Alckmin desmancha até em São Paulo: será o fim do Tucanistão?

Alckmin desmancha até em São Paulo: será o fim do Tucanistão?

Se a pesquisa nacional do Ibope já trouxe más notícias para o tucano Geraldo Alckmin, cada vez mais longe do segundo turno, os números de São Paulo, estado que ele governou por quatro mandatos, são ainda piores.

Enquanto Jair Bolsonaro subiu  de 23% para 30% em relação à pesquisa anterior, Alckmin caiu de 18% para 13%, agora empatado com Fernando Haddad, que tinha apenas 7% na semana passada.

Para completar, na mesma pesquisa, o candidato do PSDB a governador, João Doria, está atrás do empresário Paulo Skaf, do MDB de Temer, nos dois turnos.

No segundo turno, Skaf derrotaria Doria por 38% a 34%.

Rejeitado por 32% dos eleitores, depois de abandonar a prefeitura de São Paulo com apenas 15 meses de mandato, Doria centrou sua campanha contra Skaf acusando-o de ser o candidato de Temer, mas o presidente campeão mundial de rejeição revidou, lembrando o verão passado:

“Você, inúmeras vezes, elogiou meu governo e já veio pedir meu auxílio”.

De fato, na última entrevista que fiz com Doria, no Jornal da Record News, o então prefeito, que já estava se lançando para presidente, quando lhe perguntei qual seria seu programa econômico, respondeu que seria o mesmo de Temer.

O desmanche de Geraldo Alckmin em São Paulo lembra o que aconteceu em 2014 com Aécio Neves, que perdeu a eleição presidencial em Minas Gerais, onde tomou uma surra de Dilma no Estado que governou por oito anos.

Em São Paulo, estado governado pelo PSDB há 24 anos, Bolsonaro abriu uma dianteira de 17 pontos sobre Alckmin, o que praticamente inviabiliza sua reação na campanha presidencial.

Se não consegue ganhar nem em São Paulo, uma capitania hereditária também conhecida como Tucanistão, onde o partido controla os três poderes com mão de ferro, como Alckmin vai tirar votos de Bolsonaro nos outros estados?

Na campanha da TV, o candidato tucano centrou a propaganda nas suas obras em São Paulo, prometendo repetir o modelo no resto do país, mas parece que isso mais lhe tirou do que deu votos nacionais.

Será este o triste fim do Tucanistão, principal reduto do antipetismo no país, onde o partido de Lula jamais derrotou o PSDB nas eleições para governador?

Que fase!

Vida que segue.

 

12 thoughts on “Alckmin desmancha até em São Paulo: será o fim do Tucanistão?

  1. Caro Kotscho, o eleitor de São Paulo, estado onde nasci e onde sobrevivo, é um caso a ser estudado. Ele berra, esbraveja, bate panela até cansar o rabo, lota a Av. Paulista de patos amarelos, se acha superior a qualquer outro brasileiro mas ao fim e ao cabo adora eleger políticos corruptos e safados.
    Pelo que se vê, vai trocar o PSDB pelo MDB !!!
    O Temer já tem onde renomear seus cupinchas depois de se picar de Brasília —> É no Governo do Estado de São Paulo !!!
    Tamo lascado !!!

  2. Prezado Kotscho: Em resposta à sua pergunta se “Será este o triste fim do Tucanistão, principal reduto do antipetismo no país, onde o partido de Lula jamais derrotou o PSDB nas eleições para governador?”, espero que sim, mas sempre lembrando que os tucanos-boçalnaristas – pássaros predadores, com plumagem verde-oliva e bico fortemente entortado para a direita – têm, obviamente, seus filhotes batendo asas na grande mídia familiar e que lhes dão sustentação. No início da madrugada desta quinta-feira, 20/09/2018, apesar da entrevistadora do Jornal da Globo insistir em querer colocar na boca do Haddad as respostas que ela e a sua empresa desejam ouvir, o candidato não caiu na conhecida arapuca, foi muito bem na entrevista e mostrou segurança na explanação dos assuntos abordados.

  3. Mais um que não entende nada. São Paulo não é “Tucana”. São Paulo é anti PT. O rico interior do Estado tem ojeriza a essa facção criminosa.

  4. Haddad X Bolsonaro , uma questão difícil de engolir . Vivemos uma polarização absurda entre
    extremos passionais e ideológicos e penso não ser esse o melhor caminho para o nosso pobre-rico Brasil . Temo por tempos sombrios e mais retrocessos . Quando o gigante adormecido acordará de seu explendido berço ?

  5. Considero que não, Mestre, basta olhar a dupla opção de mais da metade dos paulistas para governar o estado de São Paulo, colonizado: John Ex-Prefake e Skafiesp Yellow Duck.

  6. Nenhum comentário sobre o “Petistão”?

    O Nordeste é PT. O que vocês acham que pode acontecer se Haddad for eleito no dia 28, com maciça votação nordestina? Vocês acham mesmo que os aloprados bolsonaristas vão aceitar o resultado?

  7. O PSDB está em franca decadência, só não vê quem não quer. Fez parte da base de apoio do governo Temer, manteve em suas fileiras de combate Aécio, contrariando um sentimento nacional absurdo de rejeição ao político. E para variar o “apolítico“ Dória, sofreu um desgaste de prestígio enorme junto a população, quando colou sua imagem pública ao morador do Palácio do Jaburu, apoiando-o e insatisfeito, também abandonou a prefeitura de São Paulo com apenas 15 meses, por conta de sua ânsia de poder em ser governador do estado. Alckmin afunda junto com o PSDB e seus caciques desnorteados, como um barco à deriva, sem rumo na história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *