Que tal ficar sem governo de uma vez? De repente, as coisas melhoram

Que tal ficar sem governo de uma vez? De repente, as coisas melhoram

De repente, até o ar ficou mais respirável, já repararam? Outros assuntos entraram na pauta e ninguém sentiu a ausência de governo.

Com o titular no hospital e o reserva caladinho, a vida seguiu seu rumo.

Os aviões continuaram decolando e aterrissando, as marés subindo e descendo, os bares lotando no final da tarde.

De repente, até a Globo, o STF e a PGR, além da sociedade civil, como num movimento sincronizado, saíram em defesa da democracia ameaçada.

Por que não fazemos essa experiência: que tal ficar sem governo de uma vez?

Não custa tentar.

A licença médica do capitão poderia ser prorrogada por tempo indeterminado e o vice general não precisaria nem assumir.

O Palácio do Planalto poderia ser aberto à visitação pública como uma atração turística de Brasília dos tempos em que havia governo.

Sem presidente, os ministros e sua multidão de aspones poderiam ser dispensados e seus gabinetes transformados em salas de aula e de pesquisa.

No gramado da Esplanada dos Ministérios, poderiam ser plantados campos de futebol e outros esportes, com quiosques nas calçadas para pique-niques.

E se, de repente, o PIB começasse a subir e o desemprego a cair?

Nós nunca fizemos essa experiência.

Sem Executivo, o Congresso também seria dispensável. Já pensaram quantas escolas caberiam naquele latifúndio do Senado e da Câmara?

Com a economia que será feita sem ministros nem parlamentares, sobraria dinheiro para bolsas de estudo, universidades e hospitais.

De repente, perderia a graça o Fla-Flu nas redes sociais, pois todos estariam torcendo para o mesmo time do Brasil sem governo.

Em compensação, ninguém mais poderia colocar a culpa no governo por todas as nossas desgraças.

A imprensa poderia voltar a fazer reportagens sobre a vida real dos brasileiros, mostrando o que eles são capazes de fazer se não tiver governo para atrapalhar.

Nada impedirá que o presidente continue tuitando e blasfemando contra a imprensa, desde que não assine mais nenhum decreto.

O vice estaria liberado para andar a cavalo o dia inteiro, sem o incômodo de ser seguido por um batalhão de seguranças, que também seriam dispensados.

Não passaríamos mais vergonha na ONU e nos fóruns internacionais, já que o país seria representado por profissionais de excelência em cada área.

De repente, vejam quanta coisa boa poderia acontecer.

Poderíamos até pagar menos impostos sem ter que sustentar as guildas de militares, juízes, promotores, procuradores, desembargadores, parlamentares e afins, com todos os seus penduricalhos e a vasta criadagem.

Se todo mundo se comportar direito, não precisaríamos de nada disso. Bastaria cada um cuidar do próprio rabo e cumprir as leis.

Policiais poderiam servir de guias para turistas, cuidadores de idosos e zelar pela proteção do meio ambiente.

Não precisariam usar armas, já que elas seriam proibidas em todo o país.

Todo o nosso equipamento bélico poderia ser vendido como sucata para investir em educação e saúde.

Pagando menos impostos, os empresários criariam fundações destinadas a cuidar de obras sociais e culturais e da defesa do meio ambiente, como acontece nos países civilizados.

De repente, o Brasil poderia virar um paraíso, que atrairia milhões de turistas do mundo inteiro interessados em saber como se pode viver sem governo.

Com os dólares e euros despejados aqui, não faltaria mais dinheiro para alimentar e dar um teto aos miseráveis que vagam pelas ruas das grandes cidades.

Sem governo, Brasília poderia voltar a ser uma cidade habitável e se tornar um patrimônio histórico da humanidade, a primeira capital do mundo em que ninguém mais seria chamado de excelência.

De repente, poderíamos voltar a ser respeitados pelos outros países e servir de exemplo para eles.

Seriam infinitas as possibilidades de vivermos num país mais justo e solidário, sem ter que ir para Lisboa ou Miami.

Se tudo der errado, poderíamos dizer que pelo menos tentamos sair deste inferno a que fomos condenados em outubro do ano passado.

Só não podemos perder a esperança de dias melhores aqui mesmo, algum dia.

Bom final de semana.

Vida que segue.

 

16 thoughts on “Que tal ficar sem governo de uma vez? De repente, as coisas melhoram

  1. Os hipocrates do Einstein estao contra a parede.
    O capitão nao pode passar tanto tempo longe do twitter. E por outro lado os editores do site ”cagometro.com’ estao sem assunto por que os esculapios o estao proibindo de abrir a boca.
    É cruel para o mundo bolsominion.
    O que fazer?

  2. Boa tarde, Kotscho.

    Que tal um artigo sobre o que andaram dizendo Ciro Gomes e Rui Costa sobre Lula e a relativização de sua importância nas próximas eleições? As falas dos dois mais ajudam ou atrapalham neste momento? Rui Costa até mostrou as asinhas e se assanhou a ponto de dizer que é candidato a candidato. O que você acha?

  3. Prezado Kotscho: “Por que não fazemos essa experiência: que tal ficar sem governo de uma vez?” Creio que de certa maneira já estamos vivendo sem governo desde 1º de janeiro deste ano porque falta moral, comando político, honestidade, nesse governo para conduzir o país. Quem disse que encher o Planalto de militares e da elite nacional da extrema direita política é sinônimo de boa governança?

  4. Bem,o texto trata de uma ficção -Na qual existe um país perfeito.Um país sem governo -Logo,surgiria um para assumir esta LACUNA -Até mesmo um estrangeiro poderia aventurar-se.No caso específico do Brasil não faltariam pretensos governante:Putin,Macron,Merkel.Trump etc,.Outro aspecto decisivo para a ordem e consequente Progresso-ARMAS!.Tão nefastas e ao mesmo tempo necessárias.De outra forma deveria ser “decretada” neste país a inexistência de bandidos de toda especie,pois estes possuem como INSTRUMENTO DE TRABALHO;ARMAS.Bom final de semana a todos.

  5. Sabe que a proposta é muito boa?…. Uma pena que está sendo sugerida com mais de 3 anos de atraso…. poderíamos ter nos livrado deste mal há muito mais tempo…

  6. Vida longa ao rei da Direita.
    Jair… o messias do Bolsonarocídio.
    Messias… a promessa do Salvador Bolsonaro.
    Bolsonaro… o inocente útil.
    Jair Messias Bolsonaro… um jeep e tropa de 3 filhotes: dois soldados e um cabo.
    O Jeepão da besta do apocalipse assumiu o generalato, sem bater continência à caserna.
    Perplexo, o mundo não sabe versar para Libras, aquela indefectível e louca risada.
    Vida curta ao povo!

    1. Bom, vai aí minha opinião caso ficássemos sem governo de repente.
      Tal como o ser humano seria sem Deus, este seria o panorama no país.
      Não que o governo fosse Deus. Não. O governo apenas tem suas leis, normas, regras a seguir. O governo busca organizar através delas. O problema, o caos que se geraria caso ficasse sem governo seria isso. Sem leis, sem regras, sem normas a seguir pela população que em si, em cada indivíduo, já é o caos não seguindo estes parâmetros de personalidade e egos.
      Cabe aqui esclarecer o que são estas personalidades e estes egos. Os egos vem no indivíduo através de sua carga genética, simples assim. A personalidade, aquela que se forma até por volta dos 8 anos de idade do indivíduo é o veículo pela qual se manifestam os egos ao longo da existência do indivíduo.
      Entendido isso, cabe ainda, algumas explicações.
      O principal motivo pelo qual o indivíduo deve ser educado dentro de um bom lar e após até perto dos 10 anos de idade é justamente por este motivo. Adquirir boa índole e bom caráter.
      O que acontece?
      Nossa civilização vem deteriorando ao longo da existência da humanidade atual. Daí o declínio a cada ano que se passa.
      Procurar meios melhores é essencial para quem queira melhorar.
      Apoiar sempre, da melhor forma, é um meio de ajuda à pobre humanidade que vem despencando. Mais em determinadas culturas.
      Fazer de si o melhor, com certeza, começará a melhora em torno de si.
      Então, resumindo, façamos, cada um de nós, o melhor. Assim, essa tendência um dia dá sua guinada.
      Enquanto houver esperança deverá existir luta.
      Enquanto houver luta …
      Bem. Tire sua conclusão.

  7. Pior notícia do sábado vem de Eliane Brum do El País. O Xingu vai morrer.
    Rondon e os irmãos Villas-Boas, Cláudio, Orlando, Leonardo e Álvaro, e com eles os ancestrais dos xavantes, caiabis, kamaiurás, krain-a-kores, yawalapitis e caiapós, ora se reviram nas sepulturas.
    O desmanche da FUNAI começa na Era Maldita de FHC, quando Orlando Villas-Boas foi demitido da FUNAI.
    Dois anos depois morreu.
    Dante Alighieri analisa a punição para cada um dos pecadores que estão no inferno e no purgatório. De acordo com a gravidade dos pecados cometidos em vida, Dante descreve o castigo para cada grupo: os tiranos, os traidores, os aduladores, os heréticos, dentre outros.
    Na última parte do “Inferno de Dante”, ele encontra com Lúcifer, o demônio traidor que devora os três maiores traidores da história: Judas, Brutus e Cassius.
    Dante não conhecia “Italiano”, portanto, não poderia incluir os alcaguetas em um dos seus círculos infernais.
    Trecho do Inferno de Dante, abaixo.
    (Canto I):
    “No meio do caminho desta vida
    me vi perdido numa selva escura,
    solitário, sem sol e sem saída.
    Ah, como armar no ar uma figura
    desta selva selvagem, dura, forte,
    que, só de eu a pensar, me desfigura?”.

    1. Há uma esperança, amigo. Samael Aun Weor estudou Dante e também teve suas obras. Uma delas “Sim há inferno, Sim há carma, Sim há diabo” este escritor dá suas explicações baseados na Divina Comédia. Samael passou sua “batuta” ao VM Rabolu que escreveu “Hercólubus ou Planeta Vermelho”, esta sim, diz exatamente de um planeta que, apesar de ainda ter seu “governo”, já mostra a situação e o que permeia. Um pequeno livro de fácil leitura. Vale a pena pela técnica que o escritor dá para que se salve caso segui-la, não impossível, porém amarga. Um conselho: não desista, se alguns poucos conseguiram, então está ao alcance de todos. Tente.

  8. muita dúvidas agora, no momento, sobre para que e quem realizou o ataque as refinarias da
    Arabia saudita.
    Foram 17 pontos, e idem furos nos tanques de oleo da maior refinaria do mundo. Alta precisao e de quem sabia o que fazia.
    Nenhum drone foi detectado na noite (4 a.m). O Bahrein que é praticamente todo ele uma base americana e da 5a frota, fica pouco mais que 50 km do local atacado. E tem todo o tipo de anti misseis , radares e proteção aérea, claro. Foi na barba do pentágono, entao porque não impediu ou reduziu os danos?
    O petroleo mais caro ajuda o oleo o shale,, objetivamente. O ataque objetivamente ajuda o sanguinario candidato Netanyahu… que aliás ja dispoe de um lobby gigante na America. Dá argumentos aos falcoes contra o Irã. Os sauditas tem uma reserva em estoque que da para um ou dois meses. Declarar q o agressor seja Teerã é o mais conveniente e fácil.
    No futuro a gente deve saber mas agora é misterio.

  9. beleza de poste…muito bom.
    Mas não basta ficarmos sem governos, teríamos também que ficar sem os bolsomínions, uma vez que eles criariam um mito para os conduzir, pois são imcapazes de conduzirem-se a si mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *