Depois da festa, o final da novela de Dilma

Depois da festa, o final da novela de Dilma

Segunda-feira, 22 de agosto de 2016.

Foi muito bonita a festa, no fim deu quase tudo certo, mas acabou.

Depois de 17 dias de competições, recordes, magia, muito choro de alegria e tristeza, campeões olímpicos cantando o nosso hino e o mundo elogiando a organização dos Jogos no Rio, em que mudamos de assunto e viramos o disco do baixo astral, hoje é dia de voltarmos à vida real.

Saem de cena os heróis da Olimpíada e voltam ao palco os atores políticos em Brasília _ se houver quorum, é claro, quer dizer, se eles aparecerem para trabalhar, depois do quarto recesso deste ano.

Na quinta-feira, dia 25, começa finalmente no Senado o último capítulo da novela do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, que deve durar longos cinco dias.

Em lugar dos apoteóticos narradores esportivos, ouviremos os mesmos discursos empolados e inúteis de sempre, já sabendo que nada mudará o resultado final.

Nesse breve intervalo da Olimpíada, nossos problemas continuaram do mesmo tamanho, com mais desempregados e as mesmas incertezas sobre o futuro, e nem haveria como ser de outro jeito.

Nossos bravos políticos estão mais preocupados com a campanha eleitoral, que começou na semana passada, e ninguém percebeu.

Até agora, não terminaram nem a votação do refinanciamento das dívidas dos Estados, não começaram sequer a discutir o teto dos gastos públicos e a reforma da Previdência não tem prazo para entrar na pauta.

Parou tudo, à espera do final da novela.

Esta semana, o governo interino deve enviar ao Congresso o orçamento para 2017, prevendo o aumento de impostos. Quando será votado, ninguém sabe.

Por enquanto, em vez de cortar gastos para fazer o ajuste fiscal, só aumentou as despesas para atender às demandas das corporações do funcionalismo público, a começar pelos aumentos do Judiciário, que o Senado deve votar nos próximos dias.

Em setembro, como já escrevi aqui, 2016 poderia finalmente começar, mas como as eleições municipais só acontecem em outubro, muito provavelmente o Brasil vá ter que esperar mais um pouco. Quem sabe, até 2017, após o recesso de fim de ano.

Vida que segue.

12 thoughts on “Depois da festa, o final da novela de Dilma

  1. Enquanto a comunidade economica do mundo todo se reunirá na China para debater a economia mundial e fazer acordos bilaterais, o Brasil nem sabe se vai participar e quem deve participar. Tudo isto por causa de uma longa novela para por fim a um governo desastrado, que mesmo quebrando o pais, continua dando trabalho para ir para as cucuias. Mostramos para o mundo que somos capazes de organizar um evento planetário, mas não conseguimos – com a urgencia que a causa requer – mandar para casa uma governanta impropria para o consumo. Que vergonha

  2. Capítulo final da novela que melhor retrata a traição. Era preciso acabar com os avanços dos pobres no Brasil, colocaram no mesmo cesto os banqueiros nacionais e internacionais, os empresários nacionais e internacionais, a maçonaria millenium, os meios de comunicação das sete famílias, os pérfidas corruptos de partidos simpáticos que também já arruinaram esta pátria e o judiciário preocupado em acabar com as empresas nacionais e no fim liberarem os empresários corrompedores, com diminuta condenação. Os trabalhadores vão carregar o “pacote das maldades” enquanto ooutros já receberam o “pacote das bondades”.

  3. Ok, fizemos a olimpíada e acho que nos saímos razoavelmente bem. Mas minha opinião é que o dinheiro seria melhor empregado em melhorias de hospitais, por exemplo. Só em arenas, foram gastos 7,1 bilhões, fora tudo o resto. Se juntar os gastos com a Copa do Mundo, os números são astronômicos e muito pouco vai reverter em favor da população. Temos estádios melhores que a Inglaterra e hospitais piores que a Etiópia. Penso que um país com imensos problemas sociais deve empregar melhor o dinheiro (escasso). Enfim, coisas do PT. Quanto ao impeachmant da madame, bem, isso já nem mais assunto é. Os petistas sabem que ela não tem como governar o país. Mas mantém a palhaçada para fazer “um documentário”. Coisa de inquilinos de hospício.

  4. Caro Kotscho, faz muito tempo que não escrevo a seu blog, o qual, não obstante, é minha leitura de todos os dias (o blog, não os comentários, bom retrato que são da imbecilidade de muitos). Mas sua inteligência, integridade, lucidez e honestidade intelectual continuam sendo um prazer e um refrigério nos dias de hoje. Justiça seja feita à formação que tivemos no nosso Santa Cruz, não é mesmo ?

    Pois bem, depois desse confete, vem o pedido: apreciaria muito conhecer sua opinião sobre uma matéria escrita por Monica Gugliano (você conhece ? eu, não) no Valor Econômico de sexta dia 19/8, com o titulo “O mal-estar da esquerda”.

    Não sei se isso é pedir demais, pois você nunca respondeu aos comentários que fiz no passado. Mas a gente sempre tenta, concorda ? Meu email continua à sua disposição.

    Grande abraço de seu leitor e admirador.

    1. Caro Maurício, conheço, sim, a Monica Gugliano, que é minha amiga e uma excelente repórter, mas não vi esta matéria. Você poderia me mandar?
      Abraços,
      Ricardo Kotscho

  5. Como visto, ou se reduz as querelas do Impeachment, ou se mude para o parlamentarismo. O Impeachment como se sabe não é novo, já era previsto faz mais de meio século. Na primeira vez que foi colocado em prática, com apoio popular, foi resolvido em menos de 03 meses. E olha, que se comparado o que o Collor aprontou, com o Governo Dilma, teria sido resolvido no Procon, se muito, em juizados de pequenas causas. Mas o Collor percebeu que tinha perdido o apoio do Congresso e logo renunciou. Ao contrário de Dilma, que mesmo perdendo na Câmara por 367 x 137 e no Senado, por 55 x 21! Antes já tinha perdido o apoio das Ruas por 7 (Milhões) a 1!
    Se não bastasse, eis que o STF decidiu tornar o processo ainda mais amarrado. Com uma tal preocupação de “esgotar todos direitos da defesa”, criou regras e amarrações que só procrastinou o Processo do impeachment. Vale lembrar, que só no Senado já houve 4 votações (todas precedidas de enormes lenga-lengas), e os placares: 55 x 22;… 20 x 5;… 19 x 5 e 59 x 21.
    Enfim, antes tarde do que nunca, esperamos que se encerre na próxima segunda-feira!
    De preferência, por 60 x 20 (3 por 1), que é hoje o reflexo da sociedade, que não morre de amores pelo Temer, é sabido, até por ter sido escolha do PT, só por aí, o Temer já não merece tanto crédito. Mas por exclusão (e o povo já excluiu a Dilma), restou o vice! Que ainda não é lá grande coisa, mas poderia ser pior, se o vice fosse um Petista, (abro o parêntese para dizer, que não voto mais em candidato a Presidente, que o vice seja do mesmo partido, inclusive, do partido que ainda mais admiro, o PSDB, como foi no caso do Aécio com o Aluísio), pois ficou claro neste caso da Dilma, que ela poderia ter ter sido flagrada “com dinheiro do petrolão na saia, enquanto fugia da polícia pedalando”, ainda assim, se o vice fosse um petista, não haveria Impeachment), como certamente não haveria, se o Aécio fosse Presidente, e o vice fosse tbm um do mesmo partido. Mas como dizia, poderia ser pior se o vice da Dilma fosse, senão um petista, um outro aliado de antes como: Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, José Sarney, Fernando Collor, Paulo Maluf e tantos outros!

  6. Já que falei de parlamentarismo (e termos assistido recente), que bastou o Primeiro Ministro da Inglaterra, (nação mais rica e mais desenvolvida que a nossa), dá apoio para uma medida populista, o Brexit, o plebiscito para saída do Bloco Europeu, (tipo o que seria no Brasil: dobrar o salário mínimo e/ou diminuir a idade mínima para aposentadoria, ou aprovar uma contribuição menor, etc). Ficamos com inveja, que na semana seguinte, um novo Primeiro Ministro já tinha tomado posse em definitivo. Vá lá, muitos dirão ser arriscado confiar no nosso Congresso, e tal…. Por acaso é confiável deixar o País nas mãos de apenas um(a) tresloucado (a)? Ao menos, o povo daria mais importância ao voto para os Deputados!
    Ah, já vimos dissolvimento de Primeiro Ministro no japão, Itália e tantos outros, muitas vezes mais de uma vez no mesmo ano, até se achar um “mais adequado”, e não gerou a divisão do país, e principalmente a crise política atual. Aliás, é por causa desta demora toda que a crise só se agravou, e agora corremos o risco de logo após o Impeachment da Dilma, o TSE cassar também a chapa da Dilma/Temer, o que motivará uma eleição indireta, comandada pelo Rodrigo Maia… Se bem, que até os petistas (a maioria deles, inclusive o Lula), apoiou o “rodriguinho chorão”!
    #ParlamentarismoJá

  7. Pois é minha gente…linda festa, manifestações de patriotismo para ninguém botar defeito, emoções mil, o mundo todo viu, aplaudiu e temos um presidente que nada disse, com um comportamento como se nada houvesse ocorrido, apenas sai em fotos gargalhando não sei por que, (acho que nem ele sabe), não se pronuncia em qualquer assunto de interesse da sociedade…Não se comporta como chefe de governo, pois, o menos que lhe interessa é o povo e não gosta de ser chamado de ”interino”…joga confetes sobre si mesmo, querendo que alguém lhe teça um elogio…Mas, falando em participação, o único que teve ”cara” para isso, foi o prefeito do Rio que nada disse e ainda foi vaiado, ficou apenas alguns segundos, ansioso para sair dali. Isso mostra que nossos politicos não estão com tanta popularidade (para não ser ”descortês” não digo outra frase), mas, o que me irrita são essas gargalhadas sarcásticas nas fotos, sem razão nenhuma. Que período vexatório vivemos! Parabéns para todos os participantes das olimpíadas, foi uma demonstração de civilidade, amizade entre os povos, de educação a servir de exemplo para nossos descendentes em todo o mundo, a se mostrar que é com palavras, educação, cultura, e principalmente, com amor ao próximo, que a humanidade pode conhecer o que é felicidade. O emprego de material bélico para que o homem possa se fazer entender, mostra claramente que ainda não aprendeu nem falar. Portanto, a corrupção que é uma das responsáveis por toda a violência em nosso planeta, TEM DE ACABAR, PARA DAR LUGAR À HONESTIDADE. Nossos atletas usaram nossa bandeira para demonstrar isso, bem contrário aos atos de cabides de paletós e gravatas, que se julgam ”autoridades” com o poder de subtrair direitos de uma sociedade toda, numa traição à todos que lhes proporcionam seus recheados contracheques, para representa-la e não para ”esfolá-la”. Parabens a todos aqueles que demonstraram o verdadeiro patriotismo, o amor ao berço em que nasceram.

  8. “Parou tudo, à espera do final da novela.” Está certo, Mestre, que a produção é global e tem no elenco, Cunhanastrão, Moroçinho e outros tantos atores principais e coadjuvantes, mas trata-se de reprise do manjado seriado “Golpe norte-paraguaio” e não “Novela” brasileira. É realidade e não ficção e no fim o Brasil perde, não no futebol, mas no direito a nação democrática e justa. Mas queria é dizer que torno a São Paulo e ao Balaio, findos quinze fantásticos dias olímpicos vividos na cidade maravilhosa, para dizer-lhe que a Rio 2016 ao vivo, foi ainda melhor que a virtual e que foi mau no agouro prematuramente expressado, “entre a fossa e a euforia…”, afinal: Melhor classificação nos jogos olímpicos, maior número de medalhas conquistadas, maior número de medalhas de ouro, maior número de modalidades com medalhas, maior número de finais, primeira medalha de ouro no futebol, organização excelente e uma incrível festa que dinheiro apenas não faz e todo o mundo (com exceção da elite brasileira vira-lata) entendeu perfeitamente isso. E vamos que vamos, agora, com o ippon da democracia, derrotar os “Marinho” contra os “Silva” do Brasil, né Rafaela? PS: A propósito de artigos, os imperdíveis de Eleonora de Lucena, na Folha (“Truculência”) e Fernando Brito, no Tijolaço (“Entreguismo…”), mostram estar na hora do Balaio deslocar-se da arriscada “zona intermediária de conforto” e retomar o seu lugar no G4, em defesa do Brasil.

  9. Após apagada a pira, os britânicos estão de parabens. Muitos parabens.
    Foi ai que lembrei que experiencia e dinheiro fazem diferença.
    Seus corsários, -depois elevados a Sirs e Lords- desde os seculos 17 e 18 faziam em grande escala exatamente a mesma coisa em levar para o Tâmisa os metais que pegavam em toda a sudamerica.

  10. IMAGINE na Copa? Sem imagine nas Olimpiadas? E’, pra que IMAGINAR, se a REALIDADE é que “como bem lembrou os organizadores das Olimpiadas e o prefeito Eduardo Paes do PMDB: Uma olimpiadas não é feita da noite pro dia (ou em 3 meses). Foram 7 anos de preparativos para esta do Rio?” Pra que imaginar, se a realidade do nosso esporte, é a de que: DEPOIS das Olimpiadas de Atenas em 2004 (segundo ano do governo Lula do PT), o governo federal começou a fazer grandes investimentos nos esportes olimpicos; como bem lembrou a Daiane dos Santos nos seus comentarios na globo? Pra que imaginar, se a realidade, é a do BALANÇO FINAL das olimpiadas, onde os organizadores “mandaram um recado para: o governo federal, os parlamentares e até para o povo;” de que não se pode deixar que programas sociais como o Bolsa atleta e o Bolsa podium acabem, pois a imensa maioria dos atletas da olimpiadas recebem essas bolsas, e receberam o Bolsa familia? Por que imaginar, se ATÉ A GLOBO falou da importancia do investimento do governo federal no esporte, quando falou da Inglaterra, segundo lugar no Rio, ter se transformado em uma potencia olimpica; usando uma porcentagem do dinheiro de uma loteria para apoiar o esporte; como os governos do Lula e da Dilma do PT fizeram aqui? -Por que imaginar, se o brasileiro Isaquias Queiroz, maior ganhador de medalha numa só olimpiadas, disse que o sucesso dele se deve ao apoio que teve do governo federal, num projeto de canoagem, no bolsa atleta e no Bolsa familia? -Imagine somente que: O Brasil mostrou pro mundo: que é capaz de promover grandes eventos; que não é um país inseguro ou sem Lei; que não é um país incapaz de combater um mosquitinho da dengue; e que não é um país de selvagens, incapazes de receber com conforto e educação. Tenha apenas A CERTEZA DE QUE A CRIATIVIDADE DOS ARTISTAS BRASILEIROS, deixou o Japão em maus lençóis pois, SERÁ IMPOSSIVEL para o Japão, UM DOS MAIORES DESTRUIDORES DA NATUREZA dar uma resposta positiva à mensagem passada por esta olimpiadas do Rio; bem como, será impossivel para o Japão FRIO E TECNOLOGICO, CRIAR UMA CHIP QUE REPRODUZA UMA ALEGRIA MAIOR DO QUE A TRANSMITIDA PELO CALOR HUMANO DO CARNAVAL DA FESTA DE ENCERRAMENTO. A novela Dilma, pode toda novela reserva grandes surpresas para o seu ultimo capitulo; pois NÃO EXISTE NOVELA em que a mocinha perca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *