Lobista de policiais e capacho dos EUA, Bolsonaro deveria ser cassado por falta de decoro

Lobista de policiais e capacho dos EUA, Bolsonaro deveria ser cassado por falta de decoro

Vamos falar a verdade como ela é: nos últimos dias, o capitão Bolsonaro perdeu completamente a compostura e está fazendo papel de palhaço, ridicularizando o papel de presidente da República.

Nem se trata de seguir a liturgia do cargo, como pregava o ex-presidente José Sarney, mas apenas de um mínimo de decoro e respeito ao cargo que ocupa.

Como se fosse um torcedor qualquer que rompeu o cordão de segurança, na noite de terça-feira Bolsonaro apareceu dando a volta olímpica no Mineirão, acenando com uma bandeira do Brasil.

Parecia aquela Janaína Pascoal, advogada do impeachment que se elegeu deputada pelo PFL, rodopiando com a bandeira num palco armado em frente à Faculdade de Direito da USP, feito uma pomba gira, pouco antes do golpe de 2016.

Quando a votação da reforma da Previdência já se encaminhava para uma votação favorável ao governo na CCJ da Câmara, na quarta-feira, o presidente irrompeu nas negociações para defender privilégios na aposentadoria de policiais.

No papel de lobista de uma categoria que fez campanha para ele no ano passado, em quartéis, delegacias e redes sociais, Bolsonaro estava apenas retribuindo o apoio recebido, como se isso fosse normal para um presidente da República, que deveria governar para todos os brasileiros.

Com seu gesto, ele jogou no lixo a propaganda do seu próprio governo que fala em “aposentadoria igual para todos”.

No mesmo dia, o presidente ainda encontrou tempo para ir à festa do 4 de Julho na embaixada dos Estados Unidos, uma comemoração da independência americana reservada para diplomatas.

Não contente com a sabujice _ foi o primeiro presidente brasileiro a fazer isso _ ainda posou para fotos, enfiando a cara numa roupa de astronauta americano, como criança que vai à Disney ver o Mickey.

A seu lado, o abobalhado “astronauta” brasileiro Marcos Pontes, que ocupa o cargo de ministro, também sorria feliz da vida com o momento histórico.

Ao som de “Born in the USA” e fazendo sinal de arminha com a mão, Jair Bolsonaro subiu ao palco para fazer um discurso que envergonharia o mais capacho dos diplomatas brasileiros, menos o chanceler Ernesto Araújo.

Obcecado pela Venezuela, assim como seu êmulo Donald Trump, o capitão fez um discurso sem nexo para dizer que está ao lado dos Estados Unidos contra o país vizinho.

“Queremos que outros países enveredem para esse lado. Devemos lutar pela nossa liberdade. Todos temos que ter alguém muito forte ao seu lado”.

Desde quando a nossa liberdade está ameaçada pela Venezuela? Chamar “alguém muito forte” para combater ao seu lado mostra apenas a fraqueza de Bolsonaro, que cada vez se agacha mais na reverência aos americanos.

Depois de entregar a Base de Alcântara aos Estados Unidos, em março, e a Embraer à Boeing, bater continência para a bandeira americana e isentar de vistos os turistas daquele país, sem reciprocidade aos brasileiros, Bolsonaro teve a coragem de dizer que “o nosso governo veio para deixar de lado o viés ideológico”.

Se não fosse por mil outros motivos, o deslumbrado capitão deveria ser cassado por falta de decoro no exercício da função.

Vida que segue.

 

13 thoughts on “Lobista de policiais e capacho dos EUA, Bolsonaro deveria ser cassado por falta de decoro

  1. Falta de decoro do capitão e falta de vergonha na cara de seus eleitores que acompanham estas presepadas todas com a maior naturalidade….VERGONHA QUE SEGUE.

  2. Vergonha diária desse governo, não entendo como chegamos nesse patamar, pior que ainda sempre me deparo com pessoas que defendem e acredita nesse homem.

  3. Quando até empresários decidem meter uma bala na cabeça porque suas empresas chegaram ao fundo do poço, não há como deixar de lembrar Millôr Fernandes e de sua crônica “O Coveiro”, a seguir transcrito:
    “Ele foi cavando, cavando, cavando, pois sua profissão – coveiro – era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu que cavara demais.Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar para cima e viu que sozinho não conseguiria sair. Gritou. Ninguém atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enrouqueceu de gritar, cansou de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova, desesperado. A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardias. Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouviu um som humano, embora o cemitério estivesse cheio de pipilos e coaxares naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que vieram uns passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que havia: O que é que há?
    O coveiro então gritou, desesperado: Tire-me daqui, por favor. Estou com um frio terrível! Mas, coitado! – condoeu-se o bêbado – Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra de cima de você, meu pobre mortinho! E, pegando a pá, encheu-a e pôs-se a cobri-lo cuidadosamente”.
    Moral Millôrdiana:
    Nos momentos graves é preciso verificar muito bem para quem se apela.
    Já ouvi comentários, tão mórbidos quanto a tragédia pessoal do empresário sergipano, de que o empresário cometeu apenas o erro de não identificar e mirar corretamente o verdadeiro alvo responsável pela quebra da sua empresa.
    O país entrou em transe e não sairá dele tão cedo.
    Tudo parece estar se desfazendo, continuadamente, com a sociedade anestesiada e impassível diante do desfazimento generalizado.
    O atual estado de anomia social nos afasta, a cada dia que passa,do país como “com o qual um dia sonhamos”, para usar as palavras de Celso Furtado usadas na sua cinebiografia, “O longo amanhecer”, de José Mariani.
    Nem Celso Furtado conseguiria imaginar quão longe ficaremos…

    1. Belo comentário Netho..
      No nosso caso, o coveiro passou a cavar e alargar a base do buraco, de tal forma que nos colocou todos dentro, e por não vermos as bordas do buraco, não percebemos que estamos sendo sepultados vivos por um bêbado, que além de bêbado é louco.

  4. Prezado Kotscho: Os fascistas estão saindo dos armários dos condomínios e são materializados pelos milicianos, matadores de aluguel e até por traficantes da FAB. O país e o governo foram tomados de assalto e é governado por gente que bate demais no peito e se diz patriota. Patriota de araque. Patriota de quartel. Patriota de aluguel. Um texto que me enviaram resume que estamos vivendo uma “espécie de inversão generalizada de valores: compre uma arma, eduque sem escola, coma veneno, cace animais, corte uma árvore, mate minorias e viva sem arte. Tudo isso com apoio de grupos religiosos. É a fase mais tenebrosa da nossa história.” E como é evidente que “a fraqueza de Bolsonaro, que cada vez se agacha mais na reverência aos americanos”, como você escreveu, só podemos esperar dias piores pela frente.

  5. Mestre, não é Bolsonaro que tem que ser cassado por falta de decoro e sim essa mídia libertina, braço armado da classe dominante golpista, que tornou normal esconder a notícia, conforme interesses inconfessáveis, e que deve ser ‘lanhada no couro’ até aprender a respeitar e cultuar a democracia e não a barbárie.
    Sem o Pogrom operado por essa Gestapo Familiar da Desinformação não haveriam golpe, Moro-Bolsonaro e o Brasil não estaria mergulhado na anomia pela mediocridade.
    Quando nacos de carne podre despencam da imagem plástica do Super-Homem inflado por essa Gestapo midiática, com todos sentindo o bodum e não é notícia, quando empresário aflito estoura a cabeça ao vivo, ao lado do governador, e não é noticia, quando o Papa aponta por linha genérica as deletérias ações do Super-Homem apodrecido e é escondido pela mídia, quando mais de cento e quarenta milhões de cidadãos não se tocam que isso tudo tem a ver com um cidadão, jurídica e midiaticamente, seletivamente perseguido e preso sem provas em Curitiba, a situação deixa de ser insustentável e passa beirar as raias da loucura coletiva e, pior, bovinamente desinformada por essa autofágica Gestapo Familiar da Desinformação, que interessadamente insiste em esconder a mãe de todos os problemas do país, a inacreditável DESIGUALDADE.
    PS: Com Faustão e tudo a justiça desmorona ao vivo e a Globo Marinho rebola para que o povo não veja.

  6. No Balanço deste Balaio concordo com Fabian Chacur:
    Bruce tem que se debruçar sobre esse Brutus por danos morais imorais e materiais. MANDA BALA!!!

  7. Born in the USA é o sonho desse inacreditável Bolsonaro, figura mais deletéria que jamais apareceu em nossa vida politica!

    Sabem ao que ele me obriga? A torcer pelo Peru no próximo domingo!

    Só assim ele deixa de mais uma vez enganar o povo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *