De cara nova, Balaio vai ter mais interação

De cara nova, Balaio vai ter mais interação

Caros leitores,

como vocês podem ver, o Balaio está de cara nova.

Em seu oitavo ano no ar (estreou no IG em 2008), há quase cinco aqui no R7, já estava na hora de dar uma reformulada no blog, com a ajuda da equipe do portal, incorporando novas ferramentas para facilitar a interação com vocês. Agradeço a todos os colegas que contribuíram para que isso se tornasse possível.

As principais novidades vocês podem encontrar na coluna à direita, abaixo do meu perfil: os endereços do Facebook e um novo e-mail para que os internautas possam mandar não só seus comentários, mas também colaborações em textos, videos e fotos, com lugares e personagens que não estão na mídia.

balaiodokotscho@gmail.com

facebook.com/balaiodokotscho

O principal objetivo das mudanças é abrir o leque de assuntos, mostrando fatos e histórias da vida real, longe dos palácios e dos gabinetes. Num País tão grande como o nosso, não é humanamente possível para um repórter ou blogueiro acompanhar tudo o que está acontecendo. E é impossível que não aconteça nada de novo e de bom de um dia para o outro que mereça ser contado numa terra generosa como a nossa onde vivem mais de 200 milhões de habitantes.

Faço um apelo a todos vocês para que aproveitem a oportunidade dada por estes novos espaços criados para estimular o debate, a discussão e a troca de ideias, com argumentos e não com a troca de ofensas, como tem acontecido nos últimos tempos.

Gostaria de saber o que vocês acharam desta nova proposta do nosso Balaio, enviando críticas e sugestões para que a gente possa ir aprimorando o uso das ferramentas e tornar mais agradável e útil nosso encontro de todos os dias.

Para começar bem, a nossa primeira pauta pode ser esta: relatar o que as pessoas comuns estão fazendo no seu bairro, na sua cidade, para enfrentar a crise, com soluções criativas e iniciativas inovadoras que possam servir de estímulo a outros internautas. Eu mesmo vou voltar a procurar estas histórias, como fazia no começo do blog.

Tanta coisa mudou neste período em que o Balaio está no ar que precisamos todos nos adaptar aos novos tempos.

Sempre é tempo da gente se reinventar e buscar novos caminhos, mantendo os velhos princípios de fazer do jornalismo um instrumento não só para informar e opinar sobre o que está acontecendo, mas para melhorar a vida de todos.

Vida que segue.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

22 thoughts on “De cara nova, Balaio vai ter mais interação

  1. Parabéns. Visito este portal diariamente. Este é o caminho; jornalismo de acordo com os acontecimentos na vida das pessoas mesmo que elas nunca estejam diante de uma câmara ou de um microfone.

  2. Parabéns meu caro kotscho, pelo sucesso do balaio. No entanto não saberia eu sugerir nesse momento um tema, fora do contexto politico, pois parece que tudo ainda passa pelo “mal que a imprensa tradicional tem feito ao Brasil ao longo dos anos”. Imagine, que até quando se fala “no chamado mal do seculo que é a depressão”, até mesmo isso poderia ser associado à imprensa, pois ao ser irresponsavel, e passar as informações erradas como as de não dizer que “a crise não é brasileira e sim uma crise mundial; ou de que mesmo diante da crise mundial, o Brasil segue de maneira calma pois TODOS OS INDICES do governo Dilma do PT são melhores do que do governo do Fernando Henrique Cardoso do PSDB;” a imprensa tradicional, acaba contribuindo para o pessimismo e a desesperança, o que pode levar “ATÉ A MORTE” de pessoas menos esclarecidas, que não se preocupam em pesquisar para saber “a verdade” sobre a situação do Brasil atual em relação ao mundo. Um outro exemplo que mostra a disparidade entre o que fala a imprensa para a realidade, é que ontem o Padrão Globo de Jornalismo, “Fez uma festa danada com a noticia de que a agencia internacional moodys rebaixou a nota do Brasil, de país bom para se investir e bom pagador; e no entanto; o mercado financeiro mostrou confiança no governo Dilma, onde o dollar que a midia esperava que iria disparar, acabou caindo ontem e continua caindo hoje”. Sendo assim Kotscho, se pudesse sugerir um tema para o Balaio, eu sugeriria: “Qual seria o impacto da imprensa no emocional das pessoas”. Um abraço.

  3. chega de politica, governo/oposição, saco de gatos, e o povo que se vire. dublado/legendado, vi um artigo em que o assunto está virando luta de classes, rico que legenda, pobre quer dublagem, com a tecnologia disponivel acredito que se possa satisfazer a ambos, estão esquecendo dos deficientes visuais, que, obvio, preferem dublagem e os deficientes auditivos preferem legenda. será que é tão dificil satisfazer a ambos ou será que no brasil (minusculo mesmo) até isto vira problema social ? qual a sua opinião ?

  4. O que esta acontecendo na Argentina é o sonho dos coxinhas, literalmente não tem governo, O Aécio de lá esta fazendo coisa do arco da velha, num canetaço nomeou Min.da Suprema Corte, ressuscitou a midia amiga, aumentou tarifas publicas entre elas a energia eletrica em 700%, liberou a importação de carros e motos, o produtor pode exportar trigo sem pagar imposto, (diga-se, medidas que beneficiam o Brasil) diminuiu a alicota de IR pessoa fisica de aprox.18.000 cidadãos imaginando com isso aumentar a massa salarial, mesmo assim a inflação explidoiu, e deu no que deu, greves e protestos diarios por todo pais, popularidade do governo em queda livre. O POVO é politizado, acho que em breve haverá o primeiro “inpitin” na historia da Argentina.

    1. Cesar T,
      por acaso você leu o que escrevi hoje neste post?
      O que o teu comentário tem a ver com o texto?
      Será que você só sabe falar dos coxinhas?
      Ricardo Kotscho

  5. Ricardo, fico muito feliz em ter você também nas redes sociais, por meio do Balaio. Penso que um blog como o seu só tem a ganhar com esse dinamismo, esse debate, essa interação. Minha sugestão é para que você cogite fazer comentários em vídeo com alguma frequência. De vez em quando, ou uma vez por semana, meter aqui um editorial em vídeo, falando pra câmera do celular, por um ou dois minutos, pra gente ouvir sua prosa, sempre tão rica quanto seu texto. As coisas que você fala no jornal do Heródoto também deveriam ganhar maior visibilidade nas redes, adaptadas ao formato e ao público do Balaio.
    Por fim, tem um parágrafo ali em cima que diz assim: “Tanta coisa mudou neste período em que o Balaio está no ar que precisamos todos nos adaptar aos novos tempos.” Tomo a liberdade de pensar que seu comentário também poderia ser sobre o Brasil. Tanta coisa mudou nesses oito anos que, sem dúvida, precisamos todos nos adaptar aos novos tempos. Pro bem ou pro mal.

  6. Parabéns pelas mudanças, e percebe-se que mudou para melhor! Só lamento, que no primeiro Post em seu novo formato, tenhas permitido a postagem tão torpe do ênio, que na tentativa de contrapor um comentário meu, postara um comentário com linguagem enviesada, maldosa, danosa ao debate minimamente civilizado que deveria ser. Até respondi à altura, mas apesar de lamentar que não tenhas postado, compreendo que não contribuiria muito. Fica registrada a ninha decepção!
    Em tempo, FALTAM 17 DIAS para o dia 13 de março!
    #OuVocêVaiOuADilmaFica!

    1. “Que pasó”, Gilvan ??? Perdestes o senso de humor ??? É certo que as pessoas que vão para as ruas nas manifestações amarelas tipo as que tu vem usando o Balaio para conclama-las não tem nenhum. É só ódio e raiva o que se vê. Só vão lá pra xingar, espancar qualquer um que use roupa vermelha e pedir a volta da ditadura. Mas creio eu que tu é melhorzinho que eles, ou estou enganado ???

  7. Dalagnol quer mover o mundo, o Moro é o homem de preto, o Japa da PF é estelionatário, porém já estão se achando Deuses da Justiça, só tem um probleminha aí, esses mesmos não conseguem nem descobrir que é dono de um jatinho que valia 20milhões de dólares, não conseguem descobrir quem é o verdadeiro dono de meia tonelada de cocaina, não conseguem recuperar uma ilha brasileira de preservação ambiental permanente de uma firma do exterior,, se a nossa valorosa PF e os Deuses Justiceiros Moro e Dalagnol não conseguem nem isso, então entreguem aos orgãos competentes como Aeronautica, Marinha e INTERPOL
    Dalagnol e Moro são piadas e estão cuspindo para cima.
    Querem meu CPF… para futuros processos…

  8. Ricardo, que bom a gente ter agora este espaço. escrever sobre o que não aparece na midia. nesse sentido, quero falar de uma pessoa que se tornou muito especial para mim, ao ler seu livro “meus desacontecimetos” sobre a infância dela lá em Ijuí, no Rio Grande do Sul.
    levei algumas coisas para minha terapia e isso me ajudou muito. ela é a grande repórter Eliane Brum, que escreve sobre as pessoas que não tem voz, que não são notícia. se matam alguém num bairro razoável de nossas grandes metrópoles, a midia faz um escândalo. no caso do pobre, sua morte só aparece quando acontece uma chacina que gere escândalo. quero então recomendar aos leitores do Balaio que entrem no blog (ou site?) da Eliane, chamado exatamente desacontecimentos.com comecem como eu a ler seus livros. só um trechinho do livro “meus desacontecimentos”: …escolhi viver sem fronteiras definidas, nações não me interessam, limites só me importo com os da ética. tenho um coração andarilho, um corpo mutante, uma mente transgênera… sou todas as cores, todos os sexos, todas as línguas, sou palavra em palavras”. ela diz que a escrita a salvou do caos. ao buscar o que não está na midia, os desacontecimentos, ela se parece com você, não acha??? aliás, vocês são amigos, não??? você é aquele cara que vai num baita comício das Diretas Já e faz matéria com o pipoqueiro. beijos saudosos. Vanda.

  9. Parabéns pelo novo portal, Kotscho……… Em tempo, FALTAM 17 DIAS para o dia 13 de março! #OuVocêVaiOuADilmaFica!…..podem vir também todos os petistas insatisfeitos com a governAnta, serão bem recebidos, só não será servido pão com mortadela e tubaina.

  10. gente, no blog do Nassif, há uma coisa muito salutar. um cantinho no qual as pessoas postam músicas. espero que não fiquem chateadas/os, mas estou encaminhando a música “pra que chorar”, do Baden e Vinicius, cantada pela Mart’nália. acredito que boa parte de vocês talvez estejam vivenciando a mesma crise política e EXISTENCIAL que eu. pra que foi que me doei tanto??? penso, penso, penso. e acabo fazendo um balanço positivo. fiz o que era possível. mas o mais salutar e terapêutico para mim é entrar no youtube e cantar junto um samba rasgado como este. aí acabo chorando, lavando minha alma. e fico melhor para começar ou continuar o dia.
    espero que esse link abaixo abra direito. senão, entrem no youtube que vale à pena. beijos. Vanda.

  11. Kotscho: beleza, mas ponha o cavalinho andando, novamente, no alto da página. Muitas e muitas vezes o que me acalmou o ânimo foi ver o pocotó-pocotó do burrico, te carregando e junto carregando a vida que segue.

    1. Ricardo, como o Cláudio Pereira, também estranhei um pouco o cavalinho desenhado pelo Paulo Caruso estar parado. achei interessante, Cláudio, você se acalmar com o pocotó, pocotó do cavalinho. mas também pensei em outra hipótese. a de que o cavalinho está parado porque talvez tenha se cansado de tanto pocotó nessa vida. fiquei imaginando que, com a abertura do balaio para colaborações, talvez o Ricardo queira reduzir um pouco seu ritmo. assim, teria mais tempo para apurar matérias tão lindas como a da Rosa do Dog. além de largar o blog por algumas horas pra tomar um chopinho com velhas e velhos amigas/os. beijos. Vanda.

  12. Parabéns Ricardo por não ficar parado no tempo. E parabéns ainda maiores por tentar abrir espaço para assuntos que saem um pouco da mesmice da crise e da guerra política que assola o país. Espero que tenha muito sucesso nessa nova tentativa de diversificação da pauta. Depende de cada um de nós.

  13. como enfrentar a crise??? quem canta seus males espanta, diz o velho e sábio ditado. nada como abrir a música do link abaixo e cantar a plenos pulmões a parte da letra em português. se a emoção vier e você chorar, melhor ainda. fica de alma lavada por umas boas horas. trata-se de uma música do movimento “playing for change”. seu nome é “Satchita”, mas prefiro logo apelar e chamar de “Peço a Deus”, embora eu não tenha religião. é com esse grito guerreiro que a Sandra Sá abre o vídeo. beijos e bom final de semana. Vanda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *