Temer descarta "ministro" Mariz para a Justiça

Temer descarta "ministro" Mariz para a Justiça

Antonio Claudio Mariz de Oliveira

Cuidado com as palavras, o peixe costuma morrer pela boca. Este deveria ser o primeiro conselho de advogados a seus clientes. Criminalista veterano, respeitado no meio jurídico, duas vezes secretário estadual, ex-presidente da OAB-SP, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira não seguiu esta regra elementar e acabou sendo destituído por Michel Temer do Ministério da Justiça, antes mesmo de assumir o cargo num governo que ainda não existe, ao dar uma entrevista à Folha, que rendeu manchete na edição desta quarta-feira: “PF não deve mirar só a corrupção, diz favorito de Temer à Justiça”.

O nome de Mariz já vinha sendo contestado por ter assinado, em janeiro, o manifesto de um grupo de advogados que comparou a Operação Lava Jato à ditadura militar. Além disso, é advogado do empresário Lúcio Bolonha Funaro, suspeito de ter pago despesas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e ter cuidado até recentemente da defesa de Eduardo Leite, ex-vice-presidente da Camargo Correa, denunciado na Lava Jato.

Na destrambelhada entrevista às repórteres Bela Megale e Thais Arbex, o favorito de Temer para a Justiça reiterou críticas à Lava Jato e à Polícia Federal: “A PF precisa ter outros focos paralelos à corrupção. O crime organizado está tomando conta do país e as polícias estaduais não dão conta (…) Sou contra a delação nestes termos (da Lava Jato) e, especialmente, a delação do preso. Quem está detido não tem vontade, a vontade é sair da cadeia”.

Antes que o jornal fosse às bancas, ao tomar conhecimento destas declarações, Temer comunicou a assessores que o nome de Mariz de Oliveira, seu amigo pessoal de longa data, estava descartado da possível equipe ministerial que começou a ser anunciada na terça-feira.

A duas semanas da decisão do Senado sobre a abertura do processo que pode afastar a presidente Dilma Rousseff do cargo por 180 dias, Michel Temer mais uma vez se precipitou ao confirmar em entrevista a Jorge Bastos Moreno, de “O Globo”, a indicação dos primeiros ministeriáveis. Assim como o nome de Henrique Meirelles para a Fazenda foi muito bem recebida pelo mercado, a de Mariz para a Justiça foi um furo n´água.

Como diz o caipira, quem fala demais acaba dando bom dia a cavalo. É preciso ter muita calma nesta hora.

Veja abaixo o meu comentário no Jornal da Record News de terça-feira sobre a indicação de Meirelles e outros nomes para um possível ministério de Michel Temer:

6 thoughts on “Temer descarta "ministro" Mariz para a Justiça

  1. Independentemente de Temer ser uma pessoa ‘inviável’ para presidência por uma infinidade de motivos, cabe aqui registrar: quem manda, é a PF ou MPF ou o candidato à presidente?. Seja quem for um candidato não pode jamais estar sujeito à aprovação ou sequer simpatia de “autoridades”, seja do PGR, MP, Janot ou o Moro, principalmente neste momento em eles aparecem muito – e em papel notoriamente controvertido. O que se precisa é restabelecer a democracia e escolha de ministros é assunto em que essas instituições (suspeitosíssimas) não poderiam sequer opinar, tampouco mandar, sob pena de ferir de morte um eventual projeto de governo moralizante. Quem vai ‘mandar’ a final neste país daqui para frente, poh? Atente-se meu povo. Atente-se.

  2. O Michel Temer tem que escolher o melhor dentre todos em todos os sentidos para compor o novo governo!.Depois de apresentar o seu Plano de Governo – Realizar uma AUDITORIA EM TODAS OS ORGÃOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS DO PAÍS! .Também acabar com o patrocínio da Federal da CUT,UNE,CGT e caterva.Com urgência.

  3. O Governo Temer é uma realidade. Até agora, todos os nomes “cotados” trazem muito mais esperança do que a equipe de Dilma. Nunca votei no PSDB, mas é inegável que a Educação brasieira será melhor comandada por José Serra do que por Renato J. Ribeiro (atual Ministro), você sinceramente lembrava deste nome?
    Quanto a Antonio Mariz, a Justiça dá o direito até um criminoso ter direito a defesa. Mariz é advogado de construtoras, pior são os bandidos de uma agremiação política e marginal que estão presos: José Dirceu, Henrique Pizzolato, Delúbio Soares, João Vaccari Neto, e muitos outros.
    Na Economia, Dilma conseguiu parar o Brasil, tirando a autoridade do técnico Joaquim Levy, que desistiu de participar de um governo liderado por uma Presidente ineficaz, e Nélson Barbosa (monetarista, submisso). Será que alguém admitiria Henrique Meirelles sendo pressionado por Lula para colocar a Receita Federal para parar de fiscalizar o Instituto Lula.
    O sonho do PT acabou, Lula tem razão para chorar, será muito dificil um eventual retorno ao poder, agora resta a tentativa de adiantar a eleição.

  4. Temer acreditava mesmo que Mariz , com toda essa clientela que lhe remunera bem e uma banca tradicional , levou a sério o convite ou sugestão de assumir o ministério que operacionalmente pertence às Organizações Globo? Cumpriu sua missão: deu o recado ,que de outra maneira nem figuraria em página,nem linha alguma.

  5. Mariz seria um tiro no pé do Temer,pois ele é critico da lava jato.Depois que o PT não conseguiu melar a lava jato como queria a militância com o JEC nem com o anormal E.Aragão que o Lula queria e foi revelado pelas gravações da PF é game over pro PT,na hora que o supremo enviar o processo do Lula pro Moro é contar os dias pra PF botar ele na cadeia.Vai ser muito legal ver Collor e Lula no xilindró,eram adversários depois se aliaram e vão jogar biriba na carceragem da PF em Curitiba.O melhor é que o PT acabará,junto com os ditos”movimentos sociais”que não representam nem 5% do país.E viva Sergio Moro,aplaudido de pé por onde passa e premiado pela “TIME”.

  6. O cidadão advoga para empreiteiros que estão ou estavam na cadeia e foi sondado para o Ministério da Justiça. Só na cabeça do Temer ou de algum asno que o assessora. Ainda bem que já voltou atrás. Entendo que o Temer tem que se preparar pra assumir o “abacaxi” que a Dilma está deixando e realmente montar sua equipe. O Brasil tem pressa. Quanto mais cedo tirarmos o pé da merda na economia, mais cedo recuperaremos o nível de emprego e retomaremos o crescimento econômico. De todos os nomes ventilados parece me que o mais credenciado é o de Henrique Meirelles. Com certeza o Brasil começaria a ser levado a sério novamente pelos investidores internacionais depois de todas as cagadas da dona Dilma e sua equipe de incompetentes. Agora, a dona Dilma reunir-se na calada da noite, sem agenda oficial, no Palácio do Planalto com o Lula e representantes do MST e MTST é o fim da picada. Realmente esse governo acaba de maneira melancólica. Um investigado por possíveis crimes e dois vagabundos travestidos de justiceiros sociais reunidos com a presidente em vias de ser afastada, na sede do governo, é o retrato fidedigno do status dessa administração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *