Cármen Lúcia poderia explicar o misterioso processo contra Alckmin

Cármen Lúcia poderia explicar o misterioso processo contra Alckmin

Pela primeira vez, a ministra Cármen Lúcia, vai assumir o comando do país, sem intermediários, justamente nesta sexta-feira, dia 13 de abril de 2018.

Com a viagem do presidente Michel Temer ao Peru para participar da Cúpula das Américas, a suprema ministra do STF, que é a terceira pessoa na linha sucessória (os presidentes da Câmara e do Senado também viajaram porque são candidatos este ano), fica na Presidência da República por dois dias.

Todo cuidado é pouco. O Estadão informa que a ministra “promete ser discretíssima”, mas não devemos nos esquecer que ela não aceita pressões e só coloca em pauta o que quiser, se e quando achar oportuno.

Autora dos votos de minerva que salvaram o mandato de Aécio Neves e determinaram a prisão de Lula, Cármen Lúcia não gosta de ser contrariada.

Caso tivesse interesse, durante a interinidade a ministra-presidente poderia convocar uma entrevista coletiva para explicar os tantos mistérios, segredos e coincidências, que não são poucos, do processo instaurado contra o presidenciável Geraldo Alckmin, acusado por delatores de receber propinas da Odebrecht, o que ele nega.

Para começar, gostaria de saber por que este processo corre em sigilo de justiça desde novembro do ano passado, ao contrário do que acontece com outros políticos denunciados.

Depois de Alckmin perder o foro privilegiado por ter renunciado ao cargo de governador na semana passada, o processo foi enviado do STJ para a Justiça Eleitoral de São Paulo, e não para a força-tarefa da Lava Jato paulista, que tinha pedido urgência no envio.

Por que? Outros governadores renunciantes na mesma situação não tiveram a mesma sorte.

Quem tomou esta decisão encampada pelo STJ foi o número dois da Procuradoria Geral da República, Luciano Mariz Maia, que vem a ser primo-irmão do senador José Agripino Maia, do DEM, que quase foi vice na chapa de Geraldo Alckmin nas eleições presidenciais de 2016.

As coincidências não terminam aí. Nesta sexta-feira, ficamos sabendo pelo Estadão que o promotor responsável pelo processo de Alckmin, remetido à 1ª zona eleitoral de São Paulo, Luiz Henrique Dal Poz, é um velho conhecido dos governos tucanos.

O promotor Dal Poz foi chefe de gabinete do atual secretário de Justiça, Marcio Elias Rosa, no tempo em que este era chefe do Ministério Público Estadual em São Paulo.

No maior estado do país, comandado por governos tucanos há mais de 20 anos, há um intercambio permanente entre membros do Ministério Público e do Judiciário revezando-se em funções no Executivo. Fica tudo em casa.

Outro detalhe que poderia ser esclarecido é porque Alckmin prestou depoimento em sigilo, e por escrito, quando o seu caso ainda estava no Superior Tribunal de Justiça, um fato que só hoje foi revelado pela Folha.

Como autoridade máxima do Judiciário, e agora também no exercício da Presidência da República, Cármen Lúcia teria todas as condições de explicar o que está acontecendo nestes estranhos procedimentos envolvendo o processo do ex-governador Geraldo Alckmin.

Mesmo diante de tantas evidências, há quem ache tudo isso muito natural, como comentei no post anterior.

“É ilusão acreditar em perseguição contra Lula e PT”, proclama o sociólogo Bolívar Lamounier, um intelectual tucano sempre de plantão para defender seu partido.

Em entrevista hoje à Folha, Bolívar justifica a prisão de Lula, afirmando que “foram constatadas irregularidades gravíssimas” no caso do ex-presidente, mas não cita nenhuma.

Quando perguntado sobre o mensalão tucano de 1998, denunciado há mais de dez anos pela Procuradoria-Geral da República, em que ninguém até hoje foi para a cadeia, o sociólogo defendeu o ex-governador mineiro Eduardo Azeredo, condenado em primeira e segunda instâncias a mais de 20 anos de prisão. Vejam que pérola:

“É claro que Azeredo não representa risco nenhum para a sociedade, para o processo. É uma figura tranquila, serena, não sobe em palanque em dia sim e outro também”.

Assim, pelo seu raciocínio, Azeredo tem todo o direito de ficar solto, enquanto Lula deve ficar encarcerado:

“Se Lula ficasse solto por alguns anos, com a capacidade de mobilização que ele tem, é evidente que criaria obstáculos para nunca ser preso”.

Deu para entender?

Na República das Bahamas proclamada pelo patriota Oscar Maroni, o dono do bordel que distribuiu cerveja de graça para comemorar a prisão de Lula, agora é crime ter “capacidade de mobilização”, segundo a tese do sociólogo tucano.

É melhor ficar todo mundo quietinho no seu canto sem fazer muitas perguntas nem pressões.

E seja o que Deus quiser.

Vida que segue.

 

31 comentários em “Cármen Lúcia poderia explicar o misterioso processo contra Alckmin

    1. Concordo com seu comentário, mas não acho justo criticar a pobre alface. Já não bastasse o abuso que sofre o chuchu, cujo picolé na verdade é uma delícia.

      1. Peço desculpas ao sr. Alface, hortaliça que gosto muito, pela comparação. Mas que o “Santo” é um zero em carisma, ah…
        Seus seguidores dirão que “ele não tem carisma mas é honesto…”. Então, tá!!

  1. jornalista so um imbecil nao entende que essa lava jato nao e para combater a corrupçao era para acabar com o governo do pt,olha aquela foto do moro sussurando no ouvido do aecio junto com o temer o alckimim era tudo que a midia golpista e a elite desejava o brasil so para eles ,revoltante ver um pobre apoiando essa corja,,que roubar e ficar de boa delata o lula ou qualquer um do pt,esse juiz e um psicopata

    1. Genial, Paulo Caruso. Considero os chargistas, genios subvalorizados. Prova: a monumental charge sobre o feriado em comemoraçao ao Dia da Conciencia Negra: crianças negras vendendo água e salgadinhos pra banhistas brancos e cheirosos. Fico arrepiado, comovido e revoltado, sempre que recordo. E se tem alguma importância: sou “branco”.

    1. Pelo menos em alguma coisa o cientista político do PSDB acertou: o país tá precisando dum Parlamentarismo. Está caminhando á passos largos para uma crise institucional (é só o Congresso tentar barrar um ministro da suprema corte). O pedido dum jurista já está á caminho do Eunício. Assim, uma nova constituinte far-se- á necessário. Esta já está bastante emendada.

  2. Kotscho, nas conversas de bar com seus colegas, os mesmos acham o que dessa situação, onde se pune só o PT, e os tucanos podem voar a vontade.

  3. O que identifica uma pessoa de personalidade forte é a sua capacidade de se manter de pé diante da adversidade. Nem se trata de discutir o alfa e o ômega (o início e o fim) da queda dum grande líder da esquerda. O debate do organograma da estrutura do poder no Brasil saiu das gavetas do planalto e foi parar nas praças públicas; ciente de que o debate político com a participação popular é a única saída da crise política e econômica que assola o país. E não existe melhor sensação de prazer do que ver por detrás das grades aqueles que atrapalham a vida da sociedade em proveito próprio. Mais importante que ficar preso é devolver tudo, que, em companhia de sua família, roubou.

  4. Se a investigação em questão é sobre caixa dois de campanha,é óbvio que a investigação tem que ficar com o TRE.No caso do Lula não,as acusações são outras bem mais tenebrosas.

    1. Já no caso do Aécio a desculpa é o “foro privilegiado” ou qualquer outra, por mais esfarrapada que seja, sempre haverá quem as engula.

  5. Enquanto o verdadeiro Bolivar revira na
    Tumba, podemos pensar num gênero de título máximo para a suprema… presidenta é que ela não será, assim espero.
    Abraços

    1. O verdadeiro Bolivar? O “George Washington” da América do Sul? Com certeza ele se revira na tumba mas mais por causa de seu nome que foi surrupiado pela Esquerda tacanha e atrasada.

  6. Caro Kotscho, eu não sabia que puteiro tinha porta voz.
    Um puteiro sem “menage a trois”, só 6×5.
    Um puteiro com cardápio e tudo cujo prato destacado é “Datafolha a putanesca”…

    -Se o Lula não puder ser candidato tu vai votar em quem?
    – No Lula.
    – Mas ele não pode, qual a tua segunda opção?
    – Lula.
    – Porra, finge que ele não existe, nunca existiu, em quem tu vota?
    – Lula.
    – Não vale mais falar o nome do Lula, está proibido. Em quem tu vota?
    – 13.

  7. Ricardo, voce está coberto de razão em suas ponderações e inquirições. Veja a que ponto chegamos com o completo direcionamento do judiciário, fruto muitas vezes do processo de QI para as promoções de carreira, até chegar ao STF.
    Hoje que é adepto do PT está sentindo na pele com o processo do Alckimin, Aécio e Cia., a mesma indignação que sentimos no processo do mensalão onde tinhamos um Tofolli totalmente comprometido com o PT e não se deu por impedido, somado à cara de pau de um Lewandoski fazendo suas estripulias, inclusive inventando uma jabuticaba para não tirar os direitos politicos da Dilma. Quem é apartidário fica atonito de ver triunfar tantas nulidades e cara de pau…. Aliás, ninguem aqui vai mais crucificar o Gilmar Mendes?

  8. Nojo asco e so o que sinto por essa pseuda justiça da República cloaca das Bahamas com os seus representantes máximo Sergio Moro e Carmen Lucia

  9. Kotscho, é tão descarada a proteção da Carmen Lúcia aos tucanos e outros emplumados que eu me sinto como a atriz Gloria Pires que declarou com a cara mais boba do mundo quando foi escalada para cobrir o Oscar: “Não consigo opinar”. E só! Realmente somos todos imbecis! Vamos reclamar mais o que?

  10. O caso do Alckmin é estranho e merece toda pressão e cobertura da mídia. O problema do PT e esquerda é usar esse erro e outros erros para tentar justificar uma perseguição a eles ao invés de propor soluções. A bancada do PT em vez de trabalhar está lá em Curitiba.

  11. Ha mais de dez anos, vez ou outra, eu falava aqui que, se o PT saisse do governo e deixasse o nosso povo a mercê dos seus inimigos, por mais que rivesse feito, não teria feito nada. Dito e feito foi o que aconteceu e o própio PT ficou a mercê. Eu chamava a atenção para o lado institucional. LULA e DILMA tiverem condições de assegurarem pelo menos um STF com pedigree ideológico e nâo fizeram isto. Estavam hipnotizados???Mesmo depois do mensalão não deram importância à esta questão .Não precisavam nem olhar as fichas dos nomeados bastavam olharem ,as suas caras.Como é que um presidente nomeia para a suprema corte do pais individos com as caras do Fux, Carmem Lúcia, Rosa Weber, Fachin, Tófolli, Barroso, ???Acho que em filmes de faroeste torciam pros bandidos.

    1. Meu mano, Cristo acertou onze das doze nomeações. Dilma caiu por ser honesta, digna e honrada. Lula foi condenado pelos acertos, meu querido irmão, e não pelos erros. Abraço e bom fim de semana.

      1. Primeiramente lhe parabenizar pelos seus comentários, mas se o congresso tivesse a certeza que o golpe seria morto no judiciário, com certeza dariam todo apoio a DILMA, provavelmente nem esta palhaçada de lavajato existiria.

  12. A que ponto chegamos nas invers?es: o supremo direito de defender, no STF, posições minoritárias com base na Constituição é relativizado pelo ainda não explicado e muito temido clamor social; já Lula é considerado culpado a priori pela sua capacidade de mobilização. Social, claro!
    Sabe de uma coisa? Há mesmo “irregularidade gravíssima”: o operário não sucumbiu diante da narrativa criminosa que sobre ele se abateu: “populista”, seu êxito inclusivo seria decorrência somente do céu de brigadeiro de uma conjuntura favorável que jamais se repetiu e também do carisma inebriante e ludibriador. “Corrupto”, teria ficado à frente de um esquema sem precedentes de assalto organizado ao erário, para fins de campanha e enriquecimento pessoal. O vilão preferencial em pessoa para os sub-leitores de um país sem Öffentlichkeit (esfera pública do público). Encaixotamento sistemático na página 2.
    De fato, o cientista detectou uma irregularidade na história da política. Gravíssima para as elites!

  13. Prezado Kotscho: Concordo cm você que “É melhor ficar todo mundo quietinho no seu canto sem fazer muitas perguntas nem pressões”, fazer uma panela de pipoca e assistir os “101 Dálmatas” na sessão da tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *