Globo só não aceita Ciro nem Lula/Haddad: Bolsonaro deita e rola no Jornal Nacional

Globo só não aceita Ciro nem Lula/Haddad: Bolsonaro deita e rola no Jornal Nacional

Jair Bolsonaro não é o candidato preferencial da Globo, sabemos todos, mas o Jornal Nacional desta terça-feira deixou bem clara a posição dos donos da principal TV do país: eles só não aceitam a vitória de Ciro Gomes ou do candidato do PT, seja Lula ou Haddad. Qualquer outro serve aos seus interesses.

Ao contrário do que aconteceu com Ciro na noite anterior, desta vez os inquisidores do JN estavam mais mansos, meio perdidos, gaguejantes, e acabaram levando um baile do ex-capitão do Exército, que ficou com a primeira e a última palavra.

Política e interesses da empresa à parte, William Bonner e Renata Vasconcelos mostraram que podem ser bons apresentadores de telejornal, mas são péssimos entrevistadores.

Não têm nem cacoete de repórter, aquele cara chato que pergunta o que o entrevistado terá dificuldades para responder porque conhece bem a a sua história e as suas contradições.

No mesmo dia em que Bolsonaro estava sendo julgado por dois crimes no Supremo Tribunal Federal, racismo e homofobia, que podem tirá-lo da campanha, os dois nem tocaram no assunto e se limitaram a repetir perguntas genéricas feitas antes na sabatina da Globo News, alguns dias atrás.

E Bolsonaro deu as mesmas respostas, deitou e rolou em cima deles, retrucando com os pagamentos que recebem como pessoa jurídica, pagando menos impostos, com a diferença salarial entre o homem e a mulher da bancada, e perguntou de novo, lembrando o apoio da Globo à ditadura militar, se Roberto Marinho era um ditador ou um democrata.

Em nenhum momento, os ancoras do JN conseguiram revelar a maior fraqueza de Bolsonaro, que nada tem a ver com política ou ideologia: a sua absoluta incapacidade de apresentar qualquer proposta viável para o país, um minimo programa de governo, juntar duas frases com sentido, alguma capacidade para enfrentar a enorme crise em que o país afunda.

Ficaram no varejo, insistindo nas incoerências do candidato, que quer ser o novo na política e representa a política oligárquica e familiar mais antiga, com 27 anos de parlamento, sem nunca ter apresentado um único projeto útil para o país.

É incrível como a Globo, com o poder que tem, e contando com alguns dos melhores jornalistas do país, não consiga fazer uma entrevista de qualidade de 25 minutos, capaz de oferecer uma manchete para os jornais do dia seguinte.

Só não vou dizer que perdi meu tempo, porque este é meu ofício, mas infelizmente fiquei ainda mais convencido da pobreza do jornalismo e da política no meu país.

Se Ciro Gomes ganhou o debate da véspera por 7 a 1, como vimos nas redes sociais, este com Bolsonaro ficou num melancólico 0 a 0, em que os dois times perderam pontos e não ajudaram em nada o eleitor indeciso a decidir seu voto.

Quem era Bolsonaro continuou sendo, quem era contra continuou contra, e os indecisos continuaram indecisos.

É assim que caminhamos para a mais inacreditável e patética eleição da história da República, faltando apenas as entrevistas com Geraldo Alckmin e Marina Silva, os dois preferidos da Globo para derrotar Ciro e o candidato do PT, que eles se recusam a ouvir.

Que pobreza, que fim de feira, que desperdício de tempo e de esperança!

Este é o retrato do que sobrou do Brasil após a Lava Jato e o golpe de 2016: um país em escombros, uma massa falida de líderes e um deserto de ideias, onde os idiotas ganharam espaço e o resto da sociedade jogou a toalha.

E vida que segue.

 

27 thoughts on “Globo só não aceita Ciro nem Lula/Haddad: Bolsonaro deita e rola no Jornal Nacional

  1. Prezado Kotscho: Bolsonaro lembrou, de novo, “o apoio da Globo à ditadura militar”. Muito bem lembrado. Eles se merecem. E não acho que “o resto da sociedade jogou a toalha”. Acredito, ainda, que existam políticos que pensem e trabalhem para a maioria do povo. É para eles que temos que votar em outubro para exercermos uma boa prática política. “Gandhi definia a política como “um gesto amoroso para com o povo”. Em outras palavras, política como cuidado com o bem-estar de todos e ternura essencial para com os pobres. Ele mesmo confessa: “Entrei na política por amor à vida dos fracos; morei com os pobres, recebi párias como hóspedes, lutei para que tivessem direito políticos iguais aos nossos, desafiei os reis, esqueci-me das vezes que estive preso.” – um trecho do livro “Saber cuidar – Ética do humano – compaixão pela terra” de Leonardo Boff.

  2. Discordo só num ponto: penso que repetindo ad infinitum as mesmas frases feitas o “mito” só ganha votos. Afinal, é só conversar aqui e ali que você vê quantas pessoas não conseguem ir além disso. Querendo ou não ele fala o que milhões de animais irracionais querem ouvir… Assustador.
    Outra coisa: como o PHA, também acho que a Globo, se preciso for, vai apostar tudo no Bolsonaro. Não digo porque não assisti, mas pelo que li penso que essa entrevista seja um sinal nessa direção.
    No mais concordo com você, Kotscho: meu Deus! A que ponto chegamos…
    Tamos f****.

  3. Ciro foi muito mal na questão de Carlos Lupi. Então esse placar de 7 a 1 não existiu! Mas, diz o texto, quem deitou e rolou foi Bolsonaro. 7 a 1 ara Bolsonaro! O que não é mérito algum, viu? Diante daqueles entrevistadores, fácil ganhar de 7 a 1, 4 a 1, 6 a 1…

    Bolsonaro tem sua limitações, mas, disse na bancada do jornal mais assistido do país, que a Globo apoiou a ditadura, e que o salário daqueles funcionários vinham de verbas públicas. Que pena que a esquerda quando ali esteve, com Dilma e Lula, nunca mencionaram isso!

    1. O Luiz Inácio, a sra. Dilma e boa parte do PT são “republicanos” Eles jamais diriam que o salário dos globais vem de verba publicitária federal. Isso é, dinheiro público e sem essa verba provavelmente a Globo já teria fechado e os dois bonecos do JN estariam na fila de emprego. Jamais cometeriam essa grosseria. O Luiz? Não. A sra. Dilma? Muito menos.

    2. Melhor do dia agora todos nós sabemos que a Globo apoiou a ditadura. E Bolsonaro foi o protagonista dessa informação que todos queriam ouvir. Voto 13 mas valeu Bolsonaro.

  4. Os dois idiotas globais bateram palmas para o louco dançar.
    Se não foi tudo combinado os bacanas da globo são muito incompetentes e burros.

  5. Em um momento do texto diz q Bolsonaro deitou e rolou, em outro diz q foi 0x0?!
    Sendo assim, Ciro ganhou muitos votos com o 7×1?!
    Ciro foi muito bem, assim como Bolsonaro tbm foi, mesmo escapando de perguntas e sendo ofensivo para gastar tempo.
    Não voto em nenhum dos 2, mas não vou analisar como “torcedor”, os 2 venceram.

  6. Muito boa a análise! Que situação patética estamos metidos, essa eleição é o emblemática para mostrar a falência e a incompetência das instituições em assegurar, minimamente, um jogo democrático viável ante as enorme contradições décimo país mais desigual do mundo. Espetáculo triste, patético!!

  7. Pode JAIR se acostumando, meu caro… Resolvi ler seu texto para enchergar o nível de mediocridade das viúvas dos esquerdopatas… A Globolixo faturou as maiores fortunas justamente nos governos corruptos do PT… E eles não desejam PT ou Ciro??? Só dando risada mesmo. Bolsonaro 17 no 1° turno…

  8. Bolsonaro, com sua linguagem rudimentar e com muita dificuldade de explanação das suas ideias (se as tem de fato) ainda assim engoliu os apresentadores da Globo, que insistiram em temas irrelevantes e de ordem pessoal, deixando de lado o debate dos grandes problemas nacionais. Mas diz o ditado, que quem tem rabo de palha não deve pular fogueira, e foi isto que aconteceu com Bonner. Bolsonaro poderia ter sido mais claro ao defender a ideia que bandido pode (na cabeça dele, deve) ser morto pela policia. Parafraseando o General Augusto Heleno, bandido com fuzil na mão não quer conversar e sabe muito bem que pode matar ou morrer. É a guerra urbana. Na questão da diferença salarial entre homens e mulheres, partiu para cima de Renata Vasconcelos, e o tiro saiu pela culatra. Não sei se ele se saiu melhor que Ciro na exposição de ideias, mas ganhou de lavada no enfrentamento dos inquisidores. Bolsonaro é fraco perante ao que o Brasil precisa? Sim, está muito aquem, mas para quem já teve uma Dilma, qualquer um que venha ainda estamos no lucro

  9. Kotscho, você fez uma triste e precisa análise. Depois de anos de muitos recursos gastos na Lava Jato, fizeram que a montanha parisse um rato. E o pior deste tipo de animal é que ele infesta rapidamente os ambientes em que se instala.

  10. Estarei enganada? Há rachaduras em toda parte, por ora não mensuráveis pelas pequisas. Se Bolsonaro prega para convertidos, nada fará mudar seu (enorme) eleitorado cativo de um mito de HQ (quadrinhos) em luta derradeira contra o vilão preferencial da narrativa escatológica da corrupção “moral” , a esquerda em todas as historinhas infantis sobre ela disponíveis no mercado: populista, fisiológica, comunista, corporativa, privilegiada, ineficiente, anti-mérito, “gastadeira”, parasita do estado, baderneira, defensora dos direitos humanos dos bandidos, ameaçadora dos valores supostamente fundantes da sociedade (o papel de nós mulheres e o molde da família definidos de forma hiperreligiosa, …). Neste sentido, a Globo não teria, mesmo que quisesse, como fustigar o candidato nas suas sabatinas, pois ela ela é co-responsável, em momentos distintos da sua história, por esta narrativa infantilizante acima.
    Há um aspecto positivo, porém, da sabatina. Globo, PF, MP estão rachados internamente no tocante a quem apoiar: se triunfante diante de Bonner Bolsonaro não perdeu um voto sequer dos já convertidos ao seu credo antiliberal, é certo, por outro ângulo, que tirou muitos (com influência) do camarote passivo e narcísico onde se encontravam. Talvez vasta parte do “amarelo-moral” , criado na cultura do entretenimento, mude temporariamente de vilão.

  11. Kotscho, esse “nada” que está sendo mostrado ao povo brasileiro, de fato, nada acrescenta de bom para o país. É perda de tempo assistir pessoas como este ser. Entendo como sendo o desespero que tomou conta de todos os aliados que deram o golpe de estado. Acredito que tudo o que eles nunca imaginaram acontecer quando tramaram e deram o golpe, está acontecendo: LULA será eleito no 1º turno (ele ou quem ele indicar) ou, se no 2º turno, com mais de 70% dos votos válidos, coisa nunca antes vista nesse país, parafraseando um certo presidente do Brasil. E mais …. depois das eleições, vai ter muito bandido golpista comprado passagem só de ida para fora do país, com medo de ser preso, principalmente um certo pessoal que reina em Curitiba. O tempo dirá se essa profecia acontecerá ou não.

  12. É isso, Kotscho. Reeditou-se o dilema de 1989. Tiraram primeiro, o Brizola, que prometia como primeiro ato de seu governo acabar com a concessão da TV a Roberto Marinho. E depois Lula, que foi derrotado por duas ‘edições’ do JN. Hoje, Ciro e ‘Andrade’ (como balbucia o povaréu) reencarnam aquele dilema vivenciado pela Globo, trinta anos atrás. Com a ajuda de Lula, a Globo já tirou Ciro da pequena área. Agora, a Globo vai operar o ‘Andrade’. Para isso, a Globo já identificou sua opção preferencial. Marina da Rede é o instrumento para tourear a candidatura militar, que já fincou sua bota no segundo-turno.

  13. Parece que o tal de Willian Banner e a Renatinha perderam a capacidade de indagar o Bolsonaro kkkk, já com o Ciro Gomes estavam igual cão de guarda , ainda bem que Ciro é um cara inteligente, deu um baile nos tupiniquins da Globolixo. Fique com seu Bolsonaro Globo, vocês se merecem kkkkk !!!!!

  14. Totalmente imparcial esse seu comentário kkkkk.. Essa é a praga do jornalismo brasileiro, nunca são neutros, imparciais, e a maioria de esquerda, como você parece ser. Lamentavel.
    Bolsonaro 2018.

    1. Lucas, larga mão de ser bobo.
      Não existe jornalismo imparcial, neutro, isento e essas bobagens todas.
      Só tem dois tipos de jornalismo: o honesto, que respeita os fatos, e o manipulado, que faz propaganda, que é o que mais tem.

  15. Ciro e Bolsonaro sairam-se bem, ambos, mais pelos defeitos dos entrevistadores que pelas suas virtudes. Não tenho bola de cristal mas, arrisco a dizer que se a bancada do JN tivesse cumprido o verdadeiro papel de jornalistas, Ciro teria sido muito melhor, assim como, o desempenho de Bolsonaro teria sepultado a sua candidatura. Mas, fazer o que, é a mediocridade da nossa midia que tantos estragos produz nos intelectos nativos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *