27 milhões sobrevivem com 1 salário mínimo e Bolsonaro ainda debocha

27 milhões sobrevivem com 1 salário mínimo e Bolsonaro ainda debocha

No mesmo dia em que o Estadão publica levantamento mostrando que 27,3 milhões de trabalhadores sobrevivem hoje com um salário mínimo por mês, o capitão Jair Bolsonaro resolveu fazer uma parceria com o ex-jornalista Alexandre Garcia para debochar dos brasileiros.

Ao menosprezar nossa capacidade de mudar o país, Garcia afirmou em vídeo que foi compartilhado pelo presidente nas redes sociais:

“Alguém duvida de que os japoneses transformariam isso aqui em primeira potência do mundo em 10 anos?”

“Isso aqui” é como o ex-global se refere ao Brasil governado pelo ex-tenente, que tuitou em seguida, junto com o link no Youtube:

“Alexandre Garcia: 2 minutos para mudar o Brasil. Essa é para assistir algumas vezes e compartilhar muitas”.

Nem o guru Olavo de Carvalho tinha chegado a tanto em suas apopléticas agressões ao Brasil e seu povo.

Em apenas quatro anos, desde o golpe de 2016, 1,8 milhões a mais de trabalhadores passaram a ganhar até um salário mínimo por mês.

Reportagem especial de Douglas Gavras e Erika Motoda traçou o perfil de vários desses sobreviventes desprezados por Jair & Alexandre, que nunca souberam o que é viver com um salário mínimo.

Economista da Consultoria IDados, Ana Tereza Pires, que fez a análise dos dados do IBGE a pedido do Estadão, atribui esses números à explosão da informalidade nos últimos anos, que já atinge a 41,1 milhão de trabalhadores.

“Sem a estrutura básica que os empregos com carteira assinada oferecem aos trabalhadores, os informais ficaram expostos a condições piores e baixas remunerações.”

É difícil acreditar que os japoneses de Jair & Alexandre estejam interessados em se submeter a essas condições degradantes para salvar o Brasil.

Não satisfeito em compartilhar essa barbaridade do ex-jornalista, nesta mesma segunda-feira Bolsonaro resolveu cometer outra grosseria com os governadores do nordeste, ao participar do lançamento da pedra fundamental do Colégio Militar de São Paulo, em companhia do parça Paulo Skaf, da Fiesp dos patos amarelos.

“Se quiserem seguir formando militantes e desinformando, tudo bem”, disse Bolsonaro ao criticar o fato de oito dos nove governadores nordestinos não terem aderido ao programa de escolas cívico-militares do MEC.

O ataque bolsonarista veio logo após o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciar um aumento salarial dos professores do Estado para R$ 6,3 mil, enquanto o piso nacional da categoria reajustado pelo governo federal é de R$ 2,3 mil.

A resposta de Dino não demorou:

“Aqui no Maranhão não “inauguramos” pedra fundamental de escola. Aqui a gente inaugura escola. Pronta. Temos cerca de 1.000 obras educacionais. Centenas de escolas novas. Ou seja, enquanto uns gritam e tentam chamar atenção com confusão, estamos trabalhando com seriedade”.

Não precisamos importar trabalhadores japoneses, mas poderíamos seguir o exemplo deles, e investir mais em educação, principalmente nos professores, como faz o governador Flávio Dino no Maranhão.

Vida que segue.

 

 

12 thoughts on “27 milhões sobrevivem com 1 salário mínimo e Bolsonaro ainda debocha

  1. A comparação do garcia tem bases bem furadas.
    Esqueceu que o japão ja era uma potencia desde o final do sec.19: derrotou a Russia uma potencia na epoca,do czar em 1905, ai disputou o Pacifico com os Eua, foi forçado a entrar numa guerra com os aliados no momento em que NAO queria (tem documentos) e de quebra sofreu duas bombas nucleares desnecessárias, jogadas só pra mostrar poder a terceiros.
    Ai o vencedor ocupante a) impõs lhe uma constituição b) forçou uma reforma agrária no pais -com o objetivo de tirar a b.a.s.e do poder dos senhores de antes… -E quando trilhavamos o caminho para potencia independente tramaram um golpe.
    Entao, Capitao Tuiter, vais fazer uma agrária aqui, pra dar um bom coice nos latifundiários?

  2. Prezado Kotscho: “O sinal intelectual exterior da vaidade é a tendência à zombaria e ao rebaixamento dos outros. Só pode zombar e deleitar-se na confusão dos outros quem, instintivamente, se sente não vulnerável a semelhante zombaria e rebaixamento.” (Fernando Pessoa).

  3. Amigo Kotscho
    Alexandre Garcia é o próprio deboche. Sua devassidão e apego ao poder, principalmente ao poder de direita, são de estarrecer. Mas, mesmo assim, reúne plateias seletas formadas por “cidadãos e cidadãs de bem”.

    Garcia zombou dos brasileiros em palestra e o capitão-presidente divulgou o vídeo.

    Propôs trocar os brasileiros pelos japoneses e imaginou o resultado em dez anos.

    A memória desse pseudo jornalista, produto global, é atrelada aos fatos impositivos da história do país, como as ditaduras, sejam elas militar ou civil.

    Não deve se lembrar de que os japoneses já aportaram por aqui, há mais de cem anos, por livre e espontânea vontade. Fugiam da fome, das guerras, e aqui buscaram o sonho de ter um solo para cultivar.

    “Um solo extenso, com esse regime de chuvas, com esse sol, com esse litoral, com esse subsolo, com esse clima, alguém teria dúvida de que os japoneses transformariam isso daqui em primeira potência do mundo em dez anos?”, perguntou o palestrante Garcia a uma plateia boquiaberta e sorridente.

    Um dos navios com imigrantes, do arquipélago para o continente, trouxe um ex-militar japonês que foi direto para a bucólica Rancharia, no oeste paulista, e lá fincou a família e explorou por sete anos o solo brasileiro com o plantio do algodão.

    Mas, pela sua origem militar, não quis saber do solo, subsolo, sol e chuva. Ele era um só, mas por pouco não põe fogo no Brasil.

    Jinji Kikawa era o nome do japonês. Enquanto cultivava algodão, idealizou e fundou a seita Shindo Renmei, que matou nipônicos que moravam no Brasil e aceitavam a derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial. Chegou a formar um exército nas barbas de Getúlio Vargas.

    Mr. Alexander, pelo seu notório saber, deve ter lido “Corações Sujos”, do Jornalista (com J em caixa alta) Fernando Morais.

    Pois bem, a seita do Kikawa produziu um fantástico “fake news”, quando há 75 anos falsificou o “Álbum Comemorativo da Grande Vitória na Guerra da Grande Ásia Oriental”. Neste, as imagens eram montagens feitas pelo Foto Yoshida, de Marília-SP. Numa delas, mostra a rendição dos EUA ao príncipe Hiroito, a bordo do navio Missouri. Na fotomontagem, a bandeira norte-americana foi trocada pelo estandarte da marinha de guerra do Japão.

    Por isso, meu caro Garcia, arquipélago é uma coisa e continente é outra. Vale, então, reproduzir a máxima que diz que “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”.

    E, cuidado em suas palestras, porque o capitão-presidente pode reproduzir todas. Ele não tem muito que fazer e adora um “fake”.
    Ulisses de Souza

  4. bom vamos lá. O Alexandre faz comparações absurdas. veja oJjapão não teve suas industrias destruídas na segunda guerra. até então explorou correia, china, etc.
    os EUA para conter o comunismo chines incentivou a economia do japão, enquanto no brasil os capitalistas incentivavam o colonialismo, a economia de extração. bom para finalizar o japão tem a maior divida publica do mundo.
    tem coisa boas no japão. haja vista a educação de cidadão deles. Mas nem tudo e lindo lá.
    ao passo que o mais feio aqui é o Colonialismo americano destruindo nossa economia financiando bozzo, moros, guedes etc e a ignorancia dos nosso cidadão com diplomas de advogados, medicos, engenheiro, e outra coisa que não tem nada a ver com conhecimento politico-economico.

  5. mais de 150 milhões de trabalhadores vivem com menos de 1 salario minimo legal que está na constituição e está valendo R$4.277,04. Se os trabalhadores não lutam pelos seus direitos constitucional, preferem brigar por R$0,10 no preço da passagem de ônibus e outras esmolas do poder público os politicos deitam e rolam nas mordomias.

  6. Governador Flavio Dino é uma estrela em ascensão. Resta saber se ele vai querer a companhia do PT em sua caminhada rumo a presidência ou vai buscar o apoio mais confortável da ala social democrata, porque de comunista mesmo ele só tem o partido.

  7. EXATAMENTE, Mestre, como o artigo necessário de Tati Bernardi, na Folha, sexta-feira (31/01), que explicita a paciência dos extremamente antenados, como tu e ela, não suportarem mais a mediocridade armada que tomou de assalto o Brasil, condenando-o ao futuro, de novo, o atraso presente.
    E seguirão paciências não suportando, dos mais aos menos antenados, até somarem-se os não antenados recuperáveis, adestrados ou não, em procissão dos que não suportam mais, ver, ouvir, falar e sobretudo pensar em, estultos juramentados como zeronauros, lambe pacovás como garcias, skafes e mials, ‘conspiradores convictos’ como delanhóis, helênicos, morinhos & morões, ‘zerocerebridades’ como porcinas, postos ipirangas e outros tantos sequer citáveis, junto com as famílias bem banqueiras, midiáticas e patrimonialistas da classe dominante e todos os demais carros alegóricos, adereços, bateria, fantasias, mestres salas e porta bandeiras, que compõe a G.R.E.E.S Unidos das Casas Grande e Branca.
    E não bastante, o samba enredo que sequer Stanislaw entenderia. Fala em japonês resolver, ignorando ter-se aqui a maior população de origem japonesa fora do Japão a contradita-los no sambinha de uma nota só, “O Brasil é uma porcaria por causa dos brasileiros.”
    Por que dizem isso, sem largar o osso aos que querem ‘vira-latas’ custe o golpe que custar?

  8. Um subito lampejo de inspiração que os nojentos pelai chamam de insight, me acometeu após a noticia do caos total, e anacrônica balbúrdia dos resultados da tal pre eleiçao – yes porque caucus é palavrão- no estado de Iowa lá em cima no império.
    Igualzinho o ENEM bozzonarista.
    Que afinidade!

  9. Um otimo assunto para ser colocado em debate aqui neste espaço:
    COM OS BENS BLOQUEADOS, LULA PASSA A RECEBER SALARIO DO PT
    Eu pago imposto, voce paga imposto, nós pagamos impostos. Parte destes impostos que pagamos, vai para o sustento dos partidos politicos, inclusive o PT.
    Dirigente partidários recebem salários, que segundo reportagem, no PT varia de 16 a 26 mil reais.
    A PERGUNTA: Pessoas condenadas pela justiça e com direitos politicos cassados, tem o direito de receber salário do partido politico?
    Que tipo de dirigente ele é, sem não tem os direitos politicos vigentes?
    Além do aspecto legal, é moral?
    Gostaria muito de ver este testo colocado para debate, afinal , se temos 27 milhões de pessoas honestas que sobrevivem com um salário minimo, como pode outro, nesta situação, ganhar 20 salarios minimos do partido , mais o salario mensal em torno de 6.000,00 da bolsa ditadura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *