Sanatório Brasil: rir ainda é o melhor remédio, mas está em falta

Sanatório Brasil: rir ainda é o melhor remédio, mas está em falta

Qual foi a última vez que você deu boa uma risada, daquela de chorar e não parar mais?

Parece até que agora está proibido dar risada para não contrariar as novas normas da Caixa Cultural evangelizada.

“Tá rindo do que? Ficou bobo? Isso aqui é sério, não é brincadeira, não, talkei?”, vem logo latir um bolsominion amestrado.

Se fosse um filme, o Brasil antigamente poderia classificado como comédia.

Mas, de uns tempos pra cá, virou um grande drama e, por fim, uma tragédia de horror. Acabou a graça.

Cada vez que aquele alucinado abre a boca no chiqueirinho dos jornalistas no Alvorada, você já não sabe se é para rir ou chorar.

Brasileiro sempre gostou de contar piadas, ria de qualquer coisa, até da própria desgraça, e assim a gente ia levando a vida.

Getúlio, JK e Lula eram um prato cheio para humoristas, chargistas, cartunistas.

Não por acaso, foram os melhores presidentes que este país já teve.

Gostavam das caricaturas que faziam deles e de ouvir a última piada sobre o presidente.

Você já ouviu alguma piada sobre o capitão-presidente?

Pode-se dizer que ele já é uma piada, mas ninguém consegue achar engraçado.

Aquela figura patética, de cara amarrada na tribuna da ONU, pode despertar medo, raiva, qualquer sentimento ruim, mas não consegue arrancar um simples sorriso da platéia.

À sua volta, uma coleção de anões da República ri das besteiras que o chefe fala e bate palmas.

Só eles ainda dão risadas como se estivessem debochando da gente, enquanto o país afunda na desesperança e na melancolia profunda.

Nesta manhã de domingo, dei uma folheada nos jornais e pesquei pela internet para ver se achava alguma coisa engraçada para comentar aqui e dar um refresco aos leitores.

Sem chance, não achei nada que me desse vontade de rir.

Se o caro leitor ou leitora teve mais sorte e se divertiu com alguma notícia, por favor, conte pra nós aqui.

Será que viramos todos uns chatos macambúzios?

Deve ser dura a vida de palhaço num país que ficou triste e já não ri mais de nada.

Vida que segue.

 

21 thoughts on “Sanatório Brasil: rir ainda é o melhor remédio, mas está em falta

  1. Humor sombrio não falta. Abundam exemplos.
    A piada é do ex-PGR, ex-suicida e ex-homicida.
    No Twitter, Janot publicizou: “Pecado”. O comentário referia-se à eliminação do Atlético Mineiro da Sul-Americana, nos pênaltis.
    Um seguidor respondeu: “Falta o ‘matador’ do time”.
    O Brasil é o picadeiro onde os palhaços fazem o povo chorar. Como nunca antes na história deste país.
    Outro mote para piada:
    Carta Capital ficou pelo menos um semestre sem distribuição das revistas no Nordeste. Voltou a distribuir em setembro. Constatou que vendia 70% dos exemplares. 30% eram devolvidos. Exceto quando a capa de Carta Capital foi a do príncipe da Era Beócia, com as garrafais “Alucinado” e a chamada na primeira página sublinhada: “O suicídio do Brasil”.
    A edição no Nordeste, pela primeira vez, sumiu das bancas, 100%.
    O primo pobre do Eremildo, nordestino de Cruz das Almas, perguntou ao jornaleiro dono da banca: “Cabô”?.
    O dono da banca respondeu que um gaiato chegou logo cedo e comprou todas as revistas e pagou em dinheiro. E completou: isso nunca tinha acontecido antes. Nem com a capa do Lula, da Dilma, do Moro, do Queiroz, do Tofolli, do Gilmar, do Mourão.
    Quando não há censura explícita, como no Caso da Caixa e do Banco do Brasil, para não falar da Ancine que proibiu a exibição de “Mariguella” de Wagner Moura, a censura econômica se faz presente.
    Os discípulos do fundamentalismo beócio saem às bancas para varrer Carta Capital das prateleiras.

  2. Piadas ou motivos para rir não sei dizer, mais quanto ao pessimismo que o nobre jornalista teima em disseminar é patético. Todos os dias seu único objetivo é encontrar e destacar as notícias que podem denegrir o Mito ou Moro. Já dei várias notícias boas na economia e na segurança. Claro que não iria dar linha nessas informações pois seus seguidores não iriam gostar. Deixar de falar de centenas de vidas poupadas pela simples mudança de atitude de enfrentar as grandes organizações criminosas não agrada os esquerdopatas, pois torcem para quanto pior melhor. Falar da tragédia na educação com os resultados do Enade nem pensar. Resultados das políticas educacionais criminosas dos últimos 20 anos. Só não deu para jogar no colo do Mito. Pois os estudantes das universidades beberam do desastre educacional da esquerda e os resultados estamos vendo. Habemus censura???? Vida que segue

    1. Acorda, piadista de salão. Foste embalado pelo imbecil fumacê de mito e moro. Tua piada está no desafino boçal da dupla “imparcial”? Acorda, o salão está em chamas. Censura? O tenente reformado está consolidando a imagem Lula, preso político. Pior, cônjuges, hoje, são dissilabocídios e perderam o diferencial. Dia sim, dia não? Pelo que escreveste, é o dois. Não, jamais faria piada com gente fina e bancada pela caserna arrependida. Pariu-se um rebento da politicalha e anencéfalo. É a piada do século. Se tu não és bilíngue, peça ajuda aos excelentes intérpretes de Libras.

  3. Também sinto isso…no início desse governo até poderíamos rir das idiotices do Messias… passados nove meses é angustiante e sufocante saber que teremos que conviver com essas aberrações por mais 3 anos e três meses…aguentaremos???

  4. Está tudo cinzento e triste, detalhe, só pra nós, trabalhadores que carrega esse país nas costas, pra turma de cima está céu de brigadeiro, tudo lindo e maravilhoso. Não sei sinceramente onde ainda podemos chegar, até sei, um presidente que nem programa de governo tinha, não era pra esperar mais que essa porcaria, o descaso com a população menos favorecidas é de doer na alma, deveriam de se envergonhar.

  5. Prezado Kotscho: “Você já ouviu alguma piada sobre o capitão-presidente?” Não. Só coisa ruim. A maldade que ele transpira é escancarada. Sorriso falso, evangélico do mal. “Vivemos num mundo onde precisamos nos esconder para fazer amor, enquanto a violência é praticada em plena luz do dia.” (John Lennon).

  6. Sem Censura.
    Pra completar a tragedia, o “botafogo” declarou que se tivessem aprovado o pacote anticrime da quadrilha curitibana, hoje (pode demorar um pouco mais) eles estariam todos em cana. Portanto, vc é um dos anoes que ri e bate palmas para as besteiras que o chefe dos milicianos fala.

  7. estamos em um país sem graça, com pessoas sem graça, com notícias sem graça, com um congresso sem graça, com um judiciário sem graça, com jornalistas sem graça e com um governo DESGRAÇADO.

  8. Continuando a saga da tragédia na educação. Só 6% dos alunos dos cursos de direito conseguem a carteira da OAB. Poderia dizer qual motivo dessa tragédia caro jornalista? Claro que sabe mais ficará em silêncio, tendo apenas sua consciência da legião de analfabetos funcionais que foram produzidos pelas políticas educacionais da esquerda. Jovens esses que se transformam em cidadãos fáceis de serem utilizados. Quebrar esse ciclo está sendo um trabalho hercúleo pois as universidades estão aparelhadas para impedir qualquer mudança desse quatro trágico. Afinal é o último reduto da esquerda pois os demais estão minguando (sindicatos, ongs, movimentos sociais e estudantis, mídia, estatais, executivo, legistivo etc) Habemus censura? Vida que segue

    1. Nada sagaz. Gramática infeliz. Há diferença entre mais e mas ( significados e classes gramaticais ). Sofrível ausência de vírgula. Quatro e quadro! Habemos anarfa? Fumaça branca. Há corda. Que teu dedo seja igual ao de Janot.

  9. O Brasil, singular na impunidade, é a piada, Mestre.
    O capitão presidente questionado sobre Queiroz, responde estar com a mãe do cidadão, e isso sem que fosse-lhe perguntado por que manter o indiciado ministro do turismo no desgoverno, enquanto assessor do mesmo denúncia e volta atrás, sobre estranhas relações rachadas entre o indiciado e o Capitão em campanha.
    O midiático turbinado ex-juiz da 1ª instância expandida de Curitiba, atropela a justiça e é premiado com o ministério da justiça pelo desgoverno que ajudou a eleger com tais atropelos.
    Nos meios de desinformação, a Globomarinho, concessão pública, surrupia do cidadão o direito a informação, limando de seus noticiários, do Papa a Prefeitura de Paris, para não prejudicar escusos interesses, Silvio Santos faz de pernas de crianças concurso para elevar o Ibope no Sistema Bolsonaro de Televisão e não satisfeito, pergunta a criança de oito anos, “se prefere, sexo, poder ou dinheiro…”, enquanto a esposa de Huck, ora vindo de Uber, declara que o marido, que vende-se candidato continuamente na tela da Globo, “é uma espécie de CHAMADO”, sem especificar se da Globomarinho, do Lemann ou.., sem que os freios legais funcionem em qualquer dos casos.
    Coisas do Brasil, laranja, sem Mídia, com Milícia em cima de tudo e a Bolsofamília em cima de todos.
    Só mesmo rindo, Mestre, tamanha a tragédia.

  10. Caro Zé Ferino talvez eu esteja incluso nos 96% das vítimas da tragédia educacional da esquerda. Fico pensando como deve tratar os cidadãos simples que lhe cercam. Do alto de sua soberba qualquer expressão popular lhe vira o estômago. Típico dos pseudos intelectuais da esquerda. O resultado é só verificar no Enade, Pisa e demais provas que não são aparelhadas pela esquerda. Percebeu que não consigo descolar a expressão esquerda da tragédia educacional? Agora falar sobre a tragédia da educação transforma o Céos em ninguém. Habemus direito de resposta??? Vida que segue

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *