Judeus, árabes, asiáticos, bolivianos, europeus do leste, corintianos: o mundo mora no Bom Retiro

Judeus, árabes, asiáticos, bolivianos, europeus do leste, corintianos: o mundo mora no Bom Retiro

Tomando uma cervejinha no sábado, do lado de fora do modesto restaurante, fico reparando nas pessoas que passam conversando na calçada.

Você pode pensar que está num boteco ao lado da sede da ONU, em Nova York, tal é a misturança de nacionalidades, raças, cores, credos, roupas e línguas.

Estamos no Bom Retiro, na região central de São Paulo, um tradicional bairro multicultural de imigrantes e migrantes, que vai mudando de caras e origens, mas mantém seu caráter de aldeia do mundo.

O cardápio do “Delishop”, aberto quase 40 anos atrás, é o mais completo resumo desta diversidade, que não se vê em nenhum outro lugar do país por onde já passei.

Tem de tudo ali: das comidas do leste europeu que minha mãe fazia em casa, aos seculares pratos da cozinha libanesa e judaica, passando por ceviche peruano, arroz marroquino e um legítimo schnietzel alemão, língua no molho de tomate, vareniques poloneses e uma infinidade de outros pratos, que vão variando conforme a estação e as ofertas do mercado.

Também não faltam fartos pratos de massas das cantinas italianas, bifes com batatas fritas e o trivial da cozinha brasileira. Ninguém sai dali com fome.

A história de São Paulo desfila pelo bairro, onde foi fundado o glorioso Sport Club Corinthians Paulista e que até hoje abriga a sede da torcida Gaviões da Fiel e da escola de samba do mesmo nome.

No Bom Retiro, foi instalada pela Ford do Brasil a primeira linha de montagem de automóveis, na rua Solon, em 1921.

Hoje nome de rua, ali morou o marquês de Três Rios, Joaquim Egídio de Sousa Aranha, fazendeiro campineiro que foi por três vezes presidente da Província de São Paulo.

O Solar do Marques já hospedou a família imperial e depois foi a primeira sede da Escola Politécnica da USP.

Quem anda pela calçada, nos passos lentos de um sábado à tarde, vindo de algum outro lugar do Brasil ou do mundo, pode não saber de nada disso, mas logo se sente em casa.

Foi o quer aconteceu com o casal Adi e Shoshana Baruch, que chegou ao Brasil depois da guerra pensando em vender roupas “e outras coisas”, mas resolveu abrir uma rotisserie perto da casa onde moravam.

O sucesso foi tão grande, lembra o filho Nir, hoje chefe da cozinha, com pessoas comendo em guardanapos na calçada, que tiveram de trazer mesas, cadeiras, talheres e pratos da própria casa para atender a freguesia.

Shoshana foi para a cozinha e Adi cuidava do salão, a casa vivia cheia, e a fama logo se espalhou pela cidade, atraindo famílias de imigrantes que queriam lembrar da comida dos seus países de origem.

Simples, mas muito bem cuidado e servido, o Delishop de vez em quando também pode colocar no cardápio nos dias mais frios pratos de pimentão ou repolho recheado com carne moída, salpicado com creme de leite, uma especialidade de Nir.

Antes de Nir assumir a cozinha, Shoshana, que conhecia os segredos da culinária sefaradi (do norte da África e do Mediterrâneo), dividia os trabalhos com dona Mania, especialista em comida ashkenasi (do leste europeu e Ásia).

Quando Mania deixou o restaurante, Nir assumiu o comando das panelas e se apaixonou: “Essa profissão é amor acima de tudo, acima de si mesmo. Você ama a cozinha mais do que você mesmo”, diz ele, sempre disposto a contar aos fregueses como os pratos são preparados.

Ninguém fica perdido no Bom Retiro. Sempre o forasteiro encontra alguém que fala a sua língua, e lojas e estacionamentos ostentam placas escritas em várias idiomas.

É possível dar uma volta ao mundo na gastronomia e ainda comprar roupas por preços módicos em comércios e shoppings populares, hoje dominados por coreanos.

Vale a viagem. Bom domingo pra todos.

Vida que segue.

 

 

14 thoughts on “Judeus, árabes, asiáticos, bolivianos, europeus do leste, corintianos: o mundo mora no Bom Retiro

  1. Muito bom o artigo…Na dose certa da nostalgia e também da solidariedade, que ao menos deveria ocorrer entre os povos. É muito bom encontrar num lugar estranho, alguém que fale a nossa língua, e se tiver “a comida de origem”, ainda melhor!!
    Somos diferentes em origens, crenças, costumes, mas somos iguais não melhores ou piores que os outros.
    Feliz domingo a todos…

  2. Esta sua saborosa cronica de costumes, magistralmente bem escrita, poderia, se trocadas as referencias geográficas, ser confundida com uma página de um livro qualquer de Honoré de Balzac, mestre neste tipo de texto. Que bom, gentil homem, Ricardo Kotscho, que sua vida segue bem, muito bem.

  3. Kotscho, dia destes, eu estava assistindo um episódio da série dos anos 70, Kung Fu, com David Carradine, em que a atriz Jodie Foster, com apenas 12 anos, atuava pela primeira vez. Como criança um encanto, como atriz, já um monstro. E eu me lembrei ato contínuo de sua neta, Isabel. E motivo de grande regozijo, um homem, que ainda vivo, mira em seus descendentes uma decisiva influencia. Esta é uma das maiores de suas vitórias. Desculpem-me, se o acento circunflexo não aparece em seu devido lugar, pois desde que troquei a fonte do meu PC o teclado está apresentando mau funcionamento, e o circunflexo sumiu.

  4. Somos contemporâneos, te acompanho e te admiro desde quando eramos “magros”. A tua profissão me faz muito bem, por isso peço que cuide com a comida e bebida. Até porque está me induzindo a fazer como você. O teu texto “abre o apetite”. Abraço!

  5. O imperio não vai atacar ele mesmo a venezuela, é covarde demais pra isso.
    Mas vai por procuraçao a terceiros, da colômbia e de outros lugares.
    Mas acho haverá ex guerrilheiros das Farc , com vasta experiencia dispostos a ajudar Maduro.
    E as milicias populares formadas entre as camadas mais pobres do pais porem que sabem que fora do chavismo estão perdidas. Ha tempos o chavismo montou planos de contingencia para dar lhes armas nas maos da milicias. maduro disse em entrevista que cada um sabe o que fazer.
    Sera dificil resistir como Cuba o fez porque ha muita divisao na sociedade venezuelana. Mas o trabalho para o imperio pode ser insano ate conseguir.
    Depois, restará so a Bolivia, o surpreendente reino do aborigene Evo – que esta ensinando como se dirige uma economia nacional para o sucesso.

  6. Prezado Kotscho; Realmente a “história de São Paulo desfila pelo bairro, onde foi fundado o glorioso Sport Club Corinthians Paulista” e que no último sábado ganhou do Palmeiras por um a zero e causou desconforto no presidente seu torcedor. A luta continua!

  7. Alem de tudo de bom que voce aqui descreveu, tem ainda o lado mais importante: Todos convivem em perfeita harmonia, ainda que seus povos la de fora cultivem o ódio racial ou religioso entre vizinhos..
    Este é o nosso Brasil de coração gigante.

  8. Kotscho, não é à toa que seus textos são leitura obrigatória para mim. Que beleza de depoimento! Que simplicidade na medida exata para não ser confundida com mediocridade ou simplismo barato! Deu até vontade de conhecer o Bom Retiro ao mesmo tempo em que vi claramente tudo o que foi descrito. Coisa de mestre! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *