Em meio ao “tsunami” do Queirozgate, capitão vai a Dallas e o povo sai às ruas

Em meio ao “tsunami” do Queirozgate, capitão vai a Dallas e o povo sai às ruas

É tudo tão surreal que fica difícil acreditar no que está acontecendo.

Bem que o capitão alertou sobre a chegada de um “tsunami” esta semana, e estava certo.

Só uma pergunta: quem avisou os Bolsonaro sobre o Queirozgate que pegou em cheio o primogênito 01?

No domingo, Flávio Bolsonaro deu uma indignada entrevista ao Estadão detonando as investigações do Ministério Público.

No dia seguinte, a Justiça autorizou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do filho senador, do ex-assessor Fabrício Queiroz, e mais 88 pessoas ligadas a eles.

Como os Bolsonaro ficaram sabendo que isso aconteceria? Já sabiam da imensa devassa que será feita nos gabinetes parlamentares da família e suas relações perigosas?

Terá sido o vidente da Virginia, ou o responsável pelo Coaf e pela Polícia Federal, o ministro Sergio Moro, por coincidência nomeado pelo presidente para o STF, no mesmo domingo, com 18 meses de antecedência?

Como se não tivesse nada a ver com o Queirozgate, o presidente Bolsonaro embarca nesta terça-feira para Dallas, no Texas, onde será homenageado.

Fabrício Queiroz, o mentor do laranjal que Flávio herdou do pai, amigo do presidente há mais de 30 anos, desde o tempo de Exército, continua desaparecido.

Enquanto isso, no Brasil real, estudantes e professores de todo o país estão se mobilizando para o Dia Nacional de Luta pela Educação, marcado para esta-quarta-feira, dia 15.

Escolas particulares, centrais sindicais, a UNE e até os partidos de oposição se uniram para protestar, não só pelos cortes das verbas da Educação, mas também contra a reforma da Previdência e o desmantelo generalizado do governo Bolsonaro.

O país poderá assistir às primeiras grandes manifestações de protesto no atual governo, enquanto Bolsonaro viaja mais uma vez aos Estados Unidos, deixando para trás um país convulsionado, com a economia em colapso e o filho encalacrado em tenebrosas transações.

Se alguém descrevesse esse cenário cinco meses atrás, seria chamado de maluco delirante.

Nem Gabriel Garcia Márquez seria capaz de criar uma história rocambolesca dessas, em que um capitão afastado do Exército comanda uma tropa de generais de pijama em guerra com um astrólogo que caça ursos na Virginia e dá as diretrizes do governo por meio dos três filhos do presidente.

Dá para acreditar?

Mas o 15 de Maio poderá ser um divisor de águas neste país bestificado e anestesiado, que assistia passivamente à destruição do país.

Quando o povo cria coragem e sai às ruas, ninguém sabe o que poderá acontecer depois.

Como reagirão as forças de segurança? Que cobertura as televisões darão às manifestações?

Amanhã saberemos as respostas, mas este dia será lembrado no futuro como o momento em que a juventude, mais uma vez, resolveu dar um basta contra as atrocidades praticadas pelo desgoverno ao mundo do trabalho e do conhecimento.

Apesar de tudo, ainda não conseguiram matar a nossa esperança.

Vida que segue.

 

14 thoughts on “Em meio ao “tsunami” do Queirozgate, capitão vai a Dallas e o povo sai às ruas

  1. Todos os movimentos de cima são estranhos, parecem de caso muito pensado ou descoordenados ao extremo, como se o núcleo do poder tivesse sido tomado de surpresa, não tendo se preparado para a investigação em curso ou não imaginando que ela pudesse mesmo assumir tamanha proporção. Vazou a proporção ou o conteúdo ainda em sigilo? É mais do que se supunha? Tem relação com o visível desconforto de Moro? A princípio, não, pois o ministro é também apanhado de surpresa com a revelação, digamos, da intenção presidencial de alçá-lo ao STF. Fica a impressão, no entanto, de que nada do que foi dito é gratuito, não sendo deste modo mais uma rodada apenas do desatino verbal costumeiro: tsnumami, entrevista no Estadão, nomear como retribuição. Somente uma certeza: a condenação de Lula perdeu toda aura de correção processual que ainda poderia reinvindicar para si. Não seria uma hipótese remota imaginar que Bolsonaro estaria sugerindo algo a Moro: no poderoso super-ministério criado sob medida para o juiz, não seria possível assistir de camarote a fritura em andamento.

  2. Moro, na chuva?
    Quanta bondade.
    Foi catapultado à areia movediça.
    Não se assuste… doutor da lavajato,
    não há provas cabais,
    e sim,
    presunção de maquinação cabalística.

  3. Queirozgate no país campeão mundial de corrupção. Estatística pior é falsa. A vergonha, pra espanto do planeta, é verde e amarela e ninguém tasca. No Japão, o cara se mata e nos USA, o presidente renuncia. Temer voltou ao crime. Por unanimidade, meu. A Justiça é o maior privilégio tupiniquim. Nas manifestações de 15 de maio, pergunte pelo Queiroz. O povo nas ruas resgatará a ordem no desgoverno leza democracia de Boçalnaro. Educação, já!

  4. Em comentários depois da eleição q esse governo nao chegaria ater junho acho q fui otimista a máscara tar caindo para o moro e todos os bobos q acreditaram nesses idiotas bolssonaro parece um Mane e muitos do seus eleitores também amanha e paulista boraaaa

      1. Tenho só dois anos e meio menos do que você, sei do que está falando. Há meses em que as dores mal me deixam andar, depois se tornam suportáveis (como agora).

        “La vecchiaia è una brutta bestia”, diziam os italianos da Mooca, onde eu nasci e cresci. Só espero viver o suficiente para ver o Brasil livre dessa horda maldita.

        Um forte abraço!

  5. Prezado Kotscho; O capitão foi para o Texas receber um premio. O Texas é um estado que só tem cowboy porque lá cada um tem o seu. E o Congresso Nacional, não vai falar nada sobre essa viagem que é um deboche? Ou será que os Bolsonaros são mesmo roscanautas?

  6. Nossa!!!
    Pensei que depois de algum tempo afastado o mimimi tinha mudado. Continua na esperança vazia que a esquerda aina tem poder de mobilização? A mesma de Brumadinho? Quando disse que o Boulos iria fazer a maior manifestação? Poderia mudar seu nome para o “Cavaleiro da Esperança”. Alguém na historia brasileira já foi conhecido assim. Sem o dinheiro dos nossos impostos não irão conseguir nada. Marcar manifestação para o final de semana então? Nem pensar. Caro jornalista seu afã para uma mobilização social em torno do pt morreu a muito tempo. Não consegue reunir mais do que aquilo que assistimos nas eleições. Querer que o Haddad seja um líder é querer mais que ele pode dar. Seria o boneco certo para o manipulador condenado, mais não deu certo. Tentar pegar a bandeira da educação para mobilizar a população é deprimente e estamos assistindo as manifestações pífias pelas mídias. Sabe os motivos? A população honesta brasileira sabe que isso é apenas o pano de fundo, pois a intenção é trazer a bandeira do bandido favorito de vocês como aparecem nas imagens de hoje. Não estão preocupados com a educação, pois posso aqui lembrar a vergonha da última prova do PISA, onde ficamos em últimos lugares em: ciência, matemática e leitura. Mano Brown foi filósofo nos Arcos da Lapa e vocês não quiseram ouvir. Como todos os meus textos anteriores. Pode censurar. Vida que segue

    1. Mauricio Teixeira,
      ao contrário do que você queria, não vou deletar este teu comentário.
      Quero que todos saibam o que pensa um legítimo boçalnarista, alguém totalmente fora da realidade, reproduzindo as fakenews dos guerrilheiros da internet, que perderam o juízo e continuam defendendo este governo que está destruindo o nosso país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *