Calendário 2016: teremos mais um ano perdido?

Calendário 2016: teremos mais um ano perdido?

 Vera Fernandes/Imprensa PMBP

Com o governo federal completamente perdido e sem qualquer capacidade de reação, além de denunciar o golpe todos os dias, oito ministérios sem ministros, ausência total de articulação política e de iniciativas na área econômica, estamos chegando ao final de abril de 2016 na mais profunda incerteza sobre os dias que virão. Teremos pela frente mais um ano perdido?

Na Câmara, o comandante do impeachment, Eduardo Cunha, já avisou que não vota mais nada enquanto a presidente Dilma Rousseff não for afastada pelo Senado. Como isto só deve acontecer em meados de maio, até lá o país continuará parado.

Aí já estarão chegando as festas juninas e os parlamentares irão, como de costume, para seus arraiais. Em seguida, vem o sagrado recesso de julho. Na volta, começa a campanha eleitoral, que costuma esvaziar o Congresso. Em agosto, teremos as Olimpíadas.

Entre setembro e outubro, o calendário prevê o prazo final do julgamento de Dilma no Senado, no auge da campanha das eleições municipais.E logo termina mais um ano perdido, o terceiro seguido de depressão econômica. Já são mais de 10 milhões os brasileiros desempregados. Quantos seremos no final do ano?

Dilma na ONU

Se a presidente Dilma Rousseff realmente utilizar os cinco minutos a que terá direito de falar na tribuna da ONU nesta sexta-feira, em Nova York, para denunciar o tal “golpe parlamentar” no Brasil, teremos um vexame a nível planetário.

E o que ela vai conseguir com este discurso, qual é o objetivo? Uma intervenção das tropas da ONU no Brasil?

Só faltava isso.

Otimismo e esperança

Em meio a estas reflexões na cidade silenciada pelo feriado de Tiradentes, caiu-me do céu mensagem enviada pelo amigo Chico Alencar, o bravo e raro parlamentar carioca que não nos deixa perder de vez a confiança na classe política, na qual ele reproduz texto de Rubem Alves sobre otimismo e esperança. Veio bem a calhar para encerrar este texto:

“Hoje não há razões para otimismo. Hoje só é possível ter esperança. Esperança é o oposto do otimismo. Otimismo é quando, sendo primavera do lado de fora, nasce a primavera do lado de dentro. Esperança é quando, sendo seca absoluta do lado de fora, continuam as fontes a borbulhar dentro do coração. Camus sabia o que era esperança. São suas as palavras: “e no meio do inverno eu descobri que dentro de mim havia um verão invencível”. Otimismo é alegria “por causa de”: coisa humana, natural. Esperança é alegria “a despeito de”: coisa divina. O otimismo tem suas raízes no tempo. A esperança tem suas raízes na eternidade. O otimismo se alimenta de grandes coisas. Sem elas, ele morre. A esperança se alimenta de pequenas coisas. Nas pequenas coisas ela floresce. Basta-lhe um morango à beira do abismo. Hoje, é tudo o que temos: morangos à beira do abismo, alegrias sem razões. A possibilidade da esperança” (Rubem Alves, 1933-2014).

À noite nos vemos no Jornal da Record News com o Heródoto Barbeiro.

Bom feriadão a todos e até segunda.

Vida que segue.

 

 

 

 

23 thoughts on “Calendário 2016: teremos mais um ano perdido?

  1. Enquanto o povo continua ” otimista ” os golpistas continuarão com a ” esperança ” que o judiciário acovardado aprove seus anseios e que a imprensa esqueça a lava jato e que tudo continue como antes, neste Brasil que veio descobrir a corrupção depois de 502 anos. Viva o Brasil de CUNHA e de dos seus seguidores. Bom descanso e que as vozes do além continuem reproduzindo ” esperanças ” por enquanto presumo chuvas, relâmpagos e trovoadas.

  2. RK, sim mais um ano perdido, seu texto é brilhante, parabéns, principalmente a nossa diva na ONU, mais uma (provável) falando besteira e no vazio – teremos um vexame a nível planetário.

  3. HOJE É DIA DE TIRADENTES – O MÁRTIR DA INDEPENDÊNCIA
    JOAQUIM JOSÉ DA SILVA XAVIER – Nascido em 12/11/1746, criado na Cidade de Vila Rica (atual Ouro Preto), entre outras atividades foi Dentista (que deu origem ao pseudônimo), Alferes do Regimento de Cavalaria Dragões de Minas Gerais e ativista político, participando a partir de 1789, da Inconfidência Mineira, com o objetivo de libertar o Brasil de Portugal, pela cobrança coercitiva exorbitante de impostos (derrama e o quinto) além de outras riquezas enviadas para o continente Europeu. Seu delator, também militar, Joaquim Silvério dos Reis, para galgar beneces junto à coroa, também delatou outros membros da organização, tendo a pena máxima recaído apenas sobre TIRADENTES, que foi executado e esquartejado em via pública, (Campo das Lamposas) por ter assumido toda culpa, em 21/04/1792. Os demais foram chicoteados à vista de todos. HOJE 21/04/2016, embora um país livre, verificamos que os saques continuam, desta feita por brasileiros que surrupiam o suor do povo trabalhador, enviando os valores para o exterior, não para Portugal, mas, para suas próprias contas em países como SUÍÇA, ILHAS CAYMAN, e muitos outros, tão acintosamente a tal ponto que alguns desses países se sintam indignados, informando ao mundo esses fatos, sendo algumas dessas pessoas até condenadas no exterior e procuradas pela Polícia Internacional. Crimes de lesa pátria praticados da mesma forma que no império. Em número multiplicado por várias vezes, também são traidores, corruptos, que têm orgulho da desonestidade, levando vantagem em tudo, com a mesma ilusão: Somar tudo que surrupiou mesmo em detrimento de seus patrícios, os principais prejudicados, pior, ocupando cargos de representação popular. Assinam o atestado de mau caráter de próprio punho, ‘’galhardamente’’, mesmo sabendo que seus descendentes vão reprova-lo um dia.
    –TIRADENTES, aquele que foi justamente contrário à corrupção, à vantagem ilícita e à desonestidade, tem de ser lembrado com todo respeito, no dia de hoje e sempre!

  4. Depois de saldar a mandioca, de criar a figura da mulher sapiens, falar na ONU que a nova alternativa para gerar energia, seria estocar vento…Agora ela vai à ONU denunciar de golpistas as nossas instituições que não curvaram (ainda) ao petismo… Lamentável!
    Meu pai me dizia, que eu deveria ter cuidado com os garranchos…”Meu filho, são os garranchos pequenos que derrubam as panelas…” (esse dito rural, advém da prática dos roceiros, que em seus ranchos, no meio do mato, cozinhavam suas refeições em panelas sobre o fogo feito no chão, e que muitas vezes um simples garrancho virava a panela do almoço do dia… a ‘derrocada” do almoço do dia, não vinha das derrubadas para limpeza do terreno que promoviam e sim de um simples garrancho…”
    Digo isso, por me considerar de alguma maneira frustrado, de ver este desgoverno ser julgado apenas pelos garranchos… Considerando-se todas as falcatruas já feitas, corrupção, desvios, complacência com quadrilhas, etc, e ver a Dilma julgada apenas por crimes fiscais é de alguma maneira frustrante. Se bem, que “São os garranchos que derrubam as panelas”!

  5. Muito bom como sempre RK, mas discordo da parte do vexame: O vexame a nível planetário já é realidade faz algum tempo e não é por culpa exclusiva da Dilma ou do PT. Aliás, muito menos deles – a crise pode ter se inciado por culpa do governo e pt, mas o curso das coisas que deram início a apresente ”surrealidade” de sucessivos acontecimentos sem explicação (por enquanto) e o consequente vexame mundial, isso tudo é por conta da extremada amoralidade dos políticos do caos, da corrupção que continua SIM solta, da inequívoca e esdrúxula parcialidade do judiciário (inteiro quase) e, principalmente, pelas mentiras propagadas insidiosa e criminosamente pela mídia dominante que realimenta essa sequência antropofágica.

    Antes do impeachment a comunidade internacional já via o vexame.

  6. Ano perdido seria a 0 de crescimento , teremos -5 pior que perdido e com sorte .
    A esperanca tem nome ,Temer .
    Lula para Dilma : Po Dilma eu avisei pra fazer um governo socialista . Ela: anhh entendi surrealista.

  7. É estarrecedor ver a Dilma cometer erro em cima de erro numa espiral autodestrutiva que prejudica o Brasil porque ela própria Dilma se odeia. Uma presidente fazer uso de viagem oficial p/ prevaricar e criticar as instituições do próprio país enquanto deixa no Brasil um governo sem OITO ministros (incluindo Casa Civil, Cidades, Integração, MCT etc) é evidência de despreparo, desequilíbrio e falta de dignidade pessoal.

  8. Há males que vem para bem. Com toda essa movimentação política, quem sabe afloram o que foi a venda do patrimônio publico de outrora (privatizações) a preços vis. Quem sabe até um expurgo de nossos ”representantes” que tem recheados contra-cheques, para dar como retorno a inércia em suas ”atividades”, recessos mil, mordomias incalculáveis, e muita corrupção, muitos ”perpetuados” nos seus ”banquinhos” vegetativos, alguns sem saber sequer cantar o Hino Nacional, tampouco a capacidade da apresentação de qualquer projeto de interesse popular. Vamos esperar, sem esquecer que o povo está atento, principalmente no que tange ao que pagam de impostos para tudo isso. É só se fazer uma pergunta: Qual a categoria profissional em nosso país, que ganha vultuosos salários, para ”trabalhar” poucos dias no ano, como nossos políticos que para o povo não em tempo, mas, para a corrupção tem todo tempo do mundo. Pensemos nisso e chegaremos à conclusão que a escravatura ainda não foi abolida.

  9. Com a certeza de ser pesadelo passageiro (jamais motorista), numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Ricardo Kotscho deu por si na cama transformado num gigantesco “Reinaldo de Carvalho”: “Se a presidente Dilma Rousseff realmente utilizar os cinco minutos a que terá direito de falar na tribuna da ONU nesta sexta-feira, em Nova York, para denunciar o tal “golpe parlamentar” no Brasil, teremos um vexame a nível planetário. E o que ela vai conseguir com este discurso, qual é o objetivo? Uma intervenção das tropas da ONU no Brasil?” Eu que digo, “só faltava isso”. PS: (Da série, “Corra, Mestre, corra”) Soube o que houve ontem na Paulista? Não soube, né…, nem poderia, pois à mídia que acessa atualmente não existe o “tal golpe parlamentar” e menos ainda fatos outros, como o ocorrido na Paulista, que mostrem a sociedade brasileira, desperta pela asquerosa e nojenta votação “parlamentar” de domingo, 17 de abril, a escancarar que vem tsunami sem cabresto por aí, que atropelará o “tal de golpe parlamentar” contra a Democracia, que é de fato o que interessa a imensa maioria de brasileiros, que a desejam e os faz unirem-se pelo Brasil, independente que a Globo, judiciário maçônico, parlamento circense e elite do atraso da Casa Grande, pretendam, através da desunião dos brasileiros, para mais facilmente preservarem interesses, entregando o Brasil ao estrangeiro.

  10. A presidenta e os favoráveis à continuidade de Dilma devem, primeiro, entenderem-se sobre se, real e concretamente, acreditam que há um golpe em andamento, adjetivado seja da maneira e ao gosto do freguês. Se há, Dilma teria de proclamar o golpe em alto e bom som, por todo o espectro internacional, já que o fez no âmbito nacional. Se golpe é ou está em andamento, não seria vexame, sob hipótese alguma, a utilização da tribuna dos chefes de Estado para defender os fundamentos da democracia brasileira. Dilma confessou, ao silenciar na ONU sobre o golpe e fazer uso de neologismos bastante tímidos para se referir ao seu processo de impedimento constitucional, que não tem a segurança e firmeza necessárias para justificar a existência de ‘golpismo’ no Brasil. Dilma, cujo coração é havido como valente, claramente amarelou na hora da verdade internacional. Dilma vai mostrando a sua pequena estatura nos dias de hoje da mesma maneira que Lula vem se apequenando com os procedimentos nada republicanos, a respeito dos quais, até os petistas mais figadais sequer alimentam mais dúvidas. A tática narrativa diversionista do golpe da direita faz parte do movimento de retirada para a oposição sistemática e radicalizada que antecipa o carregamento das baterias para, o mais tardar, em 2018, mas também para 2016.
    O melhor caminho para a democracia brasileira passa pelas eleições diretas, a serem realizadas em seguida à saída de Dilma, coincidente com as eleições municipais de outubro de 2016. Apenas o voto popular direto seria capaz de banhar em legitimidade o próximo, ou a próxima, presidente da República.
    Quanto ao tema do ‘ano perdido’, objeto da reflexão do melhor blogueiro do país, não penso que tenhamos perdido (apenas) o ano da (des)graça de 2016. Dilma II catapultou o país para o estado da situação de uma década atrás, em condições piores àquelas existentes no último ano da Era Maldita de FHC. Nenhum presidente, exceto Dilma, recebeu do seu antecessor uma situação de crescimento econômico robusto, distribuição de renda progressiva, inflação sob controle e base parlamentar organizada em torno de ampla maioria congressual. O que Dilma fez com tudo que tinha nas mãos é, para dizer o mínimo, inominável em matéria de inépcia e desídia. Não por acaso, deu no que deu.

  11. Vexame planetário já foi dado e continua . A votação na câmara com meio milhar de oligofrênicos
    em manifestação selvagem faz qualquer Kren Akarore, ser promovido a civilizado do Itamarati.
    Cunha,impune e presidindo, causa espanto e criticas sarcásticas nas rodas internacionais e a atuação da mídia.(as três famílias),incredulidade entre os correspondentes estrangeiros.
    Portanto,Dilma continua sendo,apesar dos esforços acusatórios,vítima nesse kafkiano processo que joga o pais,perigosamente,num enredo de romance sul-americano fantástico à moda Gabriel Garcia Marques,com direito a citações bananeiras.

  12. Com já era esperado a Dona Dilma ficou bem quietinha lá no ONU. Ela sabe muito bem que essa conversinha de “golpe” pode servir pra enganar militante incauto comedor de sanduba de mortadela a fim de que os idiotas venham as ruas pra mostrar pro mundo um pseudo apoio popular, mas, que jamais enganaria uma plateia internacional politizada que sabe muito bem as patacoadas que ela e sua equipe de incompetentes aprontaram nas contas públicas achando que o dinheiro do brasileiro pertence a ela e a seu partido e sua base aliada de ladrões. Fique bem quietinha Dona Dilma e saia de fininho com o mínimo de dignidade que ainda lhe resta. Passe o bastão para os ladrões que ainda tem alguma credibilidade pra tentar resgatar a economia do País. Depois, em 2018, a população decide quem vai tocar o País nos próximos anos. Mais um ano perdido Kotscho? Mais uma década perdida isso sim.

  13. Kotscho, essa paradeira é tudo que a oposição tucana queria e conseguiu provocar. A única alternativa é o governo lembrar aos quatro cantos do planeta o golpe real que foi armado sem qualquer motivo. O ex-ministro Joaquim Barbosa (até ele) declarou hoje que esse impeachment está muito mal embasado e que não há motivo para derrubar um governo legitimamente eleito, embora pregue novas eleições. Claro que elas tem que vir, mas em 2018. Será que o PSDB aguenta esperar tanto?

  14. No Brasil temos 35 partidos políticos com registro no TSE, e, pode chegar a 73 partidos! Cada vez que vejo na Internet e na TV um partido convidando as pessoas para se filiarem em seu partido por serem melhores, diferentes, competentes e com uma missão e uma ideologia aprimorada, eu pergunto: Hã?

    Os partidos políticos no Brasil não passam de um amontoado de pessoas líderes de líderes de líderes, com a posição imediata de participarem dos pleitos eleitorais sem nada quererem dos seus partidos que não seja: tempo de TV e rádio, créditos do fundo partidário e pegar emprestado o prestígio dos líderes supra conhecidos.

    Fico imaginando o que pensaram as pessoas que criaram e redigiram os programas partidários e seus objetivos, ideologias e prioridades. Quanta criatividade para que pareçam originais e justifique suas criações. Pura peça demagoga, já que em nossa Constituição e em leis como o ECA, já são contemplados com a obrigatoriedade do Estado, a totalidade do que conceitualmente prometem lutar.

    Partidos políticos, como MDB e a Arena, dividiam opiniões em torno de questões programáticas. Hoje os partidos dividem as opiniões em torno do carisma e poder dos seus membros.

    Os respectivos eleitores seguem as idéias de quem: Cristovam Buarque ou PPS ; Ronaldo Caiado ou Democratas; Alvaro Dias ou PV; Ana Amélia ou PP, Magno Malta ou PR; Lúcia Vânia ou PSB; Blairo Maggi ou PR; Romário ou PSB e todos os outros Senadores.Na minha opinião, os únicos Senadores que tem Partido são os Senadores Reguffe e Walter Pinheiro, que neste momento não são filiados a nenhum partido.

    Lembrando que a Organização com registro partidário no TSE que mais parece um Partido, se revelou como uma organização para outros fins. PT saudações!

    De duas, uma: ou somos um país tão diversificado e incapaz de coagular planos e idéias e grandes blocos, ou realmente nossos legisladores, querendo ser espertos e velhacos se tornaram ridículos e pequenos na inteligência e no apego aos interesses da nação.

    Com o pouco que escrevi, aos pedaços, a questão que tenho é: qual a razão para não autorizarem através de uma lei as candidaturas avulsas, sem a obrigatoriedade da filiação partidária? Não venham me responder que é para fortalecer os partidos, ou trincados, ou trincados rachados.

    Sérgio Alberto Bastos da Paixão

  15. Todas as vezes em que tento voltar a este blog, me deparo com o seu responsável, Ricardo Kostcho alimentando a sede dos golpistas por chegar ao poder, sem um único voto. “Que tristeza que nóis sentia…”a

  16. …só pra dar uma risadinha Ricardo…o Temer parece que vai ter que montar um governo com os “notáveis” do congresso. Pelo andar da carruagem LULA volta antes de 2018.

  17. Dilma teima numa permanência com ministérios vazios,recordes de desemprego, debandadas de aliados ,Lava Jato nos calcanhares,impopularidade e corrupção sem precedentes, economia paralisada….
    Sua alienação da realidade só nos impõe sacrifícios e mantém acesa a crise política e econômica.
    Infelizmente a leitura desse momento escancara somente sua enlouquecida compulsão pelo poder que se esvai dia a dia.

  18. Não sei se estou me transformando num pessimista, mas, por tanto ódio demonstrado na política, bem como o ”avanço” feroz pela gana do poder e pela perda da vergonha de ser corrupto, orgulhando-se da desonestidade, os políticos às gargalhadas sarcásticas escarnecendo da sociedade, chego à ”desconfiar” de um prenúncio de uma nova ditadura neste país. Deus permita que eu esteja errado.

  19. Governos anteriores, mantiveram um salario tão aviltado, venderam tudo o que puderam e nem um sanduba de mortadela ”peito de perú” (quem é do tempo sabe o apelido desse ”sanduba”) deram para o povo. E mesmo sem assumir ainda, já prometem ”privatizações”, apertos ”significativos” na previdência e há aqueles que ainda dizem como o deputado ”jeguinho” (não passa disso, mesmo) que irá apresentar um projeto proibindo que se lecione sobre política nas escolas…É mesmo um jegue, (que me desculpem tais animais). Jamais chegara à cavalo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *