Faltam apenas sete meses e nem parece que vai ter eleição

Faltam apenas sete meses e nem parece que vai ter eleição

Já vamos entrar em março, a campanha oficial começa a 15 de agosto e a eleição está marcada para o início de outubro.

O tempo corre e até hoje não temos nem candidatos definidos, nem alianças formadas e muito menos qualquer sinal de projetos e propostas para o país.

A sete meses e alguns dias da abertura das urnas, nomes entram e saem nas pesquisas e nada muda desde meados do ano passado.

Declarado “irregistrável” pela Lei da Ficha Limpa pelo novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luiz Fux, o ex-presidente Lula ainda é líder disparado em todos os cenários nos dois turnos e na pesquisa espontânea.

Em segundo lugar, com metade da intenção de votos de Lula, segue firme na segunda posição o deputado de extrema direita Jair Bolsonaro, que ainda não tem partido definido e neste momento está fazendo campanha no Japão.

O resto não passa de um dígito.

Depois de ser condenado em segunda instância, correndo o risco de ser preso a qualquer hora, Lula ainda luta nas instâncias superiores pelo direito de concorrer, mas cada vez menos gente acredita que a Justiça vá permitir sua candidatura.

Com a desistência do apresentador Luciano Huck, os candidatos governistas lutam entre si, e até o presidente Michel Temer, com 1% de intenção de votos no Datafolha, agora quer concorrer à reeleição, embolando o meio de campo.

Na mesma faixa correm Henrique Meirelles, do PSD, e Rodrigo Maia do DEM, também com índices próximos do traço nas pesquisas.

Estão virtualmente em campanha, já lançados por seus partidos, Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Álvaro Dias (Podemos) e Manoela D´Ávila (PCdoB). Marina Silva (Rede) continua no vai não vai.

Todos disputam o espólio de Lula e ganham alguns pontos nas pesquisas sem o ex-presidente, mas, por enquanto, quem aparece na frente deles é justamente o candidato que o petista indicar, que teria 27% dos votos sem o nome dele na lista, segundo o Datafolha.

Um dos nomes cogitados pelo PT para substituí-lo é o de Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, o que talvez explique a operação de busca e apreensão no apartamento dele em Salvador desencadeada na manhã desta segunda-feira pela Polícia Federal.

O fato é que nenhum dos citados acima disse até agora nada de novo sobre o que pretende fazer caso ganhe as eleições de outubro.

Não há sobre a mesa nenhuma proposta concreta para o combate ao desemprego, por exemplo, que dirá de um projeto de país. .

Os candidatos governistas defendem a mesma política econômica de Temer, com privatizações e reformas, não vão além disso.

Nunca tivemos uma campanha presidencial tão sem esperança como essa desde a redemocratização do país.

Com o cenário ainda totalmente indefinido, a disputa se dará mais uma vez não sobre ideias e programas de governo, mas em torno dos nomes definidos na formação de alianças capazes de oferecer mais tempo der TV e recursos do fundo eleitoral.

A esta altura, fica difícil aparecer algum outro “outsider” tipo Huck, algum nome novo que o ex-presidente FHC e o mercado ainda tentam encontrar.

Até 15 de agosto, data limite para os partidos registrarem seus candidatos, dificilmente haverá grandes alterações nas pesquisas.

Tudo indica que teremos uma eleição sub-judice enquanto o STF não definir se Lula pode ou não ser candidato.

É tudo tão imprevisível que, do fundo do poço da aprovação do seu governo e da sua popularidade, de repente até Temer pode se tornar um candidato competitivo, algo inimaginável poucas semanas atrás.

Ninguém hoje é capaz de prever as consequências da intervenção militar no Rio de Janeiro na campanha eleitoral, a grande bandeira do governo depois da guinada radical de Temer ao abandonar a reforma da Previdência e se vestir para a guerra.

Se a gente que é daqui está fazendo análises no escuro, fico imaginando as dificuldades dos correspondentes estrangeiros e dos enviados especiais de outros países escalados para cobrir as eleições brasileiras.

E vida que segue.

 

 

43 thoughts on “Faltam apenas sete meses e nem parece que vai ter eleição

  1. Realmente só nós latino-americanxs conseguimos, com dificuldade, nos localizar nesta enorme salada eleitoral. Correspondentes estrangeirxs devem ficar mesmo sem saber por onde começar… Infelizmente nós conhecemos os caminhos e as tramoias, o que nos deixa mais a vontade mas, ao mesmo tempo, profundamente desanimadxs…
    Abs!

  2. No auge da Grande Depressão dos anos 30, que se seguiu ao “crash de 1929”, a taxa de desemprego chegou a 16,4% nos EUA. Os registros da imprensa da época mostram os grandes economistas de então, notadamente Keynes, debatendo nos principais jornais e universidades, quanto ao que fazer para debelar a situação social desesperadora na economia e na sociedade. Foi quando Keynes – que teorizava para retirar a economia do fundo do poço -, ganhou reconhecimento mundial por mostrar a saída daquela Grande Depressão. A não solução daquela grande crise mundial acabou criando o caldo cultural que desaguou na II Grande Guerra. No Brasil, cuja renda da população per capita caiu mais de 30% e o PIB quase 10% – números jamais vistos na história da economia brasileira -, atualmente tem uma taxa de desemprego perto da norte americana daqueles tempos sombrios. E o máximo a que chegam os economistas, é repetir o surrado receituário liberal. O mesmo que levou àquela crise de 1929 e à mais recente de 2008. Uma nova onda de ‘privataria’ na bacia das almas e arrochos tributários e salariais estão a caminho, sem nenhuma solução à vista para os náufragos do desemprego. Keynes tem sido tratado como se nunca houvera existido.

  3. Se não há ninguém tratando seriamente do desemprego assustador, a literatura brasileira respondeu sarcasticamente sobre o tema, com duas publicações: o “Manual da demissão” e “O fogo na floresta”. Mesmo com o encolhimento de mais de 20% do mercado editorial nos últimos dois anos.

  4. O perigo de intervenção militar deve objetivar fazer aquela ‘limpeza dos indivíduos inúteis á sociedade’, investir em Educação dá muito trabalho, haja vista que a tática de guerra é a mesma usada em guerrilha: fecha o cerco por ar e terra, depois…Sobre Política, embora terá muito tempo na TV, Bolsonaro não passará dos 15% no resultado geral do pós-eleição; Marina terá menos tempo, mas terá um pouquinho mais de votos. Embora o povão não esteja acreditando no MDB, do Temer, deverá sim, vencer. Pela tradição, sempre vencem. Quanto ao destino do Lulopetismo, me faz levar para a reflexão a psicologia existencial de Kierkegaard: “- A forma mais comum de desespero é não ser quem você é…”
    “- Para Deus tudo é possível, portanto a morte não é o fim”. Vamos morar na Alemanha, 97 milhões de habitantes.; Dinamarca 5,7; Nova Zelandia, Suécia. A moeda vai voltar ao passado, de 1820, e será o rigsdaler da Noruega, em papel ou em moeda. Feliz mesmo foi o Kierkegaard, que recebeu como herança 31 mil rigsdaler de seu pai, – e isso nem lhe causou tanta “Angústia”. Das obras por ele escritas. Não é ironismo, mas, Lá nos países nórdicos, nem paulista nem nordestino conseguem sobreviver. Apesar da corrupção, bom mesmo para morar ainda é o Brasil. Aqui tudo pode. Vida que segue.

  5. Mas, anotem aí, quem quer que seja terá que fazer uma reforma previdenciária profunda. A alternativa é voltar aos anos 80 da hiper inflação e recessão. Portanto, nada de Fal x Flu ideologizado. Lembrem-se que, Lula, ao se eleger em 2002, a primeira ação foi propor e levar adiante uma reforma previdenciária, da qual, como se sabe, originou-se o racha com a debandada de vários parlamentares autênticos para o PSOL. Só para lembrar, no Rio de Janeiro, para cada professor na ativa há 26 inativos e , dos 420 mil servidores, 250 mil estão aposentados e, dentro de 5 anos, outros 50 mil o farão. Esta é a situação. Em outubro de 2016 o governador de S.Paulo nomeou 1800 PMs, mas já em janeiro, 4 meses depois, 3500 se aposentaram.

  6. O pior é que o que livrou os EUA da Depressão foi a queda de governos progressistas da América Latina, que na década de 1930 iniciavam a ISI, Indústria por substituição da importação…
    Quando aqui entrou o Dutra foi uma festa da privatização, fantasiada de cosmopolitismo.
    Parece que a industrialização do 3º mundo não é muito bem vinda no Hemisfério Norte…!

    1. Só pode haver prisão se houver provas irrefutáveis. Caso contrário, a prisão é injusta, mesmo que muitos a desejem. Como exemplo comparativo, muitos cristão defendem que ateus devam morrer, simplesmente por não acreditarem no seu deus; neste caso, a vontade destes cristão deve ser atendida?

  7. A mistificação da reforma da previdência faz água. O resultado da execução orçamentária apresentada hoje, 26/02, mostra que a dívida (que iria explodir e fazer o mundo acabar no Brasil), do dia para a noite, após sua desaprovação total, completa e absoluta, simplesmente diminuiu. Senão vejamos: a dívida pública do governo federal fechou em R$ 3,528 trilhões em janeiro de 2018. Em relação a dezembro de 2017 (R$ 3,559 trilhões), houve queda nominal de 0,87%. O relatório da dívida foi divulgado nesta 2ª feira (26.fev.2018) pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda. Bastou o BC diminuir a lambança com a lunática taxa de juros e, mesmo com um déficit formidável, a dívida pública diminuiu. Isso apenas comprova que o grosso e principal do problema da dívida sempre foi , é e continua sendo, a política monetária de loucos de hospício praticada pelo BC. Há uma mera coincidência entre o ITAU ser o banco com maior lucratividade trimestral no período correspondente ao seu ex-economista chefe ter se tornado presidente do BC. O Brasil é um país incomum em matéria de coincidências e de teses escatológicas para justificar a supremacia do interesse dos bancos, financeiras e seguradoras privadas.

  8. O PSOL me parece ser o único partido com uma proposta clara para o país, independentemente de quem seja o candidato. Infelizmente, há uma enorme rejeição aos partidos de esquerda pelo eleitorado brasileiro, e os nomes do PSOL não têm nenhum peso entre a opinião pública, o que, por enquanto, faz com que não tenham nenhuma chance. O cenário é de fato preocupante.

  9. O fato é que após a eleição de 2014, o Brasil é vítima de complô político, jurídico e midiático, que vai até 31/08/16, quando via golpeachment depõem a presidente Dilma e jogam no lixo 54,5 milhões de votos de cidadãos brasileiros.
    Também é fato que o golpe não vinga, ao não normalizar e ao atolar o país, via pautas-bomba a devastar a economia e via consequências da violência contra a democracia e a vontade de milhões de golpeados.
    Com o país travado e embricado no caos social, a eleição de 2018 passa a única possibilidade de reconcilia-lo e recompô-lo, via restauração democrática, sem que a tragédia à porta aprofunde-se.
    Portanto, não trata-se de definir candidatos, o povo sabiamente intuiu que disponível, não há candidatos, há um candidato capaz de tirar o país do buraco em que o meteram os arquitetos da desigualdade, que não enxergam-na, mãe de todas as nossas mazelas. Daí o medo e a pressa lavajateira.
    O país nesse delicado momento, Mestre, precisa de arquiteto que saiba demolir a desigualdade, ao mesmo tempo que forja a elite que substitua a classe dominante e possa construir, com e para todos, uma nação justa e soberana.
    Porém é fato o que escreve, e se ‘cada vez menos gente acredita que a Justiça vá permitir a candidatura’ eleita do povo, isso não é justiça e algo precisa ser feito para corrigi-la, sem o que, muito pior, ao não ter-se justiça, é não ter-se nação, paz, rumo e principalmente, futuro.

  10. Mestre de uma coisa pode ficar tranquilo! Lula estará fora das eleições ou por via Fux ou por via STF. Neste país de pamonhas, não foi dado um golpe atras do outro para a entrega do poder novamente ao PT. Qualquer um que Lula indicar estará no segundo turno e com chances de levar o pleito. Minha dúvida, e este assunto acho que o Balaio tem condições de discutir, é a seriedade da urna eletronica. Uma eleição onde não existe forma de ser verificada, auditada sem voto impresso é absurda!! Países sérios como EUA e Alemanha já disseram que para uso da urna eletronica era necessário o voto impresso para, verificação por amostragem ou auditoria naquelas que se supoe alguma especie de fraude. Aguardo sua posição…

    1. Braga, BH, eu não tenho nenhuma dúvida sobre o bom funcionamento das urnas eletrônicas no Brasil, que servem de modelo para outros países.
      Nesta eleição, pela primeira vez, em algumas cidades haverá também voto impresso, mas isso sim pode levar à fraude por colocar em risco o sigilo do voto que deve ser secreto.
      Este argumento de que as urnas eletrônicas podem ser fraudadas foi levantado pela campanha de Aécio em 2014 para tentar anular a eleição. E os técnicos do TSE provaram numa auditoria que não houve nada de errado.
      Ricardo Kotscho

      1. Ricardo, diz o ditado: Fé cega faca amolada. A questão da segurança do voto eletrônico não está na urna, e sim na transmissão dos votos (dados). Gente que entende do riscado diz que há sim a possibilidade de interferir no resultado da votação pela transmissão, desta forma, fazer a contagem como a do pedido do Aécio, confere apenas quantos votos chegaram, não quantos partiram. Tem garoto de 15 anos que entra no site do Pentágono nos EUA, para eles não seria problema entrar no site do TRE, e colocar lá um robô que converta voto em x para voto em y. Como faziam os coronéis no passado, só que ao invés de usar “fiscais”, usar a informática. Posso confiar na urna, mas não confio no sistema como um todo. Se Gilmar mendes confia, mais um motivo para que eu não confie.

        1. A urna eletrônica é um computador, só o TSE, tem acesso ao código-, então tem que confiar; basta ter um programa pra isso que você altera o resultado pelo seu próprio computador. Cada vez que toca, só soma em um número para o infinito. Discordo do colega, a questão está na assinatura digital.

      2. Kotscho apenas dando uma resposta ao seu comentário: Já li várias análises de vários doutores em computação que são enfáticos: a urna é inviolável de fora pra dentro. Se houver violação seria no programa ou ainda na transmissão. O voto impresso, pelo que consta na solicitação ao TSE não seria manipulado. Uma impressora, como esta de caixa de supermercado, imprimiria o voto no final de todas as escolhas, o eleitor ao verificar a conformidade de seu voto daria um novo FIM e o voto já cairia na urna acoplada à esta impressora. Simples e fácil de ser implementado. E, lembrando ainda de 2014, faltava 1:30h para o fim da eleição no Norte e Nordeste e Aécio e sua trupe já comemoravam a vitória. De onde ele tirou esta informação? Apenas na pesquisa do IBOPE? Duvido. Tinha alguém infiltrado no TSE de posse de dados que ninguém sabe contar… E vida que segue!

      3. “eu não tenho nenhuma dúvida sobre o bom funcionamento das urnas eletrônicas no Brasil, que servem de modelo para outros países.”

        Que países desenvolvidos usam este sistema? Nenhum…como diz o Alemao…”Träum weiter….”

        1. Você tem toda razão, caro Abel, a minha informação está errada, mas não sou inocente nem mal intencionado. Foi apenas um erro meu.
          O Brasil é hoje o único país do mundo que ainda usa urnas eletrônicas de primeira geração sem voto impresso (em algumas cidades, o TSE mandou instalar este ano).
          Embora tenha sido o pioneiro no uso desta tecnologia, o Brasil ficou para trás, como em tantas outras coisas.
          Mas vou continuar sonhando (“träum weiter”)que um dia as coisas vão melhorar…
          Grato pela participação,
          Ricardo Kotscho

  11. Coreia do Norte deveria ser o paraíso dos fantoches brasileiros, não tem marqueteiro, não tem propaganda eleitoral, não tem eleição, não tem maçonaria, não tem PCC, CV……e ta cheio de milico nas ruas.

  12. Ótimo artigo e lúcida análise. Insisto em dizer que tudo o que está acontecendo no Brasil é com a soberana permissão do Povo brasileiro: os ônus e os bônus. Só a luta nas ruas, escolas, universidades e todas as demais instâncias dirá a verdade e apontará a vontade popular.

  13. Eu ainda acredito na mudança através do voto.
    A grande mídia faz de tudo para o povo desacreditar nos políticos mas nós só precisamos ter responsabilidade e critério para escolhermos nossos representantes.
    Sou eleitora fiel de Patrus Ananias aqui em MG e ele representa o lado bom da politica.

  14. Kotscho, teu post me pegou de surpresa.
    Não havia pensado nisso. Sete meses para as eleições, apenas.
    Aí dá medo. Pode acontecer de tudo.
    Melhor não ir ao Rio.
    Muito perigoso!
    E se alguém “Temetralha” ?(ops).

  15. Os técnicos são bons para a esquerda quando lhe interessa. Quando não interessa são chamados de mentirosos como aqueles que estão desvendando os arquivos da Odebrecht, onde aparecem os nomes do “amigo”, “amante”, “aracaju”, “avião” etc. O que todo brasileiro honesto não quer é a implantação do governo venezuelano no Brasil, país esse adorado e defendido pelo blogueiro e seus amigos da esquerda. Lembrando que até agora não teve coragem de escrever uma linha sobre a fuga em massa de venezuelanos fugindo da fome e da miséria expondo uma tragédia humanitária. Qual seria o motivo do silêncio? Vida que segue

  16. Vou chutar. Pode? Sei, sei, o chute é a mania de Ph.D dos… sem caldo cultural. Pode? E já metendo a bola às nuvens: Os sanguessugas do Poder, querem eleição em 2018? Querem? Hmm… Até general tá virando Ministro, desbancando o civil. Isso pega? Sabe aquele acréscimo de 8 minutos no futebol? É imoral, porém o do apito… é soberano. Já pensou… um juizeco impichado e com “generais” a tiracolo? Sete meses e não abriram a lojinha do Abrão. Pode estar tudo fechado… pra balanço. Temer quer eleições? Hmm… “Bensa nois bobu”?

  17. “Ao ser produzida como factoide, caso da intervenção federal no Rio, o ato encobre o fato. A segurança é uma questão urgente. Mas não é possível enfrentá-la sem admitir que a política de “guerra às drogas”, que já foi abolida em partes mais sérias do mundo, é parte determinante do aumento da violência”. O texto de Eliane Blum no El País hoje está insuperável. Vale a leitura.

  18. Como é fácil pegar a incoerência da esquerda. Já escreveu até das eleições francesas. Preciso printar a matéria? Desculpa Ricardo tente ao menos preservar a dignidade. Acho que trilhar o fanatismo político pode lhe tirar a credibilidade. Abraços

  19. O PT diz que inscreverá a candidatura de Lula no dia 15 de agosto, ainda que esteja preso. Trata-se de tática na defesa política do ex-presidente. Dirceu discorda, porque olha mais para o partido do que para Lula. Sua avaliação é de que Lula será preso e não reverterá a situação para largar na raia. É por isso que o Plano B seria fundamental, embora a retórica para o público seja de que essencial é o Plano A. Haddad não tem simpatia da cúpula para ser o “herdeiro”, mas o partido decidirá em 15 de agosto: ou banca a candidatura Haddad, ou mesmo a contragosto vai de Ciro Gomes. O quadro geral das pesquisas determinará o desfecho.

    1. Com prováveis condenações em processos da Justiça federal, Lula já está fora da disputa política. O paulistano nascido em Quatá, interior de SP, Álvaro Dias, já começa aparecer nas pesquisas, e pela sua biografia de honestidade, renunciou até a uma aposentadoria de governador, pelos votos que tem dado como senador nas principais propostas de reformas sociais-, pra mim é um nome que merece respeito, e que o RKotscho já deveria estar citando aqui, pois ele está crescendo nas pesquisas, e deverá surpreender.

      1. José Anísio,
        Lula só estará fora da disputa política quando o TSE assim o decidir. Paulistano é quem nasce em São Paulo, capital. Até onde sei, Álvaro Dias não renunciou a nada. Ex-governadores do Paraná, por determinação legal, foram proibidos de receber aposentadorias. Vamos aguardar as próximas pesquisas. Se acontecer o que você prevê, certamente falarei dele.
        Grato pela participação,
        Ricardo Kotscho

        1. Correto em tudo. Voltei lá atrás na explicação da minha professora do ginásio: “paulistano” quem nasce na cidade de São Paulo, e “paulista” pra quem nasce no estado de São Paulo, em geral. Logo, o Álvaro Dias, apesar de ter sido criado em Maringá é um paulista, e não paulistano. Realmente são os apoiadores do candidato Álvaro que estão usando o argumento de renunciar á aposentadoria, que fora decidido de forma legal. O velho Kotscho provou estar atento aos fatos! Lembrando que já foi marcado para o dia 1º (nesta 5ª feira) a definição de data de julgamento pela turma do TSE do habeas corpus do ex-presidente que dependerá de deliberação tb do plenário do STF pra poder se candidatar, sem ser preso antes, como pode ser, quanto á prisão preventiva prevista no julgamento passado do TF4. Afinal, estamos em pleno ano eleitoral; pois, que, ainda não tem data marcada p/ julgamento de igual pedido da defesa do ex-presidente ao STF. Creio que tenha pesado mais foi a solicitação feita de recurso da OAB dirigida ao STF para agilizar as coisas.

  20. Acho engraçado quando leio…..”aqui só falo do Brasil”……..”Venezuela não é nosso país”…….quero saber se essas centenas de venezuelanos que “desembarcam” por aqui, não temos nada com isso?.

    é claro que a esquerda se cala, assim como o nobre jornalista, para eles louros só se colhem quando interessa…

    1. Sergio,
      se você está tão preocupado com os venezuelanos que só fala neles, deveria ir lá e prestar auxílio voluntário, em vez de ficar escrevendo comentários em sites.
      Eu estou mais preocupado com os brasileiros que se sentem como refugiados em seu próprio país.
      Ricardo Kotscho

      1. Kotscho, quem deveria prestar auxílio voluntário as centenas de venezuelanos, que todos os dias, desembarcam por aqui é o lula e a dilma que abraçam a esse ditador tirano, NÃO EU !!!

        Quanto ao Brasil, quem deve estar preocupado mesmo é o pete, afinal inflação controlada (abaixo da meta), crescimento da economia (ainda que pequeno), saímos de uma grande recessão(provocada pelo pete), e a estagnação no desemprego, são coisas “indigestas” ao partido, quando oposição.

  21. Qualquer um que entende um pouco de evidências científicas através de revisoes sistemáticas de literatura, análise de qualidade da evidência científica, risco de viés etc…sabe que, algo que nao pode ser AUDITADO, nao tem relevância. No fundo significa…mata a cobra e mostra o pau…ou o Kotscho é muito inocente ou é mal intencionado…vc escolhe Kotscho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *