Se deixarem ele voltar, como e com quem Lula governaria?

Se deixarem ele voltar, como e com quem Lula governaria?

Escrevo antes do julgamento, mas o tema que pretendo analisar aqui independe do resultado.

A pergunta do título me ocorreu depois de ouvir o discurso de Lula em Porto Alegre na terça-feira.

O ex-presidente atacou em várias frentes: centrou fogo no mercado, na mídia e na elite.

Como tem acontecido nas caravanas, falou para os já convertidos, os 70 mil apoiadores que lotaram a Esquina Democrática.

Mais do que ninguém, Lula sabe que uma coisa é ganhar a eleição e outra bem diferente é governar.

Digamos, por hipótese, que Lula consiga vencer todas as batalhas que tem pela frente no campo jurídico (além do triplex, ainda responde a outros cinco processos), a sua foto chegue à urna eletrônica e o resultado final confirme as pesquisas, levando-o de volta ao governo.

Em 2002, quando venceu pela primeira vez, ele costurou uma ampla aliança na sociedade civil expressa na “Carta aos Brasileiros” e afiançada pelo seu vice, o empresário José Alencar.

Passou o ano conversando com todo mundo, à direita e à esquerda, incluindo os grandes empresários, banqueiros e os barões da mídia, os sem terra e os donos do agronegócio.

Montou seu primeiro governo com nomes de destaque nas diferentes áreas, sem fazer restrições partidárias, e começou a governar praticamente sem oposição.

Trouxe para o Banco Central Henrique Meirelles, que tinha sido eleito deputado pelo PSDB de Goiás, e empresários como Roberto Rodrigues (Agricultura) e Luiz Furlan (Indústria e Comércio), que haviam apoiado abertamente o adversário tucano José Serra.

Entre a vitória e a posse, chegou a participar de uma reunião organizada por Aécio Neves, eleito em Minas Gerais, com governadores tucanos num hotel em Araxá, em que discutiram programas de governo.

Eram outros tempos. Não havia a guerra política instalada no país desde 2014, deflagrada pelo candidato derrotado Aécio Neves, logo após a reeleição de Dilma Rousseff, que acabou desembocando no impeachment, dois anos depois.

Dilma tinha perdido o apoio do PMDB do vice Michel Temer na Câmara, comandada por Eduardo Cunha, e enfrentou vários inimigos ao mesmo tempo: o mercado, a mídia e a elite _ exatamente os mesmos alvos de Lula em Porto Alegre. Isolada nos palácios, acabou caindo.

A nova aliança formada por PMDB-PSDB-DEM e o Centrão, que derrubou Dilma, agora procura um candidato único para enfrentar Lula num cenário em que, ao contrário de 2002, a esquerda entra na campanha dividida.

Até agora, embora Lula lidere com folga todas as pesquisas de intenção de votos, o PT não fechou aliança com nenhuma outra sigla. Aliados históricos, PCdoB e PDT já lançaram candidatos e o PSB ainda não sabe o que vai fazer da vida.

Tudo agora é completamente diferente de 2002. Com o país dividido e radicalizado, o Lula de 2018 lembra mais o de 1989, o ano da primeira eleição direta para presidente, do que o de 2002, quando se elegeu como o “Lulinha paz e amor”.

Que grande empresário hoje toparia ser vice de Lula revivendo a chapa “trabalho e capital” vitoriosa em 2002?

De que forma Lula conseguiria montar novamente um ministério multipartidário, com tucanos e tudo, considerado o melhor já formado após a redemocratização?

Toda a força política de Lula reside nas boas lembranças do seu governo, em que a maioria da população vivia melhor do que agora, mas a história não volta no tempo.

Se conseguir vencer todos os obstáculos colocados à sua frente pela Justiça, com que aliados no Congresso, nos partidos e na sociedade Lula poderia contar para governar?

De outro lado, os movimentos sociais e populares, que foram fundamentais para sua chegada ao poder, já não têm a mesma força e capacidade de mobilização de outros tempos.

Em Porto Alegre, Lula falou mais das conquistas do passado, que lhe deram 83% de aprovação, e estão sendo desmontadas uma a uma pelo atual governo, do que de propostas para o futuro.

Até a garantia de três refeições por dia para todos os brasileiros, que ele prometeu em 2002, agora está ameaçada num país com mais de 12 milhões de desempregados e a perda dos direitos trabalhistas.

Mesmo a transição civilizada do governo de FHC para o de Lula, no final de 2002, da qual eu participei como secretário de imprensa do novo governo, parece hoje impensável.

Daqui até a eleição, vamos conviver com estas duas guerras: a jurídica e a política, que acabam se confundindo, com a politização do Judiciário e a judicialização da política, que levou ao esfacelamento dos partidos políticos, em meio à barafunda institucional em que vivemos.

Agora vou ver o julgamento que já começou.

Qualquer que seja o resultado, não dá para saber como será o amanhã. Entramos na fase do seja o que Deus quiser.

Vida que segue.

 

21 thoughts on “Se deixarem ele voltar, como e com quem Lula governaria?

  1. Realmente é dificil prever quem toparia formar governo com o Lula.
    Mas arriscaria ousar 4 nomes: Meireles, Jucá, Renan e Sarney (este através de seus laranjas)

  2. Ou seja, isso significa que Lula é um governante inviável, ainda que fosse absolvido hoje. E volto a dizer, que o processo de hoje é o mais frágil de todos… Pois se este as provas são limitadas, o do Sítio de Atibaia, junto com as palestras fajutas bancados pela Ordebrech é farto de provas!
    E o que faz o Lula?
    Banca o inocente, desqualificando a imprensa, a Justiça e a inteligência dos não convertidos.
    Não precisamos de um novo Maluf que passou a vida inteira zombando da justiça, questionando as tais “falta de provas” contra ele…
    Vida que segue…

  3. Se o Lula voltar agora vai ser o fim do Brasil. Quem acompanha o Lula agora é só a milícia que mama nas tetas do governo e dão um prejuízo sem tamanho. Destroem fazendas produtivas e nada acontece com eles. Se o Lula voltar agora os trabalhadores que produz a riqueza do país estará perdida. Os políticos corruptos com certeza, vão fazer parte do governo como sempre fizeram.

    1. Como você está totalmente equivocado! Não sabe diferenciar uma mentira, calúnia, conspiração de uma verdade! O Lula não é corrupto! Só fez coalizões para governabilidade. Foi nisso seu maior calcanhar de Aquiles. Acabou se juntando a corruptos contumazes, que agora jogam em suas costas os crimes cometidos. Além do mais por ser um presidente os bens de que dispõe são modestíssimos!

  4. Kotscho, Obrigado por nos trazer seus conhecimentos , sabedoria e lucidez nestes tempos de incertezas.
    Obrigado por nos ajudar a pensar e não naufragar neste mar de informações onde parece que estamos à deriva.
    Penso que precisamos ser otimistas , resistentes e corajosos para continuamos em frente apesar de tudo. Já passamos por tempos piores de escravidão, dominação, repressão e alienação. A humanidade caminha a passos lentos mesmo, e as vezes até dá uns passos para trás, mas a vida segue né ?!
    Suas palavras sempre iluminam rumo a novos caminhos.
    Obrigado.
    Abraços

    1. Golpe é a traição que Lula fez aos trabalhadores!
      Golpe foi ver o partido que deveria estar ao lado dos trabalhadores TRAIR a todos os seus eleitores fazendo muito pior que as elites no poder. Quando Heloísa Helena saiu do PT, a coisa estava feia faz tempo!
      Golpe, foi ver esse vídeo do Leandro -> https://www.youtube.com/watch?v=ZZC3Q4S_afU
      Democracia = amplo direito à defesa e ao contraditório.
      Lula está sem direito à defesa?
      Lula está sem direito ao contraditório?
      Acorda cara

      1. O rancor que caracteriza a seita nao permite sequer a solidariedade diante do inimigo comum e, pior, mesmo acordado tem a cara de pau de falar em amplo direito a defesa e ao contraditorio, embora saiba e tenha amplo conhecimento que os ‘juizes’ no caso ja o condenaram, antes do processo, quanto mais da defesa e do contraditorio.
        Afinal, de fato, quem trai quem e de quebra o povo?

        1. 3 x 0 pra você Dias, adeus embargos infringentes graças a Deus!!!

          Quem trai quem e de quebra o Povo?
          Resposta: o Partido dos Trabalhadores!!!

          O mesmo PT que foi fundado com o discurso de defender a classe oprimida. Pois bem, chegaram ao poder e fizeram pior que a elite!

          Se o seu entendimento é que os juízes (de qualquer instância) foram imparciais já o condenando antes do processo, faz o seguinte: não compareça pra fazer sua defesa no tribunal Dias!

          Pronto cara, será julgado à revelia e todo seu discurso raso de golpe, golpe, golpe, golpe, golpe vai por água abaixo.

          Senta!

  5. Pois é Ricardo: por mais distante que pareça, o Jornalismo ainda é um exercício permanente de isenção. Como neste texto que você nos permite compartilhar. Chico Sapo.

    1. Tais falando dos patos amarelos ne sua demente rancorosa porque o Brasil real hoje ta e triste e indiginado por essa covardia desses tres bandidos Togados fizeram com o Lula mas a justiça de Deus a de fazer justiça para com o Lula Força presidente Lula o verdadeiro povo Brasileiro sempre estara contigo

    1. Democracia uma ova seu imbecil que democracia e justiça e essa que condena absurdamente uma pessoa sem provas isso e uma ditadura jurídica pura e simplesmente e vocês seus patos amarelos ainda tem a cara de pau de falar mal da Venezuela sando que aqui ta muito pior que a Venezuela

      1. Nossa que horror chamar alguém de imbecil. Sr Ricardo, o senhor não deveria aceitar isso neste espaço. Quer defender uma posição contrária tudo bem mas ofensas a um colega, não fica bem.

  6. O PT que dizia que iria defender a classe oprimida, deixou a classe espremida, e nesse primeiro jogo perdendo por um placar de 3 X 0 acho difícil numa próxima eleição o Lula encontrar aliados de peso até porque todo mundo quer seu time ganhando. Então para o Lula na política já acho que é VIDA QUE NÃO SEGUE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *