A tragédia brasileira: das Diretas-Já e Tancredo ao boneco de Bolsonaro

A tragédia brasileira: das Diretas-Já e Tancredo ao boneco de Bolsonaro

Quis o destino, sempre ele, que a chamada da minha matéria “Das Diretas-Já a Tancredo Neves, a longa transição para a democracia”, na capa da Folha deste sábado, saísse junto com a foto de um boneco de Jair Bolsonaro.

Entre estes dois episódios emblemáticos da nossa história, passaram-se apenas 34 anos _ da grande festa cívica da redemocratização, que varreu de esperança as ruas do país em 1984, à tragédia que vivemos hoje, na antevéspera de mais uma eleição direta para presidente da República.

O que foi feito do Brasil? O que sobrou de nós? Quem poderia imaginar isso? Que futuro nos espera?

Me deu uma tristeza profunda ao reler minha matéria junto com o noticiário do dia, após o atentado contra o inacreditável ex-capitão Jair Bolsonaro em Juiz de Fora.

Bons tempos, aqueles, em que a gente parecia ter o nosso destino novamente nas nossas mãos, depois da longa noite da ditadura, agora defendida por Bolsonaro e o seu vice, general Mourão.

E o que é ainda mais dramático: grande parcela da população, segundo todas as pesquisas, já aderiu a esta insanidade, como se fosse a coisa mais natural do mundo, mera “alternância de poder”.

Como assim? Passar de um regime democrático, duramente reconquistado pela minha geração, para voltar outra vez a um governo fardado, não é alternância de partidos no poder, é suicídio coletivo.

Nem partido têm o capitão, o general e seus fanáticos seguidores, assim como Fernando Collor também não, outra ironia do destino, que na primeira eleição direta colocou no poder este herdeiro da velha oligarquia que manda no país há séculos, com breves intervalos.

Collor não completou o mandato, mas esta foi apenas uma das tragédias que marcaram indelevelmente nossa História, desde que as forças do atraso, as mesmas de hoje, levaram Getúlio Vargas ao suicídio, em 1954.

Tempos atrás, num jantar com os amigos jornalistas Selma e Sérgio Motta Mello, eles me sugeriram escrever um livro com este título: “A tragédia brasileira, de Getúlio a Temer”.

Ainda nem se falava em Bolsonaro, um inexpressivo e, então, apenas folclórico deputado federal, que só falava besteira, a nos mostrar que esta sucessão de tragédias ainda pode estar longe de acabar.

Getúlio suicidado, Juscelino quase impedido de tomar posse, Jango derrubado por um golpe cívico-militar, generais-presidentes se sucedendo, Tancredo morto antes de empossado, Collor impichado, Dilma golpeada.

E agora o que nos espera?

Quando parecia que o Brasil tinha tomado um rumo, após os 16 anos de FHC e Lula, breve período sem tragédias e com plena democracia, nos últimos quatro anos regredimos muitas décadas, desconstruindo o país, tijolo por tijolo, não deixando pedra sobre pedra.

Neste melancólico 7 de Setembro, não tínhamos mais nada a comemorar, com a nossa independência ameaçada e as instituições todas em frangalhos, antes de completar 200 anos.

Nem dá para imaginar hoje como estaremos em 2022, quando terminar o mandato do presidente a ser eleito em outubro, se tiver eleição.

Quem melhor resume esta nossa história feita de tragédias só poderia ser o grande humorista e filósofo José Simão, em sua coluna deste sábado na Folha:

“A insanidade venceu!”

Vida que segue. Para onde?

 

 

24 thoughts on “A tragédia brasileira: das Diretas-Já e Tancredo ao boneco de Bolsonaro

    1. Ha tempo IRRESPONSAVELMENTE, O Bolsonaro vem ofendendo, ameaçando e incitando a violencia, SE UTILIZANDO, INCLUSIVE, DE CRIANCINHAS INOCENTES.
      ATÉ hoje não apareceu nenhum general, cheio de estrelas; desses que pregam a ordem e o respeito para reprimir a conduta desvirtuada e perigosa do pupilo do exército.
      Até a chefe maior do ministério público apadrinhou os perigosos devaneios do Bolsonaro, ao dizer que ameaçar Metralhar adversário é coisa sem importância.. ..
      Bando de HIPÓCRITAS !!!
      Para sorte d país, quem seguiu parcialmente a lição do Bolsonaro foi um maluco. Digo parcialmente porque na licao do Bolsonaro deve-se Metralhar os adversários, não esfaquear.
      Portanto, espero que o Bolsonaro volte logo para as ruas e quando pegar uma criança nos braços, a ensine a fazer um coração com as mãos e não simular um disparo com arma de fogo…

  1. Muito se fala aqui nas forças do atraso, mas pouco se fala nas fontes de inspiração do regime socialista que inspira o PT. Vejamos:
    NICARAGUA: As mesmas forças de esquerda que derrubaram Somoza (que era um tirano) hoje está levando o pais à uma guerra civil para manutenção do poder de seu atual presidente, que tem todo o apoio do PT.
    VENEZUELA: dispensa-se comentários. mas tem o apoio do PT, inclusive com financiamentos que embora não seja a fundo perdido, já está perdido.
    CUBA – Um modelo de democracia que recebeu muito dinheiro do Brasil, seja em financiamentos, seja no disfarçado programa de médicos cubanos.
    EQUUADOR; Rafael Caledira é o queridinho do PT. Está foragido de seu pais para não ser preso.
    E muitos outros que poderiamos estar aqui relatando interminavelmente, daqueles que tem a simpatia do PT e seus paises são miseráveis.
    Então quem são mesmo as forças do atraso?
    Não sou eleitor do Bolsonaro, mas não tenha duvida que pelos nomes que ele já apresentou como parte de sua equipe, supera muito dos nomes que o PT tem ao seu dispor (e que por medo não os nomina) para fazer um governo, se não o que precisamos, mas muito acima do que a esquerda nos acena.
    O PT hoje sequer respeita o Judiciário de seu pais, não acata as duas principais leis que eles mesmos sancionaram: A Lei da Ficha Limpa e a Lei da Delação premiada. Esperar o que deste partido, que insiste em colocar na presidencia um condenado, cujo processo já foi referendado em todas as instancias, por todos os ministros do judiciário, inclusive aqueles que por eles foram indicados.
    Está na hora de mudar o discurso e melhor nominar quem são estas forças do atraso

    1. Realmente, esse discurso caquético das “forças do atraso” já deu no pé. São tão prepotentes e arrogantes que se auto intulam “progressistas” e se tratam os que pensam diferentes como seres desprovidos de qualquer inteligência ou conhecimento. Só eles estão certos, só eles sabem o que é melhor para o país, para o mundo e para mim. Mal sabem cuidar das suas próprias vidas, mas querem cuidar da minha, da sua e de todos. Controle social é o sonho molhado desse gente ultrapassada, presas a guerra fria, esse são os progressistas da America Latina, a verdadeira e definitiva força do atraso, social, econômico e cultural. Sempre culpando o “Imperialismo” pelos problemas do mundo, que na verdade são problemas inerentes da própria natureza humana. Manipuladores da história, sempre reescrevendo o passado, manipulando o presente com a constante criação de narrativas que melhor lhes convém. Fanáticos, cegos ideológicos que não admitem nada que existe fora do partido que sempre segue a risca os mandamentos do seu Messias. Mais parece uma seita de fanáticos fundamentalistas xiitas do que um partido político.

      Os progressistas do atraso transfomaram a América Latina numa verdadeira América Latrina. Chega, basta.

  2. O Brasil em toda a sua história,nunca passou por uma REVOLUÇÃO DE VERDADE.Até mesmo para passar de Monarquia para República foi através de um GOLPE!.E enquanto o Brasil não passar por uma “limpeza” geral,através do combate irrestrito á Corrupção crônica,com punição exemplar a todos os corruptos.O Brasil continuará preso as amarras dessa MALDIÇÃO de golpes e contragolpes.

  3. Kotscho fiquei muito feliz ?e ler seu depoimento na fsp. Eeam outros tempos sim , mas nao podemos esquecer q naquela ocasião após a morte de Tancredo o certo seria eleição em 30 dias visto q Tancredo não tomou posse. A intervenção milica favoreceu sobremaneira o Sr José Sarney. Outro momento em q a imprensa está se calando dizendo q foi atentado e não agressão. Atentado foi o 1o. de maio com os Srs Capitão William e sargento Guilherme do Rosário. Sem falar na falta das imagens de Tomografia e US do insubordinado capitão.

  4. Preocupante a parcialidade da mídia em geral, detentora do poder econômico e comprometida com o Mercado e modelo reacionário-conservador.
    Triste ver que por consequência, acabam por cooptar jornalistas e comunicadores, influenciando e formando opiniões sem ter o senso crítico, que você tão bem resistiu e atuou, independente das pressões exercidas e coerente as suas convicções!

  5. FSP, hoje (08/09/18), pg A10, leitura obrigatória, depoimento brilhante do Kotscho sobre as Diretas. Torçamos que ele possa escrever em Novembro: “o país grande não perdeu (de novo!) a nação”. O risco de ser obrigado a escrever outra coisa é grande: “dois meses antes do inferno”. Vamos lutar pacificamente para que este texto saia do jeito desejado, não como um pesadelo realizado.

  6. Não saímos de um regime militar para uma democracia. Saímos de um regime militar para uma “cleptocracia” (governo de ladrões) Espero que agora saiamos de uma “cleptoclacia” para uma verdadeira democracia.

    1. Só agora o coisinha percebeu e admitiu que saímos da ditadura para a cleptocracia, pois o fim da ditadura iniciou o período Sarney, Collor, Itamar, FHC dois mandatos, ou seja, a cleptocracia, que dilapidou nosso patrimônio e riquezas, e que Lula e Dilma pagaram caro por combater. Mas o coisinha e demais coxinhas só sabem repetir a ladainha insossa “é tudo culpa do PT”. Balaieiros, desculpem por chamar um coisinha de coisinha. Boa semana a todos.

  7. Nesses últimos 30 anos, o esquerdismo se preocupou em falar da presidência da República, quando o poder está em ter acesso às leis mais profundas.

    Não haverá de haver emancipação social e tecnológica, sem que ala social tenha acesso à capacidade de legislar.

    A chamada esquerda é rica em anacronismo e é conservadora.

    Sergio Govea.

    ……………………………………………..

  8. Prezado Kotscho: Em uma entrevista para a Radio France Internationale e publicada pela CartaCapital em 28/09/2017 a pesquisadora francesa Maud Chirio, perguntada se “Essa extrema-direita brasileira sempre existiu, mas apenas eclodiu agora?”, respondeu o seguinte: “Ela sempre existiu, não é o nascimento de um anti-comunismo paranoico ou uma vontade de moralizar a política. Quando você estuda os anos 1960, como eu, você tem uma impressão muito forte de viajar no tempo. Não estamos diante de uma coisa nova: houve uma constância de certas forças e culturas políticas que nunca morreram e que agora estão ganhando espaço político, midiático e eleitoral, se aproveitando de um contexto global. E estão ganhando espaço de uma maneira muito acelerada, em todos os campos: educação, religião no espaço público, diversidade, gênero, em muitos temas da sociedade e do sistema político.” Portanto, corremos sim o risco de voltar à ditadura pela via democrática do voto nas urnas. Os sinais já vêm sendo dados e faz algum tempo. Mas, mesmo assim, não podemos nos deixar dominar por essa insanidade coletiva da extrema-direita brasileira. Se ela vai para as urnas, vamos também para pedirmos mais democracia. “Às vezes perdemos nossa fé, então descobrimos que precisamos acreditar, tanto quanto precisamos respirar… é nossa razão de existir.” (Luis Fernando Verissimo).

  9. C9m orças armadas, com judiciário com tudo.
    Canalhice general- izada.
    Covardemente usam o poder que teem em armas para manter privilégios e subjugar o nosso povo.
    VERGONHA…

  10. Mestre, nessa ‘Tragédia Brasileira’, tão bem retratada, cumprimento-o por permitir que comentários provocadores, medíocres e descartáveis pela ignorância/cinismo manipulador, sejam publicados, registrando a que chegamos, com cínico ou ignorante, a ignorar a História abundante em fatos, provas e documentos, e cravar não ter havido corrupção na ditadura.
    Elogio feito, registro versos do “Romanceiro da Inconfidência”, lidos em artigo, “No martírio de Lula, a tragédia do povo”, de Fernando Brito, ditos de outra forma em depoimento de velho pescador do Piauí, no programa do PT e parte do artigo.
    Cecília Meirelles: “toda vez que um justo grita, um carrasco vem calar. Quem não presta fica vivo, quem é bom, mandam matar”.
    Toinho Silveira: “Depois que o Lula entrou… abriram as portas. Aí os ricos cismam do rapaz pra prender. Um governo desse é pra ir só repetindo, todo tempo… Pro Brasil é muito triste prender um homem daquele”.
    É, Mestre, nem com auxílio do irmão do norte, lava jato e o supremo com tudo, estão conseguindo apaga-lo da memória do povo brasileiro.

  11. A fala do general significa que pro lado do golpe a coisa ta mais pra samba de crioula embriagada.
    O golpe fracassou.Foi derrotado.
    Só lhes resta fazer ameaças que todo mundo sabe que não passam de blefadas.
    Depois do nosso judiciário, as instituições mais imprestáveis são nossas forças armadas.

  12. Esta destruição é característica da estratégica distópica adotada pelos EUA, potência decadente, em sua política externa. Não precisam mais de controlar todo um território através do aparelho estatal, como fizeram, por exemplo, no Golpe contra Allende. Agora, preferem destruir o país psicologicamente e até fisicamente, se for preciso, para conseguirem o que querem: roubar as riquezas naturais e eliminar um possível concorrente no cenário internacional. Caminhamos para a guerra civil pois até os militares não são mais confiáveis ao menos, como protetores das riquezas do país. Liberaram tropas estadunidenses na Amazônia brasileira, algo impensável para velhos tenentistas que estiveram no comando até a Ditadura Militar. Apenas o povão, com todos os meios que tiver a seu dispor poderá ainda salvar o Brasil.

  13. Prezado Kotscho, sua matéria na Folha é sensacional. Você faz parte da história desse Brasil tão desconhecido. Parabéns por escrever tão bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *