Direita festiva carioca avança e está na moda

Direita festiva carioca avança e está na moda

Memes de Os Dias Eram Assim fazem piada com a ditadura no Brasil

Eles vão aos poucos ganhando espaço em todos os lugares _ nas colunas de meios impressos e eletrônicos, charges e cartoons, palestras e debates, programas humorísticos, shows musicais.

São cientistas políticos e filósofos, roqueiros e escritores, economistas e jornalistas.

Como chamá-los? O que os une? Quem é seu líder? De onde surgiram? Aonde querem chegar?

É a safra dos “neocons da intelligentsia”, algo que podemos genericamente denominar de direita festiva, um contraponto à esquerda festiva dos anos 60 e 70 do século passado.

Como todas as modas e modismos, surgiu em tempos recentes no falido Rio de Janeiro e logo se espalhou pelo resto do país. Está na moda.

Vinha reparando neste fenômeno, mas só agora tomei a decisão de escrever sobre o assunto ao ler a reportagem “Seriado da Globo motiva memes que ironizam crimes da ditadura militar”, de Felipe Giacomello, publicada na Folha desta quarta-feira.

Nesta versão das imagens com legendas canalhas que circulam em grupos de WhatsApp, certamente inspirados pelo que leem e ouvem dos gurus da direita festiva, questionam a repressão do regime militar e querem mostrar que a ditadura foi uma festa, algo inimaginável até pouco tempo atrás.

“Os dias eram assim”, a excelente série da Globo que estreou semana passada, é ambientada no período dos generais-presidentes em que os opositores do regime eram presos, torturados, ou simplesmente desapareciam.

Nos memes, ícones daquela época aparecem se divertindo na praia, e noutra imagem Chico Buarque e Lula jovens brindam num boteco.

Chico e Lula, não por acaso, são os principais alvos dos “neocons” que invadiram a cena cultural carioca, dividindo as torcidas num novo Fla-Flu entre os que os amam e os que os odeiam.

A hashtag “Os dias não eram assim”, também não por acaso, foi lançada e multiplicada na web pela família Bolsonaro, mas os novos arautos da “intelligentsia” nativa não têm líderes nem objetivos definidos.

São apenas “livres pensadores”, como se definia Millor Fernandes, que era o exato oposto deles.

Claro que não chegam a defender o atual governo, embora politicamente se alinhem ao pensamento do seu ministro da Cultura, também um ex-comunista, como muitos deles na juventude.

O que os une é apenas o feroz anti-lulopetismo e tudo o que antigamente se chamava de esquerda, se é que ainda se possa falar assim.

Os caros leitores já devem ter notado que procurei não fulanizar esta crônica do cotidiano, que apenas busca registrar fatos e tendências. Nem seria preciso.

Vocês certamente já sabem de quem estou falando, mas evitei citar nomes porque a esta altura da vida não quero arrumar novas brigas com gente que não tem humor e logo parte para a desqualificação de quem pensa diferente, uma de suas características.

Para não dizerem que sou tendencioso, prefiro lembrar uma frase do ex-ministro Roberto Campos, um legítimo “oldcon”, ao definir a esquerda festiva:

“É divertidíssima a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda: admiram o socialismo de Fidel Castro, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar _ bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês: trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola…”.

Na pobreza de ideias e sabedoria em que vivemos, falta um Roberto Campos para definir agora o que é direita festiva. Até nisso regredimos.

Vida que segue.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

37 thoughts on “Direita festiva carioca avança e está na moda

  1. Não apoiar e criticar a esquerda Sr.Kotscho não significa de forma alguma ser de direita. Pelo o menos a direita tal qual a esquerda tenta impingir nos dicionários com interpretações esdruxulas e subjetivas. Roberto Campos, citado no texto, é conhecido como ‘o homem que tinha razão’ ,pois foi um PROFETA na essência do termo. Aliás, frasista como era, Roberto Campos disse certa vez que, o Brasil pós 85 tinha saída sim, pelo o menos três: O Galeão, Cumbica e o liberalismo. Lembre-se que Lula, ao assumir a presidência deu uma guinada de 180 graus e adotou o liberalismo clássico , o que fez com o país experimentasse, pelo o menos uma década de prosperidade. Lembrem-se todos que, diante da certeza estatística da vitória em 2002 Lula mudou o discurso e assinou a carta compromisso e se tornou um exemplo para o FMI ,órgão do qual, o Dr.Roberto Campos foi um dos fundadores em 1944. Quanto ao seriado da Globo, não vi nem um capítulo, mas trata-se de uma obra de ficção com base em alguns fatos reais de um período do qual só restou algumas lembranças e provavelmente jamais o reviveremos.Os autores ”amoldam” a realidade segundo suas crenças.
    O período que vivemo foi muito bem retratado pelo ícone da esquerda, que bem poderia ter como co-autor o Dr.Odebrecht>
    ”Num tempo
    Página infeliz da nossa história
    Passagem desbotada na memória
    Das nossas novas gerações
    Dormia
    A nossa pátria mãe tão distraída
    Sem perceber que era subtraída
    Em tenebrosas transações.”
    E assim levaram a Petrobras, Eletrobras e todos os fundos de pensão.

    1. Caro Luiz Carlos, o velho,

      Como faço dar para dar um “like” no seu comentário? Perfeito.

      O que mais me irrita hoje em dia com os grupos tradicionalmente esquerdistas, é a soberba e o ar de superioridade, ao meu ver totalmente infundados, com que tratam aqueles que por ventura discordarem de seus ideais, sejam eles políticos, morais, espirituais ou estéticos. Me parece que aqueles com o pensamento mais à esquerda são intolerantes com as vozes dissonantes, mas ao invés de proferirem o risível insulto, digno de pátio de colégio, “vai pra cuba!”, gritam o igualmente patético “vá estudar!”. No meu caso, já fui pra Cuba e já estudei. E muito.

      Não há na esquerda a promoção de debates ou espaços para o contraditório, aonde o direito de ser diferente e pensar diferente seja respeitado. Eu não vejo por parte da esquerda uma vontade genuína de conviver com as divergências. O que existe por parte da esquerda são apenas insultos pueris e a tentativa de sempre desqualificar e aniquilar seus adversários. De ridicularizar e estigmatizar aqueles que se voltam contra o pensamento predominante do grupo. Por isso toda essa raiva contida contra a ditadura do pensamento único e do politicamente correto. É uma maneira de se rebelar contra aqueles que tentam nos impor a força suas vontades e desejos.

      Esse comportando de manada é observado com muita mais frequência entre os grupos de esquerda, coletivista por natureza, aonde o pensamento do grupo sempre acaba por se sobrepor o pensamento individual, assim suprimindo o que eu particularmente acredito ser a própria essência do ser humano, sua individualidade ímpar.

      Para aqueles coletivistas que se arrogam no direito de falar pelo povo e proteger as minorias de um suposto inimigo, eu gostaria de destacar três pontos:

      1) Eu sou o povo e não lhes autorguei o direito de falar por mim, e nem sequer fui consultado para isso;

      2) Poucos são os homens que sabem cuidar da sua própria vida, menos ainda são aqueles que saberão cuidar da minha. Não há perigo maior para o indivíduo do que o próprio Estado. O sonho de salvar um povo apenas esconde o desejo de governá-los;

      3) Não existe menor e mais frágil minoria do que a minoria de um só. A minoria do indivíduo. E por ela, eu dou a minha vida.

      Marcos Lacerda, o Único

      1. Kkkk se vc trocar os termos “esquerda” por “direita”… Cabe perfeitamente para o Brasil atual!!! Kkkk pena que cada um só enxergue com lentes diferentes (individualistas x coletivistas), observando que a direita (PMDB, PSDB, DEM, Centrão, Federações de Patrões – Fiesp, Fecoomercio, Febraban, etc-, Mídia, Think Thanks patrocinados pela direita estrangeira, conservadores, liberais, libertários) atual acho ainda menos democrática. Buscam olhar muito para o umbigo ou apenas reproduzir o que “gurus” propagandeiam, mas esquecem de um bom espelho para se enxergarem como são é um bom par de óculos pra ver que a realidade é bem diferente de sua bolhinha de Websfera!!! Kkk

  2. Não apoiar e criticar a esquerda Sr.Kotscho não significa de forma alguma ser de direita. Pelo o menos a direita tal qual a esquerda tenta impingir nos dicionários com interpretações esdruxulas e subjetivas. Roberto Campos, citado no texto, é conhecido como ‘o homem que tinha razão’ ,pois foi um PROFETA na essência do termo. Aliás, frasista como era, Roberto Campos disse certa vez que, o Brasil pós 85 tinha saída sim, pelo o menos três: O Galeão, Cumbica e o liberalismo. Lembre-se que Lula, ao assumir a presidência deu uma guinada de 180 graus e adotou o liberalismo clássico , o que fez com o país experimentasse, pelo o menos uma década de prosperidade. Lembrem-se todos que, diante da certeza estatística da vitória em 2002 Lula mudou o discurso e assinou a carta compromisso e se tornou um exemplo para o FMI ,órgão do qual, o Dr.Roberto Campos foi um dos fundadores em 1944. Quanto ao seriado da Globo, não vi nem um capítulo, mas trata-se de uma obra de ficção com base em alguns fatos reais de um período do qual só restou algumas lembranças e provavelmente jamais o reviveremos.Os autores ”amoldam” a realidade segundo suas crenças.
    O período que vivemo foi muito bem retratado pelo ícone da esquerda, que bem poderia ter como co-autor o Dr.Odebrecht>
    ”Num tempo
    Página infeliz da nossa história
    Passagem desbotada na memória
    Das nossas novas gerações
    Dormia
    A nossa pátria mãe tão distraída
    Sem perceber que era subtraída
    Em tenebrosas transações.”
    E assim levaram a Petrobras, Eletrobras e todos os fundos de pensão.

  3. Em tempos de democracia brasileira,quase tudo é permitido.Ricardo Kotscho,gostaria de saber da sua opinião experiente a respeito da Reforma Trabalhista atual.Grato.

    1. Caro Israel,
      acho as reformas necessárias há muito tempo, mas não vejo condições no momento atual para que sejam feitas por esse governo e esse congresso, ambos sub-judice.
      Ricardo Kotscho

      1. A análise resumida do Kotscho é uma síntese da realidade sobre as reformas. A maioria que conhece as alterações, percebe que elas estão entre benéficas e/ou necessárias. E a manifestação pela desaprovação se dá mais pelas sequelas dos impeachment.
        Isso é bom…
        Até considero que as reformas da Previdência reduzam vantagens, princialmente para a casta de servidores públicos, mas são extremamente necessárias para que o sistema passe a demandar um pouco menos de dinheiro de outras finalidades.

  4. Genial, Mestre, além da oportunidade desbravadora no tema da crônica, mantidos os créditos do inspirador Felipe Giacomello, a barulhenta não fulanização oferecida cala fundo, pois à simples identificação, identifica-se que mesmo se oferecida, noves fora, além do atrito e calor produzido, não alteraria a nulidade flagrante e explicita, escrita, pintada, desenhada, digitalizada, falada, cantada, declamada… enfim, nulidades. Para arrematar, a propriedade do resgate de Bob Fields [e junto Merquior], que feito monolito do “2001”, proporciona aos fissurados do “Coxinha Azul”, boa dica para desvendarem o quanto regrediram. Não a toa permanecem na anacrônica nave mãe, a grande “Casa Nostra”, em pleno século XXI, como se comprova, todo santo dia, cá nesse “nosso” Balaio, no momento em cartaz com: “Abaixo os Direitos dos Trabalhadores, Viva os Privilégios da Classe Dominante”.

  5. Bravo caro Kotscho !!! Esse é de fato um dos teus melhores textos dos últimos tempos !!! Nenhum reparo a não ser enfatizar a necessidade de separar o legítimo direito de pensamento e manifestação dos liberais de direita do fascismo acalorado, possuído e replicante que abunda no país de uns tempos pra cá ( e que tempos, hein ???) e lembrando o Millôr outra vez vem bem ao caso essa sua seguinte frase: “Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder”. O que se pratica e se expressa nas redes, nos telejornais e na imprensa de maneira geral hoje em dia não é nada virtuoso, e muito menos combate à corrupção, é PURO FASCISMO !!! ( e essa é a definição de paradoxo, qual seja o emprego de duas palavras antagônicas na mesma frase)
    Ele, o fascismo não passará, já está passando !!! Aqui mesmo no Balaio ele passa todos os dias. Senão vejamos:

    Recentemente eu li um artigo de Rubens Casara que é Doutor em Direito, Mestre em Ciências Penais, Juiz de Direito do TJ/RJ e colega de um primo meu que também leciona (no caso, Ética ) na Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. ( Rubens Casara na EMERJ é Coordenador de Processo Penal ). Vou passar alguns trechos fundamentais deste artigo sobre o FASCISMO:
    “O fascismo recebeu seu nome na Itália, mas Mussolini nunca esteve sozinho. Diversos movimentos semelhantes surgiram no pós-guerra com a mesma receita que unia voluntarismo, pouca reflexão e violência contra seus inimigos. Hoje, parece que há consenso de que existe(m) fascismo(s) para além do fenômeno italiano ou, ainda, que o fascismo é um amálgama de significantes, um “patrimônio” de teorias, valores, princípios, estratégias e práticas à disposição de lideranças de ocasião (que podem, por exemplo, ser fabricadas pelos detentores do poder político ou econômico, em especial através dos meios de comunicação de massa), que disseminam o ódio contra o que existe para conquistar o poder e/ou impor suas concepções (fascistas) de mundo.” ——–

    “O fascismo possui inegavelmente uma ideologia: uma ideologia de negação. Nega-se tudo (as diferenças, as conquistas históricas, a luta de classes, etc.), principalmente, o conhecimento e, em consequência, o diálogo capaz de superar a ausência de saber.” ——

    “Os fascistas, como já foi dito, talvez não saibam o que querem, mas sabem bem o que não suportam. Não suportam a democracia, entendida como concretização dos direitos fundamentais DE TODOS, como processo de educação para a liberdade e de limites ao exercício do poder. Essa mistura de pouca reflexão, de ode à ignorância e de recurso à força (como resposta preferencial para os mais variados problemas sociais) produz reflexos em toda a sociedade.”——–

    “As práticas fascistas revelam uma desconfiança. O fascista desconfia do conhecimento, tem ódio de quem demonstra saber algo que afronte ou se revele capaz de abalar suas crenças. Ignorância e confusão pautam sua postura na sociedade. O recurso a criação de inimigos imaginários (a transformação do “diferente” em inimigo), a confusão entre acusação e julgamento (o acusador – aquele indivíduo que aponta o dedo e atribui responsabilidade – que se transforma em juiz e o juiz que se torna acusador – o inquisidor pós-moderno) são sintomas do fascismo que poderiam ser superados se o sujeito estivesse aberto ao saber, ao DIÁLOGO QUE REVELA DIVERSOS SABERES”——

    1. Caro Enio,
      bela aula-síntese sobre o que é fascismo: “voluntarismo, pouca reflexão e violência contra seus inimigos”.
      Não tem nada a ver com combate a corrupção. É tudo apenas luta pelo poder, anti qualquer coisa, mas a favor de quê?
      Abraços,
      Ricardo Kotscho

      1. Fosse uma prova, Theo, tua nota seria zero por não saber ler e assumir o teu “fascismo interior” invertendo a lógica e a história ao bel prazer do teu ódio “Voluntarioso, de pouca reflexão e violenta estupidez”

    2. Nota-se esse fascismo crescente não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Notamos isso com eleição de Trump nos EUA, o crescimento de Marine Le Pen na França, o Brexit na Europa, e em outros países também. percebe-se um forte descontentamento da população com o status quo que perdurou durante anos no mundo. Talvez seja a hora do mundo pensar em uma nova forma de fazer política.

  6. Kotscho,quem te falou que Lula é de esquerda,Lula é bon vivant,aliás esquerda só existe em discurso,todos esquerdistas gostam é do bem bom.

    1. Julius,
      eu não falei quem é de esquerda nem deixa de ser, não citei o nome de ninguém.
      Acho que você não leu o que eu escrevi. Melhor você ler de novo.
      Ricardo Kotscho

    2. Quanta tolice !!! Eu sou de esquerda e, claro, que gosto do “bem bom”. Quanta estupidez achar que, se sou de esquerda, devo gostar do “bem ruim”, devo agonizar na fila do SUS, etc…como se um assalariado sem recursos recebesse, como brinde (de graça), o melhor tratamento no Sírio Libanês, apenas por declarar-se de “direita” ou recebesse tratamento VIP, mordomias e privilégios, pelo mesmo motivo !!! /// Kotscho e amigos, vivíamos as agruras da ditadura, miséria, analfabetismo, favelização, corrupção (corrupção, sim, e muita), tortura, assassinatos, etc..) e Roberto Campos brindava-nos com frases jocosas !!! Imaginem se um ministro de Stalin fizesse piada com os enviados em férias para a Sibéria ou com os milhões de soldados russos que perderam a vida derrotando as forças nazistas !!! Seria execrado, na certa. Boa noite, Kotscho e Balaieiros.

  7. Apenas e tão somente para alimentar o debate de “esquerda’ X “direita” vou colocar aqui uma situação hipotetica para debate: Se durante os 12 anos de governo do PT alguma facção da sociedade, seja ela de extrema direita ou de extrema esquerda, resolvesse se insurgir contra o governo e fizesse um levante armado com a finalidade de dar um golpe no governo. O que faria o presidente, comandante “em chefe!” das forças armadas: Enfrentaria e reprimia os insurgentes, até mesmo com prisões e mortes em combate ou entregaria o governo aos insurgentes para evitar prisões e mortes. Também apenas para alimentar o debate, em 64 o que queriam mesmo os insurgentes Lamarca, Marighella, MR 8 e outras facções mais? Seria restaurar a democracia?

  8. Excelente análise. É, de fato, uma moda e, como sutilmente apontado, uma moda ativamente promovida pela mídia de massa. Apenas discordo da aplicação do adjetivo “festiva” a essa direita neocon. Não é possível ser festivo quando o motor é o ódio. Essa direita é sombria e tem a testa franzida.
    De outro lado, o nó górdio dessa direita já pode ser apontado: uns são nacionalistas e estatistas enquanto outros são liberais.
    Abraço

  9. Quero alertar aos navegantes das águas turvas do populismo, seja ele de esquerda-lulista ou de direita-bolsonarista, que existe vida fora destes mares. Primeiro que em nosso País, apenas agora aparece um candidato com a pecha da direita escancarada, que é o Bolsonaro. Ou seja, que tenha seus 10% a 20% de fanáticos, o mesmo ocorre com a esquerda. Esta última, que não tem nem 5% mais do eleitorado, navega até for possível nos 20 a 30% de fanáticos por Lula. Se o Lula for apeado pela justiça, Bolsonaro ficará com seus 10%. a esquerda com Lindemberg ficará com 5%, e outros 85% buscarão outros mares.

    1. E eu quero te alertar meu caro Gilvan que Bolsonaro nem de direita é. Trata-se nem mais, nem menos, do que uma besta fascista e oportunista iluminada apenas pelos holofotes do ódio escancarado. Bolsonaro só sabe do mundo fui o que viveu em um quartel quando jovem e que depois tentou explodir.
      O que caracteriza o pensamento e as práticas governamentais de direita é o velho e ruim liberalismo agora fantasiado de moderno com o prefixo “neo”. Portanto os dois únicos governos tucanos com FHC a frente foram de direita quer tu aceite ou não. Aliás só no Brasil ainda se tenta emplacar o neoliberalismo que no resto do mundo fracassou e morreu junto no enterro da Margareth Thatcher em que não compareceu ninguém. Esses mares são bem conhecidos e já navegados, quem não se afogou e sobreviveu àqueles difíceis, temerarios e tormentosos tempos taí pra contar.

  10. “A direita festiva nao tem pensadores nem projetos, o que os une é apenas o feroz anti-lulopetismo”, Essa frase da o tom da prosa, tente dialogar ou trocar ideias (recomenda-se nao mais que 5 minutos) com um desses neocons da moda, é de arrepiar.

    1. Roberto, regime criminoso era esse grupelho de esquerdistas cubanos, tipo intelectuais de araque, adoradores de caviar e bom wiskyi, neles incluso nosso querido POSTE dilmico, que transformariam nosso pais numa segunda Cuba, se assim fosse permitido…..Simples assim…

  11. Para os que seguem a ideologia da esquerda tudo que não for ao seu favor é fascismo. Esbravejam contra Bolsonaro lhe dando adjetivo de homofóbico e fascista. Mais idolatrar ditadores assassinos homofóbicos é o que? Para 99% dos que aqui seguem a cartilha da esquerda (esquerda-caviar, diga-se de passagem), colocam Fidel Castro como Estadista. Pior falam em democracia como se fosse um dos principais ideais. Hipocrisia pura. Pois em suas mentes doentias pelo fundamentalismo ideológico tem como ídolos os piores e maiores ditadores assassinos da história mundial. Graças a essa direita tão aqui criticada não estamos vivendo o mesmo desastre humano da Venezuela. Cadê a coragem para escrever e falar sobre as agruras que nossos vizinhos estão passando. Lá se vive a democracia, ditadura ou fascismo? Realmente tudo depende da minha ideologia política partidária. Coerência não se compra ou conquista você tem ou não. Como acho que será censurado. Vida que segue

    1. Caro Enio, nao li os outros comentários do Mauricio Teixeira, mas se vc sugere que ele seja “violento” por este específico comentário, tenho que discordar de vc. Ele foi coerente e apenas relatou fatos. Sei que a verdade dói Enio…ainda mais quando o receptor desta verdade seja completamente influenciado pelo peso da bandeiraideológica (que parece ser o seu caso). Tente fazer o exercício de desenvolvimento do espírito crítico…vc ficará livre deste terrível fantasma (ou seria “encosto”) da bandeira ideológica. Be free companheiro…

      1. Caro Fernando Douro, eu não sou analista, jornalista ou especialista em política porque essas não são minhas profissões. Mas faço política e sou SIM militante de esquerda regular e ininterrupto há mais de 40 anos. Desde cedo aprendi que em política há que se ter lado e lado eu tenho assim como também tem lado todos os profissionais citados acima. Não existe “centro” na política (existe, aí sim, na macumba) eis que todo político que se diz “de centro”, pelo que vivi até hoje no meio, são na verdade mal intencionados oportunistas. O capitalismo e o socialismo são irmãos gêmeos e surgiram juntos na Inglaterra durante a revolução industrial na era vitoriana. De lá pra cá a luta entre o capital e o trabalho, entre o egoísmo e o coletivismo nunca mais parou. Até agora tanto o comunismo quanto o capitalismo provaram que não deram certo e dessa enorme disputa um dia virá o sistema ideal que contemple a todos e até lá “a luta continua” meu caro, cada um com a sua bandeira ideológica que não são fantasmas, ao contrário, estão bem vivas no dia a dia do nosso tempo. A minha bandeira de luta é vermelha, solidária, coletivista ou socialista como queira. Qual é a tua ??? Porque eu penso como o Cazuza: Não se vive plenamente se não se tiver sonhos, ideais, ideologia !!!

    2. Enio, o sr Mauricio Teixeira é apenas um dos mais ingênuos e manipuláveis comentaristas do Balaio, razão pela qual ficou com cara de tacho, eis que Kotscho, por vingativa maldade, publicou-lhe o comentário. Acredito que todo Bolsonarista, tocucunha, tocutemer, tocumoro, etc..do Balaio tem cura. Os incuráveis estão lá fora, repetindo, ao vento (pois Lula lidera todas as intenções de voto), o mesmo mantra que Meia Coxa, Gilvanildo Costa, Johnny, Mauricio Teixeira, etc…repetem aqui, ou seja, “é tudo culpa do PT”. O mantra é o mesmo, mas ao “mantreiro” do Balaio ainda resta uma esperança e cada participação deles aqui é um pedido de ajuda. Talvez, voce, Dias, Everaldo, etc…pudessem estender-lhes a mão. Eu não tenho paciência, não suportaria ser mordido. Bom dia, Balaieiros.

    3. A minha bandeira é a verdade…ou pelo menos a incessante busca por ela. Isso representa a luta constante para “domar” os meus próprios conflitos de interesse. Estes mesmos conflitos de interesse (que parecem ser fortissimos em vc, pelas suas declaracoes neste espaco) evitam ou reduzem a chance de se chegar a esta verdade. Esta verdade que norteará de forma mais justa possível a convivência entre pessoas de esqueda, direita, centro, negros, amarelos, azuis, verdes etc etc…Relativizar coisas é uma attitude perigosa, pois reduz o espírito critico para se analisar uma situacao de forma nao tendenciosa….como consequência a busca da “verdade” torna-se uma tarefa impossível. Por exemplo, essa briga infantil proposta pelos radicais deste espaco: FHC versus Lula….

      Evidentemente haverá pontos positivos e negativos para ambos. No momento em que a emocao supera a razao, a sua capacidade de análise fica reduzida. logo, a verdade dos fatos fica inacessível. Tome como exemplo em pesquisa uma revisao sistemática de literatura. Quando analisamos a literatura médica por exemplo sobre o tratamento de uma doenca, devemos fazer uma análise muito compreensiva para nao termos uma visao restrita da evidência científica. Chamamos de “reporting bias” quando importante informacao nao é publicada. Ou seja, todos os “lados” da evidência científica devem ser analisados para que possamos ter informacao robusta, compreensiva e nao tendenciosa para suportar as nossa conclusoes sobre a terapia. Podemos transportar esta racionalidade para a política. Sim, é possível. O nível de conversacao aumentaria neste espaco se a pessoas tivessem uma visao mais “científica” e “sistemática” do problema, o que resultaria em menos viéses, ataques pessoais, briguinhas etc etc…além do que o moderador nao teria tanto trabalho em deletar posts agressivos.

    4. Fernando Douro – 28/04/17 – 07:34 – Perfeito. O que falta são argumentos concretos, sem hipocrisia e incoerências. Quando se é questionado e não consegue dentro de uma forma civilizada responder a melhor arma é a ofensa. Realmente o Ricardo deve ter muito trabalho como moderador, mas infelizmente é humano e deixa passar ofensas pesadíssimas. Como ocorreu aqui, mas que logo excluiu. Longe de ser o dono da verdade, mas quando afirmo que não podem se disser democratas e acenderem uma vela para um ditador. Não podem ser contra a reforma da previdência apenas por não ter sido feita por um partido da esquerda. Onde estavam em 2003? Até senadora e deputados foram expulsos por não votarem a favor da dita reforma. Quais motivos não protestaram quando por duas vezes o congresso acabou com o fator previdenciário (criado por FHC) e vetado pelo ex e a afastada? Contra fatos não há argumentos vazios. Abraços

  12. A esquerda foi e é fascista, são aproveitadores em tudo, vendem o que não compram, sempre praticam o ódio em prol de seus interesses, são farsantes, choram quando recebem troco. Contestam tudo o que não é deles, são difamadores, mau-caráter, de natureza.

    Ainda bem que temos a Globo, ainda bem que nossa classe acordou, ainda bem que as FA não se abraçam a esses canalhas, não vamos nos calar a essa corja, vamos a luta custe o que custar. O Lula é o símbolo de aproveitador ( o bom vivant), foi um presidente que viu a sua volta um “montanha de dinheiro” sobrando pelo mundo, as commodities estavam nas alturas, pegou um país “ajustado” por FHC. Esse mix fez com que ele bravateasse que era seu governo que havia mudado o país…….MENTIROSO e canalha. Como ele, seus pares (Hugo Chaves e Maduro) também nadavam em braçadas no “mundo de dinheiro”, a commoditie deles estava nas alturas, usou e abusou dos pobres, para interesses próprios. Hoje a Venezuela esta com um índice de inflação de quase 800% a/a, falta tudo naquele país, e sobra um regime ditatorial, assassino e covarde, tão acariciado e cortejado pelos canalhas que governaram este país.
    Por pouco, caso a “lágrima de crocodilos” (dilma) continuasse no poder, nós estaríamos caminhando para o mesmo rumo da Venezuela.

  13. “Aliás, frasista como era, Roberto Campos disse certa vez que, o Brasil pós 85 tinha saída sim, pelo menos três: O Galeão, Cumbica e o liberalismo” (Luiz Carlos, o velho – 11:55). /// Velho, voce confirmou meu comentário – 18:39 (em resposta ao Julius – 14:36) sobre o pretenso intelectual, Roberto Campos, que morreu em 2001, sem conhecer o governo Lula, e sua ridícula frase sobre três as saídas para o Brasil, portanto, referia-se à própria Ditadura, à qual foi subserviente, ou aos governos Sarney, Collor e FHC, todos neoliberais, provando que o discurso de Campos não passava de trololó insosso pra enganar incautos. Velho, entenda como elogio: em matéria de conversa fiada, voce dá de 10 x 0 no Roberto Campos, que não aguentaria cinco minutos de debate no Balaio com Enio, Dias, CesarT, Victor Hugo, etc… Voce estava fazendo falta ao Balaio, pois Gilvanildo Costa, Meia Coxa, Johnny, etc…são dose pra leão e não há fígado que aguente. Abração, Velho. Boa noite, Balaieiros.

  14. Kotscho, boa noite….. Tenho 63 anos, viví a época da ditadura também, e posso afirmar, que naquele tempo, era tudo mais fácil, a vida nos deixava sair livremente à noite, sem medo da bandidagem de hoje…. Naquela época, bandido bom já nascia morto…..Tínhamos um Pais melhor, sem dúvida…..Grupos como esse lixo do pcc não existiam…… Quanto a essa turma que queria instalar o comunismo por aqui, levou bala, e bem levada….. Todos pseudodemocráticos de araque….. Bons tempos aqueles….

  15. Aos mais jovens:
    Tenho 68 anos e no tempo da “Ditadura” eu estava lá.
    Houveram crimes de ambos os lados.
    Foi discriminado, perseguido e punido (até com a morte) covardemente, quem ameaçava, pela força, o regime.
    Por outro lado, foi discriminado, perseguido
    e punido (até com a morte) covardemente, quem se opunha aos movimentos políticos e terroristas de esquerda.
    O cidadão dito normal, nunca teve a sua liberdade (de opinião, de escolha e de ir e vir) cerceada.
    Eu mesmo, em infinitas discussões em locais públicos, critiquei o governo duramente e jamais sofri qualquer constrangimento.
    O que mais me deixava indignado era o tipo de vida que a esquerda queria me impor e que hoje, sabemos claramente qual é.
    Tudo o que vendem é uma grande, desumana e doentia mentira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *