Overdose de bolsonarismo em marcha: 11 dias que abalaram o Brasil

Overdose de bolsonarismo em marcha: 11 dias que abalaram o Brasil

Tudo o que podia acontecer de pior já aconteceu, como se podia prever, mas sempre dá para piorar.

Foram só 11 dias até agora, e a rebordosa foi tão grande, que mais parece final do que início de governo.

Nas redes sociais, multiplicam-se mensagens de gente que não consegue mais dormir com medo do amanhã.

É até difícil catalogar todas as atrocidades e barbaridades já cometidas pelo novo governo, em marcha acelerada de insanidade.

E ainda nem entraram em campo os superministros Paulo Guedes e Sergio Moro, que prometem salvar o Brasil do socialismo, da violência e da corrupção, enquanto o governo libera armas para todos.

Está decretado o salve-se quem puder.

Ninguém aguenta mais ouvir falar em Bolsonaro, filhos de Bolsonaro, bolsonarismo e bolsonaristas, mas esse é só o começo.

O povo anda meio assustado, arredio, silencioso, até os que votaram nele _ por onde andam? _, embora a indignação seja crescente nas mesmas redes sociais que elegeram Bolsonaro.

Mas a Bolsa continua subindo e batendo recordes, o dólar não para de cair, e o mercado continua eufórico com a queda dos juros a longo prazo.

O mesmo Brasil que se dividiu nas urnas agora se confronta com a realidade.

Parte do país ainda está de férias, nas praias e nos campos, esperando a poeira assentar e criar coragem para enfrentar o que se passa na vida real.

Quando todos voltarem, já encontrarão um outro país, virado de cabeça para baixo, sem conseguir sair do lugar, entregando o ouro para os bandidos e dando uma banana para a Justiça, os milhões de desempregados, a fome e a miséria que voltaram a crescer assustadoramente.

Foram só 11 dias que já parecem uma eternidade de pesadelos e desatinos se sucedendo num ritmo frenético, como se o Brasil tivesse virado um grande hospício de portas abertas.

Ao abrir os jornais e acessar o noticiário do dia na internet, os sustos se sucedem, e já nem sei mais sobre o que escrever porque a cada hora as coisas mudam para pior.

Cada comentarista da velha e das novas mídias escolhe um assunto diferente, mas é como se todos escrevessem sobre a mesma coisa, a falta de qualquer lógica nessa loucura.

Como um avião destrambelhado, sem plano de voo e destino programado no computador, vamos chacoalhando em direção a lugar nenhum, sabendo que essa viagem não vai acabar bem.

Estamos voando de volta a um passado tenebroso, em que direitos fundamentais foram destroçados para combater, exatamente como agora, a corrupção e o comunismo.

A nova ordem age como um exército de ocupação num país inerme, que não consegue mais reagir, conformado com seu destino inglório.

Estamos discutindo ainda se a terra é plana e se a reforma da previdência deve atingir também as poderosas corporações de militares, de parlamentares, de togados em geral e de todas as guildas, que agora assumiram o poder de fato pelo voto.

O estrago já está feito _ na nossa soberania, nas conquistas sociais civilizatórias, nas relações entre os poderes e com as outras nações.

Viramos párias no mundo e somos motivo de deboche nos principais veículos da mídia internacional.

Foram 11 dias perdidos no espaço de uma montanha russa desgovernada.

E agora? Dá para falar de outra coisa?

Vida que segue, sabe Deus como.

 

22 thoughts on “Overdose de bolsonarismo em marcha: 11 dias que abalaram o Brasil

  1. Caro amigo Kotscho,sempre que vejo alguém reclamar deste novo velho governo(principalmente os bolsonetes que votaram nele)eu respondo com a mesma resposta “tá ruim,mas vai piorar” e não é pessimismo não, é a pura e simples constatação de que devemos esperar mais de quem pode dar mais e esperar menos de quem pode dar menos!
    Este esquadrão suicida formado por um bando de pseudointelectuais dispostos a provar que o mundo e a ciência esta errado e só eles estão certos!! e um bando de bananas de pijama verde oliva da reserva dispostos a provar que não existiu DITADURA MILITAR, e sim um movimento como disse o ministro dias toffoli (minusculo mesmo) e que todos nós que sofremos com a DITADURA MILITAR estamos errados ou eramos e somos terroristas a serem combatidos!
    O bozo Promete destruir um comunismo que nem existe mais, lembrando Dom Quixote lutando contra os moinhos de ventos ,que em seus delirios eram grandes monstros!!
    Contra a violência prometem a liberação das armas,ou seja querem apagar fogo com gasolina!!
    Só nos resta resistir!Contra a loucura usaremos nossa lucidez!!
    Força Amigo! Estamos juntos na Resistência!!

  2. Com a promessa de mais privataria desvairada iniciada no governo Collor, o Messias quer entregar o que FHC não conseguiu. Por isso os vampiros da nação estão eufóricos e a boca salivando nas bolsas. O país que se dane. A República do açaí, da goiaba e dO laranja segue em frente. Aqui em Minas, o Zema fala em “vender” a CEMIG. Por que esses f.d.p. não vendem o que é deles por 10% do que vale e não o que é nosso? Será que esse infeliz conhece a história da CEMIG, o que ela representa para nós, quais foram as dificuldades que JK enfrentou para construí-la, inclusive enfrentando pressão externa? E o trabalho de décadas para torná-la o que é hoje? E os eleitores do Messias? Escondidos, soltando fake news. Votaram com ódio ao PT? Que esse ódio lhes faça bastante mal.

      1. Se o Bozo conseguir privatizar metade do que promete, poderemos considerá-lo o maior presidente que este país já teve, infelizmente já está fraquejando nas privatizações. Tem de ser muito ingênuo, como o Celso, (Considera JK, o megalomaníaco faraó brasileiro, estadista. Este sim um mito a ser desvendado) para achar que realmente as estatais pertencem ao povo. São feudos de coronéis de todas as bandeiras, que as exploram em proveito próprio, político e financeiro. Força Bozo, comece pela Petrobras, BB, Caixa, Correios, etc., etc..

        1. Zé, eu sou ingênuo sim. Eu acredito no ser humano. É o meu maior defeito, reconheço. Mas como mudar com 70 carnavais nas costas? Como ser um canalha entreguista de uma hora pra outra? Isso eu não aprendi. Ensine-me. Please.

        2. A Usiminas, também criada pelo JK (o cara era danado…) foi a primeira grande empresa estatal privatizada pelo Collor. Valia US$ 12 bi. Foi “vendida” por US$ 1 bi. E o pagamento foi com moedas podres, lembra?
          Zé, você venderia seu patrimônio por 10% de seu valor real?
          Zé, na boa, estude um pouco a História do Brasil. Não precisa puxar o pé do Pedro A. Cabral. Pode começar pela Inconfidência Mineira. Se for muito, comece com o fim da monarquia e início da República. Estude o papel que a escravidão teve na nossa formação. Dos 518 anos do nosso Brasil, 390 foram em regime de escravidão que “terminou” há uns poucos 129 anos. Zé, não vai doer nada…

  3. Resumindo como vc mesmo disse: o estrago já está feito, põe retrocesso nisso. E esse judiciário no caso do Sr.Guedes ninguém aparece pra depor, não acontece nada? Ah eles podem pedir desculpas pro super Moro, já resolve rapidinho.

  4. Kotscho, sem trégua, o assunto e esse mesmo, enfiar o Bolsonaro nos bolsonaristas até vomitem o coiso em forma de excremento. Como vc falou, já ta enojando, tanto que até a mulher do juizeco ta pedindo arrego.

  5. se deixarmos vao pra eles os kilowatts/hora, os pulsos telefonicos, os barris de oleo, o manche do nosso único avião.
    Gigantesco mercado – 210 milhoes – de clientes cativos. As tarifas? quadruplicarão: vejam ai o exemplo argentino.
    O Principio numero 1 da economia capitalista: o capitalismo nao pode estacionar, se parar volta para tras. Logo ou se expande ou morre.
    A expansão precisa planetariamente de A) mais e mais mercados B) materias primas/recursos naturais C) Mão de obra servil e barata. D) monopolizar-se.
    Na lista acima faltou alguma coisa para privatarizar? Claro: a agua e a rede de esgotos urbana.
    Ah, mais uma coisa: querem um outro recurso básico: os nossos dois gigantescos aquiferos, riquezas inesgotaveis do brasil varonil.nas maos de de empresas que abrem o capital e jogam tudo na Dow Jonas e na Bovespa.

  6. Hora de reportar o dia a dia das vítimas desse retrocesso genocida e ecocida. Mostrar as mães enterrando os filhos por falta de médico (programa Zero Médicos), os ataques às aldeias, aos professores, o cárcere privado de jornalistas na posse impedidos de trabalhar, tomar água, ir ao banheiro e até mesmo ir embora ao desistir de cobrir essa patifaria. Hora de mostrar as torturas nas delegacias. Hora de dar nome e sobrenome para as vítimas. Nomes como os pais da Suzane Richthofen, a filha dos Nardoni. Chega de sermos estatística. Hora do jornalismo ir a campo e mostrar os efeitos de se destruir uma república em menos de 2 semanas.

  7. Prezado Kotscho: É a mais pura verdade: “Ninguém aguenta mais ouvir falar em Bolsonaro, filhos de Bolsonaro, bolsonarismo e bolsonaristas, mas esse é só o começo.” 57 milhões de leitores elegeram um presidente e uma equipe ministerial repleta de incompetentes no campo político, ideológico, humanitário e administrativo. E agora? Sair cobrando na cara dessa “gente do bem” de que votaram no capitão e dizer que fizeram a escolha errada é um caminho? Pode ser um caminho, mas qual será o resultado efetivo dessa cobrança? Mas lembremos que estão tomando o país de assalto. O novo governo só fala em armas e quer armar mais ainda os bolsonaristas. Daqui há menos de dois anos teremos as eleições para prefeitos e vereadores. Esse pode ser um caminho para desestruturar a base do bolsonarismo se elegermos pessoas do campo progressista e humanitário. Mas até lá não precisamos de nenhuma profecia do Nostradamus para saber que dias piores virão. Torço para que essa frase do Rubem Alves esteja errada de que “A esperança é uma droga alucinógena.”

  8. Um aviso aos fardados ou não que dormiram nos anos 50 do século passado, hibernaram e acordaram agora para eleger Messias, o MITÔmano:
    parem de procurar comunistas debaixo de suas camas. Um dia, irão dar de cara com o Ricardão, todo peladão…
    Cuidado!!

  9. SOBRE A ABISSAL DISTÂNCIA ENTRE AS PERCEPÇÕES DAS ESQUERDAS E AS PERCEPÇÕES DA POPULAÇÃO FRENTE À INSTALAÇÃO DO NOVO GOVERNO

    Pesquisa feita e publicada hoje pela FSP mostra otimismo da população em relação ao novo Congresso e ao governo Bolsonaro: 56% dos entrevistados tem uma expectativa de ótimo ou bom para o desempenho do novo Congresso.
    Por mais ponderações que se possam fazer sobre a consistência dessa amostragem, não há dúvida que a revolta e a perplexidade que acontecimentos relativos à instalação do novo governo, como declarações e atos de seus integrantes, vem causando entre aqueles que se alinham ao ideário humanista e progressista nem sequer de muito longe podem ser estendidas à população em geral. Essa, em sua histórica alienação, está sedenta de alguma esperança e a deposita no novo governo que se propôs a acabar com a corrupção e “por ordem no boteco”.
    A constatação desse descompasso enorme entre essas diferentes percepções, e a verificação prática das dificuldades, ou da quase impossibilidade, de diálogo entre as partes, leva a um patamar insuportável o desconforto político e existencial, e por decorrência, a desorientação dos democratas brasileiros.
    O dilema coloca-se claro, se a população não tem a percepção dos absurdos anticivilizatórios inerentes ao governo que está a instalar-se, e, pior, não mostra qualquer interesse em melhor informar-se a respeito, talvez até para que o agradável encanto não se quebre, o que fazer?
    Ainda que humanamente possa ser entendida, a expectativa que boa parte dos democratas depositam no fim prematuro do atual governo, como fruto dos absurdos que vão se acumulando e das contradições internas que possam se desenvolver .tem tudo para não corresponder a uma realidade possível. O suporte político, institucional e social ao atual governo é muito maior e poderoso do que possa parecer. Bolsonaro, seus filhos e trupe próxima, foram apenas instrumentos para que esse corpo enorme da apoios, e suas diversas representações corporativas, pudesse finalmente galgar e desfrutar do governo central. Enfim, é a sociedade brasileira real que se manifesta, uma sociedade que desconhecíamos ou fazíamos por não reconhecer.
    Diante desse quadro cabe às Esquerdas, mesmo que humanamente doloroso aceitar, pensar em estratégias políticas de médio o longo prazos. Ou seja, assumir a real possibilidade da instalação de um ciclo conservador, obscurantista e neoliberal de grande duração na história brasileira. Se essa história nos surpreender e precipitar a duração desse ciclo, que ótimo, saudaremos a oportunidade.
    Álvaro

  10. O trÍplice encontro: Janaina encontrou Damaris e foi paixão a primeira vis(i)ta. Declararam-se mutuamente.
    Ah, ficamos sabendo que ali por perto a Secretaria da Familia tem sobrenome Gandra.

  11. Prezado Kotscho: Sabe por que esse novo governo só tem macho? Porque cada um tem o seu. Segundo matéria publicada pela CartaCapital em 13/01/2019 “Em meio às polêmicas em torno da promoção do filho de seu vice no Banco do Brasil e de uma nomeação desastrada na Apex, o presidente Jair Bolsonaro vem sustentando outra ascensão controversa. Dessa vez, ele indicou um amigo pessoal para um cargo de alta gerência na Petrobras. O problema é que seu apadrinhado não atende aos critérios internos da empresa para ocupar o posto, que paga um salário mensal na casa dos 50 mil reais.”.

  12. Bom dia, Kotscho!
    Faz bem seu papel de opositor, fosse na Venezuela ou Cuba, estaria preso, mas ainda bem q vive no nosso querido e amado Brasil!
    Precisamos de geração de emprego e renda, para isto é necessário a recuperação da economia e confiança dos investidores, estes 11 dias foram muito positivos nesta questão.
    O governo Bolsonaro teve muitos erros, isto é inegável, mas acertos tbm, mas aqui não veremos elogios.
    Poderia demonstrar toda sua grandeza e comentar sobre a presidente do PT na posse do Maduro, a prisão do Battisti, apoio do PDT ao Maia, pesquisa DataFolha com 84% apoiando a redução da maioridade penal, violência no Ceará…..
    Sobre as armas: Não será encontrada em gôndolas de supermercado ou farmácia, onde moro não será permitida, pois não atinge o nível de assassinatos exigidos, quem desejar deverá fazer curso, o custo da arma é altíssimo…. não veremos pessoas do bem armadas na rua, do mal sempre tivemos e estes espero q não os encontre.

  13. Lembrando ao deslumbrado general Otávio Santana, o novo porta voz do Bolsonário, que a linguagem “dominio , controle da narrativa”, é literalmente uma linguagem corrente da CIA e das outras agências (são 16) do Imperio.
    E é por elas e pelos interesses interrelacionados que a grande Midia anglo saxônica e a MSM ocidental se tornou esta presstituta solta que o leitor médio ja esta aprendendo a reconhecer.

  14. Nunca mais terei qualquer sentimento e consideração pelos mais necessitados, pelos despossuídos de tudo. Nunca mais ajudarei ninguém e em nada contribuirei para amenizar o sofrimento, a fome e a falta de vestuário como tantas vezes fiz no passado. Na Bahia, cheguei a tirar blusa de lã e entregar para uma descendente de índios. Fiz inúmeras compras de alimento para famílias necessitadas; dei carona para vários doentes desconhecidos; usei meus conhecimentos para amenizar quem não tinha, por sua ignorância intelectual. Enfim, fiz a minha parte humanitária par amenizar o sofrimento alheio, pois, acredito estar do lado certo da História. Tudo terminou, após 2013, quando a bestialização e a idiotização passou a ocupar mentes e corações de parte da população, que começou a não acreditar nas verdadeiras mundanças sociais que estavam ocorrendo, desde o início de nossa colonização. E um Presidente, fascista, que nunca me representará, foi eleito. É o fim do meu espírito de humanidade e consideração pelos despossuídos de tudo e o crédito de ter esperanças nas verdadeiras mudanças sociais e contribuição no fim das grandes desigualdades sociais. Eles merecerão o desemprego, a falta de soberania, os altos impostos, a falta de liberdade e as ruas como residências coletivas, além da segregação social, o preconceito e a discriminação. É a volta ao passado obscuro, a fome e a discriminação do passado com a ausência da humanidade de quem acreditava em mudanças efetivas para uma sociedade mais justa e igualitária para todos…

  15. Prezado Ricardo
    Um comentário sobre uma observação sua na coluna na Folha de S. Paulo do dia 12/01/2019 e que se repete nesta nota de hoje. Felizmente, posso lhe assegurar que há ao menos uma exceção ao espanto e suposto imobilismo da sociedade civil brasileira frente à virulência do Governo Bolsonaro. Refiro-me aos movimentos e organizações sociais e indivíduos que se mobilizam em torno do direito humano à alimentação, e da soberania e segurança alimentar e nutricional. O golpe desferido por Bolsonaro em sua primeira medida (MP 870) extinguindo o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional tem recebido resposta à altura com muitas notas públicas (www.fbssan.org.br), reaglutinação das pessoas em quase todos os Estados do país, uma petição internacional que circula o mundo (www.fian.org) e um banquetaço programado para quase todas as capitais no dia 27/02, véspera da votação da MP no Congresso Nacional. Enfim, fomos golpeados mas seguimos em pé.
    Como me lembro de você ter acompanhado o tema do combate à fome lá atrás me animei de te mandar esse comentário.
    Um abraço
    Renato Maluf, UFRRJ/FBSSAN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *