Ricardo Boechat, o multimídia elétrico: homenagem de Paulo Caruso

Ricardo Boechat, o multimídia elétrico: homenagem de Paulo Caruso

“Depois da fatalidade, uma coisa positiva: pelo sentimento geral, ele virou um imortal”, foi a mensagem que o Paulo Caruso me enviou junto com o desenho acima.

É a nossa homenagem a um dos grandes repórteres brasileiros do seu tempo, um pioneiro no jornalismo multimídia, em que empunhava vários microfones ao mesmo tempo, com a mesma maestria feita de indignação e senso de humor.

Nestes tempos de circo e hospício no poder, melhor do que ninguém ele expressava este sentimento nacional.

A comoção provocada por sua morte em diferentes setores sociais deu a exata noção do seu papel de porta-voz dos que não têm voz.

Carlito Maia dizia que alguns vinham ao mundo a passeio e outros a serviço.

Boechat veio a serviço, mas se divertia com o que fazia.

Valeu, amigo. Aproveita pra descansar agora.

Pra quem fica, vida que segue.

 

 

 

 

 

 

30 thoughts on “Ricardo Boechat, o multimídia elétrico: homenagem de Paulo Caruso

  1. Achei muito divertido que o Brasil para pagar a energia eletrica fornecida pela Venezuela a Roraima, tenha que pagar via um Banco russo…
    Capaz de o nosso chanceler Arnesto mandar cortar o linhão para não termos de dar dinheiro a comunista.

  2. Prezado Kotscho: Você tem razão: “Nestes tempos de circo e hospício no poder, melhor do que ninguém ele expressava este sentimento nacional.” E esse início de 2019 não está fácil para as perdas que estamos sofrendo. E o pior é que tem gente que não respeita nem as perdas do passado. Nesse “hospício no poder” o destaque agora é para o ministro do Meio Ambiente. “THE GUARDIAN, Inglaterra. Desconsideração com o ambientalista assassinado na Amazônia, Chico Mendes, pelo ministro de meio ambiente do Brasil provoca indignação: “eu não conheço Chico Mendes”. Os comentários de Ricardo Salles alimentam críticas à postura da administração, que os ambientalistas dizem ser excessivamente pró-negócios. Grupos ambientalistas do Brasil criticaram o ministro do Meio Ambiente de Jair Bolsonaro após ele ter descartado o defensor da floresta amazônica assassinado, Chico Mendes, como “irrelevante”. Ele já havia dito que “mudança climática era um assunto menor” https://goo.gl/TPycXC”.

    1. O chefe dele, sr. Messias, disse que “preservação da Natureza é coisa de comunista, de xiita”!. E fora dos microfones acrescentou: “…e de viado também”.
      O que esperar dessa tropa de ignorantes, fundamentalistas, terrraplanistas, geocêntricos? Que misturam marxismo com a revolução francesa, um evento que aconteceu 59 anos antes de Marx escrever seu “Manifesto”, que dizem que Marx se arrependeu de suas teorias na 1a. Guerra Mundial, quando ele já tinha ido embora há 31 anos. Que Simón Bolívar, que quando morreu, em 1830, Marx tinha 12 anos, também recebeu influências do alemão. Segundo essas antas, Bolívar também foi um seguidor de Lênin. PQP!! Quando Bolívar morreu, nem os pais de Lênin eram nascidos. O russo nasceu em 1870!! É muita estupidez dessa tropa. Tropa mesmo. Stálin recebeu o Prêmio Nobel da Paz duas vezes!!! Êpa, será o começo da dor de cotovelo pela possibilidade do Luiz Inácio ganhar o dito cujo??? Diante disso, um analfabeto falar que “Chico Mendes é irrelevante”, é troco. E o Messias deixou o hospital, heim?? O obscurantismo neopentecostal da Idade Média aplaude. Fico pensando no professor de Biologia que falar sobre Darwin, teoria da Evolução… está ferrado.

  3. Descanse em paz Boechat. Realmente uma perda doída, uma voz que no momento atual não poderia nos faltar, sempre coerente, vai fazer muita falta, o país está mais triste.

  4. Realmente criticar o falecido Jornalista Ricardo Eugênio Boechat, sua personalidade nada agressiva e até carinhosa mesmo quando criticava, a competência com que se desincumbia do seu trabalho, sua loquacidade, impossível. Entretanto, é um exagero querer que seja uma unanimidade, embora realmente merecedor do fardão da Academia Brasileira de Letras, no mesmo sentido do Merval Pereira como sugere o desenhista global Paulo Caruso. Também se esforçava para simular neutralidade, independência, que, na essência, não tinha. Alguns dizem que Boechat virou uma metralhadora giratória na BandNews” (uma verdade), já que o jornalista mirava mais na direção da oposição, no apoio aos objetivos do golpe de estado de 2016, como fazia a grande mídia (Globo e Band à frente), enaltecia a Lava a Jato, que dizia ser o mais importante instrumento para banir a corrupção do país, e apoiava as medidas punitivas, muitas ilegais do juiz (?) Sérgio Moro, a nível da admiração mais de uma vez referida, na condução do arbítrio que desestruturou segmentos industriais do país e procurou enfraquecer com uma crise fabricada a Petrobras, tudo em favor dos interesses do grande capital liderado pelos EUA, atendendo os objetivos estratégicos desse país, em detrimento de nossa soberania. Nunca deu apoio aos movimentos populares à esquerda, ainda mais se favorecesse o interesse do PT, o Presidente Lula e Dilma, estes sempre atacados com virulência, fosse no que fosse. Praticava um jornalismo nada democrático, onde, num verdadeiro vomitar de argumentos, sem muita preocupação com a verdade e a coerência, lógico, no mesmo sentido dos interesses da Band. Um jornalismo tipo Boris Casoy (com uma diferença que este é agressivo e nunca transitou aliado em alguns segmentos da esquerda). Ambos fazendo análise dos acontecimentos, sempre com o viés de defesa de interesses do grande capital e do arbítrio, no caso de forma partidária, já que estávamos em processo eleitoral e havia um embate dividindo o país de Norte a Sul, e o jornalista, rindo e até criticando, na realidade apoiou e deu sustentação de mídia aos passos de Bolsonaro em direção à vitória. Seu direito de cidadão, sem dúvidas, mas sua posição no caso deve ser ressaltada, em favor da verdade, evitando mistificações. Mesmo assim, era um adversário competente, não um inimigo, e sua morte, não dá para discordar, é uma grande perda para o jornalismo e para a extrema-direita que ajudou a chegar no poder.

    1. Hildermes, não tinha considerado este ponto de vista. Comentário esclarecedor. A vida segue alertando . Aprender com os que são do ramo. Pode não ser toda a verdade, mas é grande parte dela. O Boris desde que saiu da folha para tv, há anos, nunca foi o mesmo. Acho-o, agora, às vezes, falso e não esconde isso. Perdeu peso, um juvenil estudioso tem mais credibilidade. Perdão se estiver errado. Para maioria dos comentaristas, interesse do patrão no meio, é bandeira jamais desfraldada. Às vezes, ser menos chato, é o que se impõe. Os da telinha ignoram os do sofá, mas as coisas estão mudando. A rede social ganha substância e os dominantes, donos da alta mídia, estão queimando suas últimas gordurinhas.

    2. Ufa!
      Mesmo conhecendo o comportamento do brasileiro perante a personalidade quando morta, sem falar, no caso, da comoção ‘justamente de taxistas’ com direito a recíprocos luminosos TAXI em cima do caixão, a massiva santificação fez-me balançar a ponto de praticamente estar convencido que o Boechat desse tempo, corajosa e civilizadamente traçado por ti e real, só existia na minha cabeça.
      Obrigado.

    3. Realmente, cada cabeça uma sentença. Senão vejamos: Tem que acha que o Lula é merecedor do premio Nobel da Paz, pelos seus feitos. E tem aqueles que acha que Lula foi o lider da maior quadrilha de desvio de dinheiro publico de todos os tempos, pelos seus defeitos.
      E como religião: cada qual tem o seu ponto de vista e não vale a pena discutir

        1. interessante…este ‘e o chamado espaco democr’atico onde todos podem se manifestar?…agora, ser avacalhado e ironizado ‘e um privil’egio para os do outro lado da corda…a parte direita…os erros ortogr’aficos localizados na parte esquerda da p’agina sao, digamos, providencialmente “esquecidos”…ser virulento, maldoso e intencionalmente agressivo nao combina com a sua personalidade Kotscho…ou seria o monstro adormecido nas suas entranhas? Mr. Kotscho “Hyde”?

        2. “… tem aqueles que acha” que FHC foi estadista, mesmo entregando a Vale, a preço de banana ao capital dominado pelo tráfico internacional – segundo o falecido Enéas em rede nacional na Tribuna Livre.
          O que até parece realidade só pelo que está se vendo de como a dita cuja se comporta com as garantias brega barrageiras.

    4. Hildermes, sua contrariedade as opiniões do Boechat, partem de sua ideologia e considera q quem é contrário a sua opinião, está errado.
      Boechat recusou propostas com ofertas salariais maiores, disse não ao Silvio Santos por gratidão a família Saad e não poderia abandonar a Band em momento tão crítico financeiramente. Recusou a CNN tbm, não vejo como uma pessoa deste naipe pode tecer comentários “redigidos” por seus chefes ou somente para agradá-los.
      Boechat criticava Doria, Ibaneis, Bolsonaro e seus ministros… nomes q podemos colocar como “extrema-direita” e “direita”.
      Não tenho ideologia e muito menos “torço” para algum partido político, talvez por isto, sempre concordei com todas as opiniões do Boechat.

  5. Meu Deus, escrever o quê? Sobre Boechat, jamais. Só mesmo pra gente iluminada como ele. Viu, é para a Arte de Paulo Caruso, que num milésimo de segundo fez a leitura da emoção por todos nós. Eis a homenagem: charge de exuberante Felicidade! Escrever no Balaio, espaço moderado por luz própria do Kotscho, árdua missão. Fico com a honrosa companhia da mamãe de Boechat: “Você é o mais bonito”. Em tudo o que fez, tenho certeza.

    1. A mamãe de Boechat teve o coração confortado com tantas homenagens.
      Palavras dela: “Ele ia ficar assombrado com a quantidade de gente que demonstrou carinho por ele. Ele não fazia as coisas solicitando recompensa. Eu fiquei de boca aberta com os depoimentos das pessoas de todas as classes sociais sobre o meu filho”.

  6. Kotscho, me causa indignação ver pessoas comemorarem a morte do Boechat por discordar das opiniões dele. Doeu ver ignorantes q se dizem crentes afirmarem q foi castigo pq ele ofendeu um pastor.
    Boechat não tinha lado ou ideologia, criticava quem errava, não olhava a posição ou situação.
    Para mim ficou o vazio de não ter mais suas opiniões ao vivo na Band às 07:30h, sempre encontrava um modo de assistir.
    Te invejo (no lado positivo) pelo seu sucesso profissional e amizades feitas, lembro qdo falou sobre a amizade com FHC e agora com o saudoso Boechat.

  7. Se Boechat tivesse de opinar sobre a perda de uma VIDA nas mesmas circunstância dessa tragédia, o que diria? Certamente, alfinetaria com perspicácia e verve. Sim, questionaria sobre a máquina de quase meio século. Não deveria ela fazer parte do acervo de algum museu? Com todo o respeito à família do piloto, também vivendo momentos terríveis, mas ele que arriscasse somente a sua VIDA. Por que será que este helicóptero fabricado há……… 44 anos, com tecnologia da época, estava proibido de atuar no serviço de táxi aéreo? DUAS VIDAS preciosas! Há fiscalização? Existirá outros voando nestas mesmas condições. Por que só a imprensa e as redes sociais têm de levantar problemas dessa natureza. Que agência falhou? Certamente, há culpados.

  8. Bonita sua homenagem ao Boechat. Mesmo que por vezes, ele tivesse uma opinião diferente da sua, você agiu de forma honrada. Uma voz corajosa que se calou para sempre.

  9. Eu gostava tanto de escuta-lo na Tv Record junto ao jornalista Heraldo (barbeiro)- peço desculpa a ele pela minha pouca memoria.l – não sei o nomr direito.
    Você é grande. Sofra, mas deixe essas paixões pequenas de lado.
    Seja quem for: Sarney é um assanino do povo, renan é um assaino do povo, jader barbslho é im assaino do povo. R a decepção: lula afagou a todos esses facínoras e, cinicamente, disse que gostava do povo. liberte-se.

  10. Um início de ano brabo , a lama “engolfando” sirenes e centenas de vidas humanas, o fogo em minutos queimando sonhos de meninos , as tragédias anunciadas de todo o verão e o helicóp-tero/taxi em pane matando o sério , divertido e corajoso jornalista . Tristeza , pois tudo isso poderia ter sido evitado se no Brasil não estivés-
    semos , que pena …

  11. Autor do Post acima: Kotscho… “A comoção provocada por sua morte em diferentes setores sociais deu a exata noção do seu papel de porta-voz dos que não tem voz”.

  12. Inconformado com a tragédia dos 10 garotos do seu Flamengo, deve estar batendo uma bolinha, abraçando-os com seu sorriso inconfundível. “Tava faltando um, acham que perderia essa boquinha”?

  13. Hoje é dia do Rádio. O senador Kajuru presidindo a sessão de hoje do Senado, ofereceu-a em homenagem ao Ricardo Boechat, da Band. Valeu. Parabéns a todos os radialistas. Kotscho, já trabalhaste no rádio?

      1. Kitscho, no meio de tanta tragédia, tai uma boa noticia, o circo não morreu, resiste. Passei o ofinal de ano numa cidadezinha no litoral se SC e lá pelas tantas, um desfile de palhaços, equilibristas, mágicos anunciando o espetáculo do circo “irmãos Rodrigues”

      2. Mestre, permita-me dois pitacos:
        Em rádio não apenas poderia vir a trabalhar, como deveria ser convidado para ocupar a vaga de Boechat no ‘Buemba! Buemba”, em dupla com ‘o mais sério analista político brasileiro’, na atualidade, ‘Macaco Simão’.
        Fariam uma bela dupla em tempo incerto e excelente para o mais que sério e preciso, ‘humor político ferino’.
        Já quanto a ‘circo’ e não citado ‘hospício’, desejando, tão cedo não irá conseguir. Os ‘bolsonauros’ garantiram todas as vagas existentes e futuras, talquei?

  14. Estou realmente devastado. Daqui de Portugal eu ia monitorando o programa da Band News e aquele vozeirão sempre ia enchendo o salão pela manhã. Concordando ou discordando de suas opiniões, a verdade é que aquela extraordinária capacidade de falar de forma articulada sem parar cativa. Obrigado a falar no presente porque a ficha custa a cair.
    Acompanho ele desde a coluna do Swann, no Globo, nos meus tempos do Rio, e mérito para a monumental guinada que deu na vida depois do chute que levou dos Marinhos. Me senti ultrajado, revoltado, com a boçalidade da ‘visita íntima da Dilma ao Lula’, no mais puro reacionarismo, mas assim mesmo a fascinação pelo jornalista/radialista/opinionista/âncora prevaleceu.
    Lá no mundo dos ateus ele deve estar dando show. E nos deixou empobrecidos nesta terra.

  15. Kotscho, Boechat se dizia ateu.
    Mas penso que ser ateu para Deus pouco importa.
    Para Deus, em seu infinito amor, certamente não tem importância não crer.
    A Ele, penso que importa o amor ao próximo e a caridade.

  16. Boechat foi um um jornalista que se destacou, sem dúvida nenhuma, mas quanto a ele ser porta voz dos que não têm voz, acho que não; ele estaria, pelo menos nos últimos tempos, mais para pretenso ventriloco destes que não têm voz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *