Eleições 2018: Stédile mobiliza MST em defesa de Lula e Exército entra em alerta

Eleições 2018: Stédile mobiliza MST em defesa de Lula e Exército entra em alerta

Há duas corridas eleitorais paralelas hoje em disputa no Brasil.

Uma se dá no plano político-partidário em que a base aliada do governo Michel Temer ainda busca encontrar um candidato de centro viável capaz de enfrentar Lula e Bolsonaro nas urnas em outubro.

Outra corre no Judiciário, no mercado e na grande mídia para impedir Lula de ser candidato, e já tem data e local marcado para a grande decisão: 24 de janeiro, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre.

À medida em que se aproxima o dia do julgamento do recurso do ex-presidente contra a sua condenação a 9 anos e seis meses de prisão em primeira instância, novos atores entram em cena, tornando o desfecho absolutamente imprevisível.

Primeiro, o prefeito tucano de Porto Alegre, Nelson Marchesan Jr. solicitou ao presidente Temer o envio de tropas do Exército e da Força Nacional para impedir manifestações em defesa do ex-presidente no dia do julgamento.

O pedido foi sumariamente recusado pelo governo federal, mas neste sábado o portal do Estadão informa que um vídeo divulgado esta semana por João Pedro Stédile, líder do Movimento dos Sem Terra, convocando os militantes para atos de protesto antes, durante e após o julgamento, “acendeu a luz de alerta” dos serviços de inteligência das Forças Armadas.

Em reportagem de Roberto Godoy e Ricardo Galhardo, ficamos sabendo que os militares estão acompanhando as movimentações de João Pedro Stédile e temem que possam evoluir para um confronto direto e violento com a polícia, e “pior, para a pressão além do limite sobre o Judiciário, sobre os magistrados, principalmente”.

No vídeo, Stédile afirmou que os 87 grupos reunidos na Frente Brasil Popular estão organizando manifestações diante de fóruns, não apenas em Porto Alegre, mas em outras capitais, “sobretudo da Justiça Federal para mostrar nossa indignação”.

A partir de março, a Frente Brasil Popular planeja mobilizações permanentes em defesa da candidatura de Lula para culminar num grande ato em julho, para 100 mil pessoas, no Maracanã.

“Teremos um 2018 cheio de mobilizações, de muita disputa política em que a própria campanha eleitoral se transformará numa verdadeira luta de classes”, anunciou Stédile.

Embora os líderes do MST tenham afirmado que “sempre procuramos minimizar qualquer tipo de conflito, até porque quem paga é o trabalhador”, a preocupação dos militares ouvidos pelo Estadão é a possibilidade de choques entre militantes dos sem terra e do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) com organizações como o Movimento Brasil Livre (MBL), apoiadores de Bolsonaro e do prefeito paulistano João Doria, que já se mobiliza também para fazer protestos contra Lula e em defesa do juiz Sergio Moro no dia do julgamento.

Com o silêncio das ruas nos últimos meses, fica ainda mais difícil avaliar neste momento que dimensões podem ganhar as reações populares, de um lado e de outro, ao julgamento de Porto Alegre.

O certo é que esse clima de beligerância só tende a aumentar daqui até o dia da eleição, nos tribunais e nas ruas, tornando irrelevantes os acordos partidários que estão sendo costurados pelos pré-candidatos e os partidos.

A pouco mais de nove meses da abertura das urnas, a disputa eleitoral fugiu do controle dos velhos caciques políticos, que tentam manter seu poder a qualquer preço, nem que seja necessário mudar as regras do jogo em andamento, como estão planejando em Brasília.

Por isso, já tem cada vez mais gente até duvidando que as eleições aconteçam mesmo na data marcada pelo calendário.

Ainda estão muito vivas na memória da minha geração as trágicas lembranças do que acontece quando os militares entram em cena para resolver impasses e conflitos políticos.

E pensar que mal acabamos de completar três décadas de redemocratização do país após 21 anos de ditadura.

Vida que segue.

 

13 thoughts on “Eleições 2018: Stédile mobiliza MST em defesa de Lula e Exército entra em alerta

  1. A justiça deveria impedir qualquer tipo de manifestação no dia do julgamento. Nem a favor nem contra. É um julgamento do maior criminoso da historia do país não um movimento politico. Os pro Lula não querem manifestação estão tentando impor a sua ideologia na marra para acabar de destruir a economia do aís. É dever do governo e das forças armadas zelar pela paz e integridade do país.

  2. “exército de stedile”, rsrsrs piada !!!, quem é esse pangaré?……sinceramente até fico torcendo para um confronto, assim as FA já tomam o poder e acaba a brincadeira. Mas não vai ter não, a esquerda faz muita fumaça, mas não é boba, na hora do vamos ver arrega, foge do pau.
    Venha stedile…venha!!!, rsrsrsr

  3. O exercito do Stedile é igual o de Brancaleone. Late muito e pouco faz. Quando corria o afastamento de Dilma, preconizava-se que haveria verdadeiro caos sociais promvidos por MST e Centrais Sindicais. O que ocorreu? quase nada. Este exercito funciona como um doente terminal, enquanto tinha o soro nas veias $$$$ patrocinado pelo governo do PT, era uma farra só. Mobilizavam centenas de onibus e vans rumo a Brasilia, sob qualquer pretesto. Agora com as verbas cortadas, era uma vez.
    As centrais Sindicais por sua vez, percorriam o mesmo caminho do dinheiro, aliada à gorda verba vinda das contribuições compulsórias. Cade as manifestações que antes paralizavam o pais por qualquer motivo?
    É muito arroubo por pouca produtividade….o julgamento vai acontecer, vai ter um pouco de barulho e , parafraseando o proprio Lula, no dia seguinte sai tudo pela urina…Este é o Brasil que aos poucos vai saindo das garras do populismo exacerbado.

  4. O Estadão, o das 12:40 e semelhantes que comparecerão, entendo perfeitamente, Mestre, …

    E por que não: “Os Marinho mobilizam a Globo, toda mídia Millenium e o Judiciário brasileiro, em ataques a Lula, e Tíbios e Exército não entram em alerta, apenas assistem”?

    Coisas do Brasil, como Daniela Kreling Lau, a Chefe de Gabinete do Presidente do TRF-4, aquele que considerou primorosa a sentença condenatória que julgarão no dia 24, sem lê-la, que faz campanha nas redes sociais EXIGINDO Lula na cadeia.
    Um Luxo só ou Lixo só? Você Decide!

  5. Há mais espuma que água nessa corrida eleitoral. O calendário das urnas não será modificado. Até o próprio PT sabe que Lula será alijado da raia oficial. O partido mantém a narrativa da candidatura em pé, de um lado para reanimar a militância, e de outro lado para ocupar o espaço nas pesquisas eleitorais. Desse modo consegue aproveitar ao máximo o tempo disponível, até a declaração da inelegibilidade. Afastado pelo TSE da disputa no terceiro trimestre, o PT concorreria com um candidato próprio (primeira hipótese) ou de outro partido (segunda hipótese) ou com um ‘outsider’ (terceira hipótese). Qualquer um deles apoiado integralmente por Lula. Há uma quarta hipótese (não participar das eleições denunciando o ‘golpe dentro do golpe’); mas é minoritária dentro do PT e não deve vingar. A opção por uma das 3 primeiras hipóteses está condicionada ao quadro eleitoral existente no mês de ‘agosto’. Um mês considerado agourento na história política do país. O depoimento de Lula a Moro em Curitiba já antecipara o ‘climão’ em torno da condenação inexorável de Lula. Por enquanto temos ouvido mais barulho do que qualquer outra coisa. De fato mesmo, faz muito tempo que não se vê pulsação alguma nas ruas. A conferir, se não será mais uma ‘batalha’ anunciada com pompa retórica, mas que culmina na estação de Itararé. Pelo visto Mino Carta não terá uma gota de ‘sangue na calçada’ para pincelar seu editorial na Carta Capital no “day after” à decisão condenatória de segunda instância. A dúvida remanescente diz respeito apenas às penalidades. Serão reduzidas ou aumentadas pelos desembargadores? Nem o mais otimista dos petistas imagina alguma divergência entre os desembargadores quanto à condenação. Já quanto à prisão imediata, ou não, diria o advogado da Escolinha do Professor Raimundo: “há controvérsias”.

  6. Já escrevi várias vezes aqui que não consigo entender o ódio que alguns tem do Lula. Talvez o considerem inteligente demais por ser um simples nordestino, metalúrgico e pouco estudado, mas não é essa a discussão no artigo brilhante do Kotscho. Voltamos a discutir a desastrada sentença de Moro para tentar condenar o ex-presidente sem nenhuma prova. Qualquer advogado sabe que a condenação de Lula é absolutamente imoral, tratando-se apenas de tentativas de frear o maior líder popular que o Brasil já teve. O tal movimento Brasil livre (MBL), totalmente financiado por grupos americanos (leiam matéria do jornal Valor Econômico da semana passada) continuando fazendo sua graça, levando gente desprovida de qualquer conhecimento político para brigar nas ruas, ridiculamente vestindo camisetas da seleção brasileira. Está mais do que claro que o TRF4 no dia 24 de janeiro não poderá sustentar a sentença de acusação e condenação que Moro apresentou, mas a pressão deverá ser forte, afinal tudo está armado para condená-lo. Quem viver, verá.

  7. Gosto muito como você, Ricardo Kotscho, organiza os fatos ocorridos para formar sua opinião e escrever seus textos. Feliz com a oportunidade de continuar a ter acesso a suas opiniões! No meio a tantas informações disponíveis na mídia e frequentemente contraditórias, fica difícil que o leitor conclua algo. O fato de ter ou não ter provas contra o ex-presidente que será julgado em breve é um exemplo sobre esta contradição. Qualquer um pode procurar na internet as palavras-chave “provas contra Lula” e encontrar infinidades de textos com as mais variadas opiniões. Mas nenhum texto apresenta as provas concretas. Apenas provas indiretas, que representam o nada do ponto de vista jurídico: “propina disfarçada de doação” e “pagamentos a pessoas ligadas ao ex-presidente”. No máximo isso apenas representa que Lula soube fazer tudo melhor que Maluf-que-fez. É um nada do ponto de vista jurídico, mas gera a Bomba da Conveniência nas mãos de cidadãos que apoiam a condenação de alguém baseada em provas indiretas. Essa Bomba da Conveniência já apareceu antes, durante o impeachment de Dilma. Outro tema controverso. O curioso é que qualquer um pode procurar na internet as palavras-chave “provas contra Temer”, e desta vez encontrarão provas concretíssimas e nenhuma contradição entre as notícias. Por que os cidadãos não se unem para protestar contra Temer? Neste caso existe a Bomba da Unanimidade, mas parece ser bem mais fraca que a Bomba da Conveniência. Gostaria de um texto seu, Ricardo Kotscho, contextualizando este fenômeno de apatia dos cisadãos frente ao momento presente.

    1. Cara Christine,
      você já disse em teu comentário tudo que eu também penso sobre o momento presente.
      É isto que me leva a continuar escrevendo todos os dias: encontrar leitores como você que refletem sobre os temas aqui discutidos, reagem aos fatos e enriquecem o debate.
      Também acho que a apatia dos cidadãos neste momento é o que move os nossos governantes a continuarem cometendo barbaridades todos os dias, agora definidas por alguns cientistas políticos como o “novo normal”.
      O que antes era crime virou coisa banal, que não provoca mais nenhuma reação. Que fim levaram os paneleiros e as marchadeiras?
      Grato pela participação, bom domingo, um abraço,
      Ricardo Kotscho

      1. Penso que o objetivo dos paneleiros e das marchadeiras era tirar o PT do poder, feito isso, eles não têm mais função. Muitos sabiam qual era o objetivo, outros foram manipulados e ficaram com vergonha, principalmente depois que Aécio Neves caiu em desgraça!

  8. Quem realmente manda neste país, aqueles que determinam as ações governamentais acima das cabeças de Temer, Meirelles e cia estão sorrindo à toa, pois enquanto o povo estiver dividido, vão materializando a implementação de sua “dominação sem limites $$$“ e acredite, você e eu representamos apenas mãos que trabalham a fim de manter os privilégios destes que comandam esta espécie de escravidão moderna. Não deveria ser razoável esse ódio de muitos pelo Lula, um líder popular que cometeu erros e acertos como qualquer outro na história do Brasil, a não ser pelo fato do bombardeio midiático contaminador da imprensa privada e seus objetivos nada nobres, entre eles o de conduzir o pensamento do povo no cabresto! Manifestações são garantidas pela constituição (desde que não haja violência, claro), mas parece que a demonização delas por parte da imprensa aberta está funcionando e a constituição sendo negligenciada na maior “cara de pau“, nesta democracia que ao que parece também se transformou em uma “democracia privada“, ou seja, parece que ela agora tem dono e não somos nós… O país está passo a passo chegando próximo ao colapso institucional, tudo contaminado, salve-se quem puder.

  9. Não há, como disse a leitora, informações contraditórias no que diz respeito à corrupção petista . O que há são órgãos panfletários que contestam as decisões da justiça e tentam desmoralizar por todos os meios possíveis o judiciário, que, é verdade, merece muitas críticas, mas não quando age como no caso dos criminosos do PT e seus aliados. A maioria das provas são ”indiretas”, mas os acusados que
    já devolveram milhões dólares aos cofres públicos e os desfalques nos fundos de pensão das estatais são provas irrefutáveis da ação da gangue no poder. Temer e o PMDB é outra história, pois aliou-se ao PT e venceu a chapa com o vice presidente. O PMDB , como se viu, fez o que sempre fez depois que os militares se foram em 1985. Mas, o PMDB foi muito útil à democracia, atuando contra os petistas e comunistas aloprados que insistiam num programa BOLIVARIANO/CUBANO, incluindo aí censura a imprensa e a todos os meios de comunicação. Este procedimento absolve o PMDB de muitos pecados.

  10. Eu tenho minha ponta de dúvidas que as eleições irão acontecer em 2018. Se houver e ganhar quem uma determinada turma que realmente manda no Brasil não quer que ganhe, o que ira acontecer?
    Será que haverá eleições antes da reforma da previdência? O cenário os discursos e a movimentação que antecedeu a queda da presidente Dilma é semelhante aos fatos que antecederam a queda de Jango em 1964, dando início a ditadura militar.
    No ramo das hipóteses. Michel Temer está com problemas de saúde, provavelmente ele não conseguirá se manter no poder por muito tempo. E será que essas pessoas, que mandam no Brasil, vão confiar no escorregadio Rodrigo Maia e na imprevisível bancada que apoia esse governo? Talvez, para os mandatários da nação é mais interessante apostar todas as fichas em um candidato que eles confiam e fazer de tudo para o mesmo ganhar as próximas eleições. É aguardar, como nas novelas antigas, as cenas dos próximos capítulos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *