120 dias de mundo cão: governo Bolsonaro é movido a vingança e ódio

120 dias de mundo cão: governo Bolsonaro é movido a vingança e ódio

Foram 120 dias que vão marcar a história do Brasil para sempre: antes e depois de Bolsonaro.

Nenhuma potência estrangeira seria capaz de promover no nosso país tamanha destruição em tão pouco tempo.

É uma verdadeira guerra de extermínio contra inimigos reais ou imaginários, para não deixar pedra sobre pedra da antiga civilização brasileira.

Os alvos principais são as mulheres e os gays, os professores e os aposentados, os sem terra e os defensores dos direitos humanos e do meio ambiente, os artistas e os intelectuais, as universidades e os estudantes, os índios e os negros, os jornalistas livres e todos os que tiveram a ousadia de conquistar a cidadania nos últimos anos.

Vivemos dias de cão, sem tréguas, desde a posse do tenente aloprado promovido a capitão, depois de ser reformado pelo exército por graves atos de indisciplina.

Sem nenhum programa de governo, Bolsonaro assumiu apenas com uma lista de vinganças:

  • contra os fiscais do Ibama que o multaram por pescar em local proibido no litoral fluminense.
  • contra os radares e os fiscais de trânsito que multaram sua família por variadas e graves infrações.
  • contra o movimento dos sem terra que ocuparam fazendas dos seus aliados das bancadas do boi, da bala e da bíblia.
  • contra o Mais Médicos, o Minha Casa Minha Vida e todos os programas sociais que melhoraram a vida dos mais pobres.
  • contra o movimento LGBT e o “paraíso gay”, sua obsessão dos tempos de deputado do baixo clero.
  • contra a procuradora-geral Raquel Dodge, que o denunciou ao STF por crime de racismo.
  • contra o “marxismo cultural”, uma fantasia delirante inventada para combater a Educação e a Cultura.
  • contra a política externa independente do Itamaraty que abriu o Brasil ao mundo.
  • contra os jovens negros que dançavam alegres num anúncio do Banco do Brasil.
  • contra todos os conselhos federais formados pela sociedade civil.

A lista é muito maior e não cabe neste espaço, mas os caros leitores poderão completar na área de comentários deste blog.

Como resultado dessa guerra ideológica insana, assistimos, impávidos, à liberação da posse e do porte de armas pelos proprietário rurais para estimular a guerra no campo; o avanço da miséria, da fome e do desemprego nas cidades e às ameaças para criminalizar movimentos sociais.

O governo do capitão é, acima de tudo, anticivilizatório.

É antieducação, anticultura, antinatureza, antisoberania, antisocial, antiprogresso, antidireitos, antidemocrático, antifeminismo _ antipovo, em resumo.

Quem vê o capitão discursando de improviso para plateias amestradas, nos palanques de onde ainda não desceu, falando aos berros, com os olhos injetados, ameaçadores, logo se lembra de Fernando Collor em seus últimos dias de agonia antes do impeachment.

O pior é que este governo ainda está só no começo e não há nenhum sinal de reação da sociedade e dos líderes da oposição, divididos e perdidos.

Como escreveu o Jânio de Freitas, domingo, na Folha, o Palácio do Planalto virou picadeiro de um circo de horrores.

A cada dia, apresentam um novo espetáculo grotesco, com pernadas, tuitadas e puxadas de tapete, envolvendo generais e filhos do presidente, bobos da corte e deslumbrados olavetes.

Se o governo não tivesse feito nada nestes quatro meses, estaríamos no lucro, mas é inesgotável sua caixa de maldades.

Alguém poderá perguntar: se o governo é contra tudo, é a favor do que, defende quem?

Basta ver quem bancou a vitória do capitão nas urnas: o mercado financeiro daqui e de fora, a turma do dinheiro gordo da Fiesp e os latifundiários, além dos seus fanáticos seguidores da extrema direita cabocla que continuam promovendo guerrilhas nas redes sociais.

É só para eles que Bolsonaro governa.  O resto que se vire nos 30.

Ainda bem que hoje é aniversário da minha neta caçula, a linda e capeta Olguinha, a única efeméride que tenho para comemorar neste dia.

E vamos que vamos. Para onde?

Vida que segue.

 

32 thoughts on “120 dias de mundo cão: governo Bolsonaro é movido a vingança e ódio

  1. Foi um deputado de baixo clero e lógico que é e será um presidente de baixíssimo clero e extremamente maldoso,cínico e insano. Retrocesso absoluto.

  2. Meu caro, Kotscho,
    A única esperança é que possamos sobreviver a essa catástrofe!
    Parabéns a netinha Olga!
    Amanhã é dia de luta!!!
    Grande abraço,
    Ubalda

  3. Li o texto com a atenção de sempre. Chocante. Abate qualquer espírito de paz e bondade. Fui ficando mais apreensiva, porque o Post é a expressão nobre de verdade incontestável. Apavorante.
    Ainda bem que tudo se clareou. O azul do céu dominou e com alvas asas de anjos da guarda, ouviu-se o cântico em homenagem a você, Olguinha.
    Parabéns, lindinha da vovó, do vovô e de toda a família.

  4. Pois é, Kotscho, o Brasil está do jeito que Deus não gosta e o povo come o pão que o Altíssimo não amassou.
    Agora, uma “novidade”: o Brasil está à beira do abismo.
    Santo Deus, o que fizemos para merecer essa barbaridade?
    Como dizia o Millôr, um povo que precisa de um salvador não merece ser salvo.

  5. …continuidade do programa de Despetização do governo Bolsonaro:

    sai Minha Casa, Minha Vida entra Minha Arma, Minha Vida
    sai Bolsa Família entra Coldre Família
    saí Programa de Aceleração do Crescimento entra PAC – Programa Acelera, Caveirão!
    Por fim, sai Luz para Todos entra Cruz para Todos

  6. Eu tenho feito essas anotações também, mas a gente cansa, não dá para ter esperança, ver um horizonte; a cada dia uma novidade.
    É bom ler o que vc escreve, não me sinto sozinha. E as crianças para nos alegrar. Parabéns, pela neta e pelo profissional que é.
    Abraços.

  7. Se vire no 30? No mínimo, um leque de 31 besteiras. Tomara que ganhe o prêmio. É a única chance de dizer uma verdade: “este dinheiro veio do povo”.

  8. Kotscho: “Se o governo não tivesse feito nada nestes quatro meses, estaríamos no lucro, mas é inesgotável sua caixa de maldades”.
    Na mosca, e o “presidente” ainda não abriu a caixa de Pandora.

  9. Parabéns pelo aniversário da netinha, Ricardo Kotscho. Que ela tenha a sorte de crescer em um Brasil muito diferente dos dias atuais! Tudo passa, esse governo vai passar também, sem deixar saudades! E que os brasileiros aprendam que com democracia não se brinca! Pelo nosso futuro, pelo futuro de nossos filhos e netos, é o que desejo! Abração!

  10. Caríssimo KOSCHO, só lembrando: o capitão Bozo disse aos proprietários rurais que “eles terão o benefício da ilicitude penal” em questões fundiárias. A questão agrária tende a ser uma “guerra sem fim”, com mais mortes da população pobre que luta pela sobrevivência no campo.

  11. Cuidado jornalista comunista ateísta (não é mais ateu que se fala). Poderá acordar com a polícia moral a lhe dar bom dia. Em nosso novo país cristão, chamar uma criança de capeta pode levá-lo ao xilindró. Poderá ser obrigado a uma conversão ao pentecostalismo de resultado do Malafaia. Estamos vivendo a Nova Era, somos o Irã dos evangélicos, não notou ainda?

  12. Meu querido colega e amigo do
    Liceu Pasteur , concordo com voce ! eu estou pasmo e receoso pelo futuro dos meus filhos e netos !! Abraço

    1. Caro Zé Rubens, há quanto tempo… Tudo bem com você? Que anda fazendo na vida?
      Tenho o mesmo receio: o futuro de minhas filhas e netos. Temo deixar para eles um país pior do que aquele que nossos pais nos deixaram.
      Não era essa a velhice que eu imaginava… Vida que segue. Tudo de bom, forte abraço.

  13. Kotscho, o mais grave é, na minha modesta opinião, a radicalização geral. Dois fatos amplamente noticiados recentemente dão mostras: 1 – O Gal. Mourão quase foi crucificado pelos cruzados bolsonaristas recentemente, pelo simples fato de conversar com FHC, Wellington Dias e Mangabeira Unger, todos “comunistas” segundo os lunáticos da direita. 2 – A jovem deputada Tabata Amaral quase foi escalpelada pelos lunáticos da esquerda, pelo mesmo pecado, conversar, com FHC e João Dória. Veja você a que ponto está a loucura, conseguiram colocar FHC como comunista e ultra liberal ao mesmo tempo. Só se aceita conversa entre correligionários. É o caminho mais curto pra guerra.

  14. Prezado Kotscho: O Brasil virou um país de pistoleiros. Só falta colocarem uma estátua do pistoleiro John Wayne ao lado da estátua do pistoleiro Duque de Caxias que é o patrono dessa gente canalha.

  15. O que pode se esperar de uma horda em que a ignorância passou a ser uma virtude? Ameaças de derramamento de sangue? Sanções às universidades promotoras de “balbúrdias? Homenagens a um astrólogo enlouquecido que é o ideólogo do clã do crime? Impunidade aos milicianos garantida pelo próprio ministro do desgoverno? Destruição de todos preceitos constitucionais? Francamente tudo isso mostra o cenário desolador deste triste país que foi mergulhado na obscuridade para servir ao supremo valor do DINHEIRO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *