FHC não esconde: PSDB prefere enfrentar Bolsonaro do que PT

FHC não esconde: PSDB prefere enfrentar Bolsonaro do que PT

FHC não é candidato, mas ninguém dá mais entrevistas do que ele nestas semanas que precedem a eleição.

Em entrevista de página inteira na Folha deste domingo, o ex-presidente prevê que “disputa entre PSDB e PT será para ir ao segundo turno”.

Foi a forma que encontrou para dizer que seu partido prefere não enfrentar novamente o PT na disputa final.

Não é para menos: nas últimas quatro eleições presidenciais, o PSDB perdeu as quatro para o PT, duas vezes com José Serra, uma com Aécio Neves e outra com Geraldo Alckmin, que é candidato de novo.

FHC nunca diz as coisas muito claramente, mas lendo e relendo a entrevista a Thaís Bileny, dá para recolher nas entrelinhas o pensamento do sociólogo que virou presidente.

Vejam que sutiliza na resposta de uma palavra só:

Folha _ O sr. já disse que não espera 2º turno entre PT e a direita, seja Alckmin, seja Bolsonaro. Aposta que pode vir a ser Bolsonaro e Alckmin.

FHC _ Isso.

Esse, não por acaso, é também o sonho do mercado financeiro, que sempre apoiou o PSDB, mas está se encantando também com o ex-capitão Jair Bolsonaro, e agora aceita qualquer um, desde que não seja o candidato do PT ou Ciro Gomes.

Em outro trecho, FHC afirma que “os partidos não são expressivos e, os que são, vêm de setores que têm mudanças”, quando é interrompido pela repórter e responde com um raciocínio meio tortuoso para justificar sua tese

Folha _ O PT tem simpatia crescente, chegou a 24%.

FHC _ Mas onde cresceu? Não foi entre os trabalhadores, foi geral. A ligação de classe com o partido deixou de contar. Tem mais força no Nordeste, porque Lula representa uma espécie de Padim Ciço. Os outros partidos nunca tiveram muita expressão.

Como assim? E o seu partido, o PSDB, não tem expressão, não tem lideranças?

Folha _ Aliados advogam que Alckmin deve esconder o PSDB.

FHC _ Não deve, vai ser denunciado pelos outros. O PSDB não está no governo, este é o PMDB (na verdade, o partido de Michel Temer, que não é citado nenhuma vez na entrevista, voltou a se chamar MDB).

Folha _ Aloysio Nunes (PMDB-SP) está no governo e o PSDB esteve após o impeachment.

Pego na contra-mão, o ex-presidente joga com a ignorância e a falta de memória do eleitorado para salvar a pele do seu partido:

FHC _ O povo não sabe, não se liga nisso. Uma coisa somos nós, intelectuais, jornalistas. Para o povo, tem que mostrar quem é o Geraldo.

Coerência nunca foi o forte de FHC e todo mundo sabe que “o Geraldo” nunca foi seu candidato preferido.

Depois de dizer que o PT tem mais força no Nordeste porque Lula virou o Padim Ciço, na mesma entrevista ele diz que o PSDB tem que se concentrar onde sempre teve mais votos (de São Paulo para o sul) e pergunta à repórter, respondendo em seguida:

FHC _ Aí tem que brigar com quem? Bolsonaro.

Folha _ Tem espaço para os dois?

FHC _ Pode ter. A mesma dificuldade do PSDB, o PT tem também, de entrar no Rio, no Nordeste, porque é paulista.

Outra vez, cabe perguntar: como assim? O PT com dificuldades de entrar no Rio e no Nordeste, onde venceu todas as últimas eleições, de onde FHC tirou isso?

FHC se esqueceu também que nas últimas pesquisas Geraldo Alckmin perde para Lula e Bolsonaro mesmo em São Paulo, onde o PT sempre ficou atrás nas eleições para presidente.

Já no final, perguntado sobre uma possível aliança do PSDB com o PT, para enfrentar Bolsonaro no segundo turno, FHC desconversa.

Folha _ Se passar Bolsonaro para o segundo turno, PSDB se une ao PT?

FHC _  O PT sempre se caracterizou por definir o inimigo, o PSDB. Não por razões ideológicas, mas eleitorais. Não vai aceitar ninguém.

Me deu a impressão de que, apesar da experiência de oito anos de governo, e todos os seus estudos acadêmicos, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, assim como a maioria do eleitorado brasileiro, parece perdido nesta campanha eleitoral, sem entender direito o que está acontecendo.

E, mais uma vez, deixou claro que não bota muita fé no Geraldo. Só não quer perder de novo para o PT.

Bom domingo.

E vida que segue.

 

14 thoughts on “FHC não esconde: PSDB prefere enfrentar Bolsonaro do que PT

  1. FHC se pensa assim -Deve estar ficando GAGA!.Até Marina Silva é “peso” pesado para o Geraldo Alckimin.Bolsonaro é o CARA,a ser seguido.De acordo com as pesquisas.

  2. Os tucanos e o tucanato são uma espécie em extinção, sobretudo depois do “Reich de 20 anos” (com o qual sonhava Sérgio Mota) ter chegado ao fim no curto espaço dos 8 anos de FHC, que passaram para a história como a “Era Maldita” (na expressão cunhada pelo deputado Sérgio Miranda do PC do B de MG, que faleceu sob a bandeira do PDT mineiro). Ninguém melhor do que FHC para, de modo emblemático, encarnar essa deterioração e decomposição progressiva (estimulada pela ‘masturbação intelectual’ do próprio FHC) que se iniciou com sua reeleição.
    Os tucanos e o tucanato vão encarar em 2018 a sua batalha de Waterloo comendo, o que restar do bolo de açaí servido pelo ‘Santo’.

  3. Mestre, vamos ver se FHH, daqui a alguns dias, entenda ao menos o refrão, “Vote 13, Haddad é Lula”, e perceba que Geraldo briga, intestinamente na cozinha da Casa Grande, com Bolsonauro, para ida ao segundo turno.
    Ou então que, Geraldo, Marina, Meirelles e Alvaro Dias, representam os 50 tons de Temer, como bem define, Boulos.
    Ou que, Capitão Bolsonaro e Cabo Daciolo são símbolos representativos da capacidade política ‘inovadora’ da golpista Classe Dominante, co-patrocinadora da peessedebista ‘Pinguela para o Atraso” do ‘desgoverno Temer’, gestada na Casa das Garças Banqueiras, forjadora também do Partido Novo para engabelar incautos.
    Ou então, que passe o tempo jogando dominó na praça Buenos Aires ou ‘lembre-se de deitar’, poupando-nos.

  4. Esta criatura ainda não desencarnou, porque os capetas ainda não sabem o que fazer com ele.
    Completamente FHgado, deveria aproveitar esta sobrevida, para explicar a origem do seu apartamento em Paris.
    Quem sabe assim algum capeta mais caridoso, resolva abonar a sua permanencia no subsolo do inferno.

  5. …estou vendo ali, que o museu nacional esta em chamas.
    O golpe esta arrasando com tudo no Brasil.
    Pra acabar de vez, virar tudo cinzas, só falta elegermem o louco Bolsonaro.

  6. Prezado Kotscho: Já que segundo FHC “O povo não sabe, não se liga nisso” é por isso que os tucanos e associados não vão passar para os segundo turno.

  7. Qualquer candidato que chegar no segundo turno com Bolsonaro leva! isto é fato e pronto!
    Este não é o pensamento intelectual de um traumatizado tucano, mas um cenário estatístico eleitoral. E agora a ordem é impedir que seja Lulaaddad ou Ciro.

  8. Pesquisa do BTG Pactual, divulgada há pouco pelo Poder 360, encomendada, portanto, pelo setor financeiro, aponta o ex-capitão consolidado na liderança do primeiro turno, quando o ex-presidente é retirado da cartela de candidatos. A curiosidade fica com o segundo colocado: Ciro Gomes. O ‘Andrade’ fica atrás de Ciro e Marina, em quarto lugar. A pesquisa já captura dois dias da campanha eleitoral no rádio e na TV. Talvez, por isso mesmo, o dólar, o euro e a bolsa de valores continuem em transe. Quarta-feira desta semana já teremos uma nova rodada do IBOPE e até sexta-feira o resultado do Datafolha. A conferir.

  9. A tarefa de todos democratas é derrotar Bolsonaro e depois convencer o mundo, hoje não mais cético, do escândalo absoluto deste estado paralelo de exceção jurídico-militar, cultivado antes de ganhar vida própria até mesmo por alguns aprendizes de feiticeiro, com os quais (a chance é grande) teremos paradoxalmente de estar juntos no segundo turno para evitar a barbárie. É difícil afirmar isso, mas é preciso fazê-lo, na hora delicada em que voltamos a ser saco de pancadas na velha conhecida narrativa (“13 anos de PT nos desgraçaram” e coisas do gênero) do piloto de Boeing, a forma depreciativa com que um alto dirigente rural, ex-aliado, descreveu a suposta placidez contraproducente do ex-governador. Por trás disso estava um antigo quadro fiel do PSDB, já embarcado agora na candidatura do piloto de caça da extrema direita nos céus da Síria que teria se tornado o Brasil. Nós não estamos disputando uma eleição, mas um jogo perigosíssimo, no qual um dos favoritos quer sair por aí matando quem pensa diferente dele.

  10. Percebe-se que esse canalha realmente é um crânio a procura de um cérebro.
    Sim, porque o dele já apodreceu há tempos.
    Um crápula que tem seus imóveis em nome de testas de ferro, não pode se manifestar dessa forma.
    A culpa é da mídia que lhe dá visibilidade, tudo bem que é para ridicularizá-lo, mas de qualquer forma ele consegue o que quer saindo do ostracismo.
    Se tivéssemos uma Justiça limpa neste País, esse criminoso já teria sido preso há muito pelos prejuízos que causou ao Brasil.
    Mas, como diz o Ciro, a democracia é linda.
    Então, qualquer canalha pode ter seu espaço para falar o que quiser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *