o dinheiro arrecadado com os impostos pagos por nos, dentro do próprio país Em saúde publica na prevenção a saúde com equipes de saúde completas e não só em contratação de médicos . Que adianta ter médicos se falta prevenir as doenças e equipar os postos e hospitais públicos com o básico para atender o paciente :seringas agulhas de sutura, esparadrapo gaze, remedios estetoscópios, reanimadores, ambulâncias, remédios, lençóis material de limpeza …se tudo isso fosse feito teríamos menos doentes e menos gastos com a populacao tão carente.
    Poucos são os médicos estrangeiros de outras nacionalidades que não seja cubana. Não é estranho que uns 90%sejam de lá ?

  46. Caro Augusto2
    Pq tanta virulência
    Não tenho vínculo nem paixão partidária, sou um eleitor atento e crítico dos gestores, independente do partido ou da corrente política.
    É de notório conhecimento que a pressa é inimiga da perfeição.
    Teu argumento é muito primário, independentemente da atenção básica, aproximadamente 20 % das pessoas desenvolvem doenças graves que necessitam de atendimento secundário e terciário.
    20 % de 150 milhões, número aproximado de pessoas que são usuárias do SUS, são 30 milhões de pacientes. Esse é contingente de possíveis usuários de alta e média complexidade.
    Hoje esse universo é reduzido pela falta de acesso ao diagnóstico, mas ampliando o atendimento esses excluídos serão em algum momento encaminhados para o atendimentomespecializado.
    Caso contrario não existiriam hospitais, todos os males seriam sanados com o atendimento básico.
    Essa é uma fantasia de leigos, que de maneira inescrupolosa tem sido difundida pelos gestores públicos ao longo das últimas décadas.
    É óbvio que o governo deve levar atendimento aos mais necessitados, mas a maneira como está sendo feita, vai implodir o SUS.
    Quando o mais médico entrar em ação, os colegas terão que encaminhar uma parcela de pacientes para o atendimento de média e alta complexidade.
    Essa parcela provavelmente será maior que 20%, devido ao fato das comunidades estarem sem assistência.
    Não me considero nem sou considerado panaca, tenho grande desempenho profissional e significativo destaque e prosperidade para sublimar ataques deselegantes e rudimentares.
    Contudo, tenho respeito por todos, inclusivas os panacas, não destilo ódio ou semeio agressividades.
    Desenvolvo projetos de inclusão de pessoas com deficiências e me deparo com todo o tipo de limitação, mas a mais terrível é a raiva e o ódio.
    Tenho dó de pessoas com essas características, vão arrastar correntes de ressentimentos e fracassos por toda a vida.
    Finalizando
    O sistema de saúde é integrado, tens que investir proporcionalmente os recursos físicos e humanos em toda a linha de atendimento.
    Isso é básico, o governo sabe disso, mas não dispõem de tempo, dinheiro e força de atendimento para realizar de maneira rápida, antes das eleições, e de maneira eficiente.

  47. que venha os médicos cubanos , mas não para sustentar a ditadura cubana e a campanha eleitoral do ano que vem …. a questão é simples não é aceitável que os médicos trabalhem para o Brasil e recebam de cuba , e caso fosse assim , o Brasil no minimo deveria ter determinado previamente o salario devido ao médico .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *