De tanto consultarem o VAR, juízes de campo podem acabar sem emprego

De tanto consultarem o VAR, juízes de campo podem acabar sem emprego

Estão conseguindo acabar até com a maior alegria do futebol, o momento supremo do grito de gol.

O grito fica preso na garganta por uma eternidade, até os juízes do campo e da cabine do VAR entrarem num acordo.

Aí, qualquer que seja a decisão, já não tem mais a mesma graça. É uma emoção retardada pela tecnologia.

Deve ter gente faturando alto com isso, mas qual a vantagem para os torcedores que pagam ingresso?

Para que servem os juízes e bandeirinhas, que ficam correndo de um lado para outro, mas já não decidem nem se houve ou não impedimento?

Basta colocar o resultado do VAR no telão dos estádios, e segue o jogo, como diz o Milton Leite.

Reportagem da Folha deste domingo revela que “VAR faz acréscimos chegarem a quase 9 minutos no Brasileiro”.

São 9 minutos angustiantes que tiram a graça do futebol e não costumam ser descontados no final dos jogos.

Quem resumiu bem este estorvo, que inventaram em nome da modernidade, foi o Arnaldo Cezar Coelho, o melhor juiz que já tivemos antes do maldito VAR:

“Os árbitros perderam sua função. Você pode botar um gandula de bandeirinha”.

Eles ainda não perceberam que logo, logo vão perder seus empregos, por se tornarem dispensáveis. Restarão apenas os “árbitros de vídeo”

Arnaldo faz ainda uma grave denúncia sobre o que está por trás desta “revolução tecnológica” do futebol:

“Também não pode ser ignorado o negócio VAR. São três empresas no mundo que fazem (…) Tudo isso custa caro. Os mesmos dirigentes que estão hoje na Fifa e decidiram implantar a arbitragem de vídeo eram contra quando estavam na Uefa (…) Da forma como está, o VAR é um desastre”.

Caberia perguntar por quais motivo$ os dirigentes da Uefa, agora na Fifa, mudaram de ideia sobre o VAR.

Só falta agora implantarem o VAR nos desfiles das escolas de samba, nos concursos de bandas e de miss, nas provas do Enem, e em outras competições.

Que se cuidem os jurados e examinadores porque os empregos deles também correm riscos.

No mundo maravilhoso do VAR, o erro humano não existirá mais, e assim não teremos mais o que debater depois dos jogos de domingo, não haverá mais mesas redondas. Vão discutir o que?

Pena que ainda não inventaram um VAR para decidir quem está certo no Fla-Flu da política. Assim acabaria esta zona nas redes sociais.

Se o VAR decidiu, tá decidido, não tem mais conversa.

E quem vai controlar esse VAR? O Moro? Mas ele não é mais juiz…

Bom domingo.

Vida que segue.

 

 

11 thoughts on “De tanto consultarem o VAR, juízes de campo podem acabar sem emprego

  1. ja pensou em colocar um VAR na lava jato e no STF?
    a cada descisao dos nobres togados, chama o VAR para ver se confirma..
    Toffoli seria expulso de campo

  2. Corre muito dinheiro, propina e companhia ltda. Não digo que isso esteja acontecendo. O mundo sempre apostou. Vai acabar servindo o crime. O VAR será um fazedor de resultados. É triste, mas é o Brasil. Quando a quadrilha se consolidar e avançar, ela saberá o nome do campeão antes de se conhecer a tabela. Nada de romantismo. Até no amor, ninguém é de ninguém, por isso inventaram a camisinha. O resultado é do VAR. A garganta do torcedor pronta pro orgasmo da explosão do gol e o VAR tira a tesão da torcida. Lembra daquela piadinha antiga? Usou camisinha? Imagine se eu vou chupar bala com papel. Saiu o golaço, o VAR segura, e naqueles “oito segundos”, o peão durante 5 minutos mete a bandeira na boca e chupa bala ao mesmo tempo. Desculpe o exagero, Senhor Kotscho. E Viva o novo líder do brasileirão. Sannnntosssss!

  3. O VAR é um gol contra. Se a bola não reagir, o futebol será nova versão… da Fórmula 1.
    Lá , mudam-se as regras para favorecer os pernas de pau e as ultrapassagens.
    É como se proibissem o gol no futebol. A torcida se contenta com as batidas.
    O Post acertou, desemprego à vista, ou propina e Var. VAR tem outra finalidade: desviar o foco do pior governo que o país já garimpou.
    VAR , Bolsonaro, Moro e outras aberrações, tudo… OURO de TOLO.

  4. Prezado Kotscho: Tentando responder as suas perguntas “E quem vai controlar esse VAR? O Moro? Mas ele não é mais juiz…”, pode ser, mas como ele é morde e assopra, acusa e julga, vai ver que gostaria mesmo é de destruir as provas.

  5. Gozando pelo olhos, sorriso solto ao fazer a leitura do ambiente, o caixa do banco sentencia: “Isso, só lá fora, ou na loteria”.
    O velhinho sai cabisbaixo e a senha se faz imperiosa: “próximo”.
    O mal educado do “caixa”, qual escravo dos dominantes, ignora que ele, pós advento da “loteria dos pobres” e “parceiros eletrônicos” , será em breve… outro desempregado.
    Que pena, os Bancos lucram o miserê de… 4 bilhões a cada 90 dias.
    O VAR chegou e virou praga. Tenho a impressão que esse miserê mundial acabará com a galinha de ovos de ouro.
    Meus Deus, aí então, inventarão o VAR da VIDA: o cidadão tem direito de viver na miséria extrema, ou receberá o ” BÔNUS da VIDA “. Este, significa: suicídio em massa.
    O Banco distribui kit grátis, uma vez quitada a dívida bancária”. Mórbido! Lembra Paulo Guedes…
    Isso pode, Jornalista Ricardo Kotscho?

  6. Mestre, sobre o VAR , faça-se como em outros esportes, conceda-se a cada técnico o direito de solicita-lo no limite de duas solicitações negativas. O VAR passa a auxiliar tecnológico, para veredito final em casos de decisões exatas (impedimento, bola saiu, etc.) e para em casos interpretativos dispor as imagens para o juiz decidir. Como os técnicos, o juiz também recorre ao VAR, obedecidas as normas restritivas quanto as solicitações.
    O motivo maior do futebol sem graça é tornar-se a cada dia, menos paixão e mais negócio.
    Mas o VAR que preocupa mesmo é o da ‘Mídia’, ausente no Sanatório Geral em que transformaram o Brasil. A propósito, imperdível o incomodo e incomodado artigo de Antonio Prata, ontem, na Folha, sobre o comportamento dos ‘órgãos de informação, diante da insanidade que nos ameaça:
    “(…) Se o mundo está ficando louco, não convém à mídia enlouquecer para acompanhar a tendência.
    A imprensa, a ciência e a arte, os três maiores alvos do populismo autoritário que se espalha pelo globo, têm entre si um denominador comum: a busca pela verdade. Nestes seis meses de obscurantismo galopante, no Brasil, a Folha tem sido um pilar fundamental deste tripé: que não tenha medo de reportar a mentira, a ofensa, a burrice e o autoritarismo nos próximos três anos e meio”.

  7. Bem pior que o VAR , que tirou o grito de gol da goela dos narradores e os urros de alegria das torcidas no momento certo; em nome de uma moderna tecnologia; são os Googles e hackers da vida, que nos tirou a privacidade e nos assedia e rouba a nossa liberdade de escolha ; invadindo corações , mentes e até colunas jornalísticas ! Afinal consumo é vida !
    Vida que segue sendo vigiada por camêras vigilantes ; em tempos modernos , fakes e sombrios .

  8. O VAR calando os gritos de gol , o Google assediando nossos passos e pensamentos , os hackers bisbilhotando tudo , intrigas , notícias fakes , e a vida seguindo nesses tempos modernos .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *