Interdição Já! Um ano após facada, quem está na UTI é o Brasil

Interdição Já! Um ano após facada, quem está na UTI é o Brasil

Onipresente em todas as mídias e nas conversas, um ano após a facada de Juiz de Fora, às vésperas de nova cirurgia, no domingo, o presidente acidental levou o Brasil junto com ele para a UTI.

Já pensei mil vezes em mudar de assunto e deixar de falar no inominável, mas é impossível.

Basta abrir o computador ou o jornal, ligar a televisão ou o celular, lá está ele falando merda, anunciando decisões malucas, contrariando a lógica e a ciência, desafiando repórteres e adversários, ofendendo e agredindo pessoas com seu vocabulário escatológico, defendendo torturadores.

Nos encontros de amigos ou de família, qualquer que seja o assunto, mesmo que se evite falar seu nome, ele sempre entra nas conversas.

O que fazer?

Quase todas as pessoas com quem falo são unânimes no diagnóstico de que o inominável não tem mais a menor condição política, mental e moral para governar o país.

Oito meses após a posse, a cada dia fica mais claro que as pessoas lúcidas com responsabilidades no país precisam encontrar uma solução para este problema que deixou o Brasil doente, sem previsão de alta.

Na manhã desta sexta-feira, me ligou o médico Vitor Buaiz, ex-prefeito de Vitória e ex-governador do Espírito Santo, preocupado, como todo mundo, com os destinos do país.

Em busca de uma solução, ele pensa em sugerir à Sociedade Brasileira de Psiquiatria a elaboração de um laudo médico sobre o estado de saúde do presidente para fundamentar sua interdição.

Buaiz acha que o caso é de tal gravidade que deve ser levado à Assembléia Geral da ONU porque se trata de uma ameaça a todo o mundo civilizado.

Assim como ele, líderes de diferentes movimentos da sociedade civil estão se mobilizando para encontrar uma saída a menos traumática possível.

Reuniões se sucedem por toda parte, abaixo assinados para todos os gostos circulam na internet, antigos adversários estão se unindo novamente para estancar a sangria e defender o Estado de Direito.

Neste sábado, 7 de setembro, véspera da nova cirurgia para corrigir uma hérnia, discute-se se ainda há motivos para comemorar a Independência do Brasil. Há controvérsias.

Isolado do mundo, tratado como um pária perigoso, o Brasil fica cada vez mais dependente dos Estados Unidos, que vai receber o filho embaixador para evitar intermediários.

Não, não é normal tudo o que está acontecendo com uma das maiores economias do mundo, que até outro dia era ouvido e respeitado em todos os fóruns internacionais.

Foi tudo muito rápido.

Desde a eleição de 2014, quando vivíamos uma época de pleno emprego, o país passou a ser governado pela Lava Jato, que derrubou uma presidente eleita e elegeu o ex-tenente, com o apoio da mídia, do mercado e do alto empresariado nacional.

Jogaram tudo nas mágicas de Paulo Guedes, o patético posto Ipiranga sem combustível, que arranca gargalhadas do nobre auditório empresarial em Fortaleza, ao ofender a primeira dama da França, enquanto o presidente agride o pai da ex-presidente do Chile, assassinado pela ditadura Pinochet.

Só agora a equipe econômica de Guedes se dignou a começar a estudar medidas de combate ao desemprego.

Informa a Folha: “As propostas aguardam aval do ministro e já foram apresentadas para um grupo seleto de empresários e banqueiros”.

Que maravilha! Gostei do “grupo seleto”. Vão consultar justamente os causadores do desemprego e não as entidades de trabalhadores vítimas da política econômica.

Faz sentido: o presidente foi eleito por eles, governa com e para eles.

Tem pena dos patrões e cuida de acabar com os direitos trabalhistas.

Acho que Vitor Buaiz não está exagerando. Trata-se mesmo de interdição urgente antes que o país acabe.

Bom final de semana, de preto ou de verde-amarelo. Você escolhe.

Vida que segue.

 

20 thoughts on “Interdição Já! Um ano após facada, quem está na UTI é o Brasil

  1. Um país como o Brasil, com um presidente como Bolsonaro! Tem algo de muito errado.
    Foi difícil para todos: para os militares conquistar um inequívoco reconhecimento internacional nas missões de paz que participaram; para as esquerdas granjear respeito no mundo inteiro com políticas sociais de largo alcance, ao mesmo tempo que reforçaram no governo o estado democrático de direito; para o PSDB ser respeitado pela engenhosa estabilização da moeda em cenário de desmedida hiperinflação, ao mesmo tempo que exibia racionalidades setoriais bem sucedidas nos estados administrados. Foi difícil para todos, mas conseguimos, crescemos muito como nação.
    Vão agora jogar tudo pela janela, quando todas sabemos exatamente quem ele é, o presidente auto-explicativo? E por qual razão mesmo deixar que tudo degringole? Para serem coerentes com as próprias burradas, que fizeram no combate à “pretensa-corrupção-somente-dos-outros”, vão deixar que o Brasil se torne pela direita a Coréia do Norte da América do Sul? Ou alguém ainda duvida que estão perdendo para sempre o país, ao eleger um indisfarçável ditador?

  2. Não sou nenhum fã de Bolsonaro mas. A verdade é que o que levou o país para a UTI foi 14 anos de desvios bilhonários de dinheiros dos cofres públicos. O Temes pegou o país praticamente falido. Conseguiu dar uma melhorada entregou para o Bolsonaro em condições para sair do fundo do poço. Bolsonaro apesar da língua solta está mantendo o equilibrio sobre a corda bamba.

  3. Eu estou me sentindo assim também. Todo dia quando acordo, digo a mim mesma que não vou comentar e nem passar notícias do Zero-Zero nos meus grupos. Mas, fica realmente impossível, a não ser que não veja noticiários de forma alguma, o que é também impossível.

  4. Finalmente Lula assumiu o erro crasso.
    E reconheceu que não deveria ter endossado o segundo mandato da presidenta que nomeou Joaquim Levy e levou a economia para o fundo do poço (3,8 pontos percentuais negativos em 2015).
    Defendemos aqui, ainda no final de 2013, após a tempestade de junho de 2013, que Dilma não poderia se apresentar à reeleição.
    Transcrevo a parte da entrevista de Lula dada a Mino Carta e publicada hoje em Carta Capital.
    Pode ser vista e ouvida na íntegra.
    Segue o trecho: “Em entrevista a CartaCapital, ex-presidente disse que gostaria de ter se assumido candidato em corrida que reelegeu Dilma Rousseff. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) admitiu que errou ao não assumir que era candidato à presidência da República em 2014, ano em que a colega de partido Dilma Rousseff foi lançada à disputa. A declaração ocorreu em entrevista a CartaCapital, na quarta-feira 4, em Curitiba (PR), onde o petista está preso. Ele havia sido perguntado se deveria ter sido o ministro-chefe da Casa Civil desde o início do segundo mandato de Dilma, em vez de tentar ocupar o cargo tarde demais. Em 16 de março de 2016, o Palácio do Planalto anunciou que Lula comandaria a pasta, no entanto, a nomeação foi impedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).Lula argumentou que aceitou o cargo mesmo sem achar conveniente e disse que deveria ter se assumido como postulante à Presidência em 2014.
    Lula: “No Palácio do Planalto e em nenhum palácio do mundo cabem dois presidentes, não é possível. É preciso saber quais foram as circunstâncias que eu, naquela época, depois da uma hora da manhã, disse ‘sim’. Mas eu não achava conveniente politicamente, porque eu estaria entrando como o salvador da pátria”, afirmou. “Mas também não vamos discutir isso agora, é desagradável. Se eu tivesse que citar um erro cometido por mim, é o de não ter assumido que eu era candidato em 2014 e não assumi porque gosto da Dilma, respeito ela e, democraticamente, ela tinha o direito de ser candidata”.
    Agora é cinzas e todas as vacas estão atoladas no brejo.
    O país deu o seu grande salto para trás e, como diz Jânio de Freitas, o país segue uma “marcha sinistra”.

    1. É verdade. Lula está preso injustamente,sem provas e foi tirado do jogo. Isso é um fato. Mas ele errou ao impor o nome de Dilma nas eleições de 2010. Ele a rotulava como “um animal político. Ela pode ser qq. coisa menos isso. Errou ao não se apresentar como candidato em 2014. Até o João Roberto Marinho pediu a sua volta, vejam vocês. Mas ele gosta da Dilma, então… deu no que deu. Escolha de candidato deve ser uma decisão do partido e não de uma pessoa, mesmo sendo um nome importante. Errou ao não apoiar Ciro Gomes, por quem não morro de amores mas era o mais preparado dos candidatos.
      E com isso ganhamos um Boçalnaro. O Luiz Inácio tem muito a ver com isso que assistimos.

  5. Prezado Kotscho: Mas se “ele sempre entra nas conversas” é exatamente isso que ele e seus blue caps querem: aparecer na mídia e causar. Seja lá que barbaridade for. A última agora é ele se metendo na carteirinha de estudante para evitar o socialismo. Até quando vamos aguentar esse anticristo jabuticaba ditando ordens?

  6. Moro escolheu preto e assim estará no palanque oficial. Só pra alfinetar o Presidente.
    Pior, este, acusa o golpe.
    A imprensa espera a língua incompetente e venenosa. Mas, espere aí, o freio de mão… estará presente.
    Moro, de preto, e Bolsonaro morrendo de medo daquele momento sinistro que só o Dia da Pátria consagra.
    Aquele momento sublime da vaia que começa assim: ” Declaro aberto o desfile… “.
    Moro de preto, ri por dentro, que ninguém é de ferro.
    A caserna ali está.
    O preto do Ministro arrependido é… quem diria, o mesmo dos infelizes desalentados das urnas.
    A Pátria preta tem milhões de desempregados de todos os tons, e Moro, será apenas o próximo.
    As vaias do desalento são imprevisíveis.
    Bolsonaro, com, ou sem freio de mão, dirá que elas são para o presidente da ONU. O povo sabe que a França não mudou de nome.
    A caserna e a Direita perfiladas, entoarão em coro afinadíssimo e desconcertante, aquela risada indefectível, porém doentia.
    E se o Núncio Apostólico de Brasília esnobar o Dia da Pátria Amada?
    O representante de Francisco não terá …Nada a Perder.
    O público olha para o céu e vê o rebento KC 390… voando abarrotado de esperança para o futuro.
    O cargueiro fará a festa de outros povos.
    A Pátria Amada Brasil, horrorizada, vê a fumaça preta sair da UTI, sinal desalentador de insanidade gravíssima.
    O povo sabe… que só o povo…

          1. Mas, se ergues da Justiça a clava forte
            Verás que um filho teu não foge à luta
            Nem teme, que te adora, a própria morte!

  7. Estou ansioso para que chegue o dia em que Lula e Bolsonaro façam parte do passado. Cada um com seus 30% de devotos, entrem logo para os livros de história e nos deixem em paz. Já deu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *