Onda direitista sofre novo abalo, agora na França

Onda direitista sofre novo abalo, agora na França

Macron pé cumprimentado por eleitores neste domingo (23), na França (Foto: Reuters)

A onda direitista que ameaçou varrer o mundo após as inesperadas vitórias de Trump, nos Estados Unidos, e do Brexit, no Reino Unido, sofreu novo abalo no domingo, desta vez na França, depois das derrotas nas recentes eleições parlamentares na Alemanha e nas presidenciais na Holanda e no Equador.

Com o apoio já declarado dos principais partidos e candidatos que ficaram de fora do segundo turno, o jovem centrista Emmanuel Macron disparou à frente em todas as pesquisas para a rodada decisiva, daqui a duas semanas, abrindo larga vantagem sobre a direitista xenófoba Marine Le Pen, herdeira da Frente Nacional fundada por seu pai, o lendário extremista Jean-Marie, que ela acabou expulsando do partido por ser radical demais.

Os franceses mais velhos se lembraram logo do que aconteceu nas eleições de 2002, quando a Frente Nacional também chegou ao segundo turno, mas foi massacrada por 82,5% a 17,5% dos votos numa grande aliança formada pelo conservador Jacques Chirac, do Partido da República.

Claro que os tempos são outros, os institutos de pesquisa erraram feio ao não prever as vitórias de Trump e do Brexit, a diferença na votação agora pode não ser tão grande, mas o fato é que a Europa e o mundo respiraram aliviados nesta segunda-feira.

Os principais jornais franceses de diferentes tendências comemoraram nas manchetes: “A direita sofre nocaute”, resumiu o conservador “Le Figaro”; “A um passo”, previu o esquerdista “Liberation”, ao lado de uma foto de Emmanuel Macron; “Jamais!”, proclamou o comunista “L´Humanité” numa capa ilustrada por Marine Le Pen.

Estarão em jogo no dia 7 de maio dois projetos antagônicos de país e de mundo. Emmanuel Macron quer fortalecer a União Européia, da qual a França foi uma das cofundadoras junto com a Alemanha, defende os imigrantes e a globalização da economia. Le Pen é radicalmente contra tudo isso e propõe um referendo para decidir sobre a permanência da França no bloco, na tentativa de reeditar o Brexit.

Convém que os brasileiros assanhados em encontrar um Trump nativo prestem atenção sobre o que está acontecendo numa das mais antigas e sólidas democracias do mundo.

Como nas marés, as ondas da política vão e vêm. Se os eleitores americanos pudessem votar novamente…

Há apenas três anos, poucos sabiam quem era Macron, executivo do sistema financeiro que nunca havia disputado uma eleição. Ex-ministro da Economia do socialista François Hollande, ele fundou o partido “Em Marcha!” e se tornou a grande surpresa da mais disputada eleição francesa dos últimos tempos.

Se desta vez as previsões dos institutos de pesquisa estiverem certas, ele poderá se tornar, aos 39 anos, o mais jovem presidente da república francesa.

Vive la France!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

18 thoughts on “Onda direitista sofre novo abalo, agora na França

  1. Seu texto está errado quem sofreu abalo foi a esquerda patetica de Melenchón que nem apareceu na foto com suas propostas ridiculas e populistas,junto com Fillón,o socialista.Macron é verdade é centrista e Le Pen não é direita e sim de extrema direita,o que é uma grande diferença,ok?

    1. Emmanuel Hollande Macron é o candidato da OTAN, de bruxellas, da banca europeia, e de todos os grupos da … da macromidia francesa. E naturalmente é o micron dos acionistas proprietarios da Otan do outro lado do Atlantico. E beleza prometeu por na rua 120 mil funcionarios. Nao fiquei sabendo se tbm quer elevar 36 horas semanais de trabalho mas deve fazer um esforço.

  2. Se a salvaçao da Ue se espera que dai venha, então tchau. Enquanto os europeus ainda mantiverem restos de seu anterior ‘estado de bem estar’ social, vao continuar nesse ritmo.
    É Outro vassalo defecativo e dócil do império, e que envergonharia o conservador DeGaulle. Encaixa bem dentro da famosa frase do guru Z. Brzezinski, falando dos objetivos imperiais permanentes do tio sam: ” manter a dependencia de segurança entre os vassalos, conservando os
    subordinados flexiveis e protegidos… “maintain security dependence
    among the vassals, to keep tributaries pliant and protected…”
    Pergunte ao moro e pedro parente.

  3. Ainda bem mesmo, Kotscho. Se passa o Melenchón (o Lula/Dilma brasileiro), a coisa ficaria feia, hoje os mercados mundiais comemoraram, abriram em alta.
    Vive la France !

  4. Ponto para celeridade do povo francês. A ida do Emmanoel “Dória” Macron para o segundo turno, evita o abismo que seria ter que escolher entre a extrema direitista Le Pen e outros dois derrotados. Sendo outro direitista e extremista de esquerda Méchenlon…
    As primeiras pesquisas já indicam a vitória do “garoto” Emmanoel “Dória” Macron com grande margem sobre a extremista! O mundo está de fato meio louco, mas vez por surge sinais que ainda não está na hora de acabar! (imagino o arrependimento do povo Venezuelano, pois teve a chance com a morte do Hugo Chavez, mas resolveu dobrar a aposta rumo ao abismo com o Maduro, e deu a lógica, caíram no abismo). Por aqui, os sensatos, rezam para não ter que escolher em Bolsonaro x Lula! (Le Pem x Ménchelon)
    Que bom, que sempre se tem uma esperança! Parabéns aos franceses!

  5. A extrema Esquerda e a Esquerda ficaram em 4 e 5 lugares respectivamente com menos de 25% dos votos somados na eleição francesa e quem perdeu foi a direita???

  6. A polarização do bipartidarismo francês foi para as cucuias. Republicanos e Socialistas foram chutados pelo povo. Um candidato que nunca se elegeu para absolutamente nada com o perfil Liberal Social e que se auto proclama “nem de direita, nem de esquerda” vai vencer de lavada o segundo turno contra uma candidata que cresceu consideravelmente considerando os últimos acontecimentos. “Traduzindo” as eleições francesas para o Brasil é como se Dória fosse para o segundo turno contra Bolsonaro e Caiado, algum lunático do PSOL e Lula (ou Ciro, se o dono do PT não for preso antes) ficassem em 3, 4 e 5 lugares respectivamente.
    Se a França servir de exemplo para o Brasil neste caso, meu caro, que ÓTIMO!!!

  7. Vive! Vive la… E a vida que segue? Cai a noite. Paris segue novo turno. Noite sem reticências para Le Pen. Logo, imigrantes no Sena. Noite serena? Suspiros à direita, à esquerda. Amanhecerá La France? A noite dissolve o ser político. Vive la France, vive! O olhos magnetizados do mundo suspiram democracia.

  8. Levando-se em consideração que entre os jovens de 18 à 24 anos 30% votaram em Mélenchon e 21% em Le Pen lhes asseguro que o futuro da França será o Caos.

  9. A França permanece onde está e a ameaça fascista novamente repelida, Mestre, mas o abalo na onda direitista fascista, agora em terras da liberté, égalité, fraternité, não impedirá que fissurados no “Coxinha Azul”, façam dos olhos ouvidos moucos, passando pelo texto que não interessa e concentrando-se na frase, “ele [Macron] poderá se tornar, aos 39 anos, o mais jovem presidente da república francesa”, sonhando se tratar do sexagenário “prefeito Denorex”, que desconhecem, em 2018. A propósito, faça o teste, Quanto Anos tem Doria, entre os seus, como fiz entre os meus (16 pessoas em um almoço), e comprovará que ninguém (que já não saiba) irá achar que tenha mais que quarenta e tantos anos a “novidade sexagenária”, que engana até na aparência. Estão a achar tartaruga tagarela, joaninha descolada, rodado em mais de 40 anos de atividades, fica para outra oportunidade mostrar o que andou fazendo e como engana ao dizer-se, gestor, não político e empresário de sucesso, afinal, França e Macron não merecem Le Doria.

    1. Caro Dias, não reconhecer que os dois candidatos da esquerda (só não é “esquerda verdadeira”, pq não haver verdade na esquerda alguma), o Mélenchon e o candidato do governo atual, do Partido Socialista, o tal Benoít Hamom, terem ficado em quarto e quinto lugares, atingidos 25% os dois somados, e vim comparar o Dória com a extremista, repugnante Le Pem, é de uma má fé auto-denunciante. Lamentável!
      Só faltou dizer que o o Emmanuel “Dória” Macron é um legitimo esquerdista!

  10. Caro Kotscho, me desculpe mas essa sua análise é ridícula. Falar que a direita dá França foi derrotada. A candidatura dá lê PEN é de extrema direita igual ao um Bolsonaro dá vida , nada haver. A esquerda dá França nem foi para o segundo turno

  11. Mestre, não chateie-se, ignoram Claudio Coutinho e o ponto futuro, não lembram de Chirac e Le pai e não antecipam Macron e Le filha, como explicitas no texto que leem e não entendem, ou não querem entender, uns e outros. Em 7 de maio chegam finalmente onde não mais está, de olho na vida que segue hoje.

  12. Torcendo CONTRA a excrescência direitista de Marine Le Pen – graças a Deus perdendo fôlego e sendo massacrada por Emmanuel Macron nas pesquisas para o 2º Turno francês daqui a 11 dias…

    Que o significado “Deus conosco” de “Emmanuel” seja prenúncio de que Deus esteja com ele e liberte a França da escravocracia financeira do capitalismo acumulador de fortunas e drenante insaciável das economias dos que têm menos para os cofres dos que têm mais.

    FORA, DIREITA! Em todo o Planeta!!!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *