Os 23 minutos que abalaram a República: Bolsonaro lembra quem?

Os 23 minutos que abalaram a República: Bolsonaro lembra quem?

Eu vi, ninguém me contou.

Desta vez, não era fake news, nem vídeo postado pelo 02.

Era o próprio, falando numa live assustadora, direto de Riad, já alta madrugada na Arábia Saudita.

Às 10 da noite daqui, alertado pela minha sobrinha Renata Kotscho Velloso, fui direto ao Face do capitão para ver com meus próprios olhos.

Renatinha, que mora nos Estados Unidos, não perde uma live do capitão às quintas-feiras, mas agora era uma edição extra, como aqueles plantões da Globo.

Algo muito grave tinha acabado de acontecer, capaz de abalar os alicerces da República.

No final do Jornal Nacional de terça-feira, entrou uma reportagem envolvendo o nome do presidente Jair Bolsonaro no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Olhos injetados, fora de si, aos berros, o capitão partiu com os dois pés para cima da Globo e do governador fluminense Wilson Witzel, acusando-os de uma conspiração contra sua família para derrubá-lo do governo.

Em resumo foi isso, mas vale a pena ir ao Face da Renata Velloso para ler o comentário em que ela descreveu com detalhes o que foi aquilo, um show de pura demência.

Cabelo liso caindo na testa, só faltou o bigodinho para aquele homem descontrolado, tomado de fúria, ser confundido com o homólogo alemão, que arrastou o mundo para a guerra nos anos 30 do século passado.

Foram 23 minutos ininterruptos de puro terror, com um palavreado de beira do cais.

Custei a dormir nessa noite.

Fiquei me perguntando como o Brasil pode ter levado esse capitão à Presidência da República, assim como até hoje os alemães se perguntam como podem ter produzido um carrasco como Adolf Hitler, o fundador do nazismo.

Voltaram-me à lembrança as histórias da infância ouvidas de meus pais e da minha vó materna, que escaparam vivos dos horrores daquela guerra, onde morreu boa parte da família.

Até hoje, não assisto a filmes nem séries desta época, mas agora sou obrigado a conviver diariamente com a ameaça de ver a mesma desgraça acontecer em meu país.

Ninguém sabe como essa história vai terminar, se ao final quem vai vencer é a Globo ou o Bolsonaro, mas uma coisa é certa: o Brasil nunca mais será o mesmo depois desta tragédia que está completando nove meses e destruindo o país.

Parece que o bolsonarismo de raiz veio para ficar, pelo menos em parte do eleitorado fanatizado, como podemos constatar nas redes sociais e nas cartas de leitores nos jornais.

Inspirado no nazismo _ “Deutschland Über Alles” _ este “Brasil acima de tudo” é uma contrafação grotesca, uma cópia inverossímel, mas igualmente ameaçadora.

Oficiais subalternos, com uma trajetória militar medíocre, Jair e Adolf resolveram se vingar do mundo, com a diferença de que por aqui não temos nenhum inimigo externo à vista.

Os inimigos somos nós mesmos, os democratas que ainda resistem a essa insânia galopante, em meio a leões e hienas, exilados em seu próprio país.

Se alguém ainda tiver alguma dúvida, assista ao vídeo que está no Face do capitão.

Vida que segue.

 

12 thoughts on “Os 23 minutos que abalaram a República: Bolsonaro lembra quem?

  1. Assim como um Trump desesperado vai perdendo a queda de braço institucional, ao demonizar um herói de guerra, americano e de origem ucraniana, um Bolsonaro fora de si despenca no abismo, ao topar justamente com a Globo da forma como se poderia imaginar, com um palavrório ora de disputa de trânsito ora, com muita boa vontade, de briga de torcida. Ele considerava a emissora antes como um inimigo passivo (lembradas do diálogo com Bebianno?), agora a coisa piorou: é Trump contra o quinteto da liberdade (MSNBC, NBC, CNN, Washington Post, NYTIMES) e Bolsonaro contra UOL/Folha, Estadão e o seu maior inimigo ativo (na linguagem antiga da estratégia militar), a Globo.
    A resposta é uma só:
    “Je suis Renata Lo Prete”, “Stephen Colbert”, “Trevor Noah”, “Camarotti”, “Anderson Cooper”, “Valdo Cruz”, “Eliane Cantanhede”, “Chris Cuomo”, “Rachel Maddow”; “Je suis STF”, “Je suis OAB”, “Je suis ONU” …
    Defender agora incondicionalmente o STF e a Globo, eis a linha de defesa e demarcação da democracia, não há espaço para Schadenfreude blasé. O Presidente é um ditador por todos os poros, esperando a melhor hora para gritar fogo no prédio que ele já incendiou. Era previsível, não haveria como evitar o descontrole absoluto de quem elogia Ustra e Pinochet.

  2. Sobre as inacreditáveis insanidades que manifestam-se nesse tempo, Mestre, sabemos Machado de Assis premonitório em ‘O Alienista’, o problema, e ao mesmo tempo devida solução, é que o insano Capetão, ao contrário de Dr. Bacamarte, não reúne condições e sabedoria para auto diagnóstico e internação no ‘Casa Verde’.
    Cabe aos não insanos, através do que restou das instituições, ‘forçadamente encamisa-lo’ e traslada-lo, o quanto antes, para o ‘Casa Verde’ atual, de maneira a não mais oferecer riscos e aterrorizar, aos estressados brasileiros.

  3. Eleitorado fanatizado.
    No mais, certamente…
    Adair e Jolf.
    Selic mais baixa?
    pra roubar a Poupança.
    Jair e Adolf?
    Adair e Jolf…
    Hitlerienas,
    eleitorado fanatizado.

  4. O povo que vá para Portugal de navio, em não morrendo antes, de fome e mais fome. Bolsonaro feliz, do jeito que o diabo ri tler. Quem faz aniversário hoje? Telefone pra caserna da República Federativa do braziu.

  5. Não vai dar em nada, nada. Serão quatro anos de turbulências: umas mais outras menos fortes. Mas não cairá. O rpoblema é de quem está devendo, desempregado, escolas desqualificadas. Milicos nos gabinetes se fazendo de entender de alguma coisa séria. É um faz de conta geral. Mas no quesito da dona do Brasil, bozo tem a minha torcida. Tem que baixar a crista daquele ângora nojento.

  6. Prezado Kotscho: “Toda vez que um justo grita, um carrasco vem calar. Quem não presta fica vivo, quem é bom, mandam matar.” (Cecília Meireles).

  7. kkk…estou aqui rindo.
    Só o Bozo e nós, levaram esta onda da Globo a sério.
    O Bozo por ser um comppleto idiota, e nós porque nos esquecemos que: se vem da Globo tem treta.
    O objetivo da Globo era apenas ter algumas verbas liberadas, liberaram, ela volta atrás e ainda engrandecendo o infeliz..kkk…

  8. Nenhum editorial de nenhum jornal, até agora, mostrou-se à altura dos uivos da besta ensandecida. Nenhum. Globo, como sempre, acocorada, de braço com o oportunismo da renovação de sua concessão. Estadão, como sempre, surfando o autoritarismo de conveniência à agenda neoliberal. Folha, desde o Velho Frias, nunca foi a mesma; ora uma no cravo, ora outra na ferradura. OAB, mesmo vilipendiada, silencia perante o filhote da ditadura e de seus desvarios. Diferentemente dos demais vizinhos, a extrema-direita enquadrou as instituições supostamente republicanas, basicamente porque não deixa dúvidas quanto à disposição de ir às últimas consequências para aprofundar e afirmar o seu projeto de poder ideológico, político, econômico e de costumes. Ao ponto de explicitar a via prussiana e anunciar de forma antecipada a repressão policial a qualquer manifestação social de massa, que se contraponha ao bloco da direita que se apossou do poder e dos centros de decisão, com base no artigo 142 da Constituição de 88.

  9. Quem diria, hein Mestre, o raio caindo no mesmo lugar: Depois do ‘outsider’ de Juiz de Fora, o porteiro anônimo do Vivendas da Barra.
    Do ‘Solitário da Fakada’, chegamos ao ‘Porteiro da Barra’, em co-produção bolsoglobal.
    O que impressiona é a capacidade dessa organização adestradora de ‘gente de bem’, pensar todos os brasileiros trouxas e sonsos.
    Em menos de 24 horas, a Globo lança o ‘Porteiro da Barra’, essa anônima personagem, que começa no papel de testemunha, de fato ocorrido em 14/09/2018, e passa a personagem suspeita principal no caso da execução de Marielle e Anderson, sem ao menos checarem o arquivo das conversas da portaria do condomínio, entregue a polícia no inicio desse mês, sabe-se lá em que condições, para criteriosamente garantirem a veracidade no encadeamento dos fatos do roteiro, ainda mais sabendo que a polícia chegou ao registro da portaria do condomínio através do celular da mulher do suspeito em executar Marielle e Anderson, morador da casa 65/66 do condomínio, alertando-o sobre o fato e dando-nos a entender que a polícia, apesar de prender o suspeito morador do mesmo, no mesmo, não deu-se sequer a CURIOSIDADE de checar, à época, os registros da portaria para saber quem frequentou a casa do dito suspeito.
    ACREDITE SE QUISER, diria Jack Palance, se série e época fossem outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *