Monge Gento e Frei Betto juntos lançam novo livro

Monge Gento e Frei Betto juntos lançam novo livro

Nem os dois sabem ao certo quantos livros já escreveram. Foram algumas dezenas, já perderam a conta. A bibliografia deles é longa e variada como se pode ver no Google.

Dizem por aí que quando querem ler um bom livro, mas bom mesmo, escrevem mais um _ e publicam um atrás do outro.

É o que vai acontecer na tarde deste sábado, a partir das 17 horas, no auditório do Itaú Cultural, na avenida Paulista, onde farão o lançamento de O budista e o cristão: um diálogo pertinente (Editora Fontanar), já à venda nas melhores livrarias.  

Antes dos autógrafos, o monge budista Gento Ryotetsu, também conhecido por Heródoto Barbeiro, e o frade dominicano Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, ambos também jornalistas, entre muitos outros ofícios, farão um debate aberto ao público.

Como sou amigo dos dois, que conheci na mesma época, uns quarenta anos atrás, me convidaram para ser o moderador.

Vai ser divertido. Apareçam lá.

Bom final de semana a todos.

Vida que segue.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

7 thoughts on “Monge Gento e Frei Betto juntos lançam novo livro

  1. Tá dado o recado, Kotscho, o local é um dos 13 shopping do megaempresário dos shoping de luxo Iguatemi; mas quem dirige essa rede é o filho do Carlos Jereissat, dono do IG, da OI, etc, irmão do Tasso Jereissati, senador lá do Nordeste (PSDB) que tá cotado pra ser o presidente da república, caso ocorra a eleição indireta na Câmara federal. Se não me falha á memória este já é o livro de nº 62 do frei Beto. Recentemente, participei do lançamento do livro Um amigo de todas as cores, no Shoping do Vale do Vale do Aço, sendo o 2º livro da autora; ela é prima da minha esposa, parente próxima do prefeito Sebastião Quintão, de Ipatinga; pai do deputado federal Leonardo Quintão, enquanto aqui aguardo a publicação dos meus livros. Se SP não fosse tão longe, eu estaria aí presente. Tenho certeza que os autores sentirão felizes com a sua presença!

    1. José Anísio,
      com todo respeito, toma mais cuidado com o que você escreve antes de enviar.
      O auditório do Itaú Cultural, onde será feito o lançamento do livro, não fica em shopping nenhum.
      Não tem nada com nada a ver com tudo o que você escreveu.
      É um dos maiores e mais tradicionais centros culturais da cidade.
      Pena que você não possa estar presente para ver com os próprios olhos.
      Ricardo Kotscho

  2. Que travessia! Monge Gento, Frei Betto e Ricardo Kotscho. Deus está presente. Que privilégio moderar um debate , participando dessa travessia… Em boas mãos. De longe, a gente fica com “inveja”. Certamente, entre amigos e convidados, uma plêiade de autores. Belíssima Noite de Autógrafos. Louvor e aplausos. Vou correndo comprar meu exemplar. O público recebe mais um título: O budista e o cristão. Heródoto e Frei Betto, são pérolas de inigualável valor. Para ambos, a “Vida não é margem de chegada, é travessia”. Lançamento que é um bálsamo para o instante de travessia de nossa Pátria. Só Deus.

  3. Frei Betto, não me recordo o ano, escreveu um artigo no Estadão com dezenas de frases, leitura que fez da mineirice de seus conterrâneos. Gostei, recortei, fiz algumas cópias de dei a vários amigos. Até hoje, está lá na parede da oficina do Zé Roberto, expert em motor de carro e um dos mais conhecidos mecânicos em minha cidade. Zé é mineiro, não dá adeus pra não abrir a mão. “Ser mineiro”, gostei mesmo. Na época e faz bom tempo, era assinante do jornal e mandei um telegrama para a redação em resposta ao artigo (espaço do leitor), afirmando que mineiramente, Frei Betto não dissera o que tem de melhor em Minas? E emendei: “a saída pra São Paulo”. Jocosamente, na filosofia interiorana paulista, carregada de bairrismo, fico a imaginar: teria Frei Betto tempo pra ler essas interações? Que tal checar, Rkotscho, aí nos bastidores do evento? De outra feita, o articulista denunciava as mazelas da política de Brasília, cujas autoridades escondiam tudo em “cortinas de fumaça”. Sapequei outro telegrama interagindo: ” Não há cortina de fumaça que resista a ventos eleitorais”. Atentem, Kotscho e Heródoto, não adianta chegar na hora, o mineiro Frei Betto… chega antes! Algumas pérolas da mineirice filosófica das Gerais: Mineiro a gente não entende, interpreta……… Mineiro pede emprestado pra disfarçar a fartura………. Mineiro faz filho pra virá compadre de político………..
    Mineiro é como angu, só fica no ponto quando mexe com ele………… Em Minas, o juiz é de fora, o mar é de Espanha, os montes são claros, a flor é viçosa, o ouro é preto, o belo é horizonte, o pouso é alegre, as dores são de indaiá e os poços de caldas!

  4. Frei Betto, não me recordo o ano, escreveu um artigo no Estadão com dezenas de frases, leitura que fez da mineirice de seus conterrâneos. Gostei, recortei, fiz algumas cópias de dei a vários amigos. Até hoje, está lá na parede da oficina do Zé Roberto, expert em motor de carro e um dos mais conhecidos mecânicos em minha cidade. Zé é mineiro, não dá adeus pra não abrir a mão. “Ser mineiro”, gostei mesmo. Na época e faz bom tempo, era assinante do jornal e mandei um telegrama para a redação em resposta ao artigo (espaço do leitor), afirmando que mineiramente, Frei Betto não dissera o que tem de melhor em Minas? E emendei: “a saída pra São Paulo”. Jocosamente, na filosofia interiorana paulista, carregada de bairrismo, fico a imaginar: teria Frei Betto tempo pra ler essas interações? Que tal checar, Rkotscho, aí nos bastidores do evento? De outra feita, o articulista denunciava as mazelas da política de Brasília, cujas autoridades escondiam tudo em “cortinas de fumaça”. Sapequei outro telegrama interagindo: ” Não há cortina de fumaça que resista a ventos eleitorais”. Atentem, Kotscho e Heródoto, não adianta chegar na hora, o mineiro Frei Betto… chega antes! Algumas pérolas da mineirice filosófica das Gerais: Mineiro a gente não entende, interpreta……… Mineiro pede emprestado pra disfarçar a fartura………. Mineiro faz filho pra virá compadre de político………..
    Mineiro é como angu, só fica no ponto quando mexe com ele………… Em Minas, o juiz é de fora, o mar é de Espanha, os montes são claros, a flor é viçosa, o ouro é preto, o belo é horizonte, o pouso é alegre, as dores são de indaiá e os poços de caldas!

  5. Hoje, no lançamento de O budista e o cristão, tarde de autógrafos, mesmo sabendo da sapiência e do espírito desarmado do Frei e do Monge, é o Moderador Rkotscho quem estará de “navalha afiada”. À luz do bom senso, os três amigos estarão à vontade em qualquer tema. De não se perder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *