Lula, o PT e eu: amigo pode criticar, não é só para concordar

Lula, o PT e eu: amigo pode criticar, não é só para concordar

Alguns leitores estranharam as críticas que fiz no post anterior ao PT e ao meu amigo Lula sobre as negociações para a formação da chapa presidencial.

Não, não rompi com ninguém, posso garantir, apenas me reservo o direito de exercer meu ofício de repórter que conta o que está acontecendo e dá a sua opinião, gostando ou não dos fatos.

Os fatos são como os fatos são. Como jornalista não posso mudá-los, por mais que me provoquem tristeza ao ter que tratar deles.

Aprendi ao longo da vida, por experiência própria, que os amigos que nos alertam, chamam a atenção, criticam, discordam, são melhores do que os que só nos elogiam e aplaudem, porque aqueles nos ajudam a errar menos.

Políticos, principalmente, assim como jornalistas, sempre correndo contra o tempo, podem acertar ou errar, pressionados pelos fatos que não param de mudar.

Por isso, aceito aqui no blog todas as críticas que me fizeram de ontem para hoje, menos as que apenas me ofendem e nem discutem o assunto tratado na coluna.

Não tenho o menor problema em corrigir os meus erros e pedir desculpas se prejudiquei alguém com uma informação que não é correta.

A internet tem essa grande vantagem: você pode se corrigir sempre que é alertado por algum leitor, o que acontece muito por aqui, e eu agradeço.

Quanto à opinião, cada um tem a sua e eu respeito a de todos, desde que respeitem também os outros, as normas mínimas de civilidade que procuro preservar desde a criação deste blog, quase 10 anos atrás.

Feito o esclarecimento, desejo um bom domingo a todos.

Os fatos continuam acontecendo, mas agora vou almoçar.

Vida que segue.

 

 

34 comentários em “Lula, o PT e eu: amigo pode criticar, não é só para concordar

  1. Kotscho o que acha do Celso Amorim para vice como defende muitos como a luz que falta ao PT.
    Tomara que não coloque a Gleise ou Haddad.

  2. Ricardo, se o TSE permitir que que os partidos apresentem suas chapas completas no dia 15, a confusão entre os de esquerda vai continuar. Na última semana, assistimos a um festival de vai-não vai, é-não é, pode-não pode, declarações conflitantes de quem deveria, a essa altura do campeonato, unificar o discurso. Essa semana também será de turbulências, e por isso digo que o cenário no próximo domingo, dia 12, será muito diferente de hoje, dia 5.

  3. Não é por outra coisa que Você, Kotscho, merece o respeito e a reputação jornalística inatacável que tem. A credibilidade que concerne a tratar a verdade factual com independência e espírito crítico. O lulo-petismo deu com os burros n’água e levou suas vacas para o brejo, exatamente porque seguiu sempre o sinhozinho, como áulicos e incensadores subalternos na corte petista. Quem alertava, em 1989, 1994 e 1998, que a conexão com empreiteiras “era uma fria” foi rifado do entorno em 2002. Deu no que deu. Fique firme, Kotscho. Você e a sua histórica travessia “Do Golpe ao Planalto”. A canzoada passa!

  4. Meu caro Kotscho, você como um grande amigo de longas datas do Lula, que tal ir a Curitiba e fazer uma visita a esse seu amigo e quem sabe você consegue decifrar esse Grande Enigma que é os pensamentos do Lula e que nesse momento o mundo político tenta decifrar e ninguém consegue. Abs.

    1. Já tentei várias vezes fazer esta visita, caro Bernardo, mas ainda não consegui.
      Não é fácil conseguir autorização para visitá-lo porque o objetivo da Justiça é exatamente isolar e calar o ex-presidente lula.

  5. Em primeiro lugar, todo direito à crítica, caro Kotscho. Por isso,
    te leio sempre e levo teus comentários e análises muito a sério. Em segundo, fui Delegado do Encontro Nacional do PT e, se tivesse havido votação, votaria por reformar a decisão sobre a candidatura própria em Pernambuco. Sou Marília, no caso. Em terceiro, manifestei minha discordância quanto à tua visão catastrófica. As coisas são muito complexas neste momento histórico, e é muito difícil fazer afirmações definitivas no atual contexto. Eu não sei sequer (e muitos concordam contigo, inclusive compas com quem conversei ontem em Sampa) se vai haver mesmo eleições em outubro, e sob quais condições. Se ‘eles’, se não conseguirem virar o jogo, não vão achar um jeito de melar tudo Como me disse o Gil no FSM em Salvador em março, eles não tem mais limites nem fronteiras. Em quarto, tenho também muitas discordâncias políticas com o PT, de quem sou fundador e militante histórico. Por exemplo, os discursos (a maioria) hoje na Convenção hoje do PT RS. Quase todo mundo falando mais das questões programáticas (ou detalhes delas), a meu juízo bem menos relevantes nesta eleição que a disputa política em termos mais amplos de projeto de sociedade, de valores, etc. Ninguém falou, por exemplo, do Congresso do Povo, da disputa político-ideológica a ser feita na base popular, num contexto de radicalismo, de intolerância, de criminalidade e violência absurdas (acho que devia se propor uma espécie de Fome Zero da questão da segurança-criminalidade-violência em termos de prioridade política e programática – no processo eleitoral; é o que as pessoas sentem e vivem todos os dias, sem poder sair pra rua, etc. ). Mas o PT hoje está muito distante disso tudo, infelizmente. Coisa pra pensar pro futuro e depois do processo eleitoral. Nem por isso me desespero ou acho que tudo está perdido. Por último, obrigado pelo teu comentário cordial. Abraços. Na boa luta, como diria o Olívio, e em 2018 SEM MEDO DE SER FELIZ! Lula Livre!

    1. São militantes como você, caro Selvino Heck, com a sabedoria de enfrentar o debate aberto e franco, demonstrada neste comentário, que fazem a força do PT mesmo nas horas mais difíceis.
      Também não acho que está tudo perdido, mas é preciso ter grandeza para reconhecer nossos erros e corrigi-los a tempo de evitar as visões catastróficas que estão no horizonte.
      As grandes questões nacionais, a tragédia social brasileira, estão ficando à margem dos debates meramente eleitorais em busca de hegemonia polícia que vimos nas convenções partidárias.
      Bem lembrado mestre Olívio Dutra, outro companheiro que dá orgulho de ter como amigo em tantas campanhas que fizemos juntos.
      Também temo pelo que pode acontecer daqui até as eleições de outubro. Eu é que te agradeço pela participação no debate aqui no Balaio. Apareça sempre, caro amigo. Ricardo Kotscho

  6. Defender o direito de divergência tem sido, no país, mérito da esquerda: não dá para balançar ou transigir agora neste quesito. Kotscho diverge do amigo Lula. Ótimo, pois somos nós da esquerda que somos ainda capazes disto, mesmo que no montante as divergências acumuladas levem ao risco de divisão nos embates eleitorais. Mas é um preço a pagar, não é mesmo? Divergir para o amadurecimento de posições comuns em horas extremas. A hora é extrema, o amadurecimento urgente. Minha posição, para quem ainda tiver paciência com ela, vai desagradar a muitos: politicamente motivada, a inelegibilidade de Lula vai se extender infelizmente ao longo de todo o processo eleitoral. Houve ardil para prendê-lo no passsado, disfarçado de normalidade no funcionamento das instituições, haverá também truque ainda mais fácil no futuro.
    Só tem sentido discutir o pragmatismo das alianças no campo das esquerdas se for para garantir a liberdade concreta de Lula para já, através da encenação civil do que seria a sua participação nas eleições de 2018, como se estivéssemos em vias de disputá-las e ganhá-las. Nem uma coisa nem outra, nem disputar a valer nem levar de vencida: o jogo jogado é 2022, não Outubro. O trunfo: inelegível Lula, mas livre nas ruas para transferir maciçamente os votos, de forma inesquecível, para os candidatos das esquerdas propositalmente desunidas no primeiro turno e para o candidato de centro que estiver no páreo para disputar com a extrema-direita no segundo turno. O tempo para uma frente de esquerdas ou para viabilidade de um candidato do Lula já passou. O nosso segundo turno já é francês, queiram ou não: o amplo arco da civilização contra a família Le Pen e aqui contra o candidato que se faz passar pelo que não é, representante dos militares.
    A imagem de Lula no cárcere mancha de forma inelutável a legitimidade de uma possível vitória do centro, a ÚNICA alternativa, paradoxalmente ou não, que nos resta, democratas, na reta final para deter a barbárie, mesmo que agora a burrice marqueteira das candidaturas Alckmin e Meirelles bata impiedosamente no PT. Sim, é uma solução de compromisso: inelegível como expressão do arbítrio anterior, mas livre nas ruas para definir a maneira com que se forma uma maioria vencedora contra um Bolsonaro, ao que tudo indica, já com os pés no segundo turno. Utopia rebaixada? Recomendo aos descontentes ligar para o antigo QG dos Democratas americanos no Brooklin (eles vão atender, asseguro!) e perguntar em que deu a desconstrução radical da figura da Hilary. No espaço da culpa judaica reina agora outra coisa: o arrependimento absoluto!

  7. Ricardo, fique tranquilo. Você disse aquilo que muita gente do PT pensa. Eu também me sinto bastante chateado com essa estória toda. Não foi este o PT que por sempre lutei. Fazer acordo com golpistas depois de ter levado o drible da vaca deles. Até mesmo o Lula está sendo colocado em xeque por muitos petistas. Espero que não tenha feito besteiras com estas alianças espúrias.

  8. Kotscho se manifestou pela emoção, mas o momento e agir com a razão, os golpistas Alckmin/Ana Amélia, Bolsonaro/Mourão estão acantonados da direita para eextrema direita. Tem uma faixa do eleitorado classe média
    que bateu panelas mas está descontentee com Temer. É esse eleitor que o PT tem que reconquistar, uma guinada do PT para extrema esquerda vai jogar esse eleitor no colo do Alckmin, daí sim, teremos Alckmin e Bolsonaro no segundo turno.

  9. Caro Kotcho, penso que nestas horas de tantas indefinições e alteração da conjuntura, o pior é a unanimidade. Por isso, quando li teu comentário sobre as movimentações acerca da tática eleitoral adotada pelo PT (meu único partido desde os 18 anos), fiquei ainda mais preocupado com as opções que estão sendo feitas. Penso que, será erro da direção se entender que hoje pode ser trilhado o mesmo caminho que levou o partido a vitória a 16 anos. Me preocupa alianças com golpistas, com setores que se posicionaram a favor das propostas que subtraem direitos da classe trabalhadora e de setores marginalizados da população. Penso, que a melhor contribuição a ser dada neste processo eleitoral é demonstrar que de um lado há golpistas antipovo e antipaís e do outro um projeto de reafirmação da soberania nacional e de inlusão econômica e social para o conjunto da população marginalizada. Continue a exercer a verdaeira liberdade de expressão.

  10. Assim é, se lhe parece (Pirandello). Veja outras opiniões: o jornalista Rossi disse, literalmente, que “O Eurásia Group, consultoria de risco político, bate mais palmas do que os convencionais para o candidato que o PT vier a lançar se Lula for mesmo vetado. Terá ‘grandes chances relativas de ir ao segundo turno’, diz [o Grupo Eurásia] em nota desta semana”. Sinceramente, não vejo maiores problemas em não definir um candidato a Vice, antes da definição da obrigatoriedade dessa decisão. Ciro Gomes ou Manuela d’Ávila não podem ser definidos na Vice, porque se Lula de alguma forma for impedido, ficaria em dificuldades para ocupar a cabeça de chapa. São aliados, mas os votos são de Lula, do PT. Como abrir mão, em nome de quê? É justo? Que petista pode defender semelhante decisão? Como ficaria seu amigo diante do eleitorado, que o apoiou até o desfecho (que pode ser outro, claro) pretendido até aqui pelos golpistas. Cuidado, há amigos que nem precisamos de inimigos para ter dificuldades.

  11. Acho vc uma pessoa muito sensata mais diante de toda maldade que foi feita com lula e o pt mim sinto no direito de concordar até com os erros do pt,veja a situações de aecio perdeu a eleição colocou o Brasil no fundo do poço com p apoio irrestrito da dona globo e toda a mídia entaum vou de lula ,vou votar no poste que ele mandar só não voto Alkimin esse aí nem p síndico de prédio serve,,,,

    1. Caro Moises Moreira, já te pedi pra fazer ou pedir para alguém fazer uma revisão nos teus comentários antes de enviá-los ao Balaio.
      Eu já me acostumei, mas muitos leitores têm dificuldades para entender o que você quer dizer. Mais cuidado, por favor. Abraços.

  12. Prezado Kotscho: “Sobre as negociações para a formação da chapa presidencial”, pelo menos agora, foram encerradas. Lula na cabeça de chapa, Haddad como vice e Manuela como vice do Haddad, caso a justiça eleitoral embace mais adiante. Vai, Lula! “A vida real do ser humano consiste em ser feliz, principalmente por estar sempre na esperança de sê-lo muito em breve.” (Edgar Allan Poe).

  13. PT não é um partido, só o lula q toma as decisões e somente ele tem votos.
    PT faz uma chapa com um inelegível, um vice e uma vice do vice…. quem vai nos debates?! Quinta-feira já tem o da Band.

  14. Ricardo, não se furte de continuar criticando! Suas críticas são muito lúcidas em apontar os erros e equívocos cometidos pela esquerda em geral nesse ano de 2018. A mais recente, o baralho de cartas Haddad e Manuela, tem tudo para acabar em desastre.

  15. Caro Kotscho. Agora ficou claro a estratégia do PT para as eleições.
    Em qualquer das situações,teremos a Manuela como vice: Sendo Lula candidato( o que o Brasil necessita e muito) ou sendo o Haddad. Fica assim desfeita a confusão. Como vc mesmo comentou , principalmente com Lula é uma dupla imbatível. Vida que segue….

  16. Frase atribuída a Santo Agostinho: “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me adulam, porque me corrompem”.

  17. Caro Kostcho, não devemos nos ligar na pauta de uma imprensa chapa branca e nem muito menos no que a linhas nos dizem, mas observar as entrelinhas deste cenário em que “os lados” de lá estão mais enrolados que os de cá. Afinal, como explicar que um preso político ( em solitária) bombardeado 25 horas por dia (sic) ainda assuste toda essa gente “proba”? Uma coisa é certa, alguma coisa está dando certo e está incomodando o lado de lá!

  18. …meu Véim…hoje como tô muito bonzim, vai aí uma outra sugestão para o teu próximo pôste:
    O GRANDE LULA, PISA NO RABO E ENCURRALA A DIREITA , E PERGUNTA SE QUEREM ELE OU O HADDAD COMO PRESIDENTE.
    Pra fechar o texto tú explica pros Bolsotários, que no primeiro turno o Nordeste leva o HADDAD para o segundo, e no segundo os que hoje dizem que não teem candidatos o elegem presidente.
    OLÊ…OLÊ…OLÊ…OLÁ…HADDAD LÁ…HADDAD LÁÁÁÁ…

  19. Quem aqui ainda acredita no demiurgo Lula? E até quando? Afinal, o PT é um partido político dos trabalhadores ou uma seita de seguidores? Antes de tudo, falta uma auto crítica ao PT e seus dirigentes. Lula inocente? Odebrecht inocente? Zé Dirceu inocente? Vaccari inocente? E Palocci? Ah, esse sim é culpado…

    Infelizmente o PT tornou-se exatamente aquilo que diziam combater.

  20. E depois de idas e vindas, eis que o PT inova, e apresenta uma chapa “Triplex”. (tenho certeza que não vai acabar bem)
    Com cara, formato e jeito de andar de “chapa fake”!

  21. No PT existem áulicos e alcaguetes. No passado eram minorias; hoje já não se pode dizer o mesmo. Kotscho nunca fez parte de nenhum desses contingentes. Desde o nascedouro esteve alinhado ao pensamento independente e crítico, que são suas marcas registradas, ambos sustentados por uma ética jornalística íntegra e indestrutível.

  22. Acredito mesmo que, desde o momento que alertei o Senhor Kotscho ,ninguém mais ignora que a taxa de desemprego já estava em 11,25% no governo Dilma e, com tendência alarmante de crescimento. O que me faz pensar assim é que os militantes participantes não tocaram mais no tema desemprego que ,infelizmente, ainda ronda os 13%.

  23. Pois eu achei seu texto maravilhoso, tanto que falei muito dele num modesto (como diria Ciro), programa que temos, numa modesta (como diria Ciro) tevê do Maranhão. E não é nem um pouco difícil entender como dói dizer o que você disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *