Militares, olavistas e cristãos disputam o espólio do MEC: é o desgoverno em marcha

Militares, olavistas e cristãos disputam o espólio do MEC: é o desgoverno em marcha

“Em uma democracia, governantes que conclamam a população a festejar uma ditadura de assassinos, de corruptos e de torturadores que tomou o seu próprio país por 20 anos seriam objetos imediato de destituição” (Vladimir Safatle, em “O dia da infâmia, na Folha).

***

O que estão esperando ainda para destituir o pândego colombiano Vélez Rodriguez do Ministério da Educação?

Deveria ter sido demitido sumariamente na quarta-feira, quando foi desmoralizado na Câmara pela jovem deputada Tabata Amaral, de 25 anos, que revelou toda a incompetência e desconhecimento dele para comandar o principal ministério de qualquer país civilizado.

Para mim, não foi nenhuma surpresa. Fui o primeiro repórter a escrever, na Folha, no início da campanha eleitoral, sobre a heroica trajetória de vida de Tabata, da periferia de São Paulo até Harvard, onde ela se formou_ o exato oposto deste desclassificado professor levado para o MEC pelo doidivanas guru Olavo de Carvalho, com a ajuda dos filhos de Bolsonaro.

Se Tabata fosse a ministra, estaríamos melhor servidos, mas isso é inimaginável neste governo paramilitar que coloca em risco o futuro da nossa democracia.

Era uma tragédia anunciada, mas levou menos de três meses para o Brasil descobrir com quem estamos lidando.

Com o Ministério da Educação conflagrado pela disputa de poder entre grupos de militares, olavistas e cristãos, temos aí um perfeito retrato deste desgoverno em marcha batida para o caos.

Como era de se esperar, nesta sexta-feira o capitão Bolsonaro desempatou o jogo, ao nomear o tenente-brigadeiro Ricardo Machado Vieira para secretário-executivo do ministério, com a missão de tutelar o ex-ministro ainda em exercício do cargo.

Nem mesmo no auge da ditadura militar propriamente dita, que Jair Bolsonaro está comemorando estes dias, tivemos tantos militares no Palácio do Planalto e nos ministérios.

Agora não basta apenas trocar o ministro porque toda a estrutura do ministério foi demolida pelo colombiano ensandecido.

Tribos de evangélicos da “escola sem partido”, de olavistas combatentes do “marxismo cultural” e de militares que querem militarizar o ensino já ratearam entre eles os principais cargos técnicos do ministério que está em colapso, completamente paralisado.

Tudo isso aconteceu à luz do dia, sem que as entidades representativas do setor e da sociedade civil dessem o alarme para denunciar o que estavam fazendo com a Educação brasileira.

A guerra no MEC começou ainda antes da posse, quando Vélez Rodriguez escanteou o tenente-coronel Paulo Roberto, coordenador da área no governo de transição, que contava também com o general Oswaldo Ferrreira.

Cada grupo agora tem seu próprio candidato à sucessão de Vélez Rodriguez e esta guerra não tem hora para acabar.

Se fazem isso com o Ministério da Educação, não é difícil imaginar o que acontece nos subterrâneos de outros ministérios num país assolado pelo desemprego crescente, como mostrou ainda hoje novo levantamento do IBGE.

Está tudo virado de pernas para o ar, à espera da salvação da reforma da Previdência, como se isso pudesse resolver todos os nossos problemas, enquanto o capitão viaja pelo mundo para combater o “comunismo” na Venezuela e bajular seus aliados da extrema-direita como um Napoleão do Twitter.

Assim como abri este texto com a epígrafe do filósofo Vladimir Safatle, reproduzo abaixo, para encerrar, o último parágrafo da sua coluna:

“O dia 31 de março sempre será na história deste país, o dia da infâmia e da vergonha. Se alguém esqueceu, nós podemos lembrá-lo”.

Neste domingo, o Brasil deveria se vestir de preto, em sinal de luto, como fizemos quando Fernando Collor pediu para todo mundo sair de verde-amarelo, pouco antes de ser apeado do poder.

E, desta vez, não temos nem vice como Itamar Franco, o bom democrata mineiro, discreto e honesto, que manteve o país no prumo.

Bom final de semana.

Vida que segue.

 

 

16 thoughts on “Militares, olavistas e cristãos disputam o espólio do MEC: é o desgoverno em marcha

  1. Kotscho, sobre o caos e a balburdia na educaçao, tem depoimento de 2 professores, um de SP, diz que alunos de 11/12 anos falam abertamente em matar o Lula, outro de SC (se nao me engano) onde questionam o conhecimento dos professores,
    dizem que nao tem comprovaçao cientifica que a terra e redonda. Segundo esses professores, o debate em sala e salutar, mas o grau de intolerancia e radicalismo que vem de casa, atingiu niveis insuportaveis. Os dois pensam em desistir do magisterio.

  2. Caro amigo Kotscho,em meio ao desgoverno do zumbi(morto vivo) do bozo,nada se salva, os ministros competem entre eles para ver quem fala e faz mais besteiras e o brasil que se dane!
    Mas em meio a esse mar de sandice , foi para mim uma grata surpresa conhecer a Deputada Tabata do Amaral.
    Sou aqui de MINAS e não a conhecia, ela com conhecimento e conteudo deixou o sinistro velez com sua arrogância e curriculo vazios sem ação,mostrou a ele ,toda a sua incompetência, falta de conhecimento e compromentimento com a educação e com o proprio brasil,deixou o velhote com a boca aberta e sem argumentos!
    Agora quando eu pensar em um luz no fim do tunel, essa luz já tem nome :TABATA DO AMARAL!
    Minha filha já virou fã dela,por ser uma deputada jovem ,competente e compromissada com a educação dos nossos jovens , com certeza será um farol para essa geração que se sente orfã de bons exemplos e bons politicos!
    Deverá ela agora se preparar para a guerra das fake news,pois o exercito digital dos bolsonetes atacam e tentam destruir a reputação de todos que discordam do bozo e seus asseclas!
    Mas a cada ataque, estaremos vigilantes para defende-la!
    Força amigo! Estamos juntos na resistência!

  3. Vi ontem no Brasil 247 esse vídeo de seis minutos onde a deputada federal Tábata tira a pele literalmente do tal ministro da educação, deveria ter vergonha na cara e pedir pra sair.Kotscho não sei de onde tiraram que todo o sucesso do governo está na reforma da previdência, solução de todos os problemas,um bando de lunáticos isso sim.

  4. Caro Kotscho:
    outro fato a se estranhar é a ascendência que este personagem olavo de carvalho, tipo rasputin, tem sobre a família bolsonarística. Afinal, quem é ele, como surgiu, como é que um sujeito grosseiro, que mora nos Estados Unidos tem tanto poder ?
    Abraços,
    josé maria

  5. Caro Kotscho, cumprimento você e os comentaristas do Balaio, todos muito afiados.
    Meus mais sinceros parabéns.
    Achei legal o prezado citar o Itamar Franco, que, além de honesto, era nacionalista.
    Na minha modesta opinião, Itamar foi um bom presidente.
    Quanto ao Coiso, vou parafrasear Tarso de Castro: “Isso é lá presidente que se apresente?”

  6. Prezado Kotscho: Você tem razão: “E, desta vez, não temos nem vice como Itamar Franco, o bom democrata mineiro, discreto e honesto, que manteve o país no prumo.” Mas que um impeachment total desse governo pelo Congresso e a convocação de eleições gerais e irrestritas, a essa altura do campeonato, não está me parecendo coisa de maluco. Ou será?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *