"Reforma política" é só manobra para melar o jogo

"Reforma política" é só manobra para melar o jogo

Na sequência de entrevistas que vem dando para promover o lançamento do terceiro volume das suas memórias da Presidência, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse à Folha que “nosso sistema político se esgotou, precisamos de outro”.

Até aí, estamos todos de acordo, o problema é saber que outro sistema será esse. FHC não propõe nada para colocar no lugar, só constata a falência.

Quem tomou a iniciativa de apresentar um pacote de propostas para a “reforma política” que vem sendo gestada em Brasília, com o único objetivo de melar o jogo para salvar a cara dos políticos denunciados nas delações da Odebrecht, não foi nenhum ex-presidente, nem líder partidário ou da sociedade civil.

A manobra é comandada por Gilmar Mendes, o novo dono do Brasil, como se fosse a coisa mais natural do mundo um ministro do Supremo Tribunal Federal se reunir no Palácio do Planalto com os presidentes da República, da Câmara e do Senado, como aconteceu no último dia 15 de março, para discutir os termos de uma “reforma política”.

Ao término da reunião, quem mais falou foi o ministro do STF, que mostrou preocupação com o “mau desenvolvimento do sistema político eleitoral” e elencou aos jornalistas uma série de “mudanças urgentes”.

A questão central para Gilmar Mendes é o financiamento de campanhas, que está na origem da crise provocada pela Operação Lava Jato, ao investigar o mega-esquema de corrupção alimentado por propinas e Caixa 2 montado por empreiteiras para comprar partidos políticos.

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral e incansável defensor do financiamento privado, Gilmar foi derrotado por 8 a 3 no STF, que proibiu as “doações eleitorais” de empresas, mas não desistiu.

Agora ele até admite um sistema misto com financiamento público e voto em lista fechada, uma forma de esconder os políticos ficha-suja, ou seja, quase todos, em busca de mais um mandato para garantir o foro privilegiado no STF.

A pretexto de combater os vazamentos das delações da Odebrecht, o que os atuais donos do poder querem mesmo é anistiar o Caixa 2.

O objetivo deles é zerar tudo e, se possível, anular as provas acumuladas nos inquéritos enviados pela Procuradoria Geral da República ao ministro relator Edson Fachin, que não tem a menor pressa para quebrar o sigilo dos depoimentos.

O resto é firula para distrair a platéia: redução do custo das campanhas políticas, fortalecimento institucional das legendas, racionalização do sistema político, transparência e simplificação das regras eleitorais, todo aquele velho discurso que ressurge sempre que a água começa a bater no pescoço das excelências.

O atual Congresso Nacional não tem a menor condição política, ética e moral para reformar nada, e esta não é uma tarefa para o Judiciário.

O último a tentar fazer uma “reforma política”, não faz muito tempo, é bom lembrar, foi o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que hoje está preso em Curitiba.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

19 thoughts on “"Reforma política" é só manobra para melar o jogo

  1. Perdoem-me os que creem, assim como os esperançosos, mas o sonho da “Pátria Amada” perdeu-se pelo caminho. Quanto mais feia a tempestade, mais trovões e ventos fortes vão atropelando tudo pela frente. Até o mais singelo eleitor sabe que a reforma política proposta por este rascunho de congresso, almeja assegurar a reeleição e a garantia do foro privilegiado e desta forma, o confortável descanso das excelências nos braços do STF. Alguém consegue imaginar o quanto iriam debater-se, se fossem afligidos com a perda dessa prerrogativa? Quem irá sempre sentir enjoo, com as recorrentes más notícias pipocando da classe política e donos do poder é o brasileiro simples, que não consegue vislumbrar uma saída para o país que não seja a do aeroporto, muitos seguiram essa rota e não se arrependeram, deixando para trás a República do caos político e da difícil tarefa de viver neste chão…

  2. O “Kotscho Post” dispensa quaisquer comentários. Na mosca! Apenas lateralmente registro o velho cinismo de FHC, em entrevista, ao ‘explicar’ que não postergou desvalorizar o real apenas para ganhar a eleição em 98. E sua ignorância econômica, ao confundir a ‘banda diagonal endógena’ – aquela criada por Francisco Lopes na primeira semana de janeiro de 1999 -, com ‘diagonal transversa’, algo que nunca existiu na literatura cambial. Só faltou FHC lançar o parlamentarismo, como candidato a primeiro-ministro, para ‘lustrar’ suas penas na ribalta.

  3. Com raras exceções -Todos deveriam estar presos a anos na cadeia!.Mas,infelizmente a “justiça” tarda e falha – Além dos privilégios INJUSTIFICADOS de alguns( Foro Privilegiado,recursos jurídicos os mais variados).E a Constituição continua a declarar;TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI!!!!!.

  4. Gilmar Mendes está em todas as mídias diariamente (TVs, Jornais e Rádios). Qual é a dele? No meu entender ele já não se contenta mais com o judiciário e está arrumando um jeito de ir para o Executivo. Pra chegar lá ele terá de agradar aos “gregos e troianos” molhados e enxarcados pela Lava Jato. Eis a questão!

  5. Kotscho, o Brasil dos golpistas virou um prostíbulo terceiromundista, o que me faz lembra uma célebre frase que diz, mais ou menos: “Não há espetáculo mais deprimente que imbecis em ação”. Vivam, os Tôcucunhas !!!! Vivam, os Paneleiros !!! E viva a contagem regressiva do Gilvanildo Costa !!!!

    1. Só termos nos livrado de Dilma e Cunha e ver a esquerda culpada e responsável pelo que aí está, tenha certeza meu caro, já valeu muito a pena! Nos livramos do petismo, a próxima meta é nos livrarmos? dos seus aliados! Aí sim a esperança retorna…

  6. Nós povo e eleitores que precisamos fazer uma reforma política. Ou pelas urnas em 2018 ou nos moldes da revolução francesa, com tomada da bastilha, decapitação e tudoque se tem “direito”.

    1. Max e Mateus, assino embaixo. Várias vezes repeti, aqui mesmo, a frase: “O Brasil já ultrapassou o ponto em que conseguiríamos resolver nossos graves problemas de forma pacífica.” Agora será na porrada, mas nada acontecerá, daqui pra frente. Pretendo votar em Lula, mas não vejo futuro melhor que esse triste presente. Somente os trabalhadores, de punho erguido e mangas arregaçadas, poderão mudar esse país, cortando cabeças, demolindo impérios como condição primeira pra implementarmos mudanças. E não será o decrépito e imprestável FHC que apontará o caminho, que passa, primeiramente por um julgamento do próprio FHC, pelos oito anos de roubalheiras (compra da própria reeleição e a dilapidação de nosso patrimônio, etc…) Precisamos passar esse país a limpo, começando pela Rede Globo ou continuaremos no mato sem cachorro. Urge que encaremos essa verdade crua e passemos das palavras às ações, como disse Fidel em discurso memorável na ONU – 1979. Boa noite, Balaieiros.

  7. Um personagem desconhecido surgiu do nada na vida política nacional e foi parar dentro do gabinete presidencial: José Yunes. O ‘amigo’ convive com ‘MT’ faz décadas. Subiu de relevo formando um triângulo com Cunha e Padilha, concatenados pela interseção das mediatrizes saindo do caixa 2 da Odebrecht. Cunha está preso. Padilha na Casa Civil. O ‘amigo do MT’ depositou seu álibi na PGR e submergiu. Um advogado de 70 anos declarou-se atoleimado, feito um jegue mansinho, perdido no pastoreio. O ‘amigo do MT’ apontou rapidamente o dedo indicador ao seu próprio amigo Padilha, que o fizera de “mula involuntário”. Melhor dizer ‘mula expiatória’. No caso, em vez de uma ‘mochila com 500 mil’, sua secretária recebeu um ‘pacote’ entregue em mãos pelo doleiro de Cunha. O ‘amigo’ Yunes não viu nada, porque o ‘pacote’ (não a ‘mochila dos 500’) já fora repassada a alguém. A secretária não sabe dizer quem era. Coincidentemente, já que se tratava de um ‘pacote’ e não uma ‘mochila de 500’, o ‘amigo do MT’ não estava (nesse exato interregno de tempo) dando expediente no escritório, onde o evento de ‘transmissão’ (do ‘pacote’ e não de uma ‘mochila de 500’ reclamada por Cunha por não havê-la recebido) aconteceu. Episódios de ‘desaparecimentos’, porém de embarcações, são noticiados por ocorrerem no Caribe (o famoso ‘triângulo’ das Bermudas). No Brasil, agora se sabe, há também um triângulo, não de desaparecimentos, mas de ‘transfigurações’: o ‘triângulo de Yunes’. O ‘amigo do MT’ não deu mais as caras no Jaburu. Já Padilha, antes sempre maneiroso com a ‘mídia’ diz não ter nada a declarar como Armando Falcão. Nem sobre Yunes e muito menos sobre o ‘álibi’ confessado por Yunes na PGR. Se o ‘triângulo de Yunes’ harmoniza a versão dos vértices, caberia à PF e PGR esclarecerem, mas o resultado é ululante: a ‘transfiguração’ da mochila de 500 de Cunha em pacote de Padilha apartou o ‘MT’ do ‘modelo reinante’ do caixa 2. Se Cunha e Marcelo Odebrecht foram engradados em Curitiba, o que mesmo ainda fazem soltos, sem sequer serem convidados a depor por videoconferência, os vértices do ‘triângulo de Yunes’?!. Até agora Janot e Fachin são os únicos a acreditarem que existe um processo de transfiguração no triângulo de Yunes, porque Cunha não confirmou a existência desse triângulo nativo na história dos fenômenos naturais. O irônico dessa história é que a ‘quadrilha do PMDB’, na dicção literal de Mino Carta, somente subiu a rampa do Alvorada levada pelas mãos de Lula e Dilma.

  8. De fato, o espetáculo produzido pelo imbecis são deprimentes, como alega e lembra o leitor, afoito e de linguajar pouco civilizado e mas apropriado às assembleias de sindicato regado à uma pinga da boa. A questão é saber qual espetáculo recente foi tão deprimente a ponto de sensibilizar e aguçar esta plateia. O ex-deputado Cunha, transformou-se numa figura paradoxal. De um lado o vilão perfeito. Por outro lado, a figura de um herói que conduziu com mãos firmes o, aí sim, espetáculo do impeachment, o qual ,sem ele não teria o mesmo encanto e brilho. Cunha é um indivíduo raro entre os humanos, pois sua virtude está exatamente nas suas vicissitudes. O monstro foi abatido, custosamente, mas foi, estamos agora na remoção dos escombros ,e esta tarefa árdua poderá atravessar gerações e muitas frustrações.
    Aliás, Sr.Kotscho, quero lembrar que desde os primórdios do Blog venho me debatendo por uma reforma eleitoral, sempre alegando que o atual sistema está viciado e não permite nenhuma mudança substancial. Proponho, desde já, mandato de 4 anos p/senador e o suplente seja o 2º colocado nas urnas e ainda, aposentadoria parlamentar somente depois do 4º mandato e o fim total do foro privilegiado.

  9. Ele só constata a falência e nenhuma proposta? Também não deu em nada quando quis separar o joio do trigo. O ex está “sem graça” com a falência do PSDB. FHC, com todo o respeito, podia ser entregador de colete salva-vidas nas barcaças da Baia da Guanabara. Essa do Ministro da “ombudsmania”, Gilmar Mendes, desmoraliza o STF. Sua Excelência, no mínimo, participou de algum churrasquinho e comeu carne suspeita. Aonde a vaca vai, o boi vai atrás… e lá foram os presidentes do Senado, da Câmara, Temer impichado no meio e o Ministro esseteefiano. Pior que os 7 X 1 da Copa, Gilmar levou na cacunda de 8 X 3, de seus próprios pares. Esse placar a gente nunca esquece. Bem feito. A reforma política é uma farsa explícita, com os envolvidos escondendo-se debaixo da toga suprema. Arma-se o circo e espera que os patos amarelos batam palmas. As memórias de FHC, já em seu terceiro volume, só interessam aos apadrinhados. Não é confiável, pois a cada dez vocábulos, metade ataca o líder operário que o sucedeu e as conquistas sociais do povo, referendadas nas últimas eleições por mais de 54 milhões de votos. Isso não sai de sua memória. Encerro com a frase, das mais felizes, de Rkotscho: ” O atual Congresso não tem a menor condição política, ética e moral para reformar nada e isso não é tarefa do Judiciário”.

  10. O centro-direita e a direita já tem os seus candidatos majoritários postados na raia, embora o tucano diga o contrário: Jair e João. Geraldo, José e Aécio não vão estar bem posicionados nas pesquisas e acabarão afastados do processo presidencial, à luz do sol da Lava Jato. Luís Inácio também. Caso Gilmar atue em prol de si mesmo, a direita e o centro-direita também tem candidato às eleições indiretas, com a cassação do ‘MT’. Cabe saber quem vai ao segundo turno, contra a direita e o centro-direita ajuntados e misturados. Não há um salvador da pátria pela esquerda; já houve. Agora o pêndulo inclinou-se à direita. Se reforma houver, e alguma alteração haverá, em face de que os recursos milionários minguaram com a prisão do empresariado delinquente, claramente será para eliminar a possibilidade do pêndulo deslizar à esquerda e salvar o máximo possível dos integrantes do Bloco dos Sujos.

  11. Teoria das tesouras-Implantada por esses elementos :FHC,LULLA ET CATERVA.Entra um comunista (disfarçado de neliberal) e a ele se opoe um mais comunista ainda (disfarçado de centro)

  12. …no pôste anterior eu coloquei que a sociedade civil, deve tomar as rédeas do momento político que estamos vivendo. Sugiro que as organizações sociais, CNBB e de outras religiões, OAB, Sindicatos, Federações empresariais, além de quantos notáveis da nossa intelectualidade, jornalistas ( você no meio ), escritores, cientistas, professores, etc, resolvam participar, e criem um “congresso constituinte” paralelo em algum lugar em Brasilia, para votarem e proporem as grandes reformas para todas as nossas insttuições, reforma política, do judiciário, etc, etc. Os movimentos sociais de base, mobilizariam as pessoas, não para protestarem em frente ao congresso podre que está aí, mas para irem para a frente deste congresso popular alternativo, para dar visibilidade e apoio às suas decisões. Alguma coisa tem que ser feito, urgente, nestes moldes, sob pena do Brasil, ser enterrado por este bando de vagabundos, do legislativo e judiciário, que estão nos destruindo.Que saia deste congresso uma constituição verdadeiramente cidadâ. Seria uma coisa inédita no mundo, e nos elevaria outra vez a ser considerados uma nação.

  13. O Vice traidor é mero… “presidente de direito impichado” e o Ministro Gilmar do STF é o Presidente… “de fato”! Temer não reclama. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o mesmo Gilmar, “pode” cassar a chapa Dilma/Temer. Por ironia da vida política, Temer foi abatido por fogo amigo. Gilmar Mendes é o novo dono do Brasil ! Temer voltou a ser “VICE”.

  14. “Só termos nos livrado de Dilma e Cunha já valeu muito a pena……..a próxima meta é nos livrarmos? dos seus aliados ! Aí sim a esperança retorna. (Gilvanildo Costa – 25/03/17 – 18:57) O Gilvanildo acha que a esperança retorna, se se livrar dos aliados do Petismo, mas não faz dois dias, festejava os 32 mil empregos gerados pelo aliado do petismo que ele, agora, renega. Como se não bastasse, o mais fanático defensor do Eduardo Cunha aqui no Baliao, ainda tem o descaramento de comemorar o fato de ter livrado-se do Cunha, fingindo não saber que Renan Calheiros afirmou que Cunha manda no governo Temer, da cadeia, e exigiu a nomeação de Osmar Serraglio. Gilvanildo, seus protestos e suas ridículas contagens regressivas não são capazes de tirar nem pirulito da boca de criança. Bom domingo, Balaieiros.

  15. Pode-se fazer o que se fizer para melar o jogo. Pode-se inclusive levar a bola para casa pelos donos do jogo. Não se pode tirar, todavia, os fatos das eleições. Até agora, segundo as pesquisas, Lula abocanha 37% no cenário com os tucanos, que não alcançam 15%. Marina não passa de 10%, Jair tem 7% e Ciro 4%. Essa é a mediana feita de modo grosseiro de todas as pesquisas. Ou seja, Lula garante-se no primeiro turno em todas as regiões do País. Lidera nas capitais ( 28%), nas regiões metropolitanas (27%) nas cidades grandes, médias e pequenas do interior (33%). Votariam nele: jovens (30%), entre 40 e 60 (33%) e de 60 anos de idade (37%). Leva vantagem entre aqueles do ensino fundamental (39%), do médio (29%) e superior (21%). Vence na plebe rude do Bolsa Família (58%) e sem Bolsa (29%). O surpreendente é quando entra o “fator Lava Jato”: 33%% votariam nele, sabendo que ele está nela. No segundo turno Lula lidera em todas as regiões e tipos de cidade, entre mulheres e homens, em todas as faixas etárias, em todos os níveis de escolaridade, entre quem recebe ou não o Bolsa Família. O melhor desempenho dos adversários empatariam com o neo petista, melando o não o jogo, Lula não está morto ainda e aparece como ‘um grande eleitor. Há no neo petismo quem o queira como deputado federal no PT. Para garantir o foro privilegiado. Ciro está ‘costeando o alambrado’. Quem viu e ouviu Lula no Seminário da Lava Jato ficou com a impressão de que não foi só ‘a virose’ que o abatera. Ainda há muito tempo de jogo pela frente, mas o jogo parece estar ficando cada vez mais claro. A fotografia das pesquisas são de dezembro até antes da divulgação da segunda lista de Janot. Pelo menos Aécio e Serra já foram abatidos pela segunda lista de Janot. As próximas pesquisas, que vão computar os efeitos de Janot sobre o desempenho de Lula, também devem trazer a simulação que substituem Alckmin por Dória. A conferir se continua havendo uma escalada da direita e a resiliência de Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *